A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Justiça proíbe liberação de emplacamento para residências em loteamentos irregulares e de risco mas as obras continuam sem nenhuma fiscalização






Moradores não podem pedir ligações de água e luz; prefeitura se solidariza e pede análise. A situação dos loteamentos irregulares ou construídos em áreas de riscos ou de Preservação Permanente (APPs) de Caraguatatuba está se complicando a cada dia e as restrições têm aumentado. Agora, juízes da comarca têm decidido pela proibição de novas intervenções nesses locais. Pelo menos 14 áreas já têm sentença e os moradores começam a sentir os efeitos. Pelas decisões, a prefeitura fica proibida de aprovar qualquer projeto construtivo em alguns locais; áreas foram embargadas; projetos de construção também não podem ser liberados, além de ser decretado o congelamento em alguns loteamentos. 

14 áreas com pendências ou restrição judicial Recanto Ana – Bairro Rio do Ouro – Loteamento irregular/clandestino Proibida a aprovação de projetos e construções Vila São Lourenço - Bairro Rio do Ouro – Loteamento irregular/clandestino Proibida a aprovação de qualquer projeto construtivo na área Morro do Sumaré – Loteamento irregular/clandestino em área de risco Área embargada por decisão judicial. Vedadas novas construções ou ocupações 

Confiram as fotos dos buracos e ruas esquecidas no bairro do Morro do Algodão.


Peço a Dra. Maria Regina Rapoli Correia - Ouvidora Municipal que analise e encaminhe esta fotos ao secretario municipal de serviços públicos Sr. Sergio Arnaldo Braz e peça soluções para esta situação que já se arrasta por muitos meses.

Sem mas aguardo contato de retorno referente a esta situação.







































Avenida Guilherme de Almeida, em frente ao Nº 716

















Avenida Guilherme de Almeida, em frente ao Nº 688, logo na entrada do bairro. 


Esquina totalmente esburacada na Avenida Guilherme de Almeida, em frente ao Nº 903. Esta mesma esquina já foi "consertada " várias vezes, mas ao que parece a mão de obra não é competente o suficiente para resolver o problema.


















Aqui vemos a primeira rua ao entrar no bairro do Morro do Algodão, ( Avenida Guilherme de Almeida com a Rua Maria dos Anjos ). É apenas a primeira rua, que ainda não foi pavimentada. 


















Buraco na Avenida Guilherme de Almeida, em frente ao Nº 510. Estes buracos são perigosos para motoqueiros e um grande prejuízo para os carros que sem perceber passam por cima.


















Esta rua também é uma das ruas que dão acesso a Avenida Guilherme de Almeida, porém está totalmente abandonada e sem identificação.


















Mais um perigoso buraco no meio da Avenida, que poe em risco a vida de muitos motoqueiros. 


















Uma mão de obra desqualificada deixa marcas. E quem sofre com isso somos nós moradores que precisamos passar muitas vezes todos os dias por estes locais.


















Esta é a Rua Salestiano Rodrigues Ferreira com acesso a Avenida Guilherme de Almeida. Como vocês podem ver a rua não está pavimentada e tem um grande " retalho " de materiais para tentar melhorar a passagem pelo local.
























Esta é a esquina da Rua Salestiano Rodrigues Ferreira, em frente ao Nº 15, com a Avenida Guilherme de Almeida. Existe um grande problema nesta esquina e quando passei pelo local notei a presença deste homem que fazia um " reparo " no buracos da esquina. Não me parecia alguém que trabalhe na prefeitura, no mínimo deveria ser um morador da rua, já cansado de esperar por ações da prefeitura.


















Rua Geralda Conceição Alves com acesso à Avenida Guilherme de Almeida, também sem pavimentação.


















Rua Ademar Fida com acesso à Avenida Guilherme de Almeida, sem pavimentação.
























Ainda na Rua Ademar Fica com acesso à Avenida Guilherme de Almeida, encontramos um grande esburacamento, dificultando o tráfico de automóveis no local. Prejuízo para toda população.


















Rua José Fabrete, em frente ao Multiclube Ilha Morena, seguindo a sequencia de ruas não pavimentadas que tem acesso à Avenida Guilherme de Almeida. 


















Outro buraco em frente a Rua José Fabrete, até 'parece imperceptível' para os setores públicos responsáveis.
























Esquina da Rua Olavo Bilac com acesso a Avenida Guilherme de Almeida, em frente ao Multiclube Ilha Morena. Uma grande poça d'água se formou diante do tamanho do buraco no local.

























Um bueiro parcialmente aberto e quebrado está localizado na Rua Martins Fontes com acesso a Avenida Guilherme de Almeida. Ao que podemos ver este bueiro pode ser facilmente uma armadilha para quem passa despercebidamente no local. 


















Com acesso a Avenida Guilherme de Almeida, a Rua Alberio da Silva Gordo, é bastante conhecida e frequentada pelos moradores, pois, a padaria principal do bairro se localiza na esquina. E como vemos mais uma rua não pavimentada.
























A mesma rua Alberio da Silva Gordo, está com um grande buraco que se mantém ali e nada é feito para melhora-lo. 


















Chegamos a mais uma rua que dá acesso a Avenida Guilherme de Almeida, esta é a Travessa Guilherme de Almeida é seguindo a sequencia desde a entrada do bairro até aqui está é a 9º rua não pavimentada.


















Esta é a rua Antônio Pontes com a Avenida guilherme de Almeida. Sem pavimentação e tomada por matos. 


















Rua Casimiro José Marques de Abreu com acesso a Avenida Guilherme de Almeida. Sem pavimentação.
























Buracos na esquina da Rua José Marques de Abreu com a Avenida Guilherme de Almeida. Buracos que parecem que nunca foram consertados.


















Avenida Guilherme de Almeida, em frente ao Nº 1134. 


















Bueiro totalmente aberto ao ar livre, pondo em risco os pedestres que passam pelo local. Este bueiro encontra-se na Rua Edson Santos também com acesso a Avenida Guilherme de Almeida. 
























O bueiro que fica na esquina da Rua Edson do Santos que é uma das ruas mais conhecidas do bairro por causa da Igreja Católica, frequentada semanalmente por centenas de moradores. O que aumenta o risco de um acidente.