A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Leticia Spiller escolhe saia lápis de couro para ir ao Fashion Rio. Veja looks!

Leticia Spiller escolhe saia lápis de couro para ir ao Fashion Rio. Veja looks! - 1 (© AGNews)

Leticia Spiller prestigiou o desfile da grife Patrícia Viera, no Fashion Rio, na noite desta quarta-feira (6). A atriz de "Joia Rara" foi ao evento, realizado no Píer Mauá, na Zona Portuária do Rio, com uma saia lápis e uma jaqueta da da marca. A loira escolheu um sapato Constança Basto para complementar o look.
Em entrevista à revista "Marie Claire", Leticia comentou que acompanha as tendências da moda e falou sobre as suas preferências. "Gosto também das peças estampadas", disse a atriz que está feliz com a chegada dos 40 anos.
"Cada idade tem sua alegria característica. Estou dedicada a viver essa de agora. Tudo é fruto de muito esforço. Comer bem e de forma equlibrada, essas coisas que fazem superbem para a saúde".
Antonia Fontenelle também esteve na semana de moda carioca e mostrou elegância ao usar uma bolsa Chanel e um vestido assinado por Regina Salomão.
Fabiana Karla, no ar em "Amor à Vida", usou uma roupa escolhida pelo seu personal stylist Sebah Franco. Com om visual composto por jeans e blazer preto, ela falou com bom humor sobre as peças: "Nem escolhi o meu figurino. Mal cheguei em casa e já estava prontinho", declarou à revista "Quem".
Confira os looks em nossa galeria de imagens! O primeiro dia de Fashion Rio contou com desfiles das marcas Patrícia Viera, Alessa e Victor Dzenk.

A câmara Municipal de Caraguatatuba votou em Regime de urgência 5,98%

O pior que tem vereador que disse que este aumento é pouco pelo muito que ele faz... 

Alias nada esta sendo feito a não ser deixar de lado muitas votações que já deveriam ser votadas...



A câmara Municipal de Caraguatatuba votou em Regime de urgência 5,98% 
Reajuste SALARIAL para:

PREFEITO Que hoje ganha .......R$ 13.884,85 

PASSA A RECEBER..... R$ 14.715,16 Aumento Real............R$ 830,00

VICE PREFEITO Que hoje ganha .......R$ 8.974,86  

PASSA A RECEBER..... R$ 9.511,55... Aumento Real em....... R$ 536,00

E quando um vereador faltar ou estiver trabalhando em suas empresas estes serão descontados?





Adriane Galisteu leva copo d'água na cara de Rodrigo Faro durante gravação

Adriane Galisteu leva copo d'água na cara de Rodrigo Faro durante gravação - 1 (© Divulgação, Edu Moraes Record)

Adriane Galisteu será a primeira a comandar o novo "Domingo da Gente", programa de variedades da Record que vai contar com um apresentador diferente a cada semana. Na atração de estreia, que já foi gravada em São Paulo, Galisteu se divertiu ao lado de Rodrigo Faro e do filho Vittorio em uma brincadeira de baralho que quem perde leva um copo de água na cara. Sortudo, Faro não teve pena e molhou a apresentadora várias vezes.
Adriane Galisteu também foi sabatinada pelo público no quadro "Perguntar Não Ofende". Entre outras questões ela respondeu sobre seu passado com Ayrton Senna e contou que posou nua pela segunda vez por vaidade: "A segunda vez foi porque eu gostei mesmo!", disse, direta, arrancando aplausos do público.
Anitta foi a grande atração musical do programa. Além de ensinar a coreografia de seu maior sucesso, "Show das Poderosas", para Galisteu, a cantora participou de uma brincadeira pra lá de inusitada com a apresentadora: em uma caixa de ovos cozidos e crus, cada uma tinha que escolher um e quebrá-lo na cabeça.

Maria Melilo declara sobre anabolizantes: 'Me arrependo de ter usado'

Maria Melilo declara sobre anabolizantes: 'Me arrependo de ter usado' - 1 (© AGNews)

Maria Melilo surpreendeu a todos ao anunciar que precisou ser submetida a uma delicada cirurgia para a retirada de nódulos no fígado, na última segunda-feira (4), no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Aos 29 anos, a campeã da 11ª edição do Big Brother Brasil perdeu 70% do órgão.
"Estou me recuperando super bem. A cirurgia foi um sucesso", disse à revista "Marie Claire", contando já ter deixado o UTI e seguido para o quarto particular.
A ex-apresentadora do programa "Casseta & Planeta" contou que descobriu a doença há dois anos. "Foi um choque, mas sei que sou forte e guerreira para vencer essa batalha", afirmou.
Ela explicou por que só realizou a cirurgia agora. "O médico vem acompanhando. Como houve evolução dos nódulos hepáticos, ele achou que seria o momento da remoção. A partir de hoje vamos manter o acompanhamento com exames", completou.
Segundo a atriz, assim que ela sair do hospital, sua vida será normal. "Vou manter a rotina dos exames e levar uma vida saudável como sempre levei. Sempre fiz esporte e isso é o que está me ajudando na recuperação", contou.
O Câncer
Maria ainda não sabe o que gerou o câncer. "É uma doença rara, mas não sabemos o motivo, é difícil precisar as causas", disse. No entanto, quando perguntanda se o uso de anabolizantes - que ela admitiu tomar durante o BBB -, possa ter alguma ligação com o surgimento da doença, ela hesitou. "Pode ser que tenha agravado, mas não podemos afirmar", disse.
Mas a morena não usa mais essas substâncias. "Me arrependo de ter usado. Hoje eu sei que há limites para a vaidade! As pessoas precisam se preocupar mais com a saúde e menos com aparência", afirmou a artista, que namora o seu professor de jiu-jítsu, Sergio Moraes.

Dudu Azevedo faz 35 anos após sucesso como o piloto Amadeu em 'Flor do Caribe'

Dudu Azevedo faz 35 anos após sucesso como o piloto Amadeu em 'Flor do Caribe' - 1 (© AGNews)

Dudu Azevedo comemora 35 anos nesta quinta-feira (7) após ter completado o time de cadetes que fez sucesso na última novelas das seis, "Flor do Caribe". Na trama, ao lado de Thiago Martins, Max Fercondini e Henri Castelli, Dudu viveu o piloto Amadeu, que, junto com os colegas de profissão, viajaram em missões secretas. O quarteto fazia parte do grupo de pilotos de elite da Aeronáutica e foi responsável por arrancar suspiros do público a cada aparição.
Recentemente, Dudu Azevedo e Bruna Marquezine participaram como dubladores de personagens para um dos quatro filmes digitais da marca Cornetto, da Kibon. O filme, que junto com os demais será veiculado na fanpage brasileira, contou com a participação do ator e dublador Eri Johnson. O ator, que está em um relacionamento sério com a advogada Rafaela Vidal, pensa em oficializar a relação em breve.
Dudu Azevedo iniciou sua carreira com 14 anos, estreando em um dos clássicos adolescentes da TV nacional dos anos 90: o seriado 'Confissões de Adolescente'. Na produção da TV Cultura, contracenou com Leandra Leal e foi dirigido por Daniel Filho.
Após participar de algumas novelas e do seriado "JK", em 2006, dois anos depois atuou como Barretinho na novela "Duas Caras", de Aguinaldo Silva. Em 2011, protagonizou um episódio de "Amor Em Quatro Atos", inspirada nas canções do cantor e compositor Chico Buarque. No mesmo ano, ingressou nas novelas "Insensato Coração" e "Fina Estampa".

Ricardo Tozzi, Eri Johnson e Rita Guedes lamentam morte de Jorge Dória

Ricardo Tozzi, Eri Johnson e Rita Guedes lamentam morte de Jorge Dória - 1 (© Reprodução, TV Globo)

Ricardo Tozzi, Eri Johnson, Marcius Melhem, José de Abreu, Rita Guedes e outros famosos lamentaram a morte do ator e comediante Jorge Dória. O artista morreu na tarde desta quarta-feira (6), no Rio de Janeiro, por complicações cardiorrespiratórias e renais. Ele estava internado há 40 dias no CTI do Hospital Barra D'Or.
"Triste com a partida do grande Jorge Dória! Descanse em paz", escreveu Ricardo Tozzi no Twitter. "Estou muito triste. Mais um mestre foi embora. Jorge Dória, que Deus te receba com merecidos aplausos", publicou o ator Eri Johnson. "Triste com a morte de Jorge Dória. Tive a honra de escrever para ele, contracenar com ele e ser testemunha de seu talento e generosidade", pontuou Marcius Melhem.
"Meu adeus a Jorge Dória, que tive o prazer de trabalhar! Foi na novela 'Olho No Olho', ele fazia meu tio", contou Rita Guedes. "Bom descanso, mestre", disse Sérgio Marone. "E Jorge Dória nos deixou! Tive o prazer de trabalhar e conviver com ele. Foi meu padrinho na minha estreia no teatro, na peça 'A gaiola das loucas', em 1995. Ele me ajudou tanto, e como me ajudou! Amigo, divertido e humano... Que descanse em paz!", confessou David Brazil.

Thiago Lacerda prestigia vitória do Flamengo em jogo no Maracanã, no Rio

Thiago Lacerda prestigia vitória do Flamengo em jogo no Maracanã, no Rio - 1 (© Reprodução, Instagram)

Thiago Lacerda assistiu à vitória do Flamengo sobre o Goiás com Ricardo Pereira, seu colega de elenco em "Joia Rara". O jogo aconteceu na noite desta quarta-feira (6), no Maracanã, no Rio de Janeiro, e contou com a presença de outros famosos como Christine Fernandes, Floriano Peixoto e Marcius Melhem.
"Dia de jogo, dia de amigos", escreveu Ricardo no Instagram.
Cacau Protásio usou a rede social para publicar uma foto no estádio. "Pela primeira vez no maracanã vendo meu menção jogar e ganhar, não tem preço!!! Muito bom!", escreveu a atriz.
Bruno Gissoni e Arthur Aguiar também foram ao local e publicaram fotos da torcida.
"Por favor, quem não fizer parte da maior, melhor e mais feliz torcida do mundo não comente e não exponha a sua inveja aqui... Grato! Hahahaha #deitandoerolando #vamoflamengo #orgulho #contecomigomengao #nação", escreveu Gissoni com bom humor em uma das legendas.
Thiago Lacerda foi ao jogo sem a mulher, Vanessa Lóes, que está grávida de dois meses. Os dois já são pais de Gael, de 6 anos, e Cora, de 3.

Adriane Galisteu aposta em decote generoso para prestigiar evento em SP

Adriane Galisteu aposta em decote generoso para prestigiar evento em SP - 1 (© AGNews)

Adriane Galisteu roubou a cena na noite desta quarta-feira (6), na comemoração de aniversário de 1 ano da loja da marca Villa da Moda, no Brooklin, Zona Sul de São Paulo. Para prestigiar o evento, a loira apostou em um terninho preto bem justo com um decote bem generoso.
Ela será a primeira a comandar o programa "Domingo da Gente", nova atração de variedades da Record, que contará com um apresentador diferente a cada semana. Para a estreia, no dia 11 de novembro, Galisteu, que não é contratada da emissora de Edir Macedo, gravou cenas divertidas ao lado de Rodrigo Faro, de quem leva um copo de água na cara em uma determinada situação.
Recentemente, a loira foi entrevistada por Marília Gabriela no "De Frente com Gabi", e falou sobre seu maior desejo profissional. "Sonho em ser líder de audiência. Estou há dezoito anos na televisão, não sei fazer outra coisa. Televisão é minha vida", admitiu.
Além de ser apresentadora, Adriane também investe em sua carreira de atriz. Atualmente, ela está em cartaz com a peça "Três Dias de Chuva", dirigida por Jô Soares. "No teatro quero ser 100% perfeita. Me dedico demais. Para mim o teatro é mais difícil do que TV ao vivo, porque não se pode errar", explicou.

Dado Dolabella terá que indenizar camareira em R$ 40 mil: 'Agora acabou'

Dado Dolabella terá que indenizar camareira em R$ 40 mil: 'Agora acabou' - 1 (© AGNews)

A briga de Dado Dolabella com a justiça chegou ao fim. Na última quarta-feira (6) o ator perdeu no Superior Tribunal de Justiça (STJ) o recurso judicial para não pagar os R$ 40 mil, mais correção monetária, à camareira Esmeralda de Souza Honório.
Em conversa, Michel Assef Filho, advogado de Dado, afirmou que desta vez a decisão foi definitiva: "Já era esperado. Este foi um recurso apresentado para que o STJ reavaliasse esse valor. Condenado ele já tinha sido, mas gostaríamos que o valor fosse revisto. Não foi. Mantiveram os mesmos R$ 40 mil. Agora acabou, não temos mais como recorrer", disse.
A camareira Esmeralda acusa Dado Dolabella de tê-la agredido em 2008, quando ela tentou evitar uma briga do ator com sua então namorada, Luana Piovani. A confusão entre os atores aconteceu durante uma festa, após a estreia da peça "Pássaro da Noite", protagonizada pela atriz. Na ocasião, Esmeralda teve o braço imobilizado após ter sido empurrada por Dado.
Assim que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro determinou que Dado Dolabella pagasse os R$ 40 mil à camareira, Luana Piovani usou sua conta no Twitter para comentar a decisão judicial: "Não vai nem doer no bolso", escreveu na ocasião. "Pelo menos a gente sente um leve cheiro de Justiça", finalizou, afirmando achar baixo o valor estipulado.


Bárbara Evans fala sobre prêmio de 'A Fazenda': 'Está guardadinho'

Bárbara Evans fala sobre prêmio de 'A Fazenda': 'Está guardadinho' - 1 (© Reprodução, Instagram)

Bárbara Evans foi a entrevistada do programa "Pânico" da rádio Jovem Pan FM nesta quarta-feira (6). Com um clima bastante descontraído, a modelo falou sobre o tempo que ficou confinada em "A Fazenda 6" e sobre o término do namoro com Mateus Verdelho.
"Minha vida mudou completamente depois do reality. Eu entrei uma pessoa e saí outra. Eu sou mimadinha da mamãe sim, sempre tive tudo, mas eu cresci muito sozinha", contou Bárbara sobre os três meses que passou confinada no programa, no interior de São Paulo. A loira saiu de 'A Fazenda 6' com R$ 2 milhões na conta.
"Esse milhão eu não estou vendo muito, é muito imposto, complicado. Mas eu já recebi e está guardadinho", comentou a filha de Monique Evans, solteira após o fim do namoro com Mateus Verdelho. "Aqui fora é tudo muito diferente. Ele está com vida dele corrida e eu também. Aí a agenda não batia. Ele é DJ, trabalha de noite, e eu viajo e tenho meus trabalhos. A hora que a gente tinha para ficar junto não estava dando porque ele tinha que ir trabalhar", explicou a loira, esclarecendo que não é do tipo de mulher pegadora. "Eu sou namoradeira, não pegadora. É diferente... Já namorei bastante, a pegadora sai pegando todo mundo".
A artista também comentou o episódio em que Andressa Urach divulgou o número de seu celular no Twitter. "Eu estava em Ribeirão Preto e meu telefone começou a tocar muito e a receber muitas mensagens. Não conseguia mexer nele e vi a rede social pelo celular do Mateus para entender o que estava acontecendo".
Sobre as relações sexuais que ela praticou no reality show, Bárbara foi direta: "Era uma forma de soltar as energias. Não dava 'migué', era embaixo do edredom. Ninguém via. Tinham umas posições que eram melhores, não mexia tanto. Não me arrependo", garantiu.
Com relação às polêmicas com a sua mãe, a modelo não se esquivou de falar sobre o assunto. "Ela sempre teve depressão e a pressão do programa fez com que piorasse, pois ela estava muito focada. Ela ficou internada durante 15 dias e foi ótimo, saiu muito bem. A aura dela mudou totalmente. Faz tempo que não a vejo tão bem, já está até arrumando um bofe. Ela merece".

Luciano Szafir leva Luhanna Melloni, grávida de 9 meses, ao Fashion Rio Luciano Szafir leva Luhanna Melloni, grávida de 9 meses, ao Fashion Rio

Luciano Szafir leva Luhanna Melloni, grávida de 9 meses, ao Fashion Rio - 1 (© AGNews)


Para se separar, Ana Maria Braga teve que pagar R$ 1 milhão ao ex-marido

Para se separar, Ana Maria Braga teve que pagar R$ 1 milhão ao ex-marido - 1 (© AGNews)

A separação de Ana Maria Braga e Marcelo Frisoni saiu cara para a apresentadora do "Mais Você". Segundo o colunista Leo Dias, do jornal "O Dia" desta quinta-feira (07), ela estava tão cansada do então marido que, na sua última conversa com ele, foi direta. "Quanto você quer para sair da minha vida?", teria perguntado Ana Maria.
O empresário teria respondido, então: "Um milhão de reais. E a separação só pode ser anunciada depois de três meses". O prazo tem explicação. Marcelo estava resolvendo negócios na época e precisava estar casado com a apresentadora para fechar os contratos. Desiludida com o relacionamento, Ana Maria aceitou todas as condições.
O fim do casamento tornou-se público em setembro. No início de outubro, a apresentadora apareceu com o novo namorado, o empresário Mauro Bayout, no noivado de amigos, no Rio de Janeiro. Assim como Marcelo Frisoni, de 42 anos, Mauro também é mais novo que Ana Maria. Ele tem 52 e, a apresentadora, 64.
Na ocasião, Marcelo comentou o novo namoro da ex-mulher ao ser procurado por Purepeople. "Não conheço esse senhor que ela está namorando, mas, graças a Deus, ela arrumou alguém mais ou menos da mesma idade. Eu estava preocupado com isso, de ela arrumar alguém mais jovem que só ficasse com ela por interesse. Desejo que esse senhor seja muito feliz e consiga satisfazer todos os desejos da Ana".
Em uma entrevista recente à revista "Caras", Ana Maria disse que encara a vida com intensidade em todas as áreas. "Quando amo, amo de verdade. Escolho guardar apenas as coisas boas da vida. Odiar, não odeio; simplesmente esqueço o que as pessoas fazem de ruim para mim", afirmou.

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema - 1 (© Divulgação)

Hebe Camargo ganhará três obras audiovisuais assinadas pelo cineasta Cacá Diegues. De acordo com a colunista Keila Jimenez, do jornal “Folha de S. Paulo”, o filme será o primeiro a sair do forno. O longa começa a ser rodado no início de 2014, mas neste ano parte do casting será definido. Mariana Ximenes e Adriana Esteves estão cotadas para viver a protagonista.
“Ainda não temos nomes fechados, mas serão muitas atrizes, pois as obras trarão Hebe em várias fases da vida”, fala o sobrinho e empresário da apresentadora, Cláudio Pessuti. “Até o final do mês fecharemos o time de roteiristas”, afirmou à colunista.
O filme e a minissérie devem contar a biografia de Hebe Camargo por meio de personagens. Já o documentário vai trazer depoimentos de personalidades e amigos que conviveram com a apresentadora. Os três projetos serão lançados em 2015 e vão tentar captar recursos junto a Agência Nacional do Cinema, a Ancine.

Aguinaldo Silva renova contrato com a TV Globo até 2019

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema - 1 (© Divulgação)

Ele continua! Aguinaldo Silva renovou seu contrato com a TV Globo e está na emissora até 2019. De acordo com a contratação, o autor se tornará um dos mais bem pagos. Nos próximos seis anos, ele deve entregar pelo menos mais três novelas.

Claudia Leitte rebate críticas sobre 'The Voice': 'É para me exibir toda'

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema - 1 (© Divulgação)

Claudia Leitte não está se importando com as críticas recebidas por sua participação na bancada do “The Voice”. Em entrevista à coluna “Diário da Fama”, do “Diário de S. Paulo”, durante a 35ª edição do prêmio Profissionais do Ano, ela afirmou que gosta de aparecer.
“Eu vou para lá, sento e é para me exibir toda, mesmo. Para exibir meu cabelo, minha roupa, tudo”, diz ela. “Eu adoro ousar e arriscar”, afirmou.
Sobre as acusações de que imita juradas de outras versões do “The Voice” pelo mundo, ela rebate: “Tem muitas opções ali naquela cadeira, né?”. “Mas é isso. As pessoas enxergam uma semelhança, falam e vamos nessa”, afirma.

Luan Santana há havia terminado o namoro há um mês

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema - 1 (© Divulgação)

Parece que Luan Santana já estava solteiro há mais tempo do que afirmou à imprensa. Segundo a coluna 'Retratos da Vida', do jornal 'Extra, o cantor já havia colocado um ponto final no relacionamento com Jade Magalhães há mais de um mês. Segundo uma fonte próxima ao artista, a distância nunca foi um problema, já que a moça sempre esteve disposta a acompanhá-lo em viagens e gravações.


Band faz últimas demissões de um total de 600 em todo o grupo

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema - 1 (© Divulgação)

Na última terça-feira (5), a Band fez as últimas demissões de um total de 600 entre rádio, TV e TV paga, segundo a colunista Patricia Kogut, do jornal 'O Globo'. Antes da série de desligamentos, há seis meses, o quadro de funcionários contrava com 3400 pessoas.


Presidente da Mangueira dispara: 'Belo ofereceu dinheiro para que Gracyanne continuasse como rainha'

Adriana Esteves e Mariana Ximenes estão cotadas para viver Hebe no cinema - 1 (© Divulgação)

Chiquinho da Mangueira, presidente da escola de samba, afirmou à coluna 'Retratos da Vida', do jornal 'Extra', que teve uma reunião com Belo para que Gracyanne voltasse à agremiação.
'Ele realmente ofereceu dinheiro para que ela continuasse como rainha. Precisamos de dinheiro, mas não vamos vender a alma. Na minha gestão, serão valorizadas as tadições e raízes da Mangueira', afirmou o presidente da escola.
Segundo ele, Gracyanne só terá que arcar com os gastos de sua fantasia como destaque de chão.'Nossa rainha Evelyn é insubstituível', disse.

Campos defende debate sobre governança durante eleição

A governança será um tema central das eleições de 2014. A afirmação foi feita nesta quinta-feira, 07, pelo governador de Pernambuco e presidenciável pelo PSB, Eduardo Campos. Em tom de candidato, governador defendeu que o País precisa criar um ambiente econômico favorável, com mais segurança, para atrair investimentos estrangeiros.
"A governança vai ser um tema central nas eleições, mas antes de discutir a governança teremos de discutir o rumo estratégico do País. A gestão é para quem? Para quê? E para qual direção?", afirmou o governador em entrevista após participar de palestra para cerca de 200 empresários e investidores na capital britânica.
O presidente do PSB defendeu que o governo federal deva melhorar o ambiente de negócios para dar mais "clareza" aos interessados em investir no Brasil. "Para o mercado, temos de ter regras que melhorem o ambiente de negócios. Se precisamos de mais investimentos, precisamos garantir que tenhamos um ambiente saudável", disse. "É um grande desafio do País melhorar o ambiente de negócios."
Nos últimos dias, Campos se reuniu com executivos de grandes empresas europeias como British Gas, BP e Deutsche Bank. Ele está em Londres em busca de investimento para o Estado de Pernambuco.
Crise de expectativa
Segundo o governador de Pernambuco, o Brasil passa por uma "crise de expectativa" na economia. A frustração aconteceu ao longo dos últimos 12 ou 18 meses e também foi gerada pelo cenário político, disse Campos durante a palestra. Apesar dos problemas conjunturais, o político rechaça a hipótese de que haverá retrocesso na macroeconomia brasileira.
"Os problemas não podem ser escondidos e precisam ser enfrentados. Houve uma crise de expectativa (na economia) pela questão política nos últimos 12 ou 18 meses e isso precisa ser superado", disse. "Não podemos esconder, mas também não vamos maximizar os problemas", completou, ao afirmar que "tem confiança de que não vai haver retrocesso econômico".
Durante o evento, o governador pernambucano defendeu o avanço do debate político, sem desconstruir conquistas como os fundamentos macroeconômicos, estabilidade econômica e inclusão social.

Como o eSocial muda o dia a dia da sua empresa Apesar da promessa de simplificação, especialistas temem que a folha de pagamento digital aumente o trabalho no setor de RH

A folha de pagamento digital (ou eSocial) vai unificar num único sistema o envio de todas as informações dos trabalhadores aos órgãos federais. Para se adaptar, as empresas terão de mudar a maneira como tratam esses dados.Segundo a avaliação do sócio da consultoria Deloitte Dario Mamone Júnior, a maior parte das informações prestadas será de competência da área de recursos humanos (RH) das empresas, mas a integração entre setores será fundamental, principalmente na fase inicial de adequação ao sistema. "Estima-se que 60% de todas as informações necessárias ao eSocial venham do setor de RH, os outros 40% seriam divididos entre medicina do trabalho, compras, produção, vendas e fiscal. Com o eSocial o governo vai ter um retrato de todo tipo de vínculo trabalhista", diz.
Para a coordenadora da área trabalhista e sócia do Marcelo Tostes Advogados, Carolina de Pinho Tavares, haverá um aumento significativo de trabalho no setor de RH e isso vai exigir mais mão de obra. "Ainda que, no futuro, a proposta do governo seja de simplificação, essa obrigação será muito dispendiosa para as empresas", acredita.
Em geral, o eSocial transporta para o ambiente digital obrigações que já são cumpridas pelas empresas atualmente. Mas existem novas informações cadastrais sobre funcionários que passarão a ser obrigatórias, segundo previsto no layout do eSocial.
Um exemplo são os dados sobre se o trabalhador tem casa própria ou se usou o FGTS. "É um pedido da Caixa Econômica Federal. Isso pode gerar uma necessidade de acomodação para as empresas no começo, mas, de forma geral, as obrigações já existem e estão de acordo com a CLT", avalia o sócio da PWC Marcel Cordeiro. Por isso, segundo ele, a expectativa é de que a burocracia diminua em médio prazo.
A assessora jurídica da FecomercioSP, Ana Paula Locoselli, diz ter dúvidas se haverá, de fato, uma simplificação na prestação de contas ao governo. "A primeira impressão que tive sobre os layouts do eSocial (que vão orientar como preencher o cadastro) é que eles são complicados", diz.
Complicado? Para cada funcionário, até 48 eventos deverão ser enviados ao sistema (como admissão, acidentes de trabalho e folha de pagamento). Muitas empresas reclamam que esse é um número alto. Mas a Receita Federal refuta essa ideia.
“Nós não aumentamos o número de informações pedidas, são as mesmas informações que hoje são registradas. O que fizemos foi dividir para facilitar o envio cada vez que o evento ocorre. A empresa não tem que ficar juntando para mandar um único arquivo", diz o coordenador de Sistemas da Atividade Fiscal da Receita Federal, Daniel Belmiro. Ele lembra que o eSocial não é mais um programa de computador que a empresa terá que instalar, e sim um sistema que vai se comunicar com o sistema que a empresa já tem.
Na avaliação da gerente especialista em soluções de Tax & Accounting da Thomson Reuters no Brasil, Victoria Sanches, o impacto do projeto do eSocial ainda está sendo subestimado pelas empresas. "Não vai mais para dar 'jeitinho' em nada. O eSocial marca uma nova era das relações de trabalho", diz.
Trabalhador. O eSocial também vai permitir que os próprios trabalhadores "fiscalizem" se as empresas estão cumprindo com suas obrigações, como o depósito do FGTS, e tenham mais facilidade na produção de provas para processos trabalhistas. Da mesma maneira, as empresas terão como comprovar de forma mais fácil que estão em dia e não devem nada aos colaboradores.
Testes. O sistema só deve estar em pleno funcionamento a partir de 2015. Para testar o eSocial, o governo tem trabalhado conjuntamente com um grupo de 48 grandes empresas (chamado de GT48) que estão ajudando a encontrar falhas e propor melhorias ao sistema antes de sua obrigatoriedade.
Com 10 mil funcionários, sem incluir terceirizados, a operadora Claro é uma das empresa da fase de testes. A empresa tem hoje sete softwares de gestão corporativa, que fazem, por exemplo, folha de pagamento, passando pela gestão de pessoas, jurídica e fiscal. Para se adequar ao eSocial, a empresa está realizando a integração dos sete softwares, de forma que todos sejam aderentes aos layouts do eSocial.
A diretora de planejamento tributário da Claro, Alessandra Heloise Vieira, está no comando do grupo que reúne representantes de vários departamentos para traçar a estratégia de adequação ao eSocial. Dentre os problemas previstos, Alessandra conta um simples "meu próprio nome dará incompatibilidade no eSocial, pois meu cadastro, quando entrei como funcionária na Claro, tinha meu nome de solteira. Depois que eu me casei, o meu nome junto ao CPF foi atualizado, mas o cadastro na Claro continua igual".
Emprego. Além de alterar o cotidiano das empresas, o eSocial vai impactar na coleta de dados que orientam políticas públicas, como o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).
"Com a implantação do eSocial, nós passaremos a receber novas informações, mas, em paralelo, continuaremos a receber a Rais e o Caged. Assim que nós vejamos que o que está vindo pelo eSocial é uma informação de qualidade, passaremos a substituir o envio atual", afirma José Alberto Maia, auditor fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). "A estimativa é, do terceiro ou quarto mês, nós já saberemos se o Caged já estará a contento", diz.

CNI aponta falta de trabalho qualificado na construção

A falta de trabalhadores qualificados atinge 74% das empresas da indústria da construção brasileira. O dado está presente no estudo "Sondagem Especial - Indústria da Construção", divulgado nesta quinta-feira (7) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A entidade alerta que o índice da indústria da construção é maior que o dos segmentos extrativo e de transformação, nos quais a taxa é de 65%. A CNI explica que a construção ficou estagnada por um longo período e, quando voltou a crescer, sentiu um grande déficit de mão de obra.
Na construção, o problema afeta ainda mais os negócios de maior porte. Entre as pequenas, 64% têm dificuldades para encontrar mão de obra capacitada. Entre as médias, são 77%. Nas grandes, verificou-se o maior porcentual: 81%.
Segundo os empresários, esse problema compromete a eficiência das empresas, além da qualidade das obras e o cumprimento dos prazos. "Os resultados colocam o segmento em alerta, porque há dificuldade de encontrar trabalhadores com qualificação adequada mesmo diante da baixa atividade do setor", aponta a entidade.
A principal estratégia usada pelos empresários da construção para enfrentar o problemas, segundo a pesquisa, é fazer a capacitação na própria empresa: 68% dos industriais afirmaram usar essa ferramenta. Outras medidas usadas são a terceirização das etapas do processo de construção ou prestação de serviço e o fortalecimento da política de retenção do trabalhador via salários e benefícios.
Educação básica
A alta rotatividade entre os trabalhadores é apontada por 61% dos empresários como a principal dificuldade para investir em qualificação. Outro problema apontado pelos chefes é o baixo interesse dos trabalhadores na qualificação. Também agrava a situação a má qualidade da educação básica. "A má qualidade da educação básica exige maior esforço da empresa e do empregado para a qualificação profissional. Esse esforço, muitas vezes, desestimula o trabalhador que precisa se qualificar", aponta a CNI.
Para a elaboração da pesquisa divulgada hoje foram consultadas 424 empresas, sendo 136 pequenas, 195 médias e 93 grandes. A coleta de informações foi realizada entre os dias 1º a 11 de abril de 2013. Levantamento semelhante havia sido realizado dois anos antes, em abril de 2011. Na pesquisa anterior, entretanto, o problema era maior: 86% das empresas do ramo da construção haviam respondido enfrentar problemas com a falta de mão de obra qualificada em 2011.
Entre as empresas que apontaram a falta de trabalhador qualificado como problema, é dificuldade quase unânime (94%) a carência de trabalhadores básicos ligados à obra (como pedreiro ou servente). O problema com a falta de funcionários técnicos ligados à obra (como encarregado de obra ou mestre de obra) atinge também a maior parte da indústria da construção (92%).
O porcentual de respostas quanto a problemas nas áreas administrativa e gerencial apresentaram o maior crescimento entre 2011 e 2013. A área administrativa, que registrou 59% de assinalações em 2011, passou a 70%. Já a área gerencial passou de 52% para 69%, no mesmo período.

PIB dos EUA e juro menor na Europa devem animar NY

As bolsas norte-americanas devem iniciar a quinta-feira em alta, sinalizam os índices futuros. O corte inesperado de juros na Europa e a alta acima do previsto do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos estimulam as compras de ações nesta manhã, que será marcada também pela estreia do Twitter na bolsa de valores. Às 12h20 (de Brasília), o Dow Jones futuro subia 0,43%, o Nasdaq ganhava 0,15% e o S&P 500 avançava 0,31%.
O PIB norte-americano cresceu 2,8% em valores anualizados no terceiro trimestre, de acordo com o Departamento do Comércio. A expectativa dos economistas era de expansão de 2%. A avaliação inicial dos dados, que ainda são preliminares, é que a atividade econômica pode estar mais aquecida do que se pensava no terceiro trimestre, o que abriria espaço para o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) reduzir os estímulos monetários ainda este ano. Por isso, logo após a divulgação dos números, os índices futuros perderam um pouco o ritmo de alta, mas se recuperaram em seguida.
Além do PIB, chamou atenção nesta manhã a queda das solicitações de auxílio-desemprego referentes à semana encerrada no último dia 2. Os pedidos caíram para 336 mil, ante expectativa dos especialistas de que ficassem em 335 mil.
Na Europa, a decisão inesperada do Banco Central Europeu (BCE) de fazer novo corte na taxa básica de juros, para 0,25%, nível recorde de baixa, agradou Wall Street. Os índices do mercado futuro que operavam relativamente estáveis, à espera da divulgação do PIB norte-americano, engataram altas após o anúncio no outro lado do Atlântico. Em entrevista à imprensa, o presidente do BCE, Mario Draghi, disse que as taxas permanecerão nos níveis atuais, ou menores, por período prolongado.
Depois da abertura do mercado, as atenções devem se voltar para a apresentação do presidente do Fed de Nova York, William Dudley, que tem poder de voto no Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). Dudley participou de eventos nas últimas semanas, mas tem evitado dar declarações mais específicas sobre política monetária, o que só ajuda a aumentar a expectativa no caso de ele resolver falar. No dia 15 de outubro, por exemplo, Dudley disse durante um discurso em um evento no México que o tamanho do balanço do Fed não compromete a independência do banco central.
No noticiário corporativo, as atenções hoje se voltam para a abertura de capital (IPO, na sigla em inglês) do Twitter, que estreia na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) em um dos lançamentos de ações mais esperados do ano.
Os papéis da empresa saíram a US$ 26 no IPO, acima da faixa de preços esperada, que já havia sido elevada na segunda-feira, por conta da forte demanda. A expectativa é que as ações fiquem entre as mais negociadas do dia e afetem também os preços de empresas de tecnologia com perfil semelhante ao Twitter, como o Facebook e o LinkedIn. No pré-mercado, o Facebook avançava 0,53%.

Força Sindical culpa governo por 'assalto' no FAT

Em nota, o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, afirmou nesta quarta-feira, 6, que o governo "promove verdadeiro assalto aos cofres do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT)". Torres lembra que o fundo foi criado para assegurar o seguro-desemprego e o abono salarial aos trabalhadores e critica a "fúria predatória" do governo que "desmesuradamente, retirou, somente neste ano, cerca de R$ 10 bilhões, por meio da Desvinculação de Receitas da União (DRU), para fechar outras contas do governo".
Nesta segunda-feira, 4, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, esteve reunido com representantes das centrais sindicais para discutir a elevação dos gastos com seguro-desemprego e abono salarial. Segundo ele, os gastos com essas modalidades corresponderão a R$ 47 bilhões este ano, ou 1% do PIB. Uma nova reunião entre os líderes sindicais e o ministro da Fazenda está marcada para esta quinta-feira, 7, em São Paulo, ainda sem local e horário definidos.
Durante o encontro desta quinta-feira, a Força Sindical pretende traçar o "quadro caótico no qual chegaram as contas do FAT" e cobrar medidas urgentes que não punam os trabalhadores, além de exigir a correção da tabela do imposto de renda que, segundo Torres, está defasada em 62,77%. "Reafirmamos que não é o desempregado quem tem de pagar esse desarranjo, fortemente ocasionado pelo governo. É pura insensibilidade social do governo", afirma o presidente da central.
Ele criticou as desonerações, que "não tiveram as contrapartidas sociais exigidas pelos trabalhadores, como a diminuição da rotatividade da mão de obra" e geraram renúncias fiscais que chegam a quase R$ 9 bilhões, segundo Torres. Na nota, Torres afirmou que medidas para combater a alta rotatividade - citada inclusive por Mantega como uma das causas para o aumento do seguro-desemprego em mercado de trabalho aquecido - passa pelo atendimento do pleito das centrais sindicais. "Podemos destacar a ratificação e o cumprimento da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho, que coíbe as demissões imotivadas", afirmou o presidente da Força Sindical.
A central sindical aponta que em outubro o governo "dificultou as regras" que dão direito ao seguro-desemprego, com a exigência de comprovação da realização de curso de qualificação já a partir do segundo pedido do benefício. A nota da instituição aponta que Força entrou com ação direta de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo que não haja restrição de acesso ao benefício.
"Não compactuamos com as fraudes - e entendemos que o governo deva combatê-las e puni-las na forma da lei -, mas não podemos permitir a utilização desse argumento para dificultar o acesso e criar enormes barreiras burocráticas que penalizem e, até mesmo, retirem direitos adquiridos dos trabalhadores", completou Torres. As fraudes foram citadas por Mantega como motivo, além da rotatividade, para os crescentes gastos com seguro-desemprego.

Governo dificulta acesso ao seguro-desemprego Trabalhadores que pedirem o auxílio pela 2ª vez em dez anos precisarão comprovar matrícula e frequência em curso habilitado pelo MEC, com carga horária mínima de 160 horas

O governo decidiu dificultar as regras que dão direito ao seguro-desemprego, que já representa um gasto de R$ 22,7 bilhões neste ano até agosto. Antes, o trabalhador que pedisse a assistência financeira pela terceira vez em um período de dez anos precisava comprovar que estava em um curso de qualificação profissional. Agora o rigor aumentou: a regra vale a partir do segundo pedido dentro de dez anos. As novas regras constam do Decreto nº 8.118, publicado na edição desta sexta-feira, 11, do Diário Oficial da União.
Apesar de o número de pedidos de seguro-desemprego não ter aumentado entre 2011 e 2012, o gasto subiu. Em 2011, foram 7,8 milhões de pedidos e R$ 22,7 bilhões gastos. No ano passado, foram R$ 25,6 bilhões para 7,7 milhões de solicitações. Neste ano, até agosto, o valor já é igual a todo o ano de 2011: R$ 22,7 bilhões. O número de solicitações, no mesmo período deste ano, foi de 5,7 milhões.
Procurado pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, o Ministério do Trabalho e Emprego informou que a intenção da mudança não é reduzir gastos, mas fazer com que o trabalhador se qualifique e consiga se recolocar no mercado. A medida foi tomada, segundo a Pasta, após o governo observar que "o problema de o trabalhador arrumar novo emprego é a qualificação".
Os trabalhadores que pedirem o auxílio pela segunda vez em dez anos precisarão comprovar matrícula e frequência em curso de formação inicial e continuada ou de qualificação profissional, habilitado pelo Ministério da Educação, com carga horária mínima de 160 horas.
Reajuste. Neste ano, o seguro-desemprego foi tema de polêmica no governo, devido a discussões sobre a fórmula de reajuste do benefício. Em agosto, o Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) optou pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) para fazer o reajuste. Do lado dos trabalhadores, o pedido era por um aumento vinculado ao do salário mínimo.

Senado aprova isenção do vale-transporte a trabalhador

Os trabalhadores terão direito a isenção do custeio do vale-transporte, cabendo ao empregador bancar, integralmente, a despesa. É o que aprovou nesta quarta-feira, 16, a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, em decisão terminativa. Agora a proposta, de autoria do senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello (PTB-AL), seguirá diretamente para a Câmara, exceto se ocorrer um recurso para levar a matéria para o plenário da Casa.
Por conta de uma lei de 1985, as empresas podem, atualmente, deduzir até 6% do salário dos empregados para os custos com transporte. Cabe aos trabalhadores arcarem com os valores do vale-transporte que excederem esse porcentual. Na justificativa do projeto, Collor argumentou que o vale-transporte, adotado aos poucos pela empresa nesses quase 30 anos de vigência da lei, tornou-se atualmente a "principal fonte de financiamento para o transporte urbano e é responsável por cerca de 50% do faturamento do setor".
De acordo com Collor, a isenção significa "um aumento muito considerável" para a renda do trabalhador dentro do atual contexto do "acirramento do processo inflacionário e consequente queda do seu poder de compra". A matéria foi apresentada no fim de junho deste ano - após o início dos protestos de rua que tomaram conta do País e tiveram como um dos principais motes iniciais o preço da tarifa do transporte coletivo.
Ele disse que as eventuais despesas adicionais das empresas, em arcar com todo o custo do vale-transporte, são passíveis de serem abatidos da receita para fins de apuração do lucro tributável. O relator da matéria na comissão, senador Paulo Paim (PT-RS), concordou com Collor e destacou que o abatimento não trará prejuízos para as empresas.
"Trata-se, sem dúvida alguma, de medida ousada, porém necessária, para garantir aos trabalhadores do nosso País essa conquista tão necessária, ainda mais se considerado, como muito bem ponderou o autor da proposição, que essa alteração fará grande diferença no impacto do orçamento dos empregados e não causará tanto impacto nos custos das empresas", afirmou Paim, no parecer.

Garotinho rasga jornal O Globo na tribuna da Câmara

http://www.youtube.com/v/RjbD_zIQLUQ?version=3&autohide=1&autoplay=1&showinfo=1&attribution_tag=HYZBZJr4WQKbS_6MNif2dA&autohide=1&feature=share

CNI aponta falta de trabalho qualificado na construção

A falta de trabalhadores qualificados atinge 74% das empresas da indústria da construção brasileira. O dado está presente no estudo "Sondagem Especial - Indústria da Construção", divulgado nesta quinta-feira (7) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A entidade alerta que o índice da indústria da construção é maior que o dos segmentos extrativo e de transformação, nos quais a taxa é de 65%. A CNI explica que a construção ficou estagnada por um longo período e, quando voltou a crescer, sentiu um grande déficit de mão de obra.
Na construção, o problema afeta ainda mais os negócios de maior porte. Entre as pequenas, 64% têm dificuldades para encontrar mão de obra capacitada. Entre as médias, são 77%. Nas grandes, verificou-se o maior porcentual: 81%.
Segundo os empresários, esse problema compromete a eficiência das empresas, além da qualidade das obras e o cumprimento dos prazos. "Os resultados colocam o segmento em alerta, porque há dificuldade de encontrar trabalhadores com qualificação adequada mesmo diante da baixa atividade do setor", aponta a entidade.
A principal estratégia usada pelos empresários da construção para enfrentar o problemas, segundo a pesquisa, é fazer a capacitação na própria empresa: 68% dos industriais afirmaram usar essa ferramenta. Outras medidas usadas são a terceirização das etapas do processo de construção ou prestação de serviço e o fortalecimento da política de retenção do trabalhador via salários e benefícios.
Educação básica
A alta rotatividade entre os trabalhadores é apontada por 61% dos empresários como a principal dificuldade para investir em qualificação. Outro problema apontado pelos chefes é o baixo interesse dos trabalhadores na qualificação. Também agrava a situação a má qualidade da educação básica. "A má qualidade da educação básica exige maior esforço da empresa e do empregado para a qualificação profissional. Esse esforço, muitas vezes, desestimula o trabalhador que precisa se qualificar", aponta a CNI.
Para a elaboração da pesquisa divulgada hoje foram consultadas 424 empresas, sendo 136 pequenas, 195 médias e 93 grandes. A coleta de informações foi realizada entre os dias 1º a 11 de abril de 2013. Levantamento semelhante havia sido realizado dois anos antes, em abril de 2011. Na pesquisa anterior, entretanto, o problema era maior: 86% das empresas do ramo da construção haviam respondido enfrentar problemas com a falta de mão de obra qualificada em 2011.
Entre as empresas que apontaram a falta de trabalhador qualificado como problema, é dificuldade quase unânime (94%) a carência de trabalhadores básicos ligados à obra (como pedreiro ou servente). O problema com a falta de funcionários técnicos ligados à obra (como encarregado de obra ou mestre de obra) atinge também a maior parte da indústria da construção (92%).
O porcentual de respostas quanto a problemas nas áreas administrativa e gerencial apresentaram o maior crescimento entre 2011 e 2013. A área administrativa, que registrou 59% de assinalações em 2011, passou a 70%. Já a área gerencial passou de 52% para 69%, no mesmo período.

Preço dos serviços dobra e muda a vida de brasileiros Em dez anos, IPCA subiu 69,6%, enquanto a inflação dos serviços disparou 102,4%, exigindo habilidade no orçamento familiar

Os preços dos serviços, que pesam um pouco mais de um terço no orçamento das famílias, dobraram em dez anos. Isso mudou o modo de vida dos brasileiros. Menos idas ao restaurante, negociação de pacotes com cabeleireiros, eletrodomésticos "possantes" em casa e uso de equipamentos automáticos em condomínios para reduzir a dependência dos serviços da empregada doméstica e dos porteiros, por exemplo, foram algumas das saídas para driblar a pressão de preços.
Para uma inflação geral ao consumidor de 69,64%, acumulada entre setembro de 2003 e o mesmo mês deste ano, os serviços subiram 102,4%, aponta um estudo feito a pedido do Estado pela LCA Consultores. Com base nos dados do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a consultoria reuniu os preços dos serviços em dez grupos e constatou que em nove deles a alta acumulada em dez anos superou a inflação geral. Em três grupos, o aumento de preços em dez anos ficou acima da elevação média dos serviços.
O campeão de alta de preço dos serviços foi o gasto com empregado doméstico, que subiu 164,25% no período, seguido pela alimentação fora do domicílio (131,68%). Despesas com serviços de depilação, que ficaram 144,55% mais caros em dez anos, com manicure (107,66%) e cabeleireiro (100,51%) também foram os destaques.
Estratégias. Os preços dos serviços dispararam e o brasileiro criou estratégias defensivas. "Dei um basta na alta dos preços dos serviços", diz Lilian Elizabeth Bizio, 49 anos, casada e mãe de uma filha de 17 anos. A contabilista, que há 30 anos ocupa o cargo de controller em empresas, decidiu empregar as técnicas que usa no seu trabalho em casa para identificar as despesas que corroem o orçamento. "O meu orçamento doméstico é desmembrado por centros de custo. Eu, meu marido e a minha filha, cada um é um centro de custo", conta.
Lilian frisa que o controle, feito de forma "feliz", foi o caminho para identificar gastos elevados. Nas despesas com cabeleireiro, Lilian negociou "pacotes". "Comprando um número de manicures e cortes e pagando à vista, economizei 15%."
Já a saída para reduzir o gasto com empregada foi diferente. "Investi na casa para que ficasse automática e simples", diz Lilian. Até 2008, ela tinha uma empregada que chegava no domingo à noite e ia embora na sexta à noite. Agora, a jornada é das 7h às 13h e de segunda a sexta.
Assim como Lilian, que aplicou a rotina do trabalho para cortar despesas com serviços, o engenheiro Odinir Penteado de Souza Junior, 48 anos, automatizou portas e instalou circuito de TV para reduzir gastos com mão de obra no condomínio no qual é síndico. Com o torno automatizado na indústria é possível ter rendimento maior do que com um manual, compara.
Hoje, o valor do condomínio que ele administra é de R$ 900. Os gastos com salário respondem por mais de 50% desse valor. Com as pressões de custos advindas da mão de obra, havia necessidade de reajustar o valor para R$ 1,2 mil, mas ele conseguiu mantê-lo.

CMN reajusta valor de bens do Minha Casa Melhor

O Conselho Monetário Nacional (CMN), em reunião extraordinária nesta quarta-feira, 16, decidiu reajustar o preço máximo dos produtos que fazem parte do programa Minha Casa Melhor. São bens que podem ser adquiridos por beneficiários do Minha Casa, Minha Vida com juros subsidiados.
De acordo com o CMN, o aumento tem como objetivo "ampliar as opções disponíveis, especialmente em termos de qualidade, para os beneficiários e também para aumentar a competição entre os fabricantes".
O preço limite para aquisição de máquina de lavar passou de R$ 850 para R$ 1.100. De cama de solteiro, berço ou cama-box de solteiro, subiu de R$ 320 para R$ 400. Para mesa com cadeira, de R$ 300 para R$ 400; sofás, de R$ 375 para R$ 600; e guarda-roupas, de R$ 380 para R$ 700.
Os preços anteriores haviam sido definidos no lançamento do programa, na primeira quinzena de junho. A Caixa Econômica Federal recebeu do governo um aporte de recursos para fazer os financiamentos de R$ 3 bilhões (dentro de um aporte total de R$ 8 bilhões para capitalizar a instituição).
Os juros do programa são de 5% ao ano. É possível financiar até R$ 5.000 em compras por um prazo de 48 meses.

A complexidade de se calcular orçamentos

O orçamento de um contrato público é um documento anexo necessário ao edital de concorrência. Não há uma metodologia única, escolhida pela Lei de Licitações, que garanta um preço perfeito após a sua aplicação.
O poder público compra de tudo, as contratações são muito variadas, razão pela qual não seria de se esperar que a legislação trouxesse parâmetros claros.
Portanto, a elaboração de uma tabela com preço de referência é uma tarefa complexa, seja em um mercado público ou privado. Quem fornece a informação é tentado a inflacioná-la para obter um benefício econômico na futura venda.
Do ponto de vista do gestor, ter um orçamento muito baixo não incentiva a participação de empresas; e ter um orçamento muito alto pode conduzir a contratações lesivas aos cofres públicos.
Essa dificuldade cresce quando a contratação envolve um mercado sofisticado, pouco competitivo, sujeito a custos inseridos em um contexto global, com produtos cotados em dólar e, muitas vezes, produzidos no estrangeiro. Em situações como essa, é ainda mais difícil a formação do preço de referência.
Usar preços de contratações anteriores, portanto, é até aceitável. Mas se trata apenas de um dado a ser considerado junto com outros parâmetros justificadamente eleitos. Ao encontrar um número confiável e passível de ser justificado, abre-se a concorrência.
O valor contratado não equivale ao do orçamento. O orçamento é apenas a partida para o processo de negociação, que tem na competição seu ápice. A licitação é feita exatamente para promover a competição nos agentes do mercado a fim de se chegar ao melhor preço. E é o ambiente competitivo, livre de fraudes como as praticadas por cartéis, que pode superar um orçamento mal feito, de valor muito baixo ou muito alto.

Recém-nascido é deixado em terreno baldio de Mogi-Guaçu Menino ainda estava com o cordão umbilical quando foi encontrada por moradora da região

Uma mulher achou um recém-nascido dentro de um saco plástico de lixo, abandonado em um terreno baldio, em Mogi-Guaçu, interior de São Paulo, nessa quarta-feira, 6. A mulher, que mora ao lado do terreno, ouviu o choro de um bebê e foi ao local. A criança, um menino, ainda estava com o cordão umbilical e foi enrolado em um saco plástico, informou a Guarda Municipal.
O recém-nascido foi levado para a casa da mulher, que acionou a GM. Os guardas encaminharam a criança para a Santa Casa de Mogi-Guaçu. Ele pesa 2,650 quilos, está em uma incubadora e passa bem.O Conselho Tutelar foi acionado e até essa quinta-feira, 7, nenhum parente foi localizado. A Polícia Civil vai investigar quem é a mãe.

Pesquisa indica 93,4% de rejeição a atos de black blocs Segundo levantamento CNT/MDA, 91,5% dos entrevistados não consideram 'legítima' a ação dos mascarados em protestos

A pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), em parceria com o MDA Pesquisa, divulgada nesta quinta-feira, 7, revela que 93,4% dos entrevistados não apoiam a atuação dos black blocs, mascarados que têm participado das principais ações de vandalismo nas últimas manifestações de rua no Rio de Janeiro e em São Paulo. Apenas 6% são favoráveis à atuação deles.
A pesquisa registrou que 91,5% dos ouvidos não consideram "legítima" a ação dos mascarados. Somente 6,7% posicionaram-se a favor. O levantamento apontou ainda que 81,7% dos entrevistados defendem o direito das manifestações públicas pelos cidadãos, e outros 17,3% não defendem.
Foram entrevistadas 2.005 pessoas, em 135 municípios das cinco regiões do País, entre os dias 31 de outubro e 4 de novembro. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos porcentuais, para mais ou para menos.

IBGE: Rio tem 4 de 5 domicílios subnormais na capital

Quatro em cada cinco domicílios em aglomerados subnormais na Região Metropolitana do Rio ficavam na capital, constataram pesquisadores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na pesquisa Aglomerados Subnormais - Informações Territoriais, baseada no Censo 2010 e divulgada nesta quarta-feira, 06.
O trabalho afirma que estavam na cidade do Rio de Janeiro 82% (426.965 dos 520.260) das residências nessas áreas à margem da cidade. E desfaz um mito: o de que as regiões de ocupação irregular carioca estão majoritariamente em encostas. De acordo com o trabalho, mais da metade dos domicílios em aglomerados subnormais da capital está em áreas planas.
"Para o Rio, o que a gente observou é que esse padrão (aglomerados subnormais em morros) não é majoritário", disse Maria Amélia Vilanova Neta, Maria Amélia Vilanova Neta, técnica da Coordenação de Geografia do IBGE. "No Centro e parte da zona norte e na zona sul, a gente tem topografia mais acidentada, com encostas e domicílios mais densos, mais próximos entre si e com verticalização maior. Na outra parte da zona norte, ao longo da Avenida Brasil, e na zona oeste, tem outro padrão, mais plano e com verticalização não tão elevada. Desmistificamos um pouco aquela coisa de favela no Rio ter morro."
Como em São Paulo, a história ajuda a compreender as diferenças nas ocupações, por aglomerados subnormais no Rio. Nas áreas mais antigas, ocupadas primeiro (zona sul, Centro e zona norte próxima das áreas centrais), predominavam em 2010 favelas menores, em morros - áreas que ficaram livres da ocupação mais caras das áreas regulares, na cidade regular.
As exceções são algumas favelas grandes, como Rocinha, Vidigal, Borel, Coroa/Fallet/Fogueteiro, São Carlos. Ocupando no alto a área que "sobrou" da expansão da população mais rica e de classe média, lá embaixo, os moradores mais pobres se estabeleceram em casas predominantemente de dois ou três pavimentos, "coladas" umas às outras e com becos, travessas ou escadarias basicamente como vias de acesso.
Para o norte da cidade, seguindo a expansão das linhas férreas e a Avenida Brasil, estabeleceram-se grandes aglomerados subnormais nos Complexos do Alemão, Maré, Lins, Manguinhos e na favela do Jacarezinho. Embora, proporcionalmente, as ocupações em morros tenha sido predominante, a região tem grandes áreas com aglomerados predominantemente planos, como Vigário Geral, Ramos e Maré, "onde mais de 80% dos domicílios encontravam-se em áreas planas", diz o estudo. Nessas regiões, com densidade de ocupação elevada, predominaram construções sem espaçamento de dois e mais pavimentos e vias que não permitem a circulação de carros e caminhões.
Já na zona oeste, eixo de expansão urbana mais recente, ocupações menores e mais dispersas de estabeleceram. As exceções foram aglomerados de grande porte, como Rio das Pedras, em Jacarepaguá, e o conjunto de aglomerados da Fazenda Coqueiro, em Bangu. Na região, com densidade de ocupação menor, há domicílios com espaçamento médio entre as construções, com um ou dois pavimentos e ruas que permitem carros e caminhões.
"Nos subdistritos localizados na zona oeste da cidade, por exemplo, mais de 80% dos domicílios em aglomerados subnormais estavam em áreas predominantemente planas", diz o estudo.
O IBGE também identificou grandes concentrações de aglomerados subnormais nas cidades de Niterói, Duque de Caxias, São João de Meriti e Belford Roxo. "O padrão de verticalização predominante identificado na maior parte dos municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro foi o de construções de um pavimento. Porém nos Municípios do Rio de Janeiro e de Niterói, que concentravam o maior número de domicílios em aglomerados subnormais na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, o padrão das construções era predominantemente mais verticalizado com alta ocorrência de domicílios de dois ou mais pavimentos", afirma o trabalho.

Cinco mitos sobre favela desfeitos pelo Censo 2010 A favela superou o clichê. A proverbial do morro carioca da Previdência (para onde soldados da Guerra de Canudos...

A favela superou o clichê. A proverbial do morro carioca da Previdência (para onde soldados da Guerra de Canudos transpuseram o nome de um morro sertanejo no qual vicejava uma planta chamada favela) é uma exceção até no Rio de Janeiro: 57% dos domicílios "favelados" da cidade ficam no plano. Só 15% estão em encostas íngremes. O "morro" mítico dos sambas foi aterrado há tempos.
Tampouco a maioria das pessoas "prefere" morar em favelas para estar perto do trabalho. Em São Paulo, três de quatro habitantes dos ditos "aglomerados subnormais" levam mais de uma hora para ir e voltar do emprego - a proporção é 27% maior do que para o resto dos paulistanos. A regra se repete em 76% das cidades: o "favelado" perde mais tempo no trânsito que os demais.
O estudo do IBGE mostra que morar em "favela" é, acima de tudo, uma adaptação à geografia. É outro mito imaginar que o cenário é sempre o mesmo.
Em Natal, 40% das moradias "subnormais" ocupam dunas ou praias. Na paulista Cubatão, 29% ficam em manguezais. Em Linhares, no Espírito Santo, 38% ocupam irregularmente unidade de conservação ambiental. E em Petrópolis, na serra fluminense, local de repetidos e trágicos deslizamentos, 86% das moradias desse tipo estão em declives acentuados (superior a 16,7 graus).
Risco de outro tipo mas também grave há em 17 cidades onde há casas em lixões, aterros sanitários ou áreas contaminadas.
Favela não é tudo igual nem geográfica, nem urbanisticamente. Em Belford Roxo (RJ), 89% dos domicílios dessas aglomerações têm acesso a arruamento regular. Já em Vitória (ES), 72% das casas faveladas não têm rua por perto porque estão no morro.
Em quinto, mas não em último lugar, o morador da favela não vive nela porque lhe faltou escola. Em Niterói (RJ), 27% têm diploma de nível superior. E não só lá: são 24% em Florianópolis, 23% em Santos (SP) e 20% em Curitiba e Porto Alegre.

Dilma pede ajuda ao Congresso para aprovar cotas A presidente Dilma Rousseff pediu ontem, em sua conta no Twitter, ajuda aos parlamentares na aprovação das cotas...

A presidente Dilma Rousseff pediu ontem, em sua conta no Twitter, ajuda aos parlamentares na aprovação das cotas no serviço público federal. "Conto com o apoio do Congresso Nacional para avançar nesta questão", escreveu. Ela disse que é preciso "superar as consequências do nosso longo período escravocrata, que não acabou com a abolição, mas se manteve na hierarquização da sociedade".
Dilma também afirmou que a cor da pele tem sido motivo de exclusão e preconceito no País e que "sem ações afirmativas como esta, não tornaremos realidade a construção de um Brasil com igualdade de oportunidades para todos".

SOBRE A EMPRESA SOL

Há um inquérito sendo movimentado na polícia federal e a empresa Sol poderá se transformar em uma bomba de altíssimo poder de destruição. Vai pegar um monte de gente. Não é um chute, mas constatação. Só não publicamos detalhes para porque ainda não é hora. A temeridade está sendo a tônica do governo municipal de Caraguá e os vereadores já poderiam estar instalando CPIs e apurando responsabilidades se não, pra que vereadores?

Dilma autoriza migração de rádios AM para FM

A presidente Dilma Rousseff assina nesta quinta-feira, 07, o decreto que autoriza a migração das emissoras de rádio que operam na faixa AM para a faixa FM. A solenidade acontece no Palácio do Planalto, às 11h, e contará com a presença do ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

Descontraída, Dilma diz que fugas 'infelizmente' não são para namorar Em entrevista, presidente diz que se diverte com imitações e não descarta ter habilitação para motos

Descontraída, Dilma diz que fugas 'infelizmente' não são para namorar

A presidente Dilma Rousseff se diverte com as suas imitações, gosta de charges que a retratem, não descarta fazer curso para ter habilitação de motos e, apesar de às vezes fugir dos seguranças, "infelizmente" não faz isso para namorar. Foi o que ela contou, num momento de descontração, na entrevista concedida na tarde desta quarta-feira, 06, a veículos do Grupo RBS e gravada no Palácio da Alvorada, em Brasília.
Ela voltou a reclamar não poder andar na rua sem o aparato de segurança e disse, mais uma vez, que Brasília "não tem esquina". Apesar de toda segurança, reiterou que continua "fugindo", mas não se estendeu no assunto porque "uma pessoa que foge não fica contando que foge".
Questionada se alguma das escapadas é para encontros com um namorado, Dilma respondeu com bom humor: "Não querido, infelizmente não. Seria muito bom, seria um momento de grande relaxamento, mas estou fugindo para coisa muito pequenininha". E lembrou da caminhada pela Praça da Liberdade, em Belo Horizonte, em agosto.
O passeio de moto pela capital federal também foi tema da conversa. O evento fez a presidente sentir "grande sensação de liberdade". "Agora entendo porque tem tanto motoqueiro", disse. Ela afirmou que se tivesse tempo, faria o curso para conseguir habilitação de motocicletas e que a hipótese não está descartada.
Entre suas imitações, Dilma "gosta muito" do perfil Dilma Bolada nas redes sociais. Ela aprecia também o Diário da Dilma, da revista Piauí, que simula um diário da presidente. "Tem almas generosas que trazem pra mim e leem alto o diário da Piauí. Eu me divirto muito", contou.
Ela lembrou de charges que a retratavam como a personagem chapeuzinho vermelho. "Tinha umas do chapeuzinho vermelho, do lobo e da vovozinha. A vovozinha, se não me engano, era o Lula", lembrou. "Eu gosto de charge, tem umas excelentes."

Dilma votará domingo na eleição interna do PT

A presidente Dilma Rousseff vai votar, no próximo domingo, 10, na eleição interna que escolherá o presidente do PT para o período 2014-2018. A recondução do deputado Rui Falcão ao comando do partido é dada como certa, embora cinco outros candidatos estejam na disputa. Com essa credencial, Falcão coordenará a campanha de Dilma ao segundo mandato.
Filiada ao PT desde 2001, Dilma deverá votar na sede do Diretório Nacional, em Brasília. Um total de 806 mil filiados estão aptos a escolher a nova direção do PT, em todo o País.
Rui Falcão conta com o apoio da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), majoritária no partido e integrada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Disputam contra Falcão os deputados Paulo Teixeira (Mensagem ao Partido), Renato Simões (Militância Socialista), Valter Pomar (Articulação de Esquerda), Markus Sokol (O Trabalho) e Serge Goulart (Esquerda Marxista).
No Rio Grande do Sul, Dilma sempre foi próxima da Democracia Socialista (DS), abrigada na tendência Mensagem ao Partido. Ela e seu ex-marido Carlos Araújo, porém, são amigos pessoais de Falcão desde os anos 1970, quando militavam em organizações de extrema-esquerda.
Embora a CNB esteja rachada em vários Estados, tudo indica que será a "Mensagem" - grupo do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo - que perderá mais força na eleição petista. Foi esse grupo, liderado pelo governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, que pregou a "refundação" do PT quando ocorreu o escândalo do mensalão, em 2005.
Se a "Mensagem" deixar de ser a segunda força no mosaico ideológico do petismo, a secretaria-geral do partido, hoje ocupada por Paulo Teixeira, pode ser controlada pela corrente "Movimento PT", que apoia Falcão e tem em suas fileiras o líder do governo na Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (SP).

Sem Marina, Dilma amplia vantagem na disputa de 2014 Pesquisa CNT/MDA indica que presidente teria 43,5% das intenções de voto em cenário contra Aécio e Campos; contra ex-senadora, resultado cai para 40,6%

A presidente Dilma Rousseff recebe mais intenções de voto no cenário em que a ex-ministra Marina Silva não está entre os candidatos à Presidência, segundo pesquisa da Confederação Nacional do Transporte (CNT), em parceria com o MDA Pesquisa, divulgada nesta quinta-feira, 7. Em um eventual segundo turno, a presidente venceria qualquer candidato.
No cenário com Marina, Dilma tem 40,6% das intenções de voto e Marina, em segundo lugar, tem 22,6%. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), fica em terceiro lugar, com 16,5% dos votos. A ex-ministra filiou-se ao PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, que no momento é o provável candidato da sigla.
No cenário mais provável, em que Dilma disputa contra Aécio e Campos, a presidente se sai melhor e recebe 43,5% das intenções de voto. O tucano fica em segundo com 19,3% e Campos em terceiro, 9,5%. Não é possível fazer uma comparação com a pesquisa anterior, de setembro, porque não havia um cenário idêntico a esse.
Foram entrevistadas 2.005 pessoas, em 135 municípios das cinco regiões do País, entre os dias 31 de outubro e 4 de novembro. A margem de erro da pesquisa é de 2,2%.
Segundo turno. De acordo com a pesquisa, Dilma tem 45,3% das intenções de voto, contra 29,1% da ex-ministra Marina Silva em um eventual segundo turno. Em setembro, na sondagem anterior, Dilma tinha 38,2%, contra 30,5% da Marina.
Quando o rival é o senador Aécio Neves, Dilma seria reeleita com 46,6%, contra 24,2% do tucano. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 39,6% e Aécio, 26,2%.
Contra Campos, a presidente tem a maior vitória: 49,2% contra 17,5%. Antes, o resultado era, respectivamente, 42,1% contra 17,7%.