quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Shei Atkins - Temptation

Pastor lamenta a morte de Whitney Houston e rapper pede oração pela cantora no Grammy

Pastor lamenta a morte de Whitney Houston e rapper pede oração pela cantora no Grammy A cantora Whitney Houston, que foi encontrada morta em seu apartamento no último dia 11, foi uma das artistas de maior sucesso em todo mundo. Houston começou a cantar quando criança no coral da Igreja New Hope, em Newark, no estado de New Jersey, EUA.
O pastor da igreja, Joe A. Carter, lamentou durante seu sermão no culto do último domingo a morte da ex-fiel. “Nossos corações estão partidos”, disse o religioso aos presentes, entre os quais, segundo a revista People, haviam muitos fãs da cantora. “Nunca vou esquecer-me dela, aqui em pé na igreja, de ouvi-la cantando os louvores de Jesus Cristo”, completou Carter.
Whitney foi considerada um dos maiores ícones da musica pop e emplacou inúmeros sucessos, como os hits românticos I Have Nothing e I Will Always Love You.
A cantora chegou a entrar no livro do recordes por causa dos diversos prêmios que ganhou. Foram dois Emmy Awards, seis Grammy, 30 Billboard Music Awards, 22 American Music Awards, entre outros prêmios. No total a cantora conquistou 415 troféus.
No domingo (12), dia seguinte ao falecimento da cantora, aconteceu também a cerimônia do 54º Grammy, onde Whitney Houston foi lembrada e homenageada diversas vezes. De acordo com o The Christian Post um dos momentos mais emocionantes da noite foi quando o rapper LL Coo pediu a todos os presentes na plateia que fizessem uma oração pela cantora.
Ela foi homenageada também por Jennifer Hudson, que fez uma emocionante interpretação de I Will Always Love You.

Casos de pedofilia envolvendo clérigos já custaram US$ 2 bilhões para a Igreja Católica

Casos de pedofilia envolvendo clérigos já custaram US$ 2 bilhões para a Igreja Católica
Durante o simpósio organizado pelo Vaticano para discutir os escândalos de clérigos pedófilos, realizado na Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma, dois especialistas falaram das consequências psicológicas e emocionais que os abusos causam a suas vítimas e comentaram também o enorme prejuízo financeiro que a igreja sofre por causa dos crimes de pedofilia cometidos pelos seus clérigos.
De acordo com Michael Bemi, do National Catholic Risk Retention Group, de Vermont, e Patricia Neal, diretora do programa de proteção de crianças VIRTUS, não é possível avaliar a enorme extensão dos danos psicológicos, emocionais e sexuais causados às vítimas desses casos de pedofilia. Mas afirmam que os escândalos causaram “profundas consequências negativas” à Igreja Católica.
Entre esses impactos negativos a dupla de especialistas mencionou os cerca de US$ 2 bilhões pagos nos acordos estabelecidos durante os processos das vítimas contra as dioceses, em julgamentos, assessorias legais, tratamentos para as vítimas e acompanhamento dos agressores, entre outros gastos.
Bemi e Neal frisaram que os escândalos sexuais, custaram uma enorme quantidade de dinheiro, que podia ser destinado à construção de hospitais, escolas, seminários e igrejas. Além disso, lembraram das doenças e transtornos causados às milhares de vítimas.
Segundo a agência Efe não existem estudos exatos sobre o número de pessoas que foram abusadas sexualmente por sacerdotes católicos em todo o mundo, mas que existem estimativas que apontam que, apenas nos Estados Unidos são mais de 100 mil vítimas.
O promotor do Vaticano, Charles Scicluna, ressaltou ainda a importância de a igreja não aplicar a “lei do silêncio” a esses casos. “É essencial essa cooperação. O abuso sexual a menores não é só um delito canônico, se trata também de um delito previsto no Direito Civil”, afirmou.

Suzana Pires é homenageada na Viradouro


FAMOSIDADES
Suzana Pires foi homenageada na quadra da Viradouro na noite de terça-feira (14). A atriz foi eleita Madrinha da Boneca G, concurso que elegeu a transformista de maior destaque na escola
Anderson Borde / AgNews

A morena recebeu a faixa das mãos da companheira de "Fina Estampa" Monique Alfradique, Rainha de Bateria da vermelho e branco de Niterói

Hugh Hefner e suas coelhinhas confirmam presença no Espaço Devassa

FAMOSIDADES

RIO DE JANEIRO – Depois de Paris Hilton e Sandy, a Devassa decidiu ousar e chamou um verdadeiro conhecedor das mulheres para escolher a próxima garota propaganda da marca.
Hugh Hefner, fundador da “Playboy”, virá para o Brasil dar sua opinião e, claro, aproveitar a viagem para cair no samba.
O nome do empresário foi revelado na manhã desta terça-feira (14), no Rio de Janeiro.

Prevenção da violência na primeira infância

A primeira infância (0 a 6 anos), é um período importante para ao desenvolvimento do individuo e lança as bases fundamentais para as aprendizagens posteriores. A definição para os alicerces da estrutura física e intelectual, base para da vida adulta, se define neste período, mas variam de acordo com as características individuais, de gênero, condições de vida, organização familiar, cuidados proporcionados e sistemas educacionais. Assim a primeira infância é uma fase de atenção constante no condizente a proteção e cuidados tais como a alimentação adequada, medidas de saúde e o amparo dos pais.

A UNESCO, em estudo recente, sobre serviços para a primeira infância no Brasil, mostra que estes são deficitários. Só para exemplificar: investimentos desiguais na educação da primeira infância ao redor do país, a falta de padrões de cuidado claramente definidos e estabelecidos, treinamento para professores e profissionais que atuam com a primeira infância inconsistente e desigual, entre outros. Assim, ao se apresentarem subdesenvolvidos, resultam em definições irreversíveis na vida adulta.

A Constituição Federal, no seu artigo 227, e o Estatuto da Criança e do adolescente, no seu artigo 4º, determinam que a criança e o adolescente devem ser prioridades absolutas.
Na primeira infância as crianças adquirem habilidades motoras, cognitivas e de linguagem. Até os quatro anos de idade a criança já alcançou grande parte do potencial mental que terá quando adulto. É nesse período que os cuidados e as influências afetivas e sócio-culturais ganham grande valor para que as crianças cresçam e se tornem pessoas também promotoras da paz.

No entanto as estatísticas brasileiras sobre a infância e adolescência, ainda mostram a urgência de ações sociais para garantia dos direitos da infância e da juventude, principalmente no tocante à criança de até 6 anos. De acordo com o relatório "Situação da Infância Brasileira”, lançado pelo UNICEF em dezembro de 2005, a principal causa da mortalidade infantil hoje no País é neonatal, ou seja, a
maior parte dos óbitos se concentra no primeiro mês de vida, o que evidencia a importância dos fatores ligados à gestação, ao parto e ao pós-parto.

Cerca de 11% da população do País é formada por meninos e meninas entre 0 e 6 anos. Segundo a Síntese dos Indicadores Sociais 2007- Uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira - IBGE, eles são quase 21 milhões, que passam por uma das fases mais importantes do desenvolvimento humano: a primeira infância. Mostra também apenas 7,4% das crianças das famílias mais pobres freqüentavam creche. Se considerarmos as famílias com rendimento mensal per capita de mais de 3 salários mínimos, o acesso à creche e ao pré-escolar cresce para 40,7% das crianças. Embora ainda reduzido, o percentual de crianças nas creches dobrou em 10 anos já que em 1996 era de 7,4%. Quanto ao acesso das crianças de 4 a 6 anos das famílias mais pobres à pré-escola, o percentual era de 68,1%, enquanto nas famílias com mais de 3 salários mínimos mensais per capita, o acesso estava praticamente universalizado, ficando em torno de 95%, em todas as regiões.

É na primeira infância que os seres humanos estão mais dependentes dos relacionamentos com os demais. Disso depende a sua sobrevivência, estabilidade emocional e desenvolvimento cognitivo. A falta de nutrição adequada e cuidados apropriados podem ter conseqüências irreversíveis.


Os programas direcionados para a primeira infância constituem uma forma de garantir os direitos das crianças pequenas, devem proporcionar a melhoria do seu bem-estar e desenvolvimento em todos os aspectos. Os benefícios imediatos e de longo prazo fazem desses programas uma estratégia eficaz, em função de seus custos, para a redução da pobreza e compensação das desvantagens. Têm que integrar as atividades às necessidades das crianças pequenas provenientes de contextos diversos. Nos primeiros anos de vida da criança deve-se proporcionar apoio também à família. Não se pode uniformizar os modelos de programas em todos os lugares. Para começar, as práticas parentais diferem em todo o mundo. É importante que os programas para a primeira infância reconheçam essas diferenças e assegurem que sejam relevantes para o local onde a infância está inserida e os grupos para os quais estão destinados.

As crianças portadoras do HIV sofrem de doenças infantis comuns com mais freqüência do que outras crianças, com maior intensidade e normalmente com menos resposta a medicamentos. Enfermidades que são raramente fatais em crianças saudáveis causam alta mortalidade nas portadoras de HIV. Sem acesso à terapia anti-retroviral, o progresso da doença é rápido: 45% das crianças infectadas morrem antes dos dois anos. Para reduzir o impacto da infecção pelo HIV nas crianças, é necessário um diagnóstico precoce. Boa nutrição, imunizações apropriadas e terapia medicamentosa para as infecções comuns da infância são vitais.

No que toca a violência direcionada à infância, o Brasil já desenvolve políticas públicas para atacar o problema. Falta, porém, o cumprimento mais efetivo de metas estabelecidas. É salutar desenvolver ações voltadas principalmente para as famílias, escolas e outros profissionais que lidam com a infância, de maneira que a sociedade seja preparada para compreender amplamente o especial processo de desenvolvimento de crianças e adolescentes e os inúmeros fatores capazes de expô-los a qualquer tipo de violência.

No dia 18 de setembro foi sancionada pelo Presidente da República a Lei nº 11.523, que instituiu a Semana Nacional de Prevenção da Violência na Primeira Infância, a ser celebrada sempre entre os dias 12 e 18 de outubro. O objetivo é conscientizar a população brasileira sobre a importância do período entre 0 (zero) e 6 (seis) anos para a formação das pessoas.

É preciso conhecer o problema e trabalhar de forma articulada com outros atores sociais. Assim o Posto de Puericultura Suzanne Jacob, cumprindo sua missão institucional, elaborou o Seminário sobre Prevenção da Violência na Primeira Infância com o intuito de fomentar a discussão sobre a importância da idade entre 0 (zero) e 6 (seis) anos para a formação da criança, realizado no auditório da UESPI. Teve como objetivo, também, discutir o papel essencial que a qualidade afetiva dos cuidados oferecidos ao bebê e à criança na primeira infância têm no desenvolvimento futuro do indivíduo em relação à violência, à possibilidade de reagir adequadamente às frustrações, no desenvolvimento da cultura de paz e na resolução pacífica de conflitos.

No referido seminário o PPSJ chamou a atenção para a necessidade de melhorar a atenção ao pré-natal, ao parto e ao período imediatamente após o nascimento, os indicadores de maus tratos físicos nas crianças; os fatores que contribuem para manter o silêncio em torno da violência direcionada à infância, conhecimento das competências e ações da Justiça da Infância e da Juventude e o entendimento dos oito objetivos de desenvolvimento do milênio com relação à infância e a proteção a esta.

A importância dos grupos

Com o aumento da população idosa, estes passaram a conviver muito em grupos, para saírem do isolamento e assim afastarem as tristezas tão características desta fase, na qual nutrem muitas vezes sentimentos de desvalia, de abandono, pelo fato de não terem mais as obrigações de outrora, quando marido e filhos pequenos exigiam muita atenção e trabalho. A aposentadoria, perda do cônjuge também causam depressão assim como relacionamentos difíceis com os demais parentes.

O grupo é importante na inserção no convívio social, auxiliando na superação de problemas desta ordem.

É importante que aqueles que convivem nos grupos, o façam de modo a buscar alternativas saudáveis para viverem e conviverem. É um exercício de tolerância na medida em que é um espaço que tem que possibilitar a livre manifestação de todos os participantes independente das diferentes opiniões e convicções, de gosto pessoal.

Há pontos importantes que devem ser observados, como a flexibilidade, pois devem sempre prevalecer as decisões de consenso e não as opiniões individuais. Isto significa que não há lugar para rigidez de posicionamento, devendo cada participante ser cooperativo e não competitivo.

O importante não é vencer ninguém, muito menos adotar posturas que isolem, e sim proporcionar que todos ganhem e este ganho não é material, é interior visto que proporciona diversão, entrosamento, ensina a respeitar opiniões, a acolher o outro, conviver em harmonia, respeitando cada um individualmente.

Cada participante tem que saber a hora de dar espaço para o outro crescer. É saber ser discreto e aprender que todos têm que ser protagonistas.
É necessário que haja troca, intercâmbio de idéias, de sentimentos, conhecimentos, experiências.

Nestes ambientes há possibilidades infinitas de crescimento, de apoio, basta escolher aquele que mais se identifique com cada um, pelos participantes, pelos objetivos, ou pelas atividades desenvolvidas.

A intuição (não devemos ignorá-la), a experiência, as afinidades guiarão cada um para que a participação seja prazerosa para si e para o grupo.
Pode ser também espaço de manifestação de fé, confiança em si e no outro, em Deus e na vida.

É importante que proporcione sempre aprendizagem e crescimento, que podem ser traduzidas até pela melhor convivência que é resultante de disposição interior associada à uma boa dose de disciplina no sentido de cumprir os objetivos propostos.

O grupo será o resultado da soma das intenções individuais, que se entrelaçarão formando uma unidade maior cuja identidade deve abranger e valorizar cada um como parte integrante, importante e indispensável no fortalecimento do todo.

Há oportunidade para conviver, dialogar, interagir, desenvolver novas habilidades, divertir-se, auxiliar os que necessitam, mudar atitudes que prejudicam o participante, o grupo e até mesmo seus relacionamentos familiares visando restabelecer e/ou manter a saúde e oportunizar melhor qualidade de vida.

A galinha, o porco, o boi e nós.

Um certo dia o rato olha pelo buraco de seu esconderijo e vê o fazendeiro preparando uma ratoeira. Sai correndo pela fazenda gritando “cuidado há uma ratoeira na casa”
   A galinha deu um sorriso e comentou, ratoeiras só dizem respeito os ratos. Já o porco, manifestando solidariedade ao rato disse “cuide-se”. E o boi indiferente, fingindo não ver o desespero do rato, continuou ruminando.
   Na mesma noite, a ratoeira funcionou. Só que invés do rato, acabou fisgando o rabo de uma cobra venenosa.
   Que picou a mulher do fazendeiro, que foi levada imediatamente ao pronto-socorro.
   Devidamente medicada, a mulher passou duas semanas de cama, com muita febre. Só que para atenuar a febre nada melhor que uma canja e lá se foi à galinha. Amigos, vizinhos e parentes vieram visitar a mulher e o porco foi para o forno.
   Para comemorar a recuperação dela, nada melhor que um bom churrasco e desta vez, o “voluntário” foi o boi.
    Este conto é uma analogia sobre o que acontece nos dias atuais.
    Recentemente li uma reportagem onde revelava dados da favelação de Porto alegre o que na verdade acontece em todo o Brasil. Veja os números.
    Dados do Departamento Municipal de Porto Alegre apontam que em 1973 o percentual de favelados em POA era de 10,67%. Já o último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), DE 2002. Apesar de antigo é o mais atual aponta um percentual de 21,31% de favelados em Porto Alegre.
    Fazendo um calculo aproximado da população teremos então 426,000 (quatrocentos e vinte e seis mil) pessoas morando em favelas.   
    Ninguém pode prever qual será o futuro da Humanidade com base nas condições sociais, econômicas, ambientais, políticas e espirituais do mundo atual.
    Mas, podemos imaginar com base nestes dados que não podemos esperar um mundo melhor,temos que fazer um mundo melhor.
   O relatório das Nações Unidas apresenta alguns dados das condições dos seres humanos em todo o planeta. Veja a seguir: ( DADOS DE 2001 )
Condição atual:
- 968 milhões não dispõem de água potável
- 2400 milhões não têm saneamento básico
- 34 milhões com AIDS
- 854 milhões de analfabetos
- 325 milhões de crianças sem escola
- 1200 milhões ganham menos de um dólar por dia
- 2800 milhões ganham menos de dois dólares por dia
- 163 milhões de crianças desnutridas menores de cinco anos
- 11 milhões de crianças morrem de doenças que já têm tratamento
      Vivemos como a galinha, o porco e o boi, estamos vendo a coisa acontecer, mas damos de ombro como se os interesses em jogo não fossem os nossos.
     Mas quero falar principalmente a quem é Espírita ou Espiritualista, pois estes sabem que amanhã estarão aqui para colher aquilo que semeamos hoje. 
     Devemos fazer alguma coisa e esta coisa não é ir a uma sociedade espírita e escutar uma palestra ou ficar meditando sob uma pirâmide escutando musicas New Age, e esperar que a coisa mude por si.
     Principalmente os Espíritas devem saber que a idéia comodista de que Deus faz e nós desfrutamos ou suportamos não tem lugar no Espiritismo. Pelo contrário, neste se sabe que o fazer de Deus no mundo humano se realiza através dos homens capazes de captar sua vontade e executa-la.       
     A verdade é que nós todos necessidades uns dos outros.  
     E Deus também tem necessidade de nosso trabalho, pois foi este nosso passaporte para o mundo humano. Cada espírito encarnado trás consigo sua tarefa e a sua responsabilidade individual e intransferível. Quem não cumpre fracassa. Por isso temos naufragado mil vezes por nossa própria incúria.
      Mas o que uma única pessoa pode fazer sempre é esta a duvida que nos assalta quando pensamos em fazer alguma coisa. Pois eu como trabalho com comunicação vou colocar em circulação um informativo chamado de “Sobre o Natural” onde vou esmiuçar a doutrina espírita para que um número maior de pessoas tenham conhecimento do espiritismo e para atingir aqueles que não tem acesso à internet.
      E me coloco a sua disposição para você fazer o mesmo em sua cidade, você pode fazer um blog, um website ou ter também nosso informativo circulando ai.
      Como afirmo Kardec no Livro dos espíritos “A desordem e a imprevidência são duas chagas que só uma educação bem entendida pode curar. (nota da questão 685)”.
     Assim, antes de dar com os ombros e dizer que os favelados que existem espalhados por todo o Brasil é problema do governo e de melhores políticas sociais, pense duas vezes e tome providências, porque mais cedo ou mais tarde isto vai acabar impactando sua vida.
     Estamos na hora da verdade, das proposições claras e precisas, da posição destemida de alerta e vigilância.
      Este texto não tem um final. A partir daqui a decisão é sua.

A política se justifica

Em casa, na rua, no clube, no bairro, no trabalho e no País, nós estamos mergulhados em ambientes que exigem práticas sociais intensas, específicas, diversificadas e também ocasionais, que chamamos de política. Viver em sociedade exige essa arte que os gregos chamaram politiké (política). Esse termo se referia aos cidadãos que se voltavam à administração da pólis (cidade) e ao longo da história ficou muito carregada, restrita aos “políticos profissionais” e aos partidos.

Hoje em dia, como a maioria da população mora na cidade ou tem negócios nelas, todos os cidadãos deveriam ser chamados de políticos. Porque nós somos responsáveis pela conservação e desenvolvimento da sociedade. Usamos sistemas de eleições para delegar certas tarefas administrativas, mas em última instância todos somos responsáveis pelo governo e progresso do nosso habitat social.

Desse modo, se há alguém que se declara apolítico, está equivocado, pois enquanto vivemos em sociedade nos é exigida uma forte consciência de relacionamentos, práticas e posições mediados pela nossa ação política. Podemos declarar não “ter partidos”, mas comungamos com idéias de alguns deles. Podemos não votar, mas delegamos às autoridades o serviço de administração pública. Então somos tutelados pelo Estado que será uma espécie de “grande irmão” a nos determinar ações mediante a coação ou à liberdade.

Além disso, a política é tão pertinente em nossas vidas que forma hábitos e costumes, pois tudo em nossa sociedade é intimamente relacionado com nossa posição política. Nossa posição exige até modos de vestir específicos. É difícil um cidadão ir ao clube de terno e gravata, e também é muito raro uma pessoa ir de biquíni ou bermuda para a Igreja. Esse pudor, que parece um simples ditame psicológico, é um jogo de relações que começa na forma de se vestir e vai até a mais complicada ação democrática. A política passa pelo “bom dia” que damos em casa, pelas eleições do síndico do prédio e vai até a escolha dos deputados e do presidente da república. Ou seja, a política começa no simples hábito e engloba as mais sofisticadas ações de manutenção do Estado.
Assim, esta questão é muito importante para nós, não foi por acaso que ao longo da história, muitos filósofos examinaram esse tema, questionando-se mutuamente e procurando uma resposta lógica, séria e permanente sobre política. A questão política sempre foi inquietante para quem se debruça em responder as interpelações da realidade de nossas vidas. Tudo isso também gerou uma ânsia de conceituar, uniformizar e substancializar a política, tentando compreender nossa humanidade e sua relação política.

E é bom que assim o seja. É bom que haja complicação e complexidade em nossa vida social. Uma política simplista é um determinismo, uma camisa de força para nossa criatividade. Por exemplo, nas famílias sem diálogo, são cartas marcadas, em que o mandante impõe sua vontade sobre quem obedece. Então se constrói relações frágeis e limitadas, infantis, quase um inferno. No Estado, uma política simplista e determinada não é política que valha a pena, é ditadura, golpismo, tirania. A complexidade da ação política está no fato de que ela é conflituosa, luta, antagonismo, enfrentamento. Em outras palavras é diálogo e dialética.

Por fim, não conseguimos até agora saber de uma natureza uniforme para a política, mas vivemos no presente que nos faz entender que a política faz parte da diversidade de nossa vida cotidiana. Política também é a coisa mais importante para a democracia e para a sociedade. Portanto, a política se justifica e faz do presente de cada pessoa a consciência de sua identidade como ser humano.

O amor é o conector de todas as religiões

Numa breve leitura sobre os conceitos fundamentais das principais religiões do mundo, como, por exemplo, o Cristianismo, o Judaísmo, o Islamismo e o Budismo, constata-se, que em todas o ideal do amor é a base doutrinária e a força capaz de unir e superar todas as outras diferenças.

Aliás, é sabido por todos, embora não compreendido ou praticado pela maioria, que é preciso deixar de lado as diferenças culturais, de fé, de cor para que se consiga viver em paz e alcançar a felicidade.

No que se refere às diferenças religiosas, é preciso raciocinar que o tempo da idade média está sepultado. Não há mais necessidade de essa ou aquela religião fortalecer-se e tentar dominar o terreno da outra. Os espaços já estão garantidos e cabe ao indivíduo, cidadão, escolher a que melhor se adapte à sua cultura ou ao seu estilo de vida. Basta divulgar o amor e esperar os fiéis, pois as falsas religiões que não têm o amor como base doutrinária, certamente, tiveram, têm ou terão vidas curtas.

Os líderes espirituais das principais religiões do mundo têm as mensagens de amor, em suas mais variadas facetas, como o carro chefe de suas pregações. O Dalai Lama diz sentir certa compaixão “até mesmo pelo torturador”, referindo-se aos comunistas chineses que torturaram os tibetanos. Também o Papa João Paulo II perdoou o Turco que tentou lhe tirar a vida. Ou seja, para ter compaixão e para poder perdoar, tem que haver um ingrediente especial: o amor.

Outro ponto comum das religiões é a condução de seus fiéis para o bem, ensinando-os a pautarem suas vidas nos caminhos da ética e da moral. Nesse sentido, pode-se constatar que todas elas pregam, por exemplo, que não se deve mentir, matar ou roubar.

Fica claro, portanto, com base nessa reflexão, que não se deve julgar qualquer religião pelos atos terroristas de alguns bandidos que tiram vidas humanas em nome de Deus, sejam eles intitulados de mulçumanos, cristãos ou judeus. Ou seja, diferentemente do ensinamento de Maquiavel, os fins não justificam os meios, e cada qual tem o direito de acreditar no que entende ser o melhor para o seu bem estar. Com a palavra o Dalai Lama:“Ora, por exemplo, como sou monge budista, considero o budismo o mais conveniente. Para mim, concluí que o budismo é o melhor para todo o mundo. Isto está claro. E é categórico. Se eu acreditasse que o budismo era o melho para todos, seria uma tolice, porque pessoas diferentes têm disposições dirferentes.” (Dalai Lama- A Arte da Felicidade- por Hward C. Cutler- Martin Fonte, 2008-p.333).
Enfim, no momento em que grandes líderes religiosos pregam a necessidade de todos se tratem com tolerância, amor e compreensão mútua, querem mostrar que, embora não ninguém tenha que abrir mão de suas crenças e tradições, pode-se caminhar lado a lado na luta pela tão sonhada paz mundial.

Nesse sentido, algumas igrejas cristãs no Brasil formaram, em 1982, O CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil), que segundo ensinamento do Pe. Flávio Ramos, de Andiroba-MG, define-se como uma associação fraterna de igrejas que confessam o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador.“Atualmente fazem parte do CONIC: Igreja Católica Apostólica Romana, Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, Igreja Presbiteriana Unida do Brasil, Igreja Sirian Ortodoxa de Antioquia.” (Pe. Flávio Ramos- Informativo O Conselho-Santa Ana- Andiroba/MG)
Ainda são poucas as igrejas associadas e até o momento não se tem notícias sobre quais foram as ações do CONIC desde a sua fundação..

Entretanto, neste ano a campanha da fraternidade da igreja católica terá a participação do CONIC, cujo lema e tema são respectivamente: “Vocês não podem servir a Deus e o dinheiro (Mt6,24)” e “Economia e vida”.“O objetivo geral da campanha é colaborar na promoção de uma economia a serviço da vida, fundamentada no ideal da cultura da paz, a partir do esforço conjunto das Igrejas Cristãs e de pessoas de boa vontade, para que todos contribuam na construção do bem comum em vista de uma sociedade sem exclusão.Os objetivos específicos: - sensibilizar a sociedade sobre a importância de valorizar todas as pessoas que a constituem; - buscar a superação do consumismo, que faz com que o ter seja mais importante do que as pessoas; - criar laços entre as pessoas de convivência mais próxima, em vista do conhecimento mútuo e da superação tanto do individualismo como das dificuldades pessoais; - reconhecer as responsabilidades individuais diante dos problemas decorrentes da vida econômica em vista da própria conversão.” (Pe. Flávio Ramos)
Outro ponto que é oportuno ressaltar antes de finalizar o presente artigo é a respeito da necessidade da religião nestes tempos de pós-modernidade, haja vista que há uma corrente muito forte no sentido de desmerecer os trabalhos dos religiosos e das religiões às quais lideram.

É inconteste que a palavra religião tenha recebido, ao longo dos séculos, um significado pejorativo pelos fatos negativos ocorrido em todas elas. Ou seja, é mais fácil lembrar-se da santa inquisição, dos homens bombas e dos sacos cheios de dinheiro no estádio de futebol(Mineirão), do que todos os ensinamentos bons passados a bilhões de pessoas e, certamente, responsáveis por este mundo ainda estar de “pé “. Os fatos negativos foram gerados por pessoas e não pelas doutrinas das religiões a que dizem estarem ligados.

É necessário, pois, que o homem pós-moderno, embora não tenha que ser um religioso nos moldes dos seus antepassados, tenha em mente que o objetivo das religiões é beneficiar as pessoas, indicando-lhe o caminho da felicidade. Um caminho bem mais curto e mais barato do que o do consumismo indicado pelas mídias. Ou, ainda, uma fonte em que todos podem beber sabedoria, prudência, ética, bons costumes, amor, compaixão, perdão e, enfim, paz de espírito.

Por fim, as divergências religiosas, embora remontem ao início da civilização, têm que dar lugar ao convívio fraterno entre os homens e para que isto ocorra todos têm que ceder, ser tolerantes e, principalmente, cultivar o amor: o conector de todos os credos, sem, contudo, repita-se, abrir mão de sua crença e tradição, visto que:" As tradições religiosas podem existir lado a lado. Elas não deveriam nem lutar umas contra as outras nem ter de se fundir numa única.” (DALAI LAMA)
Você sabia que de acordo com a Lei 11.635/07, o dia 21 de janeiro é, no Brasil, dedicado à reflexão sobre a tolerância religiosa? 

Por: Éder Ângelo Braga

Suportando a adversidade: um breve relato da vida de José do Egito

Eu Meditava esta semana na vida de José do Egito, ele tem uma história muito interessante, sem levar em conta aqui todo um lado teológico, mas sim pedagógico. O que podemos aprender com ele e sua caminhada.
O pai de José sendo já velho teve um filho, só quem nunca conheceu um pai já velho tendo um filho não conhece o resultado disto. É muito mais paparicado, tem mais liberdade de brincadeiras e palavras com o pai. Já que o mesmo está com paciência, sem a correria para ganhar a vida, pois está com ela mais tranqüila, os filhos mais velhos já encaminhados na vida.
Assim o filho tendo mais intimidade com o pai, passa a falar ao mesmo o que os mais velhos fazem escondidos, até para conquistar uma confiança maior “José trazia a seu pai más notícias a respeito deles.” (Gênesis 37: 2b). No caso de José seu pai comete um erro gravíssimo que se qualquer um de nós o cometermos terá um resultado desagradável. – Ter preferência por um filho. Isso gera na família um sentimento de vazio, discórdia e competição desnecessária em casa. “Israel amava mais a José do que a todos os seus filhos, porque era filho da sua velhice; e fez-lhe uma túnica de várias cores. Vendo, pois, seus irmãos que seu pai o amava mais do que a todos eles, odiavam-no, e não lhe podiam falar pacificamente.” (Vv.3-4) Para complicar mais a mãe do rapaz era a amada do pai.
A cabeça dos outros filhos não dava conta de resolver isso dentro em si. O garoto não precisava aprender serviços pesados como os irmãos. Ele lia, estudava o livro sagrado, ganhou uma roupa especial. Fora que deveriam ver o pai bajular a mãe de José e as outras não receber o mesmo carinho e cuidado.
Quando os irmãos de José resolvem acabar com aquela situação, não era nenhum sentimento novo no pedaço. É um sentimento que temos oculto em nossos corações. Quando lemos sua história nos tornamos juizes de seus irmãos. Achamos um absurdo o que desejaram fazer-lhe. Mas pense no que sentiria se isso fosse na sua família? Não duvido o que sentiria escondido em seu coração.
Daí começa uma história de superação. Desanimo em algumas ocasiões e um outro fator interessante. Tudo que ele se dispôs a aprender com o pai e a mãe serviu-lhe de serviço na casa real.
O texto bíblico conta que José era um homem formoso (Gênesis 39:6), mas era muito inteligente também, afinal Potifar entrega em suas mãos tudo o que tinha. Porém esqueceu da mulher que havia em sua casa. “E aconteceu depois destas coisas que a mulher do seu senhor pôs os olhos em José, e lhe disse: Deita-te comigo.” (Vv.7) Imagino o quanto José deve ter recebido de cantada, palavras macias, ofertas de dinheiro, bens e delicias. Esta é a parte que mais ele foi provado. Para um jovem bonito, inteligente sem os pais por perto, sem apoio da família não cometer a loucura de se entregar aos desejos da carne. Foi um suportar a maior adversidade.
Ele quando disse não a mulher, não ficou ali sendo tentado para mostrar a si mesmo a força interior que tinha. Saiu correndo, a pegada da mulher não foi de palavras apenas, ela o agarrou de tal forma que até suas roupas ficaram para trás. “Então ela, pegando-o pela capa, lhe disse: Deita-te comigo! Mas ele, deixando a capa na mão dela, fugiu, escapando para fora.” (Vv.12) Quando éramos pequenos brincávamos de pega e quando éramos pego de surpresa tirávamos a camisa por trás e o que pega ficava só com a camisa nas mãos e nós longe.
Isso que aconteceu com José. Ela o pega de jeito, sua carência emocional era visível. Todos sabiam que ele não era um rapaz qualquer, suas mãos eram macias, não conhecia o sol escaldante do trabalho rural.
O desejo daquela mulher havia se tornado louco, obcecado a levá-la ao desrespeito de seu lar e marido. José por sua vez, não esquecia do que havia sido ensinado a ele por seus pais. Estava longe na presença, mas seus ensinamentos ainda eram fortes em seu coração.
Ao ser ensinado sobre Deus guardou as palavras em seu coração. Ele poderia ter aproveitado aquela oportunidade que lhe era dado. Mas escolheu ser fiel a Deus. Escolheu sofrer pelo não cometido a negar sua fé e respeito ao seu Servo Potifar.
A adversidade vem em nossas vidas para nos provar, nos ensinar um caminho diferentes daquele que estamos acostumados a viver. Como um terremoto, tudo balança sai do lugar, mas não podemos desistir de continuar a caminhada.
Na adversidade aprendemos que nossos dons e talentos não são para guardarmos em uma gaveta e usá-los quando desejarmos. Mas ele tem que estar à disposição de Deus. Pois é a porta para sairmos de tamanhas lutas que nos afligem. Quando conseguimos enxergar na adversidade a oportunidade de transpassar barreiras estamos enxergando muito além do impossível. Assim foi José. Ao chegar à prisão se abateu é claro, quem não se abateria. Mas não deixou ser dominado por este sentimento, viu ali uma oportunidade de mandar seu recado ao rei.
Interpretando os sonhos dos colegas de cela ele não apenas usou seu dom, como também disse ao copeiro que não esquecesse dele, ou seja, diga que eu estou aqui. Que ainda estou vivo e pronto para voltar. Como os planos são nossos e o executar vem de Deus, ele teve que esperar dois anos.
Outro fato interessante na vida de José é que ele poderia ter deixado levar pelo ódio dos irmãos e se prostrar, ficar doente de amargura e tristeza. Para ser chamado ao trabalho, o carcereiro viu em José sua falta de culpa, sua honestidade, uma confiança fora dos padrões normais. Mostrou serviço, zelo pelas tarefas e ganhou a confiança. Não ficou parado ali na prisão esperando o tempo simplesmente passar. Foi a luta pela vida, não desanimou, não entregou os pontos nem ficou ali só reclamando e perguntando o que será de mim?
Novamente é usado seu dom de interpretação de sonhos. Deus vê em José um homem maduro, que o amava mesmo na luta e adversidade, não deixou se dominar pela amargura de espírito.
Interpreta mais um sonho, ganha mais um voto de confiança. Faraó o coloca como Governador do Egito. Não precisou de uma carreira política para o posto, foi provado na vida, no trabalho. Ao saber usar um dom, mostrou que sabia governar. “Esse parecer foi bom aos olhos de Faraó, e aos olhos de todos os seus servos. Perguntou, pois, Faraó a seus servos: Poderíamos achar um homem como este, em quem haja o espírito de Deus? Depois disse Faraó a José: Porquanto Deus te fez saber tudo isto, ninguém há tão entendido e sábio como tu. Tu estarás sobre a minha casa, e por tua voz se governará todo o meu povo; somente no trono eu serei maior que tu.” (Gênesis 41:37-40)
Mesmo se tornando Governador não cresceu-lhe orgulho, foi fiel na prisão e no palácio e tudo que punha em suas mãos prosperava. Não vingou o acontecido como sempre desejamos em nosso coração.
A recompensa por ser obediente fiel e ter um coração limpo de todos os sentimentos inflamadores de contendas Deus lhe restitui a família, o pai tão amado. Desejo de vingança José provavelmente tenha tido quando vê seus irmãos. Quando mostrou seus irmãos quem ele era chorou feito criança. Suas lágrimas foram compensadas por Deus, que todas elas recolheu e as transformou em alegria e sorriso.
Está também passando por adversidades? Imagino o quanto está sendo dolorido, mas não feche seus olhos para o que de bom pode acontecer neste período. Ai pode estar sua chance de crescer, mostrar seus talentos e sabedoria.
Precisamos do banco de reservas muitas vezes para provar nosso caráter, fidelidade a quem servimos. Prova nosso amor para com Cristo e o quanto estamos prontos para ouvir e entender sua voz que nem sempre é doce.
Fiquemos atentos ao que Deus em Cristo Jesus está nos ensinando para que não perdamos de vista cada oportunidade que está surgindo em nossa caminhada.
Até a próxima...

Por: Silvia Leticia Carrijo de Azevedo Sá

A história de José do Egito

Os sonhos de José.
José teve sonhos que eram revelações e promessas de Deus para sua vida. Nessa parte pode-se falar sobre os “sonhos” do jovem, seus projetos para a vida, para a profissão, para o casamento, para a família, para o ministério, etc, e principalmente sobre os propósitos de Deus para cada um.

As tribulações de José.
Destacar o contraste entre o plano de Deus e a realidade aparente. A história de José parecia tomar um rumo totalmente oposto aos seus sonhos. Suas experiências seguintes são: o poço, a escravidão, a acusação de adultério e a prisão. Ao invés de melhorar, a situação de José parecia piorar cada vez mais. Entretanto, ele estava sendo conduzido para o lugar onde Deus queria levá-lo. Cada tribulação fazia com que ele chegasse mais perto do propósito final. Muitas vezes Deus não nos fala diretamente, mas nos conduz através das circunstâncias.

A fidelidade de José.
Entre a promessa e a conquista existem duas palavras que interferem: tribulação e tentação. As duas coisas muitas vezes se misturam. Isso esteve presente também na história de Israel entre a promessa da terra e a conquista da terra. As tribulações podem nos fazer enfraquecer diante da tentação, mas José não se deixou levar por isso. José foi tentado pela mulher de Potifar, mas não se contaminou com ela. Nessa parte, destaque as tentações do mundo sobre a vida do jovem. José foi fiel em todo lugar e em toda situação. O cristão deve ser exemplar, mesmo que seja na prisão ou no trabalho ou “no fundo do poço”.

A vitória de José.
Finalmente, José chegou ao governo do Egito. Seu caminho foi árduo mas as promessas de Deus se cumpriram em sua vida. Nessa parte, destaque as vitórias que o cristão terá na vida e a sua glorificação final quando Jesus voltar. Isso pode ser comparado com a entrada de Israel em Canaã. Porém, só entraram aqueles que foram fiéis durante a travessia do deserto.

Conselhos para uma vida abençoada e lançamento do cantor Jotta A no programa deste sábado

O programa Vitória em Cristo deste sábado (11/2) reserva uma novidade. O pastor Silas Malafaia lançará em rede nacional o novo CD de Jotta A, cantor mirim que teve seu talento revelado num programa de calouros. Após tanta expectativa serão exibidos na íntegra os clipes das músicas Estou contigo e O Extraordinário.

Após conferir mais esse lançamento da Central Gospel Music, não perca uma mensagem edificante com o pastor Silas Malafaia. Ele lhe dará conselhos para uma vida abençoada.

Guilherme Araújo entrevista a familia do Pr. Silas Malafaia.

Família A humanidade tem vivenciado muitas guerras por disputa de territórios, por ganância, preconceito, poder. Inúmeras são as razões para tantos confrontos, mas a maior batalha que enfrentamos nos dias de hoje e que gera graves consequências são os ataques contra a família, a célula-mãe da sociedade.

A banalização do casamento e do divórcio, o relativismo moral e a imoralidade sexual, a legalização do aborto e da união homossexual, práticas proibidas expressamente na Lei de Deus, têm contribuído para a demolição dos valores familiares e o adoecimento do ser humano. Por causa disso, muitas pessoas já não acreditam na construção de um lar feliz, harmonioso e seguro sob a proteção de Deus. Entretanto, precisamos resgatar os princípios bíblicos e morais que ficaram esquecidos, para não perdermos de vista uma das maiores dádivas que o Senhor nos concedeu: a família.

Antes de instituir a família na terra, Deus proveu um ambiente apropriado de segurança, refúgio, recolhimento, aceitação e aconchego aos seus membros; um local onde a família desse e recebesse cuidados especiais, preparando e fortalecendo cada membro (marido, mulher e filhos) para os desafios inerentes à vida.

Para que a família fosse preservada e perpetuada neste mundo pecaminoso, e o ser humano crescesse de forma sadia, o Senhor deu responsabilidades ao homem como cabeça e sacerdote do lar. Assim, ele deve conduzir a família com amor e mansidão, amando e respeitando a esposa, ensinando princípios éticos e morais, valores cristãos e bons hábitos aos filhos, como manda a Palavra de Deus, protegendo e provendo as necessidades espirituais, emocionais e materiais da família.

A mulher, por sua vez, também tem sua importância na edificação do lar, que exige sabedoria. Dentre suas responsabilidades dadas por Deus, destacamos a de ser a ajudadora do marido, o ponto de equilíbrio entre ele e os filhos, e a orientadora destes.

E, nesse conjunto harmonioso do lar, não poderíamos deixar de fora os filhos. Importa a eles obedecerem aos pais, honrá-los e respeitarem-nos (Leia Ef 5.22-33; 6.1-4). Aliás, filhos que obedecem aos pais têm vida longa e as bênçãos de Deus, pois esse é o primeiro mandamento com promessa!

Quando assimilamos tais conceitos e os empregamos no nosso dia-a-dia, passamos a entender que a família deve ser compreensiva e acolhedora para que cresçamos de forma plena, atravessemos a jornada da vida e alcancemos a bênção maior: a vida eterna ao lado do Pai.

Então, façamos da Palavra de Deus e de seus princípios a base da nossa vida e da nossa família. Só com ela não sucumbiremos aos modismos disseminados por esta sociedade perdida e sem Deus, que levam tantos à destruição e ao inferno.

Que o Senhor abençoe a sua família com toda sorte de bênçãos!

Pr. Silas Malafaia

Pr. Silas Malafaia da entrevista ao Blog do Guilherme Araújo

Entrevista exclusiva do Consultor de negocios e politicas Guilherme Araújo ao Pr. Silas Malafaia




Defender a fé cristã e os princípios e valores éticos, morais e espirituais da Igreja de Jesus Cristo – este tem sido o objetivo do pastor Silas Malafaia, que desde a sua juventude prega de forma clara, objetiva e consistente o Evangelho. Ele tem um ministério frutífero e expressivo até mesmo no meio secular, sendo reconhecido como o líder evangélico brasileiro que mais vende CDs, DVDs e livros que divulgam e explicam a Palavra de Deus para os evangélicos e não evangélicos.

O seu estilo franco, aberto, direto, questionador e nada legalista marca esse servo de Deus, que tem sido um incansável propagador do Evangelho de Jesus Cristo no Brasil e no exterior. Ele tem atendido a muitos convites para ministrar estudos bíblicos, fazer palestras e pregar em congressos.

O pastor Silas coordena e apresenta o programa Vitória em Cristo (anteriormente chamado Impacto), que está há 30 anos ininterruptos no ar. O programa é transmitido para várias cidades do Brasil, todos os sábados, de meio-dia às 13h, pela Rede Bandeirantes; de 09h às 10h, pela Rede TV; e de segunda a sexta-feira, de 16h às 17h, e aos sábados, de 14h às 15h, pela CNT, alcançado altos índices de audiência. Sua versão dublada para o inglês é exibida em mais de 200 países, alcançando cerca de 670 milhões de lares na Europa, no Oriente Médio, na África e na Ásia – que representa mais de 1 bilhão de telespectadores. Uma grande conquista para o programa aconteceu em janeiro de 2011, quando passou a ser exibido pela rede de televisão americana Daystar.

Além de coordenar e apresentar o programa Vitória em Cristo, o pastor Silas ainda apoia projetos sociais por intermédio da Associação Vitória em Cristo e organiza eventos de repercussão nacional, como o Congresso Pentecostal Fogo para o Brasil, o Congresso de Avivamento Despertai, a Escola de Líderes da Associação Vitória em Cristo (Eslavec) e a cruzada evangelística Vida Vitoriosa para Você, visando pregar o Evangelho para o maior número possível de pessoas.

Entre outras de suas atribuições estão presidência do Conselho de Ministros do Estado do Rio de Janeiro (Comerj), a vice-presidência do Conselho Interdenominacional de Ministros Evangélicos do Brasil (Cimeb), entidade que agrega mais de 8,5 mil pastores brasileiros, e a presidência da Editora Central Gospel e da gravadora Central Gospel Music. Em Março de 2010, foi eleito por unanimidade como o substituto do pastor José Santos à frente da Assembleia de Deus na Penha, atualmente Assembleia de Deus Vitória em Cristo. Santos liderou a instituição, com mais de 20 mil membros, durante quase meio século. A igreja atualmente conta com aproximadamente 25 mil membros.

Por sua efetiva contribuição à sociedade, pastor Silas tem recebido homenagens, como o título de Cidadão Benemérito do Estado do Rio de Janeiro, concedido pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, a medalha de Pacificador, concedida pelo Exército Brasileiro, e a Medalha do Mérito Legislativo, a maior honraria concedida pela Câmara dos Deputados.

Conferencista internacional que tem se tornado cada vez mais conhecido entre os evangélicos e não evangélicos dentro e do fora do Brasil, ele atribui o crescimento do seu ministério à direção de Deus na sua vida, à sua fé e à obediência aos princípios bíblicos que o levam a manter-se firme em suas convicções como Servo de Deus.

PT estuda confronto com os evangélicos; Pr. Silas comenta


Há poucos dias, no Fórum Social de Porto Alegre, uma das figuras mais importantes do Partido dos Trabalhadores, que é o Secretário Geral da Presidência da República, o senhor Gilberto Carvalho (foto), fez uma das mais importantes palestras para os militantes da esquerda em relação aos evangélicos, que merece toda a nossa atenção. Segudo ele: “a classe C não pode ficar a mercê da mídia conservadora. É preciso fazer uma disputa ideológica com os líderes evangélicos pelos setores emergentes”. O que ele está dizendo é que o Estado Brasileiro precisa produzir informação para a classe C justamente para disputar com os evangélicos.

É importante você ler o comentário de um dos mais importantes jornalistas independentes do Brasil, Reinaldo Azevedo, que fala sobre o assunto.

Mediante a colocação deste importante líder do PT, o Pr. Silas comenta:

1. Não demonizo partido político nenhum. Como todos sabem, já votei em Fernando Henrique, Lula e Serra. Voto em pessoas e não em partidos, porque todos eles possuem ideologias que ao serem confrontadas com a nossa fé, ficam devendo.

2. Não tenho autoridade para falar em nome dos evangélicos, mas creio que posso interpretar a opinião da maioria. Nós evangélicos não estamos em guerra com nenhum partido político, somos a favor do Estado Laico, das garantias individuais e de ampla liberdade de imprensa.

3. A questão do PT é que eles defendem a legalização do aborto, das drogas, a união civil homossexual, com destaque para aprovação do PL122, que além de ser uma afronta a Constituição, privilegia os homossexuais. Fora tentar de todas as formas ensinar o homossexualismo nas escolas através do Kit Gay. Isto é o que o PT tem lutado para aprovar no Congresso Nacional, bem como defendido em documentos divulgados pelo partido.

4. Os ideólogos desse partido entre os quais se inclui o senhor Gilberto de Carvalho, não engolem a postura firme dos evangélicos em combater o lixo moral que o PT defende, e para ser justo e honesto, outros partidos políticos defendem a mesma coisa.

5. Se o PT quer confronto com os evangélicos vão perder tempo porque nós não lutamos no dizer do Apóstolo Paulo, contra a carne e o sangue, mas sim contra principados, potestades, príncipe das trevas, hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Não estamos disputando ideologicamente nada com ninguém. O que fazemos é pregar o Evangelho que transforma o homem na sua totalidade: biologicamente, psicologicamente, socialmente e espiritualmente. Se isto incomoda o PT, “azar o deles”. Não vamos abrir mão de nossas convicções seja por pressão ou por coptação. A Igreja de Jesus é invencível, quem se levantar contra Ela vai cair.

6. Quero deixar um alerta ao povo evangélico, chamando a atenção da liderança. Os métodos que eles utilizam são dois. Primeiro: ou conquista você com as benécies do poder. Segundo: ou montam dossiês e fabricam calúnias e difamações para desqualificar as pessoas. Não se espantem se amanhã tiver notícias em jornais para incriminar líderes evangélicos, e sem nenhuma presunção, ou orgulho, sei que eu sou um dos principais. Só que ao utilizarem o segundo método vão verificar que o povo de Deus segue a Jesus e não a homens. Isto vai fortalecer a fé do povo e fazer com que a Igreja cresça ainda mais. A história confirma o que acabo de dizer.

7. Quero ser repetitivo para marcar muito bem a minha posição. Não demonizo partido político e se tiver que votar em alguém do PT farei isto sem nenhum problema. Como disse anteriormente, eu voto em pessoas e não em partido político. Por favor, peço ao povo evangélico que divulgue o máximo que puderem toda esta matéria. A Bíblia diz que a única coisa que pode destruir o povo de Deus é a falta de conhecimento (Oseias 4:6). O povo evangélico precisa conhecer o que está acontecendo.

Crente divorciado pode casar de novo?

Exit Light
Creative Commons License photo credit: FreeWine
“Todavia, aos casados mando, não eu mas o Senhor, que a mulher não se aparte do marido.Se, porém, se apartar, que fique sem casar, ou que se reconcilie com o marido; e que o marido não deixe a mulher.”  (I Coríntios 7 : 10,11)
Muita gente interpreta o verso acima de forma literal, entendendo que todo crente ou não deve se separar ou, caso tenha se separado, não pode mais se casar, tendo que obrigatoriamente se tornar um eunuco.
Será que foi isso mesmo que Paulo quis ensinar ?
Creio que não.
Creio que Paulo se referia às pessoas bem casadas que por algum motivo (talvez por acharem que a vinda do Senhor acontecesse naqueles dias) quisessem se separar e viver sozinhas (supostamente para servir a Deus melhor), a essas ele diz que continuem casadas ou que estando sozinhas e decidindo deixar o celibato voltem ao seu relacionamento anterior.
Porque penso assim?
Porque Paulo nesse capítulo todo fala de forma realista sobre sexo, não propõe nunca que se resolva desejo sexual somente com oração de algum forma miraculosa e sim que se sacie o desejo da maneira mais saudável possível.
“Mas, se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se.”  (I Coríntios 7 : 9)
Ora, se é assim não há como crer que Paulo realmente estivesse ensinando que quem se separasse (não havendo mais como ficar juntos) ficasse sozinho para sempre.
Isso seria jogar a pessoa separada na prostituição certa e Paulo sabia disso.
Por outro lado, se reconciliar com alguém sem amá-lo é outra espécie de prostituição, pois casamento (e todo o resto) sem amor não vale nada diante de Deus.
“E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.”  (I Coríntios 13 : 3)
Casamento sem amor também é uma espécie de escravidão e embora Deus nos aceite mesmo sendo escravos de outros, ele nos sugere sempre aproveitarmos as ocasiões de libertação e a não nos deixarmos escravizar novamente:
“Foste chamado sendo servo? não te dê cuidado; e, se ainda podes ser livre, aproveita a ocasião.”  (I Coríntios 7 : 21)
“Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens.”  (I Coríntios 7 : 23)
Alguns diriam que o divórcio só é permitido em caso de adultério, mas será que uma pessoa que está com a outra sem amor ficaria até o fim da vida sem adulterar, ainda que de forma subjetiva ?
“Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.”  (Mateus 5 : 28)
Creio então que no caso daqueles que realmente não tenham mais como ficar juntos, o melhor é separarem-se e tentarem a vida novamente, desde que seja “no Senhor” .

Os pecados de Sodoma e Gomorra

Destruição de Sodoma e Gomorra
Destruição de Sodoma e Gomorra
“Ora, eram maus os homens de Sodoma, e grandes pecadores contra o SENHOR.”  (Gênesis 13 : 13)
Muita gente acha que o grande pecado de Sodoma e Gomorra que causou a sua destruição tenha sido a homossexualidade mas isso não é bíblico.
Não estou dizendo que homossexualidade não seja pecado e nem que não houvesse quem praticasse isso por lá; apenas digo que não foi essa a grande causa de sua destruição pois a Bíblia nem se dá ao trabalho de mencionar se eles praticavam isso ou não.
Os pecados de Sodoma e Gomorra que a Bíblia cita eram:
Falsidade, adultério, apoio aos malfeitores
“Mas nos profetas de Jerusalém vejo uma coisa horrenda: cometem adultérios, e andam com falsidade, e fortalecem as mãos dos malfeitores, para que não se convertam da sua maldade; eles têm-se tornado para mim como Sodoma, e os seus moradores como Gomorra.”  (Jeremias 23 : 14)
Omissão perante as necessidades dos pobres mesmo tendo condições de ajudar, soberba e prática de abominações
“Eis que esta foi a iniqüidade de Sodoma, tua irmã: Soberba, fartura de pão, e abundância de ociosidade teve ela e suas filhas; mas nunca fortaleceu a mão do pobre e do necessitado.E se ensoberbeceram, e fizeram abominações diante de mim; portanto, vendo eu isto as tirei dali.”  (Ezequiel 16 : 49,50)
Dissolução
“E livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis (Porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, vendo e ouvindo sobre as suas obras injustas);” (1ª pedro 2:7,8)
Fornicação
“Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno.”  (Judas 1 : 7)
Note que em nenhuma das descrições de fala especificamente sobre homossexualidade(embora alguns possam incluí-la em dissolução ou abominação).
A maioria porém não deve ter lido os versos acima, usando como base somente o relato da visita dos anjos a Sodoma, onde supostamente estaria a prova de que o grande problema de Sodoma era a homossexualidade pois os moradores da cidade queriam “conhecer”(que pode ter sentido sexual) a eles.
No entanto, independentemente de haver ou não um gosto pelo sexo homossexual nos moradores de Sodoma, o que se vê é uma tentativa de estupro, chamada por Ló e por eles mesmo de “mal”.
“E chamaram a Ló, e disseram-lhe: Onde estão os homens que a ti vieram nesta noite? Traze-os fora a nós, para que os conheçamos.
Então saiu Ló a eles à porta, e fechou a porta atrás de si, e disse:
Meus irmãos, rogo-vos que não façais mal;Eis aqui, duas filhas tenho, que ainda não conheceram homens; fora vo-las trarei, e fareis delas como bom for aos vossos olhos; somente nada façais a estes homens, porque por isso vieram à sombra do meu telhado.
Eles, porém, disseram: Sai daí.
Disseram mais:
Como estrangeiro este indivíduo veio aqui habitar, e quereria ser juiz em tudo? Agora te faremos mais mal a ti do que a eles.
E arremessaram-se sobre o homem, sobre Ló, e aproximaram-se para arrombar a porta.”
(Genesis 19:5-9)
Desse modo fica dificil dizer se os moradores estavam realmente desejando sexualmente os anjos ou se só queriam estuprá-los a fim de os humilhar(sabe-se lá por qual motivo maligno).
Só para finalizar: dentro todos os pecados cometidos por Israel e denunciados pelos profetas não se menciona (pelo menos não que eu me recorde, se há alguma menção deve ser bem rara) a homossexualidade; apesar disso se diz que o pecado de Israel era maior que o de Sodoma e Gomorra:
“Porque maior é a iniqüidade da filha do meu povo do que o pecado de Sodoma, a qual foi subvertida como num momento, sem que mãos lhe tocassem.”  (Lamentações 4 : 6)
E você? O que pensa acerca de Sodoma e Gomorra?

Masturbação é pecado?

Masturbação é um tema muito importante de ser discutido entre cristãos, já que a maioria dos solteiros(se não todos) pratica e, como acha pecado, acaba considerando um fardo a ser carregado, um verdadeiro “espinho na carne”.
Os principais argumentos dos que dizem que masturbação é pecado são que para se masturbar a pessoa precisa pensar em sexo(e isso supostamente seria pecado) ,que depois da masturbação sente-se culpa (o que, segundo eles, prova que Deus não acha certo) e que a masturbação vicia e não devemos ter vício algum.

É pecado pensar em sexo?

A Bíblia não fala diretamente sobre masturbação, mas algumas pessoas tentam(forçosamente) a encaixar em alguns versos, como esse:
Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela.(Mateus 5:28)
A argumentação é de que Jesus  tenha declarado toda fantasia sexual(que, segundo tal pessoa, é sempre necessária na masturbação) como sendo “adultério”, quando qualquer um que tenha lido o contexto percebe que ele estava ampliando o significado do mandamento “não cometerás adultério” e não dando um mandamento sobre um solteiro que desejo uma solteira.
Ouvistes que foi dito aos antigos: Não cometerás adultério.(Mateus 5:27)
Jesus falava que o adultério começava no coração e não que todo desejo de um homem por uma mulher (ou vice versa) fosse realmente “adultério”.
Um homem livre desejar uma mulher livre ou vice versa não aparece nunca na Bíblia como pecado.
Além do mais, contrariando o chavão que diz:”ninguém se masturba pensando em cachoeiras”, nem sempre é necessário pensar em algo sexual no momento do ato para conseguir(principalmente se a pessoa está se abstendo a algum tempo).

A culpa que alguns sentem após o ato não prova que é pecado?

Nossas culpas nem sempre são racionais, as vezes são baseadas na cultura onde a gente vive e na educação que recebeu, de modo que só o sentimento de culpa não prova que masturbação seja pecado, é preciso buscar na Palavra a resposta e não se deixar guiar apenas pelo sentimento de culpa.

Masturbação vicia?

Masturbação como qualquer outra coisa pode viciar sim, mas nem sempre que alguém gosta muito de algo quer dizer que ela esteja viciada.
O fato de alguém querer se masturbar sempre também não quer dizer que ela esteja viciada, assim como um casal que faz sexo diariamente não está necessariamente viciado em sexo.

Procure o equilibrio

O importante é ter em mente que a masturbação é apenas uma fase, não é o ideal.
O ideal é que cada pessoa(que não seja eunuco) tenha seu parceiro(a), masturbação é só uma alternativa enquanto não se tem esse parceiro(a).

Fazer o bem a todos sem olhar a quem!!

Neste Domingo 05/02, o Projeto Amigo de Taubaté realizou um evento no bairro Jardim Santa Tereza, em beneficio do povo.
Houve distribuição gratuita de algodão doce, geladinho, pipoca, contando ainda com os Amigos voluntários cabeleireiros efetuando cortes de cabelo, enfermeiros fazendo medição de pressão e muita música. 
Foram feitos também cadastros com os moradores para recebimento de leite.
Fazer o bem ao próximo é um dever de todos nós, principalmente daqueles que mais necessitam.
Na oportunidade não apenas as pessoas ficaram felizes, mas sim toda a equipe de voluntários que deixaram seu lazer de domingo em beneficio daquela comunidade.
Captar o sorriso de uma criança, naquele momento de alegria, nos dá uma sensação que não existe sentimento mais profundo do que a fraternidade.

Matéria do Blog cria polêmica no meio político de Caraguatatuba

Recebemos vários e-mails, telefonemas e menções em redes sociais a respeito da matéria vinculada nesta 2ª feira que obteve 585 acessos no Caraguablog “Em Caraguá começa a disputa pelo Executivo“ e cremos que ela deve ter continuidade.
Muitos desses contatos foram cumprimentos por nossa independência, visto que expusemos os candidatos sem ser partidário a nenhum dos lados.

O fato que criou maior polêmica foi à citação do postulante Álvaro Alencar Trindade que recentemente trocou o PMDB pelo PT.
O questionamento foi de que o PT em prévias já escolheu seu pré-candidato á prefeito Sr. Rodolfo Fernandes militante antigo do partido em Caraguatatuba e que assim sendo o Sr. Álvaro não é mais candidato, pois foi derrotado nesta prévia. Então pela Frente Suprapartidária  estaria excluído e o blog não deveria lembrar seu nome. No Facebook me chamaram até de desinformado.

Primeiramente as prévias são uma forma de consulta interna dos partidos a ou b, podendo ou não prevalecer. Já vimos na história recente de nossa democracia diretórios sendo destituídos ou desautorizados pela direção maior Estadual ou Federal que se coliga com outro partido e abre mão da candidatura a favor deste.

O próprio PT nacional emitiu um comunicado visando as eleições de 2012 para que os diretórios municipais não realizem prévias e sim façam a escolha de consenso visando uma candidatura mais forte no município e não só no partido.

O que comanda uma eleição é o Calendário Eleitoral que diz que os candidatos serão escolhidos em Convenções Partidárias. O calendário eleitoral do TSE para as eleições municipais de 2012, Lei nº 9.504/1997, art. 8º, caput, diz que domingo dia 10 de junho “Data a partir da qual é permitida a realização de convenções destinadas a deliberar sobre coligações e escolher candidatos a prefeito, a vice-prefeito e a vereador”.
Portanto até lá tudo pode se alterar e o blog ou seu responsável não é obrigado a satisfazer ordem interna de nenhum partido ou coligação. O blog não vota só expõe, relata, retrata. 
A matéria foi jornalística apresentando à cidade as possibilidades de candidatos à prefeitura para a eleição de 2012 que escolherá os mandatários por mais 4 anos mostrando todas as opções,
José Flávio Pierre/Caraguablog

Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro