A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

domingo, 14 de julho de 2013

O Silvio Santos ta louco pela periquita da Helen Ganzarolli

Helen Ganzarolli fica só de calcinha no jogo dos pontinhos. Programa Sil...

Após ler texto em que o vereador Lelau -(PT) de Caraguatatuba postou na rede social FACEBOOK, eu paro e tento entender o que este vereador realmente quer?

Eu concordo com parte do escrito e também discordo de alguns pontos, em que eu gostaria de comentar:

1º Quando o vereador fala que: Tem que mudar os deputados e senadores: Realmente temos que mudar muita coisa e há começar pelo PT que tem um monte de políticos condenados e ainda permanecem no partido e nada é feito. Que exemplo é este que o PT esta dando?
2º Quando o vereador fala em que: Tem ouvido as rádios locais descer o pau na presidente DILMA: O povo tem o direito de criticar e informar o que esta errado através das rádios e em todos os meios de comunicação. E se ele sabe de pessoas que trabalha nas rádios locais que tem repasse de verba, ele esta sendo omisso, porque ele é vereador e tem como uma das suas funções é fiscalizar e denunciar ao MP o que esta errado.
3º Quando o vereador fala que: Esta cansado de tanto descaso de tanta pouca vergonha: Se este vereador esta cansado de ver esta falta de compromisso, que este vereador pare e denuncie ao MP da cidadania o que esta errado e tome as atitudes legais, mas pelo que eu sei tudo não passou de um belo discurso político bem apropriado para as redes sociais mas sem objetivo.
4º Quando o vereador fala que Caraguatatuba esta sendo governada há, mas de 17 anos pelo mesmo grupo: Pelo jeito este o vereador Lelau esqueceu que ele fez parte do governo em 2008 na função de secretario de esporte, portanto nos nestes governos não tivemos muitas atuações, basta procurar os atletas da época.
5º Quando o vereador fala que atual gestão política de Caraguatatuba esta de teorizando a nossa Caraguatatuba eu concordo plenamente, mas também eu ainda não vi este vereador fazer nada que possa mostrar de fato uma oposição inteligente. E pelo que eu vejo, o PT de Caraguatatuba tem excelentes pessoas e articuladores como o senhor Cidreira, Paulo Afonso, Álvaro Alencar e outras que neste momento me falha a memória os seus nomes.

Vereador Lelau, eu desejo muita sabedoria e inteligência em sua gestão e que a sua legislatura possa ser para o povo a favor do povo.

Veja o texto que o vereador postou no facebook...

Bom dia meus amigos! Para refletirmos um pouco!


Leio várias postagens delegando ao meu partido "PT" à responsabilidade por tudo que esta acontecendo de errado em nosso BRASIL, pois bem, tenho minhas convicções e não desejo mudar a opinião de ninguém, mas posso ESCREVER com minha consciência TRANQUILA, que o PROJETO que temos para o BRASIL é o MELHOR e mais AMPLO para atender toda nossa população BRASILEIRA. Mas para que isto possa acontecer, temos que MUDAR os CONGRESSISTAS, ou seja DEPUTADOS e SENADORES que articulam para dar o seu voto de aprovação em um projeto, porque quando ocorre o que acontece em nossa nação, onde há dezenas de partidos e é necessário maioria para aprovação destes projetos, desenvolvendo todo esquema que a população conhece - NEGOCIAÇÃO - também somos contrário ao: Auxílio paletó, sapatos, moradia, viagens, e outros benefícios, até porque ninguém te obriga nada e se colocaram o seu nome a disposição para participar de um processo eleitoral e caso saia vencedor, que mude para o Local de Trabalho e passe a viver como MILHÕES de TRABALHADORES que pagam pela sua estrutura, como todos nós! Ouço raras vezes a rádio local que desce o PAU na Presidenta DILMA como se em nossa CIDADE estivéssemos vivendo em um PARAÍSO, como comentários de pessoas vinculados nesta Prefeitura MALHANDO ADMINISTRAÇÕES do PT e mal conseguem RESOLVER o IMPASSE em nossa SAÚDE... estou CANSADO desta POUCA VERGONHA... olhe para o PRÓPRIO UMBIGO e faça o que tem que ser FEITO em nossa CARAGUATATUBA, que pertence a todos que AMAM, RESPEITAM e ADMIRAM esta LINDA CIDADE...ADMINISTRADA há mais de 17 ANOS pelo MESMO GRUPO POLITICO, estão CANSADOS? JÁ DEU O QUE TINHA QUE DAR? façam VALER o AR que respiram neste ambiente, onde deixamos de CONVIVER com HOMENS de bem, familiares, dentre outros que estão perdendo suas VIDAS pelo descaso desta ADMINISTRAÇÃO PSDB que DETERIORA a CADA INSTANTE esta ATMOSFERA cristalina e transparente refletida em nosso MAR no alcance deste LINDO CÉU, cercado pelo verde que nos protege e nos alimenta no ESPÍRITO, buscando sermos JUSTOS e PERFEITOS como nosso Pai Celestial - DEUS e nosso guia e modelo da Humanidade - JESUS...um ótimo e abençoado DOMINGO a todos juntos dos SEUS familiares e amigos... Paz sempre

Professora Afastada do Cargo, Por dança "Quadradinho de 8"



A professora Carly McKinney, de 23 anos, causou polêmica nos EUA por postar fotos dançado  "Quadradinho de 8", E ainda teve mais Fotos "Seminua" Divulgada em rede Sociais. 
"Nua. Molhada. Chapada", escreveu a professora em uma das mensagens no Twitter. Em outro momento, ela escreve sobre ter maconha na escola. "Vendo uma prisão por drogas no estacionamento. É engraçado porque eu tenho maconha no meu carro no estacionamento."
Veja as fotos da professora dançado  "Quadradinho de 8" e "Seminua" :

Agora fica a duvida de quando foram tiradas estas fotos?

Esta circulando no FACEBOOK a foto desde dia 09 de julho do ano corrente em que o vereador Pedro Ivo - (PSD) de Caraguatatuba, aparece com roupa de mergulho com um amigo. Eu também acho muito estranho esta foto esta circulando nas redes sociais já que todos nos sabemos que esta de licença medica.
Será que na época desta foto o vereador Pedro Ivo estava de licença medica para tratamento de fisioterapia?

Agora fica a duvida de qual a data destas fotos?






Foto: Caraguatatuba FIZERAM ESTA PERGUNTA E COMPARTILHO COM VOCÊS...FOTO PUBLICADA 09/JULHO/2013
UM VEREADOR ELEITO E REELEITO E ESTAVA DE LICENÇA MÉDIA...ACHO QUE POR TEMPO INDETERMINADO!
PELA FOTO AQUI...JÁ PODE VOLTAR A TRABALHAR!
...como será que a gente consegue saber oficialmente quando ele fez esta viagem para ver se era a data do atestado médico dele...se for a gente tem obrigação moral de cassar o mandato deste cara?

"Blog do Guilherme Araújo não esta aqui para acusar, inventar, denegrir ou desmerecer a imagem de qualquer cidadão e por isso eu quero colocar o Blog do Guilherme Araújo a disposição do vereador Pedro Ivo para quaisquer esclarecimentos". Para que os nossos seguidores e munícipes possam saber a verdadeira historia desta foto.

Jovem ferido em protesto durante casamento de neta do 'Rei dos Ônibus' pretende voltar às ruas

O casamento de Beatriz Perissé Barata, neta do empresário Jacob Barata, considerado o "Rei dos Ônibus" do Rio, terminou com, pelo menos, um ferido. Ruan Nascimento, de 24 anos, foi surpreendido por um cinzeiro vindo do alto, que atingiu sua testa em cheio. Ele era um dos cerca de 200 manifestantes que protestava em frente ao Hotel Copacabana Palace, local da festa.
Achei, de início, que era uma bomba. Não sei quem jogou, nem de onde veio exatamente, mas foi do hotel. Tentei entrar no local para ver se os cinzeiros de lá eram iguais ao que me acertou. Mas, os seguranças não permitiram explica o rapaz, que foi socorrido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Copacabana, onde levou seis pontos na testa. O protesto estava totalmente pacífico. Mas depois do que aconteceu todos queriam entrar no hotel e, então, o Batalhão de Choque chegou, por volta das 3h, atirando bombas aleatoriamente, afirma o jovem, que é empresário e mora no Complexo do Alemão.
Ruan pretende voltas às ruas para protestar:
Depois do que aconteceu, fiquei com ainda mais vontade de protestar. Tenho ido em todas as manifestações que vêm acontecendo na cidade, e hoje, voltarei pras ruas, rumo ao Palácio da Guanabara, diz Nascimento, referindo-se a um protesto marcado para às 15h deste domingo.

Choque nega o uso de bombas de gás lacrimogênio em protesto no Copacabana Palace

A Polícia Militar se manifestou, através de nota oficial, sobre a suposta truculência na ação de ontem no protesto que aconteceu em frente ao Copacabana Palace. Manifestantes afirmaram que os policias chegaram, por volta das 3h de hoje, atirando bombas aleatoriamente. No comunicado, entretanto, o órgão afirma que o Batalhão de Choque foi acionado para conter um tumulto envolvendo um grupo de manifestantes. Ainda de acordo com a nota, protestantes começaram a jogar pedras em direção ao hotel, após o jovem Ruan Nascimento ser atingido por um objeto que teria sido jogado da sacada do estabelecimento.
A corporação afirma, ainda, que para conter o tumulto generalizado e evitar que pessoas fossem feridas, o Choque usou bombas de efeito moral e spray de pimenta. Negando, assim, o uso de bombas de gás lacrimogêneo.

Primeira corrida no Morro do Borel reúne 2500 pessoas neste domingo

A manhã deste domingo começou com correria no Morro do Borel, na Tijuca, na Zona Norte do Rio. Mas com um sentido bem diferente do que costumava-se fazer antes da pacificação. Em vez correr para dentro de casa, como de costume, todo mundo foi é para a rua ver os 2.500 participantes da primeira corrida do Borel, batizada de “Braços Abertos”, que comemorou os três anos da ocupação policial na comunidade.
Entre os dois mil adultos e as 500 crianças, que participaram do evento, estava o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame.
- É muito bom vir aqui e misturar a população. Esse é o grande ganho. E todos nós podemos curtir isso. A vista lá de cima é fantástica - elogia Beltrame.
A conclusão é a mesma da família do engenheiro Gustavo Reis, de 38 anos. Ao lado da mulher, a advogada Anna Katharina Vilhena Mendonça, de 38 anos, e das duas filhas, Isabela, de 4 anos, e Julia, de 9 anos, ele ocupou o Borel cheio de disposição.
- Antes eu tinha medo de passar de carro por aqui. E hoje pude subir, quase morrendo, e ver um pouco da vida de quem mora aqui - admira-se Gustavo.
A mulher, assídua em corridas, assim como o marido, adorou.
- A integração (social) já existe: no morro, no asfalto. A novidade é estar aqui no Borel e desmistificar que a comunidade está isolada e que não poderíamos ter acesso a ela - afirma.
E a moradora do Borel, Bianca Lopes dos Santos, de 26 anos, comemora: a corrida e o aniversário da filha Blenda, que faz 10 anos neste domingo.
- É importante se misturar a todas às crianças - diz Blenda.

Noivos e empresário saem de casamento com cordão de isolamento

O empresário Jacob Barata, conhecido como “Rei do Ônibus” no Rio de Janeiro, precisou do auxílio de um cordão de isolamento formado por policiais e seguranças para sair da Igreja do Carmo, no Centro do Rio, onde foi celebrado o casamento de sua neta, Beatriz Barata, na noite deste sábado (13). A medida foi adotada por conta da presença de cerca de 50 pessoas em frente ao local, que promoveram um protesto com cartazes e palavras de ordem criticando o sistema de transporte público estadual. Os próprios noivos e convidados também precisaram da ajuda dos seguranças tanto para entrar quanto para sair da igreja.
Para a realização do casamento, a Igreja do Carmo permaneceu de portas fechadas pois os manifestantes se mantiverem em frente ao local durante toda a cerimônia. A Polícia Militar informou que 30 homens do 5º BPM acompanharam o ato e reforçaram a segurança na área. Além dos policiais, agentes da CET-Rio também foram deslocados para a região por conta da ocupação de parte da Rua 1º Março, fazendo com que o tráfego seguisse por apenas uma faixa na via na área próxima ao protesto.
Com o fim da cerimônia e saída dos convidados da igreja, alguns manifestantes decidiram seguir para o Copacabana Palace, onde acontece a festa de recepção dos noivos.

Casamento de neta de Jacob Barata é marcado por protesto

As caras fechadas, às vezes assustadas ou raivosas, dos convidados contrastaram com os sorrisos misturados a gritos de ordem dos manifestantes na calçada em frente à Igreja do Carmo, no Centro do Rio, na noite deste sábado. Ali, casaram-se Beatriz Perissé Barata, neta do empresário Jacob Barata, considerado o "Rei dos Ônibus" do Rio, e Francisco Feitosa Filho, herdeiro do ex-deputado federal cearense Chiquinho Feitosa. A noiva chegou e saiu sob vaias das cerca de 60 pessoas que se reuniram para o protesto contra o atual sistema de transportes do Rio. Trinta PMs (um para cada dois manifestantes), além de seguranças, fizeram um cordão de isolamento em torno da porta principal. O protesto, porém, foi pacífico.


Manifestação em frente à Igreja do Carmo, onde é realizado o casamento de neta de empresário Jacob Barata
Foto: Marcos Tristão / O Globo

Durante cerca de duas horas, os manifestantes usaram de muito humor. Uma jovem, vestida de noiva, distribuía pequenas baratas de plástico para todos que chegavam. Ela ainda segurou um cartaz com os dizeres "Dona Baratinha, vá de ônibus para o Copacabana Palace", numa referência ao local onde foi realizada a festa após a cerimônia na igreja.
Somos da mídia Ninja. Queremos um transporte melhor no Rio disse a noiva de "mentirinha", sem querer se identificar.
Havia outros cartazes bem-humorados como "Pego ônibus lotado, me dá um bem casado!" ou "Eu estou pagando esse casamento!". O empresário Jacob Barata chegou em uma Merecdes Benz e não quis falar com a imprensa. Ao perguntar para o empresário sobre os custos da festa, o repórter do GLOBO foi empurrado três vezes por um dos seguranças de Barata, que estava à paisana.
Depois da cerimônia na igreja, o grupo de manifestantes ganhou reforços e cerca de 150 deles se aglomeraram na entrada do Copacabana Palace, também cantando e com cartazes. O ato foi acompanhado por aproximadamente 20 seguranças do hotel e por uma equipe da Polícia Militar.
O casamento de Beatriz e Francisco vinha sendo amplamente divulgado principalmente por colunas sociais do Ceará. Jacob Barata também é forte em Fortaleza, onde além de empresa de ônibus, possui a concessionária Ceará Diesel, que revende coletivos.
O casal Beatriz e Francisco tem pelo menos duas listas de presentes em sites na internet. Numa delas, na loja H.Stern Home, já foram comprados três aparelhos de jantar de 24 peças, no valor de R$ 4.950 cada um. Outro mimo, ainda não adquirido, é um faqueiro prateado de 130 peças, no valor de R$ 37.150. O cantor Latino teria sido o escolhido para cantar na festa no Copacabana Palace, mas a informação não foi confirmada pela família.

PIB: previsão do mercado caiu de 3,26% para 2,34% até agora

Os analistas do mercado financeiro continuam revisando para baixo a previsão para o crescimento da economia este ano. Segundo o Boletim Focus, divulgado hoje de manhã pelo BC, o mercado estima que o PIB crescerá 2,34% em 2013, abaixo dos 2,40% previstos há uma semana. No começo do ano, no primeiro relatório divulgado, a previsão estava em 3,26%. Também foi reduzida de 3% para 2,80% a projeção para o crescimento da economia em 2014.
O mercado espera uma inflação um pouco mais baixa, em 5,81%, abaixo dos 5,87% previstos há sete dias, mas ainda muito alta, mais perto do teto (6,5%) do que do centro da meta (4,5%). Na sexta-feira passada, o IBGE divulgou que o IPCA, em 12 meses, acumula alta de 6,7%. Os analistas acham, portanto, que até o fim do ano deve desacelerar, fechando em torno de 5,8%. Já a previsão para a inflação de 2014 subiu de 5,88% para 5,90%.
Na próxima quarta, o BC divulgará a taxa básica de juros, atualmente em 8% ao ano. O mercado prevê que a Selic terminará o ano em 9,25% (a mesma projeção é feita para 2014), ou seja, até o fim de 2013, subiria 1,25 ponto.
Em relação ao câmbio, os analistas estimam que o dólar encerrará 2013 em R$ 2,20, acima do projetado há uma semana (R$ 2,15).

Mercosul com crise de identidade: a situação de Venezuela e Paraguai

A presidente Dilma participa hoje, em Montevidéu, no Uruguai, da cúpula de chefes de Estado do Mercosul, que está em crise desde que entrou num beco sem saída com a suspensão do Paraguai. Num primeiro momento, parecia o correto a fazer, até porque o Mercosul tem a cláusula democrática. Mas em seguida, o bloco aproveitou que o Paraguai, o único obstáculo à entrada da Venezuela, não estava e colocou o país para dentro. Aí o bloco começou a perder razão.
Agora, a Venezuela vai assumir a presidência do Mercosul e ainda não se resolveu a questão do Paraguai, que discute se as decisões tomadas quando ele estava fora são legais ou não, porque uma outra cláusula do Mercosul diz que as decisões são por unanimidade.
Esse imbrólio jurídico não se resolveu, o Paraguai está discutindo sair do bloco e começou a "namorar" a Aliança do Pacífico. Os países ainda não conseguiram chegar a uma decisão.
Nesse meio tempo, o Paraguai continuou vendendo para o Mercosul, o comércio até aumentou. E deve estar se perguntando: por que ficar com as amarras do bloco se eu posso ficar com as vantagens?
O Mercosul, como união aduaneira, não permite que os países façam acordos sozinhos, fora do bloco. Isso tem provocado discussões de se não é melhor ser uma área de livre comércio, e poder negociar acordos mais livremente, e não união aduaneira. Atualmente, não dá para negociar nada levando junto a Argentina, que está numa crise enorme.
O Mercosul está numa crise de identidade nesse momento. Não sabe o que fazer também em relação ao Paraguai, que terá um novo presidente, Horácio Cartes. Ele já fala que o que foi decidido enquanto o país estava ausente do bloco não é legal.
A diplomacia brasileira, que sempre comandou esse processo, falhou em encontrar uma saída.

Os ruídos da resposta

A ideia inicial do governo era, no Dia Nacional de Lutas, mostrar que ainda tem controle sobre as ruas, através das centrais sindicais que, direta ou indiretamente, estão ligadas a ele. Mas o balanço é melancólico. Houve confusão, mas não adesão popular. Não foi uma demonstração de força do trabalhismo oficial, e vários lemas foram até hostis ao governo.

O governo pensou que estrelas seriam lustradas, bandeiras, sacudidas, e o PT e os partidos da coalizão governamental exibiriam controle majoritário no movimento social organizado. Mas foi uma manifestação bem mais vazia do que imaginaram, e os interesses defendidos foram diversificados. Os médicos que protestaram mostraram sua discordância em relação às últimas propostas para o setor, como a contratação de médicos estrangeiros e os dois anos obrigatórios de serviço ao SUS. Os professores querem mais dinheiro para educação. Os portuários querem aumento salarial e reivindicam pontos que não foram contemplados na Lei dos Portos.
Houve bandeiras diversas, nenhuma defendendo o governo da posição enfraquecida em que se encontra. Não foi o que Brasília sonhou que fosse, no primeiro momento.
As próprias centrais sindicais, mesmo todas juntas, como CUT, CGT, Força Sindical, entre outras menos votadas e representativas, mostraram que não conseguiram fazer sombra à força da participação espontânea, quando ela irrompeu em junho. O movimento, quando aconteceu, deixou as centrais confusas. Achavam que tinham o monopólio de levar manifestantes para as ruas e foram surpreendidas. O movimento de ontem foi convocado para mostrar que elas ainda sabem como encher avenidas com seus seguidores.
O que mais impressionou no Dia Nacional de Lutas foi o uso abusivo do que é cada vez mais comum nos últimos tempos: bloqueio de rodovia como ato de protesto. Isso, seja qual for o motivo da reivindicação, cria uma série de problemas para o país, limita o direito de ir e vir, afeta o escoamento do abastecimento de produtos, que é majoritariamente rodoviário. E, como se viu ontem, virou a forma mais comum de protesto.
Várias categorias têm antigas reivindicações e ontem foram falar dessas lutas específicas, algumas com maior ou menor grau de viabilidade. As Centrais apresentaram o que as tem unido há muito tempo: fim do fator previdenciário e a redução da jornada sem redução do salário, fim da terceirização.
Ficando em apenas uma dessas bandeiras: o fator previdenciário foi uma solução temporária, enquanto o governo não conseguia fazer uma reforma da previdência que torne toda essa questão mais racional. Os brasileiros têm uma expectativa de vida maior, mas relutam em seguir o que acontece em outros países do mundo, que é adiar a aposentadoria e estabelecer a idade mínima. O fator previdenciário foi uma gambiarra feita para contornar essa incapacidade. Deveria terminar, desde que o país, antes, mudasse a previdência. Mas até uma pequena e justa mudança que foi defendida tempos atrás já está arquivada: a de que viúvas jovens não herdem o valor integral da aposentadoria, principalmente na Previdência Pública. Nos outros países, isso é diferenciado: o percentual do que herdam depende da idade, de ter ou não filhos pequenos, do nível de renda. Do jeito que é no Brasil, tem se multiplicado o caso de idosos que deixam sua aposentadoria para pessoas mais jovens através de vários estratagemas. O déficit previdenciário já é alto demais, a população está envelhecendo. Nos outros países, já foram abolidas regras que aprofundam o déficit no Brasil.
Até a mais governista das centrais, a CUT, tinha críticas a fazer. As críticas foram ao Banco Central e à elevação dos juros, que definiram como uma "excrescência".
O Dia Nacional de Lutas acabou sendo um mosaico de reivindicações — algumas justas, outras inviáveis, algumas corporativas, outras ideológicas — mas não foi demonstração de força do governo sobre o movimento social organizado. Não foi sequer demonstração de força das centrais sindicais sobre os trabalhadores.
Houve adesão, o dia esteve longe de ser normal, trabalhadores foram para as ruas, muitas categorias se manifestaram, mas a mobilização esteve abaixo do que os próprios sindicatos tinham imaginado. Enquanto isso, o governo continua enrolado na sua incapacidade de dar uma resposta à insatisfação que espontaneamente apareceu nas ruas de junho.

Resumo comentado das notícias da semana

BC sobe juros para 8,5% ao ano – O BC subiu a Selic, a taxa básica de juros, que serve de referência para as demais, em 0,5 ponto, de 8% para 8,5%. O mercado esperava exatamente isso. A decisão foi tomada num momento difícil, porque a economia está fraca, mas a inflação alta (em 6,7% em 12 meses, acima do teto da meta).

Índice do BC indica que a economia teve queda de 1,40%  – O BC divulgou hoje o seu IBC-Br, índice que mede a atividade econômica, que mostrou queda de 1,40% em maio em relação a abril. O número veio pior do que o mercado esperava, em torno de -1%, e é o pior também desde dezembro de 2008. Em maio, os resultados da indústria, que encolheu 2%, e do varejo, que ficou estagnado, foram fracos. O Banco Central explica que houve mais um dia de feriado, o de Corpus Christi, que normalmente ocorre em junho. Sem ele, a queda seria menor.
Varejo fica estagnado – No mês em que a indústria teve queda de 2%, o comércio ficou estagnado em maio em relação a abril. Se não fosse o dia das mães, que ajudou um pouco, o resultado teria sido pior, porque a inflação alta está tirando renda das famílias. A boa notícia é que apesar da alta dos preços, os supermercados voltaram a ter crescimento depois de três meses em queda. Por outro lado, só quatro das dez atividades pesquisadas tiveram crescimento. Na comparação com maio do ano passado, o varejo teve alta de 4,5%.
FMI revisa previsões – O Fundo reduziu as projeções para o PIB de vários países, inclusive do Brasil, que passaram de 3% para 2,5% e de 4% para 3,2% em 2013 e 2014, respectivamente. Está abaixo da previsão feita para a economia mundial (3,1% e 3,8%, respectivamente).
Os protestos dos sindicatos – A manifestação das centrais sindicais que, direta ou indiretamente, são ligadas ao governo foi bem mais vazia do que elas imaginavam. E é bem diferente dos protestos espontâneos de junho. As centrais têm pauta conhecida; querem, por exemplo, a redução da jornada e o fim do fator previdenciário. O maior interesse delas era mostrar que ainda conseguem mobilizar, levar gente para a rua. Mas até elas têm críticas a fazer ao governo. No Dia Nacional de Lutas, houve reivindicação de todo tipo — algumas justas, outras inviáveis, algumas corporativas, outras ideológicas — mas não foi demonstração de força do governo sobre o movimento social organizado. Nem sequer demonstração de força das centrais sobre os trabalhadores.
As respostas oficiais às ruas - Esta semana, a presidente Dilma foi vaiada pelos prefeitos ao anunciar R$ 3 bi aos municípios, e o Senado voltou atrás um dia depois de ter rejeitado uma emenda que limita suplentes e parentes na suplência. Ouviu muitas críticas e recuou da decisão.
Reunião do Mercosul – Representantes dos países que fazem parte do Mercosul participam de uma cúpula esta semana, em Montevidéu. O bloco está num beco sem saída. O Paraguai, que não queria a entrada da Venezuela, continua afastado. Um ano após ter se tornado membro pleno do bloco, a Venezuela assumiu a presidência do Mercosul, que vive uma crise de identidade.
Edital para leilão do pré-sal – Saiu esta semana o pré-edital que será usado no leilão de Libra, o primeiro campo de pré-sal que será licitado. O modelo também será diferente (regime de partilha). Especialistas e empresas criticaram alguns pontos do documento, como os prazos apertados, o retorno dos investimentos em um horizonte muito longo e um contrato que não prevê prorrogação, como O Globo publicou esta semana.
O que diz o BC americano e os efeitos no dólar e na bolsa – Esta semana, o presidente do BC americano, Ben Bernanke, indicou que a retirada dos estímulos à economia ainda pode demorar para ocorrer. Alguns dos membros do Fed querem mais garantias de que há melhora consistente do mercado de trabalho. Com isso, a bolsa brasileira subiu, e o dólar caiu. O BC brasileiro também anunciou nova medida para atrair a moeda americana.
Espionagem americana– O jornal O Globo mostra desde domingo informações impressionantes da extensão da espionagem americana no Brasil. Autoridades do governo fizeram reuniões esta semana para debater o assunto e decidir o que fazer; protestaram junto ao governo americano, chamaram o embaixador dos EUA em Brasília para dar explicações e falam em recorrer à Comissão de Direitos Humanos da ONU. Mas o ministro Antonio Patriota disse que o Brasil não dará asilo a Edward Snowden, que delatou a CIA e o Serviço de Segurança Americano por montar esse aparato de bisbilhotice global da vida de países, governos, pessoas e empresas.
Egito – Após a derrubada do primeiro presidente eleito do Egito, Mohamed Mursi, pelas Forças Armadas, mais de 50 foram mortos em confronto com o Exército e centenas ficaram feridos. A Promotoria-Geral ordenou a prisão de dez líderes da Irmandade Muçulmana, incluindo o líder supremo, Mohamed Badie, acusados de incitar a violência. E um economista liberal – Hazem el-Beblawi – foi indicado para ocupar o posto de primeiro-ministro no governo de transição.
Domésticas – O plenário do Senado aprovou na quinta, por unanimidade, a regulamentação dos novos direitos das domésticas. O projeto, que segue, agora, para a Câmara e depois para sanção da presidente Dilma, eleva gastos com FGTS, mas reduz dedução ao INSS.
Hoje é o dia de Malala, a menina paquistanesa que sofreu um atentado dos Talibãs pelo “crime” de querer estudar. Hoje ela completa 16 anos e já está recuperada depois de longo tratamento no Reino Unido. E o lema dela para as crianças de todo o mundo é: “Peguem seus lápis e cadernos”. Viva Malala! E viva eternamente o que ela significa: o direito universal à educação.

Em debate, o momento da economia: juros em alta e PIB baixo

 A economia está dando cada vez mais sinais de fraqueza, mas mesmo assim, o BC BC elevou os juros esta semana pela terceira vez seguida. Não havia alternativa, a não ser esse "remédio amargo", porque a inflação acumulada em 12 meses chegou a 6,7%, superando o teto da meta. Essa é a avaliação dos economistas Samuel Pessoa, pesquisador do Ibre/FGV, e Paulo Gurgel Valente, diretor da Profit Consultoria, com que conversei no meu programa na Globonews.

Por conta dos dados ruins da atividade econômica nos últimos meses, Samuel acha que o ciclo de alta da Selic pode ser mais curto do que se imaginava há algum tempo. Para Valente, como o governo está olhando também o lado eleitoral, nesse momento anda mais preocupado em segurar a inflação do que com o crescimento. Segundo o economista, o Brasil deixou de aproveitar o período de bonança, de 2003 a 2006, com a alta dos preços das commodities, para fazer os ajustes necessários na economia e corrigir problemas históricos.
Eles lembraram que nas manifestações de junho, também havia insatisfação em relação a alta dos preços. No primeiro semestre, a inflação de alimentos foi muito forte, afetando ainda mais os consumidores de menor renda. Com dois anos de crescimento baixo - em 2012, o PIB teve expansão de apenas 0,9% e, em 2013, deve ficar próximo de 2%, o que se tem, segundo Samuel, é um cenário de crescimento baixo e inflação alta, quase de estagflação.
Para o economista da FGV, a resposta que a política econômica deu à crise de 2008 foi errada, pois acabou aumentando o papel do Estado na economia. Agora, segundo ele, o Brasil está sentindo os efeitos dessa medida.
Os analistas acham que o desemprego pode crescer um pouco no segundo semestre.
Vejam abaixo o programa na íntegra:

Pesos do Mercosul

O Mercosul, depois do salto no comércio logo após ser formado, está estagnado há dez anos como percentual da corrente de comércio do Brasil. Já foi 16% e agora é 9%. O principal problema do bloco é político. Os sócios entraram num beco sem saída com a suspensão do Paraguai e a entrada da Venezuela. A crise econômica da Argentina cria um impasse a mais.

O Mercosul limita o nosso comércio com o mundo e vive em crise. Não se tornou o grande acordo da América do Sul, como sonhado, mas é um equívoco achar que só traz prejuízo. As exportações brasileiras aumentaram para os vizinhos, as relações econômicas se intensificaram, e a região é destino importante para nossos manufaturados. Sem isso, nossa indústria teria definhado mais.
O grande impasse do Mercosul é a suspensão do Paraguai. Pela acordo, os parceiros tinham respaldo para reagir à ruptura da ordem institucional no país. A retirada brusca de Fernando Lugo foi defendida pelos novos governantes com o argumento de que a Constituição permitia. Mas nada há de democrático no julgamento sumário de um governo sem direito de defesa.
A razão que o bloco tinha perdeu-se quando os sócios aproveitaram a ausência do Paraguai, que não tinha ainda ratificado a entrada da Venezuela, para aceitar o país como membro pleno do Mercosul.
O Mercosul será presidido pela Venezuela, e o Paraguai ainda não voltou, apesar de ter realizado eleições. Continua “de castigo” até a posse do presidente. Nesse tempo, aumentou as vendas para o bloco e começou a negociar com o mundo. Acabou tendo vantagens, e o Mercosul continua em situação complicada porque o Paraguai questiona a legalidade dos atos na sua ausência, já que é preciso unanimidade nas decisões.
]A Venezuela é importante no nosso comércio, mas é uma economia debilitada, apesar das reservas de petróleo. A inflação chegou a 25% no primeiro semestre. É politicamente instável e afugenta investidores, inclusive com perdas para empresas brasileiras, como a Petrobras. A PDVSA desistiu da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, cujo desenho foi feito para refinar óleo venezuelano. Isso aumentará ainda mais o custo da obra.
O Mercosul já foi mais importante para o Brasil. Em 1991, representava 8% da nossa corrente de comércio, ou seja, tudo que o Brasil importa e exporta. Em 1996, era 16%. Depois, foi perdendo importância. Caiu para 9%, em 2003, e aí ficou.
Com a Argentina, o Brasil tem tido problemas, inclusive quebra de contratos com empresas, além de barreiras ao comércio. Talvez a complacência do governo seja explicada pela venda de manufaturados. De 2002 a 2012, cresceu de 8% para 22% a venda de manufaturados para o Mercosul, dentro do total desse tipo de produto exportado pelo Brasil. Enquanto isso, caíram as vendas dos industrializados no percentual das nossas exportações. Os produtos básicos subiram de 28% para 46%, e os manufaturados caíram de 54% para 37%.
Tudo posto, o Brasil está numa situação difícil. Ligado a parceiros com problemas econômicos, num bloco estagnado no comércio e em crise política.

O preço dos erros

Como foi mesmo que o Brasil chegou nesta situação? A inflação está alta; o crescimento, baixo; os empresários estão suspendendo emissões e captações; os juros, subindo; a expectativa, piorando; o real, perdendo valor. Na economia, há um preço a pagar pelos erros, e o governo errou demais. Não é o fim do mundo, não há uma crise iminente, mas as escolhas equivocadas não ficaram impunes.

Há incertezas no mundo, mas o pior passou e não é a crise externa que explica o quadro que os economistas já começam a definir como de estagflação, essa palavra feia e pesada que na vida real é o que estamos vendo: o país cresce pouco, e a inflação permanece alta. Os Estados Unidos discutem o ritmo da recuperação econômica já em curso, e a projeção para a Europa é de crescer, ainda que pouco, no ano que vem.
As agências de risco colocaram o Brasil em perspectiva negativa, o que significa um risco de, no médio prazo, o país ser rebaixado. A balança comercial deteriorou-se rapidamente e teve déficit na primeira metade do ano. O saldo comercial será positivo, mas pequeno. O déficit em transações correntes se aprofundou.
O governo reagiu à crise de 2008 plantando os problemas que o país está colhendo agora. A crise chegou aqui como uma onda forte, derrubando o crescimento e ameaçando inúmeras empresas com operações de derivativos cambiais. O primeiro movimento foi para salvar essas empresas, induzindo fusões das maiores que atuavam no mesmo setor. O Banco Central aumentou muito a oferta de liquidez para evitar que aquele evento se transformasse numa crise de crédito. Bancos foram resgatados através do Fundo Garantidor de Crédito em operações muito controversas. Tudo foi justificado como a forma de contornar os efeitos aqui da eclosão da pior crise da história recente.
Mas a reação seguinte foi pior. Era natural que o governo incentivasse a economia, que entrou em recessão em 2009. Mas o problema foi a escolha e a permanência dos instrumentos de estímulo que foram equivocados e continuam em uso.
O governo adotou uma coleção interminável de pacotes setoriais que ampliaram os gastos e criaram subsídios para estimular o consumo. Uma das formas de injetar incentivos à economia foi através dos bancos públicos. Foi recriado o pior do chamado “desenvolvimentismo” e da expansão monetária através da relação incestuosa entre bancos públicos e Tesouro. Tudo isso esteve em voga no governo militar e produziu a crise que a democracia debelou.
A partir de 2008, aumentou-se a estatização da economia, retomou-se o deletério processo de escolha de campeãs nacionais, foi reinstalado o balcão de favores para distribuir desonerações aos setores escolhidos. A inflação passou a ser escamoteada por truques e subsídios como o que zerou a Cide e manteve o preço da gasolina congelado por vários anos. A indústria automobilística foi a grande beneficiária dos incentivos fiscais. O uso de estatais para controlar a inflação está descapitalizando as empresas, principalmente a Petrobras. Isso apequena os investimentos e pode afugentar o investidor privado das concessões.
Num primeiro momento, o estímulo ao consumo funcionou, produzindo a bolha de crescimento de 2010 que elegeu a presidente Dilma Rousseff. Desde então, a inflação mudou de patamar, ficando mais perto do teto da meta. Os pacotes foram perdendo a capacidade de gerar crescimento. Os ciclos de recuperação ficaram mais fracos e mais curtos.
Para esconder o estrago, feito nas bases da política fiscal, o governo escolheu o pior caminho: usar truques contábeis para adulterar os indicadores das contas públicas. Todos juntos produziram o seguinte estrago: ninguém mais acredita em alguns dos números fiscais brasileiros, como superávit primário e dívida pública líquida.
Intervenções excessivas na regulação e a ocupação política das agências reguladoras aumentaram a insegurança jurídica, dificultando os investimentos. O crescimento baseado apenas no consumo alimentou a inflação e endividou as famílias. Não será impossível corrigir essas distorções, mas exigirá do país um esforço que deveria estar sendo dedicado a superar outros obstáculos. Os erros que estão cobrando seu preço são erros velhos. A história ensina que deveriam ter sido evitados.

Por: Guilherme Araújo

A coluna de hoje


União estável

O professor Márcio Tadeu entrou na Justiça com pedido de união estável com o cantor Emílio Santiago, morto em março deste ano.

Diz que era companheiro do artista há 18 anos.

Se eu for beneficiado com sua herança, vou usar todo o dinheiro para criar o Instituto Emílio Santiago, um sonho dele.

Promessas o vento leva!!!

O Centro de Detenção Provisória (CDP) - Caraguatatuba, São Paulo, esta com a sua capacidade dobrada e hoje tem 1486 presos, quando o projeto era para 750. Quando o prefeito autorizou a construção do CDP em Caraguá, ofereceu uma área no Bairro do Getuba, mas a população reagiu e ele mudou o projeto para autorizar a obra no meio do mato, lá bem longe da população, na zona rural perto do Poço das Antas. Na época o prefeito disse inúmeras vezes que o CDP seria para abrigar os presos do Litoral Norte, mas hoje a realidade é outra e todos nos sabemos que todas as promessas foram apenas promessas de políticos e, mas uma vez fomos enganados!

Internauta é baleada e compartilha momento da própria morte no Facebook

Uma mulher teria compartilhado o momento da própria morte no Facebook.
A internauta Edna Célia, 41, usuária assídua da rede social, morreu minutos após compartilhar um status dizendo que havia sido baleada.
"Acabei de levar um tiro aqui dento de casa", escreveu Edna, por volta das 23h do domingo (14).
O "Jornal de Tucuruí e Região", do Espírito Santo, onde ela vivia, confirmou a morte.
Segundo a publicação, um assaltante invadiu a casa de Edna e a matou com um tiro no peito e outro na cabeça.
O socorro chegou a ser enviado ao local, mas Edna morreu antes de ser atendida.
O status foi apagado da rede social.
Reprodução
Usuária anuncia no Facebook que foi baleada
Usuária anuncia no Facebook que foi baleada

Esta é a hora da mudança

Caraguatatuba é a cidade que quem tem poder político pode tudo. 

Mas quando este poder vencer a sua data de validade os moradores desta linda cidade vão ver o prejuízo deixados por estes poderosos. 

Acorda Caraguá, esta na hora de mandar estes políticos mal intencionados embora do poder político.

E tem gente querendo ser candidato a deputado estadual para perpetuar o poder ou para da continuidade a este jeito maldoso de fazer politica.