ABI - Associação Brasileira de Imprensa

ABI - Associação Brasileira de Imprensa
Liberdade de Expressão e Ética

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Video do Tavares que trabalha no posto Br Cenntro

Chove no molhado

O tão aguardado encontro entre os representantes da Casa de Saúde Stella Maris e a Administração Municipal de Caraguá em uma rádio da cidade não surtiu os resultados esperados pela população. A propaganda foi maior do que efetivamente a solução dada.
A direção da Casa de Saúde, que durante toda semana “esperneou” com relação aos investimentos, na hora do “vamos ver” e na frente do prefeito Antonio Carlos da Silva (PSDB) não fez nenhuma argumentação e muito menos questionou a transferência do Pronto Socorro da unidade para o Município.
Depois de muito blá, blá, blá, e da argumentação do prefeito de todos os valores que vem sendo repassado para o hospital desde o primeiro ano de seu mandato, a direção da unidade teve de se conter com a sugestão de Silva em buscar união de forças para angariar dos governos Estadual e Federal mais recursos para a Saúde.

Compromisso

Ao término do tão falado encontro, de concreto mesmo só saiu o compromisso assumido pelo vice-prefeito Antonio Carlos Junior (PSDB) de fazer uma visita à unidade hospitalar para verificar realmente quais as necessidades e dificuldades enfrentadas pelo hospital. A reunião deverá ser realizada amanhã e o horário ainda será definido.

Conversa fiada...

A secretária municipal Solange Ramos pediu ao prefeito sebastianense, Ernane Primazzi, que olhasse com cuidado para as pessoas que ele ofereceu cargos de confiança em sua administração. Segundo ela, muitos irão traí-lo durante sua campanha de reeleição. Inclusive Solange contou que o prefeito fez uma reunião com todos os seus funcionários e que nesta reunião pediu aos que não fossem apoiá-lo, que deixassem o cargo. Porém, a secretária afirma que essas pessoas nunca vão deixar de mamar na teta.
A chefe da secretaria de Administrações Regionais Centro reafirmou seu total apoio ao prefeito Ernane. E disse que se a população está descontente com o prefeito, é preciso entender que os culpados por esta insatisfação são essas pessoas que estão ocupando cargos de confiança, e estão prejudicando a imagem do prefeito.

Retorno

De acordo com as declarações de Solange, ela vai se despedir da Seadre no próximo dia 4 de abril, e reassumirá sua cadeira de vereadora na Câmara, pois é quando acaba o prazo para que eu possa pleitear sua reeleição como vereadora. Ela ainda mandou um recado aos seus inimigos políticos dizendo estar preparada para lutar.
Ela revelou ainda que foi sondada para ser vice-prefeita, mas, segundo ela, o vice não tem autonomia nenhuma. E que no dia em que se encontrar um vice com nome de praça ou rua as coisas podem mudar

Política

A recém-formada Associação da Frente Política Evangélica de São Sebastião diz ser uma organização que se propõem a acusar e condenar abusos. Como também se coloca a defender e elogiar o que é bom na administração de qualquer gestão política. Ainda se define como uma organização pluripartidária. O presidente da associação, José Donizetti, revelou já ter sido procurado por alguns pré-candidatos à prefeitura sebastianense.
Porém, adianta que irá avaliar qual candidato das eleições deste ano apresenta melhor proposta ao segmento evangélico da cidade. Todavia, mesmo o vice-presidente, o pastor Vladimir ter familiares na atual Administração, o pastor Donizetti, que também é chefe de Divisão das Regionais Centro – Costa Norte, além de responsável pela parte elétrica do Poder Executivo, garante a imparcialidade na avaliação de quem a associação apoiará nas Eleições 2012.

Mais pesquisa

A cúpula do PSDB no Litoral Norte parece estar sorrindo à toa. É que, segundo algumas fontes, as pesquisas, embora não oficiais, têm mostrado que os tucanos estão aparecendo. Ainda faltam mais de nove meses para as eleições e muita água ainda vai rolar. Oficialmente, os números só podem ser divulgados com as pesquisas registradas no cartório eleitoral.
O que se sabe é que muitos partidos têm feito suas sondagens nas cidades litorâneas com o objetivo de saber com o andam suas forças. Uns gostam dos resultados, outros sabem que precisam trabalhar muito mais. Há aqueles que acham que os números estão equivocados. E assim vai até o dia 7 de outubro.

Combate a incêndio

A Transpetro realiza hoje, o segundo treinamento da Brigada de Combate a Incêndio no Terminal em São Sebastião. No início da tarde, ocorrerão exercícios com extintores e mangueiras em área interna, perto da Serra do Mar. Uma coluna de fumaça poderá ser visível em diversos pontos da cidade. Até março, mais três exercícios semelhantes estão programados. As atividades seguem rigorosos padrões de segurança e não há riscos à população.

Sindserv

A Comissão de Educação do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de São Sebastião se reúne hoje, na subsede do Sindicato, em Boiçucanga. O presidente da comissão, professor Rafael Correa de Aquino, afirma que nesta reunião serão discutidos assuntos referentes ao Estatuto do Magistério, cujo projeto de lei complementar está em fase de conclusão pela Prefeitura.

Baile de Máscaras

O Centro de Apoio Psicossocial de Ilhabela realiza hoje o 1º Baile de Máscaras da entidade, das 10h às 14h, na quadra de esportes do Perequê, próximo à Secretaria da Saúde. O evento vai reunir cerca de 80 pessoas atendidas no Caps e na Apae da cidade. O baile é aberto a todas as entidades e vai comemorar o Carnaval, além de promover a interação e socialização dos pacientes.

Sessão terá hoje apelo ao prefeito e requerimentos sobre pagamento de indenizações a funcionários da Câmara

A segunda sessão ordinária do ano apresentará hoje moções e proposituras endereçadas aos poderes Executivo e Legislativo. Tanto no Expediente, quanto na Ordem do Dia, o vereador Paulo Henrique (PDT), o PH, protocolou moções de apelo ao prefeito, Ernane Primazzi. Só na Ordem do Dia, há três leituras de moções endereçadas ao chefe do Executivo. No Expediente, há mais três, entre eles o que solicita a implantação de unidade do Conselho Tutelar na Costa Sul do município. Entre os requerimentos estão as de Maurício Bardusco (PPS) que requer em 48 horas informações sobre o Decreto de Resolução 007/2011e pagamentos de indenizações a servidores da Câmara.
Ernaninho Primazzi (PSC), o Ernaninho, apresentatambém hoje proposituras que reitera a cobrança de informações. Ele volta a solicitar informações à Gerência dos Correios de São Sebastião, sobre os serviços prestados no Bairro Olaria, Região Central da cidade. Outro pedido de informação é endereçado Departamento de Estradas de Rodagem(DER), para encaminhar profissionais para análise técnica no trecho da Rodovia no Km 118, no Bairro São Francisco, Região Central. Já entre as proposituras de Amilton Pacheco (PPS) esta a que “solicita informações sobre as oficializações das ruas propostas no ano de 2009 no bairro Boiçucanga”.

Em Caraguá esta faltando.....

Evangélicos se organizarem políticamente...

Evangélicos se organizam em Frente Política

Os evangélicos da cidade já têm representatividade quanto a discussões políticas no município. Mesmo sem a maioria ter conhecimento, esta sendo formada Associação da Frente Política Evangélica de São Sebastião (Asfrepess).
O presidente da associação, o pastor José Donizetti da Silva procurou a reportagem para revelar a formação da frente e justificou a necessidade da representação em razão do número de evangélicos sebastianenses. “Hoje somos 25 mil evangélicos. Isso corresponde a cerca de 30% da população”, afirma o presidente. Apesar da associação estar ainda se formalizando, Donizetti garante que já existem cerca de 300 interessados na proposta. Desses existem 17 pastores que dão aval a ação.
“Já temos problema para se reunir”, conta Donizetti ao se referir à falta de espaço em comércio local, frente ao número de interessados na associação, que dará entrada em cartório nesta semana. “Estaremos protocolando o estatuto em cartório e daqui uns 20 dias estará oficialmente formada a associação”, conta.
De acordo com a diretoria, que conta com o pastor Vladimir Carlos Silva Gouvêa como vice-presidente, a associação surge da necessidade de expressão da identidade do segmento nos aspectos políticos e administrativos da cidade. Além do fato de não haver nenhuma associação que represente politicamente os evangélicos, principalmente daqueles que se envolvem na corrida eleitoral. O foco do trabalho será o eleitor e a eleição de candidatos evangélicos. Donizetti cita ex-políticos que representaram o segmento, como o vereador por quatro vezes, Joel de Matos, além de Marcos Fully e Marcos Leopoldino. “Se a associação existisse na época deles, teriam ascensão política enorme”, garante o presidente da frente. “É um trabalho de conscientização da grandeza que nós somos”, avalia.
Ele revela que formar a associação em 2012 é estratégico. “Por ser ano eleitoral é uma oportunidade para chamar a atenção. Agora é o momento”. Além de revelar a pretensão em apoiar até quatro candidatos a vereança local. Para Donizetti a associação terá um futuro próspero. “Somos um volume grande. Podemos até fazer um prefeito em São Sebastião”, aspira.
Perguntado se não seria arriscada a ligação Igreja-Estado, Donizetti diz que não, por existir leis que protegem os limites tanto da Igreja quanto do Estado. “Não concordo com a política na igreja, mas sou a favor da igreja na política. Pois, chegou a hora e vez de termos a vez e a voz”, afirma.
O vice-presidente conta que a associação foi criada inspirada nos trabalhos da bancada evangélica no Senado Federal. E a recém associação política evangélica de São Sebastião já tem o primeiro compromisso marcado para representar o segmento. Hoje, a Asfrepess participará de um café da manhã em Caraguá, entre pastores, promovido pela Comissão Evangélica do PSDB.

Ações de controle à dengue em marinas e locais de risco encontram mais de 170 criadouros com presença de larvas

Maior positividade aconteceu na região central da cidade

Teve início ontem, uma operação intensificada de controle da Dengue no município, mais uma ação da Administração Municipal de São Sebastião, através do departamento de Vigilância Epidemiológica da Sesau (Secretaria da Saúde).
Até o dia 2 de março cerca de 35 profissionais treinados sairão diariamente da Casa de Coordenação ao Controle da Dengue ‘Laís Helena Ferreira Santos’ para realizar ações em toda a área central da cidade até o maior complexo populacional constituído pelos bairros da Topolândia, Olaria e Itatinga.
A operação especial leva em consideração o resultado de 3,7 da Avaliação de Densidade Larvária, na qual se detectou 172 criadouros com presença de larvas, sendo 47 deles com a presença de larvas positivas para Aedes Aegypti. Este quadro teve sua maior positividade na região central da cidade – fato determinante para delimitar a ação.

Marinas

No último sábado, foi realizada uma operação especial nas marinas localizadas na região central da cidade, onde agentes colheram amostras de larvas retiradas de água acumulada em embarcações.
Foram visitadas um total de seis marinas e em quatro delas foram encontradas larvas do mosquito transmissor da dengue, num total de 67 larvas do Aedes
Aegypti. Os locais receberam orientações dos agentes e têm um prazo de cinco dias para tomarem as devidas providências.
Nos próximos dias, outras marinas receberão a visita dos agentes que, ao final do prazo estabelecido, também retornarão aos locais infectados para verificar se as providências foram tomadas. Em caso negativo, a marina infratora receberá uma notificação oficial.

Atividades

Na programação, está o reforço das atividades educativas, como colagem de cartazes, orientação em todos os comércios e distribuição de material educativo em locais públicos com grande fluxo de pessoas, como pronto atendimento, parada de ônibus, rodoviária, entre outros.
Será feito um arrastão com visita domiciliar em todas as residências, retirada de criadouros e entrega de material educativo, além de telagem de caixas d’água e vistorias em calhas com acúmulo de água.
A Sesau também tem intensificado as parcerias com outras secretarias e órgãos de limpeza pública, e inclusive solicita máquinas e caminhões para limpeza de locais críticos.
O CCZ (Centro de Controle de Zoonoses) monitorará todos os bueiros com acúmulo de água da área central. Haverá também um amparo maior em pontos estratégicos, como depósitos de sucata, marinas e floriculturas. Atualmente, a dengue é uma das principais endemias brasileiras, em razão do alto número de pessoas acometidas por ano em praticamente todo território nacional.
A falta de uma vacina que possibilite a imunização da população exposta, aliada à grande adaptação dos mosquitos vetores ao ambiente urbano, dificulta o controle dessa endemia.

Justiça proíbe a canção "atirei o pau no gato" por causa da violência da música Para evitar de ter que mudar os livros o Ministério da Educação pretende recorrer da sentença

Cantar para a criançada a música "Atirei o pau no gato" está proibido. A justiça entendeu que a letra é violenta e estimula as crianças a tacarem um pau no gato, sobre a fantasia de que o bichano não morrerá porque tem sete vidas.

Veja a letra da música na íntegra:

Atirei o páu no gato tô tô
Mas o gato tô tô
Não morreu reu reu
Dona Chica cá
Admirou-se se
Do berro, do berro que o gato deu
Miau!


A Associação protetora dos animais foi quem pediu a justiça a proibição da canção. "Precisamos ensinar as crianças a cantar algo que não contenha violência na letra, e a música atirei o pau no gato, além de violenta é preconceituosa", disse um presidente da Associação.

O Ministério da Educação disse que vai recorrer da decisão, para não ter que alterar os livros de historias infantis, que contém a música.




Para evitar de ter que mudar os livros o Ministério da Educação pretende recorrer da sentença

Globo proíbe Quinzé de beijar a irmã Amália durante o carnaval na Bahia Atores são proibidos de se beijarem no carnaval porque são irmãos na novela Fina Estampa

Malvino Salvador e Sophie Charlotte são namorados, mas na novela Fina Estampa são irmãos. Para que as pessoas não confundam, nem Tereza Cristina resolva usar o casal para atormentar Griselda, a Rede Globo decidiu proibir Quinzé de beijar Amália, durante o carnaval em Salvador.

De acordo com a nota da TV Globo, eles só poderão voltar a namorar depois que a novela Fina Estampa terminar. Segundo os sites de fofocas, que falam de TV, artistas, celebridades e ex-bbbs, a vilã da novela, Tereza Cristina, teria sondado se Quinzé anda se agarrando com Amália nos corredores do Projac.

"A Globo quer evitar que a vilã de Fina Estampa fotografe os irmãos se beijando", disse a Assessoria da Globo.





Atores são proibidos de se beijarem no carnaval porque são irmãos na novela Fina Estampa

Marcos Valério reúne Dirceu e Delúbio para comemorar a decisão da Justiça



Condenado a mais de 9 anos de prisão, Marcos Valério reuniu os colegas Dirceu, Delúbio Soares e outros ligados ao PT para comemorarem. Afinal, sonegar 90 milhões de reais – dinheiro para ficar rico pelo resto da vida – e ser condenado a tão somente 9 anos de prisão, com direito a aguardar os recursos em liberdade, podendo ainda ter a pena reduzida e a liberdade de "dá no pé", ou seja, fugir, merece realmente uma comemoração.


Embora os brasileiros tenham ficado satisfeitos com a decisão da Justiça, o empresário Marcos Valério ficou ainda mais, visto que, a condenação de nove anos, não significa que ele passará nove anos na cadeia, pelo contrário, as chances dele ir passar uma temporada no xilindró são mínimas.


Enquanto os recursos não são julgados, com o dinheiro que tem no bolso, Valério poderá ir morar vizinho ao ex-médico Roger Abdelmassih, sabe-se lá a onde.


Marcos Valério não teve dúvidas, escolheu a melhor marca de champagne para comemorar o início de carnaval com uma boa notícia.






Marcos Valério curtirá o Carnaval ao lado dos amigos da época do mensalão com muito champagne para comemorar

Afrah Modas tem novidades para você!!!!


Em clima de disputa, bancada do PT decide destino de Marta no Senado

Venha com a gente!!!!

Justiça suspende direitos políticos de ex-prefeito Luiz Paulo Conde

O ex-prefeito do Rio Luiz Paulo Conde teve seus direito políticos suspensos por cinco anos por improbiedade administrativa. Conde, que atualmente consta como membro do conselho de administração e fiscal de Furnas, foi condenado por ter instalado, sem licitação, 55 outdoors e painéis luminosos ilegais durante sua administração. Na decisão da juíza Simone Lopes da Costa, da 10ª Vara de Fazenda Pública, além dos direitos políticos suspensos, Conde terá que pagar uma multa que equivale a cem vezes o valor de seu último sálário como prefeito, além de ficar proibido de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais, direta ou indiretamente, durante três anos.
"No caso dos autos, há referência a elementos subjetivos que caracterizaram a má-fé dos agentes, eis que, conforme relatório de vistoria do GATE - Grupo de Apoio Técnico do Ministério Público Estadual (...) todos os locais vistoriados e autorizados para as empresas em tela, caracterizam-se como localização irregular para a implantação de painéis publicitários, tendo em vista o disposto no Art. 23, incisos II, V e VI da Lei Municipal Nº 1.921/92 e o Art. 463, §5º, incisos I e II da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, o que por si só justifica a condenação", diz trecho da sentença da juíza.
A representação contra Conde foi feita em 2003, pelo Grupo Ação Ecológica (GAE), e a denúncia foi feita pelo Ministério Público. À época, eles acusavam o ex-prefeito de não ter retirado os painéis espalhados pelos canteiros centrais das avenidas Ayrton Senna e das Américas, na Barra; no entorno da Lagoa Rodrigo de Freitas; e nas proximidades do acesso do Túnel Rebouças.
A decisão foi em 1º instância, e o ex-prefeito ainda pode recorrer.

Senador Crivella propõe exigência de inspeções periódicas em edifícios antigos

Acidentes como o desabamento de três prédios no Centro do Rio de Janeiro, na noite de quarta-feira (25), poderiam ser evitados caso as edificações fossem submetidas a vistorias periódicas, opinou o senador Marcelo Crivella (PRB-RJ). Para o parlamentar, a tragédia deve motivar tramitação em regime de urgência de projeto de sua autoria (PLS 491/2011) que determina inspeções a cada cinco anos em prédios de uso coletivo de mais de trinta anos:
- Esses prédios têm que ser vistoriados ou teremos mais colapsos de estruturas. A engenharia do passado não tinha o grau de desenvolvimento de hoje. E estruturas envelhecem.
O projeto, que aguarda parecer na Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo (CDR), prevê a criação do Laudo de Inspeção Técnica de Edificação (Lite), no qual os responsáveis pela vistoria anotarão sua avaliação das condições do edifício, as não-conformidades verificadas e os reparos necessários.Crivella lembrou desastres como o incêndio do edifício Joelma, em 1974, e o desmoronamento parcial do Palace II, em 1998, ao justificar a necessidade de criação de uma política nacional de inspeção periódica das edificações de uso coletivo e reforço do papel de profissionais registrados no Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea) no acompanhamento de obras.
As causas do acidente que derrubou os três edifícios, de 20, 10 e 4 andares, situados na Rua Treze de Maio, atrás do Theatro Municipal, ainda estão sendo apuradas. A hipótese mais provável é de danos estruturais no prédio mais alto, causados por obras não autorizadas.
Outros casos 
Outras tragédias no Centro do Rio também foram atribuídas à falta de fiscalização. Na manhã de 13 de outubro de 2011, uma explosão em um edifício na Praça Tiradentes, provocada por vazamento de gás, deixou três mortos e 17 feridos. Em 2002, na Rua Primeiro de Março, caiu um prédio de cinco andares, onde funcionava um hotel e um restaurante. Duas pessoas morreram. Segundo laudo emitido pela Prefeitura, a queda foi causada por uma demolição, sem fiscalização do Crea, no andar térreo do edifício.
Segundo Marcelo Crivella, o PLS 491/2001 foi originalmente motivado por uma série de acidentes na capital fluminense, envolvendo queda de marquises de concreto em mau estado de conservação. Um caso em Copacabana, em fevereiro de 2007, que causou a morte de duas pessoas, fez a prefeitura do Rio decretar a proibição de construção de novas marquises sobre ruas e calçadas e impor a demolição de marquises antigas.

Afastamento de PMDB aproxima PT de Marcelo Crivella

Com o afastamento do PMDB, o PT busca refúgio no PRB, do senador Marcelo Crivella, para as eleições de outubro. De acordo com o presidente regional do partido, Jorge Florêncio, o “reforço” na campanha para candidatos a prefeito e a vereador será “preferencial” em todo o estado. Florêncio e Crivella têm encontro marcado nesta segunda-feira para acertar detalhes.
- O PRB é um partido importante. Estamos trabalhando para estar juntos em uma relação preferencial – conta o presidente do PT.
A prioridade será a formação de coligações entre PT e PRB em Niterói, São Gonçalo, Nova Iguaçu, Duque de Caxias, Belford Roxo, Mesquita e São João de Meriti. O PRB faz parte da base da presidente Dilma. Para Florêncio, a aproximação com Crivella é “programática”.
- Discutiremos juntos um projeto para o Estado do Rio. A relação será programática – ressalta o petista.
Partido também quer apoio do PV em algumas cidades
O outro caminho do PT é um acordo com o PV em algumas cidades. Neste caso, as articulações estão sendo comandadas pelo senador Lindbergh Farias e pelo secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc. Um exemplo é Macaé. O PT apoiaria o deputado federal Dr. Aluízio (PV) a prefeito e, em troca, indicaria o vice na chapa do verde.
Diante da crise com o PMDB, Florêncio chegou a recorrer ao diretório nacional do PT. Já o deputado federal Alessandro Molon organizou eventos contra a aliança com os peemedebistas. O PT deve apoiar o PMDB em pelo menos 20 cidades. O partido de Cabral e Picciani selou acordo para caminhar com os petistas em apenas quatro municípios.

Cristovam propõe pacto entre professores e governo

O fim das controvérsias que cercam o piso nacional dos professores, previsto na Lei 11.738/2008, ao mesmo tempo em que é positivo, coloca em pauta “um assunto educacional perigoso”, na avaliação do senador Cristovam Buarque (PDT-DF). Em pronunciamento no Plenário, nesta sexta-feira (3), o parlamentar analisou a polêmica em torno da carga horária destinada a atividades de preparação de aula.
Depois de citar uma decisão judicial que encerra a questão em favor dos professores, Cristovam disse temer que os governos municipais e estaduais reduzam o número de aulas para os alunos, em vez de contratar mais professores para assegurar o cumprimento da norma.
- Temos essa experiência de fazer as leis para beneficiar e, em seguida, de driblá-las. Precisamos evitar isso.
Como a lei faculta a utilização de uma parte da carga horária na preparação de aulas fora da escola, o senador apontou um risco: o professor usar esse tempo em outro trabalho, “para compensar os salários baixos” mesmo depois do piso.
- Não é essa a intenção da lei. A intenção da lei é aumentar o tempo do professor para que ele possa dedicar-se a uma atividade acadêmica competente. Será muito triste se uma lei feita para beneficiar a educação beneficie governo, não aumentando gastos, e professor, reduzindo o número de aulas em sala de aula.
A solução, na avaliação do senador, é um acordo de conduta em torno da aplicação da lei, com a participação dos professores e dos governos municipais e estaduais. O objetivo desse acordo, segundo Cristovam, é evitar a deturpação da lei, em benefício da educação do país.

Celso Russomanno é o favorito na disputa pela prefeitura de São Paulo

A pré-candidatura do petista Fernando Haddad foi anunciada com toda pompa e circunstância, mas, na largada da disputa pela prefeitura local, o eleitor paulistano acena com a possibilidade de repetir o fenômeno que transformou São Paulo na capital do voto de protesto. O séquito da cúpula do governo federal que Haddad arrasta ainda não se converteu em argumento para modificar a cabeça dos eleitores, que elegem o ex-deputado Celso Russomanno (PRB) como o preferido para o Palácio do Anhangabaú. Com porcentagens que variam de 17% a 21% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha do início da semana, Russomanno só perde quando o ex-governador José Serra (PSDB) é incluído no cenário da pesquisa para a prefeitura de São Paulo.
Temerosos com o comportamento dos eleitores — que já elegeram o ex-palhaço Tiririca (PR-SP), em 2010, com 1,35 milhão de votos; e o médico Enéas Carneiro, em 2002, com 1,57 milhão, como os deputados federais mais votados da história (sem falar no rinoceronte Cacareco, que recebeu 100 mil votos para vereador em 1959) —, outros partidos já se movimentam a fim de atrair Russomanno para suas fileiras.
O líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), afirma que a vantagem do pré-candidato do PRB nas pesquisas ainda é efeito da exposição que ele teve como candidato a governador em 2010. Segundo Teixeira, o PT não trabalha com a hipótese de Russomanno atuar ao lado de adversários de Haddad em um possível segundo turno ou deixar de lançar a candidatura pelo PRB. “É um recall da campanha passada, vamos conversar bastante com ele no primeiro e no segundo turno. Não vai acontecer isso (apoiar um adversário do PT), vamos dialogar com ele. Ele não tem tempo de tevê”, diz Teixeira, o PRB terá 45 segundos em cada inserção, à tarde e à noite.

Entrevista (Marina Silva) - "O Brasil não pode chegar na Rio+20 com retrocessos"

Marina Silva na tribuna do Senado Federal
Porto Alegre – Marina Silva talvez seja a personagem mais emblemática do Fórum Social Temático 2012, que também serve como evento preparatório à Conferência sobre Desenvolvimento Sustentável da ONU (Rio+20) que acontecerá em junho no Brasil. Como militante da causa ambiental, Marina participou na Rio-92 daquele momento histórico de articulação do movimento socioambientalista no Brasil. Como ministra do Meio Ambiente durante parte do governo Lula, ajudou a levar o país ao lugar de protagonista das negociações multilaterais que envolvem todo o planeta no combate ao aquecimento global. Como senadora, atuou em importantes discussões da política ambiental brasileira que hoje têm no debate em torno do Código Florestal seu ponto de fervura.



Todos esses temas convergem nestes dias de FST 2012 em Porto Alegre, o que torna as opiniões de Marina Silva um importante termômetro da discussão ambiental no Brasil a poucos meses da Rio+20. Em entrevista, Marina faz um balanço das duas últimas décadas e exorta o governo brasileiro a assumir o papel de propositor na Rio+20, para “criar o constrangimento ético” e fazer avançar a agenda ambiental. Sobre uma das principais polêmicas do Fórum, ela afirma preferir trabalhar o conceito de desenvolvimento sustentável a “entrar nessa discussão de economia verde ou azul ou amarela”.



Sobre política, Marina afirma não saber se será novamente candidata em 2014 e afirma não tratar os 20 milhões de votos recebidos nas últimas eleições presidenciais como “uma herança que tenha que ficar administrando”. Marina também descarta nesse momento a criação de um novo partido: “Não se faz partido por causa de eleição. Partido se faz quando se tem ideia, quando se tem projeto e visão de mundo”, diz. Confira a entrevista:



O Fórum Social Temático é um evento preparatório para a Rio+20, e a data nos convida a fazer um balanço. Na opinião da senhora - que esteve na Rio-92 e também na Rio+10 - quais foram os principais ganhos da política socioambiental durante essas duas décadas?

Marina Silva - No caso dos compromissos assumidos na Rio-92, não dá para a gente fazer um balanço fragmentado do desempenho de cada país, temos que fazer um balanço geral do que aconteceu em relação a essa agenda. E, o que aconteceu foi que nós tivemos ali grandes compromissos, que foram materializados nas convenções do Clima, da Biodiversidade e do Combate à Desertificação. Mas, infelizmente, esses grandes acordos tiveram um baixo nível de implementação no mundo inteiro.

Nós vamos chegar agora em 2015 sem ter atingido os objetivos de redução da perda de biodiversidade como estava preconizado. Hoje, a perda de biodiversidade já é mil vezes maior do que há 50 anos. Nós vamos chegar na Rio+20 após ter em Durban uma discussão sobre a questão das mudanças climáticas cujas medidas só serão implementadas daqui a dez anos. Ou seja, se faz o diagnóstico de que estamos em uma situação de emergência na qual o paciente, que é o planeta, está na UTI. Mas, a intervenção para resolver o problema da saúde do planeta só começará daqui a dez anos. As pessoas estão perdendo esse senso de urgência e ainda estão achando que é possível priorizar a crise econômica em prejuízo da crise ambiental. É preciso resolver os dois problemas, sem o que, no futuro nós estaremos colapsando não só as finanças, mas a própria possibilidade de vida no planeta.



Como o Brasil se insere nesse contexto?

Marina Silva - No caso do Brasil, hoje nós temos que fazer uma avaliação da seguinte forma: há 20 anos havia um vigoroso movimento social que aproveitou a oportunidade da Rio-92 para colocar uma agenda que foi motivo de muitos avanços. Avançamos, ao longo desses 20 anos, do ponto de vista da legislação, mas com graves déficits de implementação. E agora, nós estamos indo para a Rio+20 com o risco de retrocesso na própria legislação.

Já temos um retrocesso grave nos textos que foram aprovados no Código Florestal, que promove o desmatamento e a anistia para desmatadores, e temos outros dispositivos legais que estão sendo removidos, como, por exemplo, a retirada das competências do Ibama para fiscalizar desmatamento. Há outro dispositivo que diz que, a partir da aprovação dessa nova lei, só se criará terra indígena com aprovação do Congresso, algo que v em sendo feito por decreto do presidente da República, tanto a criação quanto a homologação. Se for aprovado este mecanismo que está no Congresso, nunca mais irá se criar uma terra indígena no Brasil.

Acabou de se fazer uma mudança, por Medida Provisória, em que as Unidades de Conservação já criadas poderão ser reduzidas por decreto do presidente da República. Ou seja, o Brasil não pode chegar na Rio+20 com retrocessos do ponto de vista das conquistas legais que já alcançou. Tem que chegar na Rio+20 mantendo as conquistas e se comprometendo em fazê-las avançar, traduzindo-as para a esfera do desenvolvimento sustentável. E daí, é preciso fazer uma avaliação muito comprometida do que foi feito de positivo nessa agenda no espaço global, com esse déficit de implementação que é muito grave.

No meu entendimento, o Brasil precisa fazer um processo de discussão e mobilização interno do ponto de vista da educação da sociedade em relação aos temas ambientais. Ver essa oportunidade [a Rio+20] como um momento de fazer o tema se tornar relevante no seio dos diferentes segmentos da sociedade brasileira. Ao mesmo tempo em que faz esse processo de debate, evita os retrocessos, mas também tem o papel de ser um bom protagonista para que a agenda possa avançar. Como anfitrião, ele pode desempenhar os dois papéis: de mediador, através do Ministério das Relações Exteriores, e o papel de propositor, daquele que vai criar o constrangimento ético para que a gente possa avançar na agenda através do Ministério da Ciência e Tecnologia e do Ministério do Meio Ambiente, sabendo que se está fazendo, digamos assim, um processo integrado para que a gente não saia da Rio+20 com as expectativas baixas em relação aos problemas que o planeta está atravessando.

O Brasil é o país que reúne as melhores condições para fazer isso. Primeiro, porque é o único país em desenvolvimento que assumiu metas de redução de CO2. Tem um programa de redução do desmatamento que vem sendo implementado desde 2004, que é um sucesso e que, se não mudarem o Código Florestal, vai continuar sendo um sucesso se implementar as diretrizes que ainda faltam ser implementadas do ordenamento territorial e fundiário e do apoio ao desenvolvimento sustentável. Além do mais, nós temos uma sociedade civil vigorosa.

Os avanços que conquistamos - tanto legais quanto do ponto de vista concreto - sempre contaram com a mobilização e o apoio dessa sociedade mobilizada. Quando o Brasil assumiu metas em Copenhague, foi graças a uma forte mobilização da sociedade, inclusive envolvendo 21 grandes empresas que tiveram um entendimento de que o Brasil d everia se comprometer com metas.
Marina foi Ministra do Meio Ambiente no Governo Lula
Uma discussão fortemente presente entre os ambientalistas aqui no Fórum em Porto Alegre diz respeito à chamada economia verde. Parte do movimento tem uma visão muito crítica a esse respeito, adotando inclusive o termo capitalismo verde para designar uma série de iniciativas que, segundo as críticas, estaria banalizando a questão ambiental. Qual a opinião da senhora sobre essa discussão?

Marina Silva - Eu trabalho com a idéia do desenvolvimento sustentável. Eu acho que essa adjetivação verde ou azul não é a questão. Nós temos que trabalhar o conceito de desenvolvimento sustentável, entendendo a sustentabilidade em todas as suas dimensões: ambiental, social, cultural, ética, econômica e, principalmente, política. Porque, é da sustentabilidade política que produzirmos para essas idéias da mudança do modelo de desenvolvimento atual para um modelo que seja capaz de gerar qualidade de vida para as pessoas e ao mesmo tempo manter o seu patrimônio natural, que nós vamos fazer as transformações que o Brasil e o mundo precisam. Eu nunca entrei nessa discussão de economia verde ou azul ou amarela. Eu sempre discuti desenvolvimento sustentável, entendendo a sustentabilidade não como uma maneira da fazer, mas como um modo de ser, como um ideal de vida, como uma quebra de paradigma que precisa ser realizada no século XXI, na era dos limites, em que os recursos naturais já são escassos, em que o planeta já está no vermelho em 30% e em que países como o Brasil - que tem 60% do território com floresta, 11% da água doce, que tem uma área agricultável de mais de cem milhões de hectares para produzir - têm todas as condições de fazer essa transição ou essa mutação de um modelo insustentável para um modelo sustentável.



Há 20 anos, a Rio-92 marcou o início de um período de efervescência da militância socioambientalista brasileira, simbolizado pela criação de redes como o Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais pelo Meio Ambiente (FBOMS), o Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) e a Rede da Mata Atlântica, entre outras. Durante um seminário realizado aqui no FST, alguns dirigentes dessas redes avaliaram que o movimento passa hoje por um momento de carência de mobilização efetiva de suas bases. Na sua opinião, como conquistar uma nova militância e trazer a juventude novamente para a luta ambiental?

Marina Silva - A juventude já está nessa militância. Eu senti agora, durante essa discussão da mudança do Código Florestal, um envolvimento muito grande das pessoas porque a gente teve um tempo relativamente curto para colher um milhão de assinaturas. E, a tendência é que haja um crescimento cada vez maior dentro das universidades e em vários locais. Só que é uma militância diferente. Nós estamos saindo daquele ativismo dirigido para um ativismo autoral porque as pessoas não querem mais ser meros expectadores do processo político dirigido pelo sindicato, pela ONG ou pelo partido político. Elas estão se colocando como sujeitos políticos, e esse novo sujeito político precisa ser mais bem entendido porque ele vive um processo quase de autoconvocação.

Quando a juventude colocou 20 mil pessoas na rua, no feriado de Sete de Setembro, contra a corrupção, foi um processo de autoconvocação. Como não tínhamos ali ONGs, partidos ou centrais sindicais, como fazíamos classicamente no nosso tempo, a tendência é a pessoa olhar e achar que são despolitizados, achar que não têm uma iniciação relevante. É melhor a gente ter um pouco de humildade e compreender que está surgindo um novo sujeito político. Um sujeito que se mobiliza muito mais pelo convencimento e pelo envolvimento e menos pelo constrangimento e pela idéia de punição. As pessoas são mais pró-ativas. Mas, uma coisa é certa: não querem ser espectadores da política.

Geralmente, no modelo antigo, e ainda mais agora com a estagnação dos partidos que viraram projeto de poder pelo poder, quanto mais o cidadão é colocado como espectador da política, melhor. As pessoas estão interessadas em saber como podem fazer para de fato contribuir para melhorar o país.

Eu só acredito em avanços se tivermos disposição para uma nova leitura da ação política. Um exemplo é a questão da corrupção: enquanto a corrupção for tratada como uma questão da Dilma, do Serra, do Lula, do Fernando Henrique ou do Collor, vai ter corrupção. Quando a corrupção virar um problema nosso, quando a sociedade fizer uma autoconvocação para acabar com a corrupção, vai conseguir acabar. A sociedade foi capaz de se mobilizar para dar sustentação política para reconquistar a democracia e reconquistou. Se tivesse tratado como um problema dos militares, estaríamos na ditadura até hoje. A sociedade brasileira se mobilizou para dar sustentação política para conseguirmos os avanços na agenda social que conseguimos nos últimos anos. Foi tirado, acho, 0,5% do Orçamento para investir em políticas sociais, o que tem feito a diferença na vida dos pobres, graças à sustentação política da sociedade. Em relação à política econômica, o mesmo aconteceu quando a sociedade se determinou a acabar com a escravidão ou quando se determinou a conquistar a República. Mas, porque passou a tratar como um problema seu, e não como um problema puramente dos políticos e dos governantes.

Eu acho que o Brasil tem que começar cada vez mais a investir na melhoria da qualidade da vida das pessoas e da sua representação política. Do contrário, nós vamos perder os ganhos econômicos e sociais que já alcançamos a duras penas em função do atraso na política. Hoje, o que há de mais atrasado é essa idéia distribuir pedaços do Estado para os partidos com o objetivo de ganhar o poder. Essa disputa fratricida polarizada entre oposição e situação. Eu sempre brinco que não me considero nem de situação nem de oposição. Sou uma pessoa que quero ter posição. O que está faltando no Brasil é posição. Para a oposição, ter uma posição justa e correta. Quando o governo faz coisas boas, temos que apoiar, as coisas erradas temos que criticar. E quem está no governo tem que ter a seguinte posição: quando acertamos, ótimo, acertamos; quan do erramos, temos que corrigir os erros e não podemos em nome dos acertos termos uma atitude de complacência com os erros. Então, o que está faltando ao Brasil não é oposição nem situação, é ter posição. Posição a favor da educação de qualidade, da saúde, do desenvolvimento sustentável e do combate à corrupção, a partir de um forte envolvimento do cidadão que dará uma nova qualidade política para as instituições brasileiras.



Qual será a posição da senhora nas eleições municipais deste ano? E para as eleições de 2014, já existe alguma previsão? Aqui no FST já propuseram seu nome até para concorrer ao Governo do Distrito Federal...

Marina Silva - Eu não sei como vai ser a minha participação em 2014. Eu não sabia se eu iria ser candidata em 2010 e continuo não sabendo se serei em 2014. A única coisa que eu sei é que eu quero que a questão da sustentabilidade e de uma política comprometida em discutir os problemas do Brasil e as soluções para o Brasil - não só no período da eleição, mas inclusive durante os intervalos entre as eleições - continue sendo relevante. Por isso que eu estou no movimento pela nova política, que é um movimento transpartidário e com pessoas que não querem partidos para que essa causa continue relevante.

Em relação a 2012, eu, juntamente com as pessoas que estão comigo nesse movimento, fizemos questão de não inventar um partido só para concorrer à eleição. Não se faz partido por causa de eleição. Partido se faz quando se tem ideia, quando se tem projeto e visão de mundo. Eu fui do PT durante 30 anos. Quando criamos o PT, discutimos muito, aprofundamos muito e, passados 30 anos, eu diria que hoje o PT vive um processo de estagnação dos ideais que professou lá atrás.

O PSDB, em que pese ser um partido com um outro ideário, também teve muita discussão, mas, mesmo assim, está completamente estagnado hoje. Então, se esses partidos que foram criados com tanta discussão viraram o que viraram, deu no que deu, imagine criar um partido de uma hora para outra só para concorrer a uma eleição em 2012. Isso, eu jamais faria. Por isso, o movimento é para que a gente possa metabolizar as ideias que estamos debatendo.
Candidata a Presidência da República, Marina cria uma uma nova alternativa fora do eixo PT  X PSDB e tem 20 milhões de votos.

 E a idéia de criação de um novo partido?
Marina Silva - Tem um grupo de pessoas que acha que deve ser criado um partido. Aqueles que quiserem um partido, se tiverem propostas, profundidade e densidade para isso, poderão até criá-lo, mas o movimento terá que ser maior do que os partidos. Não pode mais ser a velha lógica do partido canibalizando os movimentos. Tem que ser pessoas em partidos - não importa se do PT, do PCdoB, do PSDB - que sejam a favor dos ideais do movimento pela sustentabilidade, que deve ser transpartidário. Não tem como conquistar a mudança de um novo modelo de desenvolvimento para o Brasil e para o mundo achando que isso vai ser feito por um partido ou por uma pessoa. Tem que ser feito por um conjunto de pessoas com uma nova visão da política. Não é mais a política de curto prazo para alongar o prazo dos políticos, mas sim políticas de longo prazo para o curto prazo dos políticos.
Eu não trato os 20 milhões de votos que alcançamos eu e Guilherme Leal nas eleições de 2010 como se isso fosse uma herança que eu tenho que ficar administrando. Eu trato como um legado que, no meu entendimento, deve estar a serviço dos partidos para que eles entendam que a questão ambiental é relevante, a serviço do governo para que entenda que se 20 milhões marcharam comigo mesmo sendo taxada de ecochata, uma boa parte dos que estavam com eles também defende o meio ambiente, é uma boa parte da sociedade brasileira.
É por isso que, quando se faz pesquisa sobre o Código Florestal, 80% da população é contra as mudanças. Então, esse legado é para que as pessoas entendam que a sustentabilidade política é para passar no teste em lugar de mudar o teste. Eu acho que a presidente Dilma está diante desse desafio, o Código Florestal que foi aprovado é muito ruim e eu espero sinceramente que possa ser corrigido no Congresso. Se não for, espero que ela vete, pois foi com isso que ela se comprometeu no segundo turno das eleições de 2010.

Arruda quer voltar para a política em 2014






Com uma casa em Brasília e outra em São Paulo, o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda descansa com a família em Morro de São Paulo, no sul da Bahia. Único governador da história a ser preso enquanto estava no cargo, Arruda se prepara para voltar à política. Ele quer se candidatar a deputado federal em 2014. Só falta arranjar um partido que o receba.

ALERJ começa a aperta o cerco a SuperVia

O presidente da Comissão de Transportes da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Marcelo Simão (PSB), receberá representantes da SuperVia para prestar esclarecimentos sobre os frequentes problemas nos trens da empresa. O encontro acontecerá em uma audiência pública que será realizada pelo colegiado, na Casa, em março. Nesta sexta-feira (10/02), a comissão enviou um ofício à concessionária cobrando ainda uma posição em relação à chegada dos novos trens, que, segundo a própria empresa, entrariam em circulação este ano.

“Com a série de cobranças pelos serviços prestados, a SuperVia acaba fazendo promessas que não consegue cumprir. É preciso que os novos trens prometidos entrem logo em operação”, reforçou o parlamentar. Para ele, o atendimento feito aos passageiros precisa de “melhorias imediatas”. “Episódios como os que aconteceram esta semana não podem mais se repetir. A população está submetida a um transporte precário, que precisa de muitas melhorias. Para isso, vamos nos reunir com representantes da empresa para buscar uma solução”, ressaltou.

A comissão realizará também uma audiência pública no dia 15 de março, para cobrar solução para os recorrentes problemas nos vagões do Metrô Rio. “Além dos problemas nos trens, a população fluminense ainda perde tempo e paciência ao utilizar o metrô. Iremos ouvir a empresa responsável pelo serviço para que, juntos, possamos dar um fim aos atrasos e às paralisações”, afirmou o deputado.

Romário fica indignado com lentidão na Câmara

Após o início dos trabalhos legislativos do Congresso Nacional, em 2012, o deputado Romário Faria (PSB-RJ) se diz decepcionado com a lentidão da política brasileira. Essa é a terceira semana em que Romáriocomparece à Câmara dos Deputados, após o recesso de janeiro, e, segundo ele, nada de produtivo acontece. O deputado se refere, principalmente, às votações em plenário, desta quarta-feira (08), que não foram realizadas devido à falta de acordo entre os líderes partidários e a alegação de falta de tempo hábil, feita por alguns parlamentares, para estudar as propostas.
“Espero que na minha próxima vinda a Brasília tenha alguma porra pra fazer. Ou será que o ano realmente só vai começar depois do carnaval? Têm greves acontecendo, pessoas morrendo e lojas sendo saqueadas. Nós políticos somos culpados mesmo! E olha que estamos em ano de eleição. Espero que alguma coisa realmente boa seja feita pelo nosso povo.”, desabafou.
O deputado enfatiza duas importantes propostas de emendas à Constituição que, apesar de terem ido várias vezes para pauta, nunca foram votadas. A primeira é a PEC 300/08, do deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB/SP) que prevê um piso salarial nacional para os PMs e bombeiros do país. Romário acredita que a crise na segurança pública, decorrente da greve de policiais militares na Bahia, pode ser amenizada com a votação dessa proposta.
“Tem absurdo que só acontece na política brasileira, principalmente na minha casa, na Câmara Federal. Acredito que seja por falta de objetividade e de sensatez algumas das coisas lamentáveis que acontecem no nosso País. Claro que nada tem que ser levado para o lado da violência e muito menos da baderna, mas temos que resolver o problema dos policiais. Profissionais que tem família e dão a vida para garantir a nossa vida. Já está claro, e inclusive aceito pelo próprio sindicato, que o salário não será equiparado aos policias de Brasília, mas com todo respeito, um policial carioca não pode ganhar menos de R$ 1 mil. E os policiais de outros estados também não podem ganhar menos do que tem direito. Antecipadamente, já digo que vou votar a favor dos policias. Não me venham com conversa fiada lá na frente e nem com pedidos.”, afirmou o deputado.
Outra proposta que deveria ter sido votada hoje é a PEC 270/08, da deputada Andréa Zito (PSDB/RJ), que garante ao servidor que aposentar por invalidez permanente o direito à percepção de proventos integrais com revisão na mesma proporção e data da revisão e da remuneração dos servidores em atividade. 
“Tem coisas que só acontecem na política. E hoje, mais do que nunca, tenho certeza disso. Uma PEC que tramita na casa há quatro anos, não foi votada essa semana porque os parlamentares alegaram falta de tempo hábil para concluir se ela é positiva ou negativa para o povo. Têm quatro anos que essa PEC tramita na casa e não tiveram tempo de decidir se é boa ou ruim? Pediram para que a votação aconteça depois do carnaval. Será que o que não conseguiram resolver em quatro anos, vão conseguir resolver em duas semanas?”, indagou Romário.
Apesar das desilusões vividas por Romário nesta quarta-feira, o deputado saiu muito satisfeito da primeira reunião da bancada do PSB. Durante a reunião, entre outros assuntos, ficou definido que caso o PSB não consiga presidir a Comissão de Turismo e Desporto na Câmara Federal, os deputados da bancada do Ceará irão decidir, entre eles, quem presidirá a comissão que ficar com o partido. Esse acordo pode garantir ao deputado Romário a presidência da Comissão de Turismo e Desporto em 2013.
“Decidimos por unanimidade que deixaremos de ser capachos do governo. Vamos votar naquilo que acreditamos. Quero dar parabéns a todos os deputados que assumiram esse compromisso e quero agradecer, em especial, a líder do partido, Sandra Rosado (RN), pela postura, carinho, elegância e competência com que vem atuando no meu partido. Bem diferente de outros líderes com mais tempo de política que já passaram pelo PSB. E to tocando o “F” se alguém ficar de biquinho para mim. Não conheço os lideres dos outros partidos, mas se forem como essa senhora, os partidos estão bem servidos. Agradeço a ela por tudo que tem feito pelo partido e por mim. Sou seu fã Sandra! Te admiro muito como deputada e como mulher nobre e forte que é.”, declarou o deputado.
Ainda indignado, Romário diz não entender algumas coisas que acontecem na política. “Meu partido é 100% governo e é incrível como que na hora de empenhar suas emendas todos os deputados reclamam. E o pior é que existem partidos que são oposição e as emendas desses parlamentares sempre são aceitas. Nada contra eles, mas isso é só uma pequena lembrança. Outra coisa que gostaria muito, é que o presidente do meu partido, Eduardo Campos, atendesse às minhas ligações. Têm dois meses que tento dar uma resposta que ele me pediu e até agora nada.”, concluiu o parlamentar.

Ministério Público enquadra Prefeita Aparecida Panisset

Respondendo a vários inquéritos por supostas irregularidades em sua administração, a prefeita de São Gonçalo, Aparecida Panisset (foto), vai responder agora por improbidade administrativa e propaganda ilegal. Foi acusada junto ao Ministério Público de utilizar dinheiro público para se promover, visando a eleição deputado estadual de 2014.
Segundo a denúncia, as vans e kombis que atuam no projeto Transporte Cidadão, criado para conduzir pacientes atendidos em clínicas de fisioterapia e reabilitação conveniadas com a Prefeitura, circulam com o nome da prefeita em baixo do brazão do município.
De acordo com os motoristas, eles são obrigados a pagar R$ 600 pela confecção do adesivo que colocam nos carros, nos locais indicados pela Prefeitura. Segundo o historiador Aloisio Reis, que encaminhou a denúncia ao Ministério Público, a prefeita tenta se promover com realizações públicas. “Eu não acredito que seja algo inocente. Não é a primeira vez que fazem isso. Ao juntar o nome e o brasão do município, a prefeita está se fundindo com o estado. É como se a realização não fosse pública, fosse pessoal da prefeita”, entende Aloisio.

Picciani bate o martelo e PMDB não muda um tin-tin em Magé

Definindo composições em vários municípios, o PMDB vai para as urnas este ano com a mesma chapa “puro sangue” que venceu a eleição suplementar do ano passado: o prefeito Nestor Vidal e o vice, Claudio Ferreira Rodrigues, o Cláudio da Pakera serão mantidos pela legenda.

Os dois são pré-candidatos a prefeito e vice, respectivamente e uma aliança deverá ser formada com pelo menos oito partidos. Embora ainda seja muito cedo para falar em candidaturas, a dupla deverá enfrentar um membro da família Cozzolino, o ex-prefeito Renato Cozzolino Sobrinho, primo de Núbia, Jane, Charles e Dinho Cozzolino.

A ex-prefeita Narriman Felicidade, ex-esposa do prefeito de Duque de Caxias, José Camilo dos Santos, o Zito, está filiada ao PDT e tem dito que pretende ser candidata. Com contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas e pela Câmara de Vereadores, ela tentou ser candidata a deputada estadual em 2010 e foi impedida pelo TER. Se conseguir vencer esse empecilho jurídico ele deverá mesmo concorrer, mas para isso seu partido terá de formalizar o diretório municipal, que está desmontado em Magé. Uma convenção será realizada em abril.

Quem é Apolônio?

Nascido em Corumbá (MS) em 9 de fevereiro de 1912, falecido em  23 de setembro de 2005, Apolônio foi cadete da Escola Militar de Realengo onde chegou a tenente do Exército. Em 1935 criou a Aliança Nacional Libertadora (ANL), foi preso pelo governo Vargas, em 1936, perdendo a patente militar. Expulso do Exército, saiu da prisão em 1937, integrando o Partido Comunista Brasileiro e depois embarcou para a Espanha, onde se engajou nas Brigadas Internacionais, lutando ao lado dos Republicanos contra os fascistas liderados pelo general Francisco Franco. Em 1939, com a derrota dos Republicanos, Apolônio vai para um campo de refugiados na França até 1940, quando consegue fugir para Marselha e em 1942, o País sob o domínio alemão, ingressa na Resistência Francesa, tornando-se comandante de um grupo de guerrilheiros “partisans” responsável pelas atividades na região sul do país. Aí conheceu Renée, com quem viveu o restante da sua vida. Em 1944, em Nimes, organiza a fuga de 23 militantes da Resistência que estavam presos, foge novamente e vai atuar em Toulouse. Terminada a guerra, Apolônio reencontra Renée e seu filho, em Paris e é condecorado por Charles de Gaulle com a medalha da Legião de Honra da França. Apolônio foi transformado em personagem por Jorge Amado como Apolinário, no livro “Subterrâneos da Liberdade”. Com o golpe militar de 1964 ele passa a clandestinidade e vive no Rio de Janeiro, longe da família. Diverge das posições do PCB e, junto com Mário Alves e Jacob Gorender, entre outros dissidentes, cria o Partido Comunista Brasileiro Revolucionário (PCBR). Ele e Mário Alves são presos no Rio, em janeiro de 1970, onde Mário é assassinado pela ditadura. Trocado pelo embaixador alemão sequestrado no Rio de Janeiro, Apolônio vai para Argel. Seus filhos, também presos e depois trocados pelo embaixador suíço, em 1971. A família volta a se reunir em Paris. Em 1979, com a Anistia, volta ao Brasil e ajuda a construir o Partido dos Trabalhadores, sendo um dos seus fundadores. Em 1980 o PT é lançado oficialmente e Apolônio permanece na direção do partido até 1987, quando se afasta por orientação médica.

Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro