A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Comício no bairro do Casa Branca

 
 
O candidato Guilherme Araújo 10456 no comício no bairro do Casa Branca, neste momento eu estava apresentando as minhas propostas.





Brasil pode expandir PIB potencial com escolaridade maior


O professor da Universidade de Nova York, Paul Romer, renomado por trabalhos sobre crescimento econômico, afirmou que uma das melhores formas para o Brasil expandir o potencial do PIB é adotar programas vigorosos para melhorar o nível de escolaridade de crianças e adolescentes. “A educação integral é um elemento essencial para os estudantes, que vai trazer efeitos muito positivos para a capacidade de produção do País em uma década. Os alunos de nações que adotaram esse tipo de sistema apresentam resultados muito bons de seus alunos”, destacou.
Para Romer, há uma correlação muito grande entre nível de escolaridade, aumento dos rendimentos do cidadão como trabalhador e expansão mais rápida do produto interno bruto dos países.
Além do ensino integral, ele recomenda outras medidas para que a qualidade do ensino no Brasil avance com maior rapidez. “Seria importante adotar testes mensais para todos os alunos de todas as escolas para saber como está o aproveitamento educacional”, destacou. 

“Se o País não tem ainda formas para medir tal desempenho, há instituições em outros países que podem ser contratadas e repassar tal tecnologia de avaliação, o que vai ser proveitoso para ganhar uma quantidade expressiva de tempo”, comentou. “Em seguida, é preciso fazer balanços desses testes para que mudanças estruturais sejam adotadas de forma ágil”, acrescentou.
“A OCDE poderia ser contratada para fazer alguns testes num primeiro momento, o que poderia ter um custo muito pequeno com resultados muito significativos no curtíssimo prazo”, disse.
Um outro elemento importante, segundo o acadêmico, é identificar os professores mais eficientes e estimulá-los de várias formas a continuar o bom trabalho. “Por outro lado, aqueles que não estiverem dispostos a executar com eficiência suas tarefas pedagógicas deveriam procurar outra atividade profissional”, destacou. Paul Romer fez os comentários depois de participar do Exame Forum, em São Paulo.

Técnico Joel Santana quer Flamengo com força nos 90 minutos


Em alguns jogos importantes realizados neste ano , o   Rubro-Negro sofreu bastante no fiml da partida. Em certas situações, o time esteve vencendo, caiu de produção e acabou cedendo o resultado. Para evitar que isso volte a acontecer no Brasileirão, o técnico Joel Santana destacou a necessidade de um treinamento bem feito durante esta intertemporada.

Por conta disso, durante esta semana, os atletas foram submetidos a uma série de avaliações físicas. Na próxima semana, os fundamentos do futebol voltarão a ser trabalhados. A meta é deixar o grupo preparado para manter o mesmo rendimento durante os 90 minutos da partida.
"Fizemos uma avaliação de tudo. Mas os resultados provaram isso para nós. Todo mundo viu. Temos que fazer uma avaliação do por quê de o nosso time estar sofrendo tanto depois dos 30 minutos do segundo tempo. Tem que ter um motivo. Temos que fazer a avaliação de tudo para ter uma ideia de onde vai atacar. Na sema que vem, treinaremos fundamentos individuais e coletivos", comentou o treinador.
Neste domingo (29.04), os jogadores folgaram, mas o time volta a treinar às 15h30 desta segunda-feira (30.04), no CT de Vargem Grande. Com informações da Agência Rio de Notícias.

Glória Perez escala ex-morena do "É o Tchan" para trabalhar em "Salve Jorge".


Escalação do elenco de "Salve Jorge", da TV Globo, tem novidade. Glória Perez convidou Juliane Almeida, 28 anos, para participar da nova novela.

A moça foi escolhida em 2005 como a nova morena do É o Tchan no "Domingo Legal", do SBT. Ela ficou no grupo até o ano passado e agora se prepara para a nova fase, na qual viverá uma prostituta.
Segundo informações do site "F5", da Folha de S. Paulo, em "Salve Jorge", Juliane será a moça de visual roqueiro que vai para o exterior achando que vai trabalhar com música, mas se dá mal. Na trama, ela vai interagir com a personagem de Carolina Dieckmann, que será sua colega.

Tessália e Darkson vão ter noite de amor em 'Avenida Brasil'.


"Avenida Brasil": Parece que Darkson (José Loreto) está muito próximo de realizar seu maior desejo, ele vai ter uma noite de amor com Tessália (Débora Nascimento) pela primeira vez. De acordo com informações, a cena começa com os dois em casa, arrumando a mesa para o almoço. "Você não imagina o quanto estar contigo me deixa feliz", declara o jovem, que, sem conseguir se controlar, carrega a morena pelos braços e a leva para o quarto. 

Depois da relação, ele pergunta se a namorada gostou. Ela diz que sim, mas se irrita com a insistência. "Homem inseguro é chato! Já basta o que sofri com Leleco (Marcos Caruso). Se é pra ficar junto, quero um cara de atitude, que chegue com firmeza. Sonho com um cara cheio de marra, corajoso, decidido, mas que nunca perca a doçura", diz. "Só isso? Tá mole, esse sou eu. Tu acabou de me definir", brinca Darkson.

A cena está prevista para ir ao ar dia 24.

Carminha manda Lúcio entregar vídeo íntimo de Max e Nina para Ivana.

Ivana e Max em Avenida Brasil 

"Avenida Brasil": A mando de Carminha (Adriana Esteves), Lúcio (Emiliano D’Ávila) vai deixar Ivana (Letícia Isnard) arrasada. Tudo porque a irmã de Tufão (Murilo Benício) vai receber um vídeo com cenas de Max (Marcelo Novaes) e Nina se agarrando.

De acordo com informações, ao ver as imagens, Carminha é a primeira a fingir estar chocada: "Ai, minhas almas, mas até o Max a bandida pegou".

Ivana fica arrasada com as cenas: "Essa cretina me odeia também? Ela me usou pra entrar nessa casa e ainda pegou o meu marido?! Piranha! Eu vou ter um troço... Eu tô sem ar..." 

Quando Max aparece em casa, a empresária o confronta mostrando o vídeo. O malandro fica passado, mas tenta se safar. "Eu não peguei ninguém... Essa diaba apareceu uma vez lá e tentou me seduzir!", mente o sem-vergonha, percebendo que a confusão tem o dedo de Carminha.

Muricy (Eliane Giardini) e a própria Carminha tentam defender Max para Ivana, colocando toda a culpa em Nina. Tufão diz que queria saber quem mandou as imagens. Esperto, o cafajeste manda um recado para a vilã. "Tá na cara que quem fez isso quer mais é me destruir, entendeu?". Ainda brava com o marido, Ivana avisa que o mata se souber que ele a traiu.

Gusttavo Lima: "enquanto eu viver serei seu pai" disse o cantor sobre a sobrinha.


O jovem cantor sertanejo Gusttavo Lima usou seu perfil no "Twitter" para manifestar sua tristeza nesse momento tão doloroso para família. 
Sobre a perda da irmã Luciana, Gusttavo postou a seguinte mensagem: "Minha irmã Luciana Limanunca vou te esquecer te amarei pra sempre tenho certeza que esta com Deus...Sentirei muitas saudades..."

Antes o sertanejo também havia postado uma foto da sobrinha e escreveu na legenda: "Sua Mamãe foi morar com Deus.Mais enquanto eu tiver vida serei seu pai seu tio e te darei todo amor e carinho do mundo."

A assessoria de imprensa do cantor confirmou que ele não vai cancelar a agenda de shows por consideração ao público.
Sobrinha do cantor Gusttavo Lima. 

Fátima Bernardes tem programa especial em comemoração aos seus 50 anos.



Nesta segunda-feira, dia 17 de setembro, a apresentadora Fátima Bernardes completou 50 anos. Quem surpreendeu a jornalista e participou do "Encontro com Fátima Bernardes" foi seu marido, William Bonner

O apresentador do Jornal Nacional disse: “Estou muito emocionado de estar pela primeira vez na cabine do Encontro com Fátima Bernardes. Obrigado, meu amor! Feliz aniversário”, disse nervoso. Fátima se emocionou só que ela não sabia que Bonner ia invadir o programa. O jornalista entrou no palco e beijou a amada. 

Fátima também recebeu homenagens de outros colegas da Globo. Fausto Silva fez um depoimento que emocionou a apresentadora.“Só pessoas abençoadas como você conseguem a realização pessoal, profissional e a família harmoniosa que você tem. Você sempre trabalhou com muita ética, competência e dinamismo. Por isso você venceu todos os desafios ao longo da sua vida. Mesmo estando em uma situação confortável de apresentadora de telejornal, você resolveu enfrentar um desafio e vai vencer esse desafio porque você é forte e uma das maiores vencedoras do prêmio Melhores do Ano. Não é todo mundo que completa 50 no auge da felicidade”. 


A também cantora e atriz da TV Globo, Ivete Sangalo, soltou a voz junto com a platéia do domingão, cantando parabéns pra você.

Marcelo Novaes, o "Max" de "Avenida Brasil", foi um dos entrevistados pelo casal. 

O programa terminou com a plateia cantando parabéns para Fátima Bernardes. 

Parabéns! Fátima Bernardes. Deus abençoe! 

Receita Federal paga 4º lote de restituição do IR 2012.


A Receita Federal começa a pagar nesta segunda (17) o    lote de restituição do Imposto de Renda do exercício 2012. Serão creditadas simultaneamente as restituições referentes ao quarto lote de 2012 e às residuais dos anos 2008, 2009, 2010 e 2011.

O depósito bancário soma R$ 1,8 bilhão para 1,958 milhão de contribuintes. A maior parte dos pagamentos refere-se ao exercício 2012, total de R$ 1,7 bilhão, destinados a 1,928 milhão de contribuintes.

Para saber se estão incluídos nos pagamentos liberados hoje, os contribuintes devem consultar o site da Receita Federal na internet.

Quem não entrou na relação de restituições liberadas até o momento deve verificar no extrato da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física 2012 se existem pendências ou outros motivos para a retenção em malha fina. O extrato está disponível no Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-Cac).

Para acessar as informações a partir de tablets ou smartphones, o contribuinte deve baixar um dos aplicativos para dispositivos móveis disponibilizados pela Receita Federal. Outra opção é fazer a consulta por meio do Receitafone, ligando para o número 146 e selecionando a opção 3.

"Receita inicia cobrança de R$ 86 bilhões de dívidas vencidas."

A Receita Federal também anunciou um conjunto de ações de cobrança em três frentes a fim de arrecadar R$ 86 bilhões em débitos vencidos, acumulados por pessoas físicas e jurídicas nos últimos cinco anos. O órgão enviará a partir de hoje (17) correspondência às micro e pequenas empresas inscritas no Simples Nacional (regime simplificado de apuração de tributos), aos inadimplentes beneficiados pelo refinanciamento de dívidas previsto na Lei 11.941/2009 e aos 317 contribuintes que devem acima de R$ 10 milhões ao Fisco.
A regularização pode ser feita acessando a página do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-Cac), que emite guia de pagamento. No caso do Simples, os devedores devem acessar a página do programa. Carlos Occaso destaca que não há necessidade de comparecer às unidades da Receita Federal para quitar as dívidas.

Zezé di Camargo pode levar Zilu para o cruzeiro "É O Amor 2013".


Zezé di Camargo e Luciano convidarão Zilu para um cruzeiro organizado pela dupla. A informação é da assessoria da dupla, desta segunda-feira (17), o cruzeiro "É O Amor 2013" tem saída marcada para o dia 28 de fevereiro, em Santos. O navio deve passar por Cabo Frio e Ilhabela. 

Como é do conhecimento de todos que acompanham a dupla -- Zezé e Zilu  são bons amigos e, segundo o jornal, a família ainda acredita numa reconciliação. 

O cruzeiro terá capacidade para 4.200 pessoas e duas das festas serão temáticas: uma dos anos 1980 e outra à fantasia.

Google compra concorrente do Instagram, diz revista.


Nik Software que produz o aplicativo para edição de fotos Snapseed, concorrente do Instagram agora pertence ao Google. O valor da negociação ainda não foi revelado. A informação foi divulgada na Revista "Exame" no inicio da tarde desta segunda-feira, 17.
"Queremos ajudar nossos usuários a criar fotos que eles gostem de verdade e, em nossa experiência, a Nik faz isso melhor do que ninguém", declarou o vice-presidente sênior, Vic Gundotra, em mensagem.
O Facebook anunciou em abril a compra doInstagram por 1 bilhão de dólares e recebeu no mês passado autorização nos EUA para concluir o negócio.

Greve dos bancários começa nesta terça, confirma sindicato.


Greve dos bancários: A partir da próxima terça-feira, dia 18, os bancários de todo o País - inclusive de bancos públicos - devem paralisar as atividades por tempo indeterminado. A informação foi divulgada nesta segunda-feira,17, na revista "Isto É".

Juvandia Moreira, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo,  confirmou a paralisação. "Começa amanhã nos principais corredores e vai crescendo. Depois vamos atingindo, ampliando o número de agências e pegando concentrações bancárias", afirmou. 

A categoria quer reajuste salarial de 10,25%, sendo 5% de aumento real, além da inflação projetada de 5%. Outro pedido envolve o pagamento da PLR de três salários mais R$ 4,961,25 fixos. A categoria também exige a criação de planos de cargos, carreiras e salários para todos os bancários; o pagamento de auxílio-educação (para graduação e pós-graduação); ampliação das contratações; aumento da inclusão bancária; combate às terceirizações; aprovação da convenção que inibe a dispensa imotivada; cumprimento da jornada de 6h; mais segurança nas agências bancárias - como instalação das portas de segurança -; previdência complementar para todos os trabalhadores; elevação para R$ 622 os valores do auxílio-refeição, da cesta-alimentação, do auxílio-creche/babá e da 13ª cesta-alimentação, entre outros.


Polícia Rodoviária Federal abre concurso para 71 vagas.


Polícia Rodoviária Federalabriu concurso para 71 vagas em cargos de nível médio e superior para o setor administrativo. As vagas são para Brasília. Os salários vão de R$ 2.364,47 a R$ 3.875,72.

São 3 vagas para técnico em assuntos educacionais, 1 para técnico de nível superior e 67 para agente administrativo. O cargo de agente administrativo exige nível médio. O cargo de técnico em assuntos educacionais exige graduação em pedagogia e o de técnico de nível superior exige graduação em qualquer área de formação.

O salário para agente administrativo é de R$ 2.364,47, podendo chegar a R$ 3.114,17, dependendo da avaliação de desempenho do servidor. Já para técnico em assuntos educacionais e técnico de nível superior é de R$ 2.671,22, podendo chegar a R$ 3.875,72, a depender da avaliação de desempenho do servidor. A jornada de trabalho dos cargos é de 40 horas semanais.

As inscrições devem ser feitas das 10h do dia 20 de setembro até as 23h59 de 10 de outubro no endereço eletrônico (aqui).
 As taxas são de R$ 55 para nível médio e de R$ 65 para nível superior.

O concurso terá duas etapas: a primeira terá prova objetiva de conhecimentos básicos, com 50 questões, e de conhecimentos específicos, com 70 questões. As provas serão realizadas no dia 18 de novembro, no período da manhã para cargo de nível médio e no da tarde para nível superior. A segunda etapa do concurso será composta de investigação social e/ou funcional. As provas objetivas, a investigação social e/ou funcional e a perícia médica dos candidatos que se declararem com deficiência serão realizadas na cidade de Brasília.

Na data provável de 9 de novembro, será publicado edital informando a disponibilização da consulta aos locais e aos horários de realização das provas.

Para os cargos de nível superior as disciplinas das provas de conhecimentos básicos são língua portuguesa, ética e conduta pública, raciocínio lógico e legislação relativa à PRF.

Já para o cargo de nível médio são língua portuguesa, ética e conduta pública, noções de informática, legislação relativa à PRF e noções de matemática.

Gusttavo Lima e parentes carregam o caixão da irmã em Presidente Olegário.


Na tarde desta segunda-feira (17), foi enterrado o corpo da irmã do cantor Gusttavo Lima. O sepultamento ocorreu por volta das 15h no Distrito Barreiro de Minas, em Presidente Olegário, no Noroeste do estado. 


Sobre a perda da irmã Luciana, Gusttavo postou a seguinte mensagem: "Minha irmã Luciana Lima nunca vou te esquecer te amarei pra sempre tenho certeza que esta com Deus...Sentirei muitas saudades..."

Rodrigo Simas festeja vitória da “Dança dos Famosos” na balada em SP


O ator Rodrigo Simas festejou a vitória no quadro“Dança dos Famosos”, do programa “Domingão do Faustão”, em uma casa noturna em São Paulo, na noite deste domingo, dia 16. O ator disputou a final com a atriz Cláudia Ohana e levou a melhor na competição. A informação foi divulgada na coluna "Famosos", da "Band".

Ainda bastante empolgado com a conquista, o ator subiu ao palco e soltou a voz.

Anna Flávia, professora de dança de Rodrigo, também compareceu ao agito. Os dois, é claro, posaram abraçadinhos para fotos.


Monique Alfradique e Sthefany Britto, que também participaram do quadro, marcaram presença, assim como o ator Kayky Brito.

Duquesa Kate Middleton aparece nua em novas fotos.


A revista italiana "Chi" divulgou novas fotos íntimas de Kate Middleton. Desta vez as imagens mostram a mulher do príncipe William totalmente nua. 

As fotos foram tiradas durante uma viagem do casal real a um resort no sul da França. A duquesa de Cambridge fez topless, trocou carinhos com o marido e chegou a tirar todo o biquini. Kate Middleton jamais posou para a capa de uma revista. 

A publicação divulgou as fotos mesmo sob ameaças de ser processada por invasão de privacidade. Ela pertence ao mesmo grupo empresarial da revista francesa Closer, primeira a divulgar as fotos. O grupo é controlado pelo ex-premiê italiano Sílvio Berlusconi. 

A revista Chi publicou as imagens sob ameaça da família real

"Flamengo": Léo Moura diz que tem que aprimorar para jogar no meio.


Notícias do "Flamengo": Léo Moura ficou satisfeito com seu desempenho no meio de campo rubro-negro na partida contra o Grêmio, no último domingo (16.09), terminada em 1 a 1. O camisa 2, que se destacou como lateral-direito ao longo de sua vitoriosa carreira, já tinha atuado na posição outras vezes. Entretanto, Léo confessa que sentiu um pouco a falta de ritmo para desempenhar a nova função. Agora, o capitão rubro-negro planeja aprimorar sua técnica no setor criativo do time para ajudar a equipe na busca pelos gols.
"Fiquei feliz de ajudar a equipe no meio, numa posição que eu jogava há muito tempo. Agora eu tenho que aprimorar. É lógico que as vezes falta um pouquinho de ritmo, até pela posição. Mas num todo, foi bom e tem que continuar", afirma Léo, que operou um ótimo contra-ataque no minuto 36 do segunto tempo do jogo contra o Grêmio, dando um belo passe para Nixon, que ficou na cara do gol e quase marcou.

Léo Moura 
O próximo compromisso do Flamengo no Campeonato Brasileiro é diante do Atlético-GO, domingo (23.09), no Serra Dourada. O Mais Querido do Brasil ocupa a 16ª posição na tabela da competição, com 28 pontos somados.

Thor, filho mais velho de Eike Batista, será diretor do Grupo EBX.


Nesta segunda-feira, dia 17 de setembro, o conselho de administração da EBX aprovou a eleição do filho do empresário Eike Batista, Thor Batista, como diretor da empresa e o aumento de capital de R$ 30 milhões para R$ 62 milhões. A informação foi divulgada na coluna "Economia", do portal de notícias G1.

Thor Batista, de 21 anos, será diretor do grupo, que abrange empresas como a petrolífera OGX e a de logística LLX. Ele foi eleito pelo conselho como diretor sem designação específica, de acordo com ata da reunião realizada nesta segunda. 

De acordo com a ata da reunião, os diretores eleitos renunciaram ao recebimento de remuneração, dado que já são remunerados por outras empresas de controle do grupo. 

Grupo EBX é formado também pela empresa de energia MPX, de mineração MMX, de indústria naval OSX e de mineração de carvão CCX.
Eike Batista e Thor Batista

Loja pega fogo no centro de Caraguá


No final da tarde desta segunda-feira 17/09, a loja “Ótica e Relojoaria São Sebastião”, localizada na Avenida Anchieta no Centro de Caraguatatuba, pegou fogo após um curto circuito na parte elétrica provavelmente de um letreiro. O corpo de Bombeiros foi acionado e conseguiu conter as chamas logo no inicio. Uma das suspeitas que ainda serão apuradas é que um transformador do letreiro da loja pode ter dado inicio as chamas.



Uma pericia deve apontar quais foram às causas do incêndio que não deixou vitimas, apenas danos materiais.

Diploma de jornalismo


“O fato de obrigar um profissional da imprensa a ser formado em jornalismo não fere o direito de outros à liberdade de expressão”
Mais uma vez a obrigatoriedade do diploma para exercer o jornalismo está em pauta. Desta vez o Senado aprovou a emenda que retorna com o curso superior obrigatório para quem quer exercer a profissão. Agora, o projeto vai para Câmara dos Deputados.
Lendo algumas opiniões sobre o assunto, gostaria também de fazer algumas colocações.
Primeiramente, quando se discute esta obrigatoriedade ou não, os juízes ou políticos do contra, que não entendem nada da profissão, colocam a liberdade de expressão como fator fundamental para cair o diploma. Gostaria de explicar estes dois pontos, que considero distintos. O fato de obrigar um profissional da imprensa a ser formado em jornalismo de maneira alguma está ferindo o direito de outros à liberdade de expressão. 

Considero livre aquele que pode em praça pública expor qualquer pensamento ou ideia, mesmo que política, como também escrever em panfletos ou até em livros, blogs e colunas de jornais. Para isso que os veículos impressos possuem articulistas. 
Não podemos comparar o direito ao exercício da profissão diplomada com a liberdade de expressão, pois um jornalista formado vai muito além desta liberdade, que também se deve ter, pois é um cidadão como outro qualquer. 
Outro argumento do contra, fala de que um jornalista pode ser outro profissional qualquer, como médico, advogado, economista. Também discordo desta linha. Um texto jornalístico, em uma parte do jornal que trata de informação a leitores que vão de leigos a intelectuais, não pode ser meramente específico em um tema. Um veículo de comunicação deve atingir todos os cidadãos por igual.

Textos jurídicos, com leis, só serão entendidos por advogados, assim como de médicos e outras profissões semelhantes. O que o jornalista formado neste caso faz ao se deparar com estes textos ou informações científicas ou jurídicas é justamente reescrever ou editar as informações de uma forma que todos possam entender. Esta é a diferença em se estudar e obter a formação para esta escrita. No final o jornalista é aquele que, sabendo um pouco de tudo, deve generalizar e explicar àquela informação de forma clara e leiga.
Mais do que discutir a queda de um diploma, deveria é debater os cursos em questão, talvez até reduzi-lo de quatro para três anos, e o quarto estágio obrigatório em redações, mas com certeza deixá-lo obrigatório, para garantir a qualidade de informação nos veículos de comunicação.  Não somente de jornalismo, mas de todas as profissões. Precisamos é de qualidade no ensino e adequá-lo sempre a realidade do mercado que vive em expansão, principalmente com a tecnologia existente no mundo virtual.

E como o médico, o jornalista também necessita estar sempre “estudando” e se aperfeiçoando com as novidades. É assim em qualquer profissão. Como é com todos os profissionais recém-formados adquirir experiência e “aprender” de fato o ofício no cotidiano seja de um hospital ou uma redação de jornal.
Por fim, o que ainda considero injusto nesta discussão é que na turma do contra estão empresários, ou seja, proprietários de veículos de comunicação, que na verdade podem estar querendo acabar com a obrigatoriedade do diploma para baixá-lo a um curso técnico e consequentemente o piso salarial e a cultura da classe, que sem formação pode facilmente aceitar tudo. Sendo assim, não é a qualidade da informação que está em discussão, mas o interesse de alguns. 

Pop cult 92


Alguma coisa parece errada com a nossa vida quando amanhecemos vendo as fotos íntimas de um risoto fotografado por uma pessoa que você mal conhece. E toda aquela comunicação estabelecida, através do aplicativo (tão inteligente, tão revolucionário), entre a manifestação da emoção dos donos do risoto e as respostas empolgadas dos animados emoticons das palminhas, do coração partido, da lacraia, dos sushis, do cocozinho e das dançarinas gêmeas.

Tenho andado com saudade até dos cento e quarenta caracteres do Twitter. Quando ele surgiu, muito se falou sobre o desafio e o poder da concisão e sobre as grandes obras que ainda surgiriam pensando esse formato. Continuamos daqui, ansiosamente, esperando.

Esta semana li o início de um diálogo até interessante: juju_cabral disse: “OBA! vou tomar banhoo... delicia ...depois vou pra casa do @nabuco comer pipoca”. Ao que @ricardosegundo respondeu: “quem quer saber se vc vai comer pipoca vai pra puta que pariu”. @ulyssesdepaula, outro promissor candidato a Tolstoi dos novos tempos, anunciou resumo do 11 de Setembro: “pum catapluft tchu papapapapapapa ioioiioioiom tratrtatratrtatraaaaa”. Os #hashtags trending topics indicam os possíveis temas da nova obra-prima contemporânea: #VouAoBanheiro- FazerONumero2 (nada original, até Leopold Bloom já filosofou sobre o assunto), #UFCdaora e #Rodeioanimal.

Eu não sei o que Thomas Pynchon faria hoje, em uma gruta, só com argila, sangue de animal e excrementos de morcego, mesmo saindo quarenta mil anos na frente. Talvez nem o que os empolgados com o risoto andam fazendo. Mas é sempre bom lembrar que havíamos construído uma civilização crítica bastante interessante, bem-humorada, capaz de manifestar suas ideias, suas emoções, sua linguagem, sem depender daquele bonequinho yellow face, rubro, que chora, ri, beija, grita, pisca, lambe.

É claro que isso parte da minha frustração por ainda não ter entendido para que serve o símbolo da melancia, da avestruz e da tartaruga urinando. Essa redução vem sendo praticada pelos editores de jornais de cultura já há um certo tempo: “duas estrelinhas para a obra de Antunes Filho”. Oscar Wilde ofereceu à Humanidade o ensaio “O crítico como artista”, falando sobre este senso, comum à todo cidadão grego. Sobre sua decadência e importância. Palminhas para Oscar Wilde.

Digressão perigosa: o que são esses avisos de privacidade em um lugar como o Facebook? É como frequentar uma orgia e pedir pra que não passem a mão em você.

O.k., ninguém será mais Korngold, que compôs sua primeira obra-prima com dezessete anos. Indicado por Mahler como o talento raro, teve aulas com Zemlinsky. Mais tarde, judeu, fugiu da Europa para Hollywood. Fez trilhas para cinema, ganhou Oscars, voltou para a Europa e, segundo críticos preconceituosos, havia perdido sua genialidade em alguma colina de Los Angeles. Tom Stoppard respondeu para uma pilha de jornalistas parvos que os maiores talentos da literatura que ele reconhece estão escrevendo para a TV americana. Resposta difícil de se lidar, hein?

“A aventura” do Antonioni, “Playtime” de Tati, a obra de Babel, Bulgakov, quase todos os grandes artistas dependeram do tempo que enterrou as injustiças e os preconceitos e conduziu o que era nobre até o lugar clássico e eterno na história da nossa cultura.

Tomara que o esperado gênio dos novos tempos e das novas formas e linguagens não se distraia do seu tempo precioso arremessando as três vidas de suas galinhas contra porquinhos que explodem.

Segunda digressão (a minha fala preferida de “O livro de itens do paciente Estevão”): “Oitenta e três por cento dos consultados votaram pela opção do seu apodrecimento seguido de devoração. Setenta e quatro por cento desses eleitores, diga-se de passagem, também compram regularmente produtos on-line de decoração doméstica.

Não sei muito bem o que isso significa, mas eles escolheram.”

Antonio Abujamra fez 80 anos. Não tenho palavras pra dizer o que devo a ele e ao Antunes. Minha carinha amarela mandando beijos, duas mãos aplaudindo, um fatia de um bolo de aniversário, um Homer Simpson segurando uma caneca de chope, um coração cortado por uma flecha, um mar de uma gravura japonesa.

ERREI, SIM


 Não é verdade a piada de que o médico pensa ser Deus, o jornalista tem certeza. Erramos, sim
Meu caro,

Achei de extrema correção ética seu gesto de vir a público, rasgar a camisa e abrir o peito ferido para a confissão de erro na deliciosa história de ter chamado de Roberto, num perfil de página inteira, um sujeito que era Ricardo. Foi uma peça de brilho e bom humor que já imagino servindo de tema nas escolas de Comunicação. Parabéns. Venho aqui para elogiar o colega, manifestar minha solidariedade, mas também cartar marra. Já errei mais, Xexéo. Foram tombos estrondosos e, cá entre nós, inevitáveis a quem abraça um trabalho desses.

Não quero te desestimular nem torcer contra, mas, tenha certeza, outros virão.

O jornalismo diário é dos maiores exercícios de humildade que o ser humano pode praticar.Pedimos informações como quem mendiga a subsistência, como quem cata latinhas no fim de um show de rock. Temos o reconhecimento constitucional de que não somos obrigados a saber nada em profundidade, sendo-nos indispensável apenas um estilo de escrever que exclua expressões como “sendo-nos” e a imensa curiosidade. Ela nos absolve para as perguntas mais elementares, renova o sangue para continuar a eterna busca por carne nova. Leia na minha camisa, Xexéo: “Eu nada sei, mas quero”.

Os pontos cardeais de nossa bússola existencial são Quem? Quando? Como? Onde? e Por quê? Com essas interrogações vamos longe. Sempre que abdiquei delas, errei feio — como vou demonstrar.

Meu saudoso pai, com os tamancos da objetividade que trouxe de Trás-os-Montes, não se conformava quando me flagrava na ignorância de alguma coisa. “Um jornalista, e não sabes?”, dizia. Pacientemente, eu redarguia, evidentemente usando outro verbo, com um “que tal encontrarmos uma boa fonte?”.

Não vejo outra definição para esse trabalho. Eu pergunto, você pergunta, e em seguida, como faz a empacotadora das Casas Bahia com os eletrodomésticos, nós empacotamos as respostas de um jeito bonito para o leitor.

Você deve conhecer, Xexéo, a piada de que a maneira mais prática de um jornalista se suicidar é saltando de cima de seu próprio ego. Acho que foi feita por quem nos olhou de longe. O Zuenir Ventura sempre me disse: “Jornalista não sabe nada, só sabe a quem perguntar”. O Elio Gaspari me corrigia sempre que eu apresentava um texto em que, à guisa de pretenso estilo, eu fazia umas perguntas para o leitor. Paciente, Gaspari cortava aquele brilhareco de garoto e ainda se dava ao trabalho de explicar: “O leitor te paga pra fazer perguntas ao entrevistado, não a ele”.

Errei, sim, Xexéo, manchei o meu nome sempre que não perguntei. Eu assinei, por exemplo, décadas atrás, uma nota anunciando a demolição implacável do restaurante Assirius, do Teatro Municipal. Ainda jovem e sem a humildade que a velhice e a profissão vão formatando, não perguntei nada a ninguém. Corri, açodado como imaginava ser o espírito da coisa, para colocar no chão o monumento, embora de gosto duvidoso, instalado no subsolo do teatro. Tratavase, soube minutos depois de o jornal na rua, de um botequim, também na Rio Branco, mas na Praça Mauá, com o mesmo nome de Assirius.

fracassei sempre que desprezei a humildade de checar a grafia exata de palavras duvidosas (já imprimi “bossal”, que de brincadeira talvez possa até significar “cheio de bossa”, para identificar um sujeito oposto, o “boçal”). Fracassei sempre quando tive a soberba da sabedoria, essa doença juvenil. Na semana passada mesmo, passei um texto inteiro elogiando a música “Bode velho”, que creditei exclusivamente a Sérgio Sampaio, quando ela também pertence ao grande letrista Sérgio Natureza.

Enfim, Xexéo, você não está só. Eu poderia escrever outras colunas sobre as erratas a que fui obrigado pela pressa, a ignorância e a ausência da pergunta certa à pessoa exata. Fico por aqui, na segurança de que quanto menos se escreve, menos erros se comete — e só quem não escreve viverá a glória do erro zero. Recentemente, numa crônica sobre o fim do “Jornal do Brasil”, quis fazer o elogio público de jornalistas com quem trabalhei lá e matei sem dó o coleguinha Luarlindo Ernesto, que graças a Deus continua entre nós.

Já foi o tempo em que colocávamos a culpa no revisor, mas, estes sim, estão praticamente mortos, e agora é tudo com quem assina. Erramos, tentaremos diminuir a taxa desse colesterol ruim com muito exercício, mas os equívocos continuarão assim mesmo, e o importante, Xexéo, é que os jornais façam como você fez, publiquem a retificação.

Definitivamente, não é verdade a outra piada, de que o médico pensa ser Deus, o jornalista tem certeza. Erramos, sim, manchamos diariamente o nosso nome, e eu não poderia terminar esse texto de solidariedade sem abraçar o colega de um grande jornal paulista. Ele foi obrigado a uma errata no dia seguinte à publicação de uma matéria que, num certo trecho, passava pela morte de Jesus Cristo. A coisa não tinha sido exatamente como ele descrevera no texto, e daí veio a retificação: “Diferentemente do publicado na edição de ontem, Jesus Cristo morreu crucificado e não enforcado”.

Que Deus o proteja, a errata o absolva e a sorte o persiga. Se tivesse enforcado Maomé, o jornalista estaria morto.

O FUMANTE EM PAZ


 O fumante de tabaco, hoje, está no nível mais baixo de prestígio social.
É mais discriminado que um usuário de crack

Para evitar que as más línguas amarelas venham denunciar minhas intenções com este texto, esclareço, logo, que me refiro ao fumo de tabaco, muito embora os textos controversos sobre maconha hoje abundem nas páginas de jornais, gerando debates os mais doidos e doídos.

Defender o uso de maconha, atualmente, é fácil e, por vezes, até recomendável pela lógica não só das liberdades individuais, mas do liberalismo econômico mais avançado e vanguardista da escola de Chicago.

Difícil, mesmo, é defender o uso de tabaco, essa droga insidiosamente cancerígena, causadora de impotência aguda, infarto prévio e tudo o mais, grande vilão num mundo de consumo, de resto, altamente saudável.

Ironicamente, o uso de tabaco, assim como o de Ovomaltine, é um direito, enquanto o de maconha é um delito ainda grave. Mas isso é outra coisa.

O que pretendo dizer está engasgado em minha garganta pós-limpa de ex-tabagista que parou de fumar há 17 anos. Digo: o fumante de tabaco, hoje, está no nível mais baixo de prestígio social. É mais discriminado que um usuário de crack.

Afinal, o craqueiro é um desgraçado, um infeliz abandonado, vítima das convulsões socioeconômicas, da desigualdade, dos mandos e desmandos da selva metropolitana, da lógica inclemente dos piores barões do tráfico e dos milicianos mais desumanos.

Já o tabagista é um pilantra da pior espécie: um assassino de criancinhas indefesas, um chato incômodo, um patife que se levanta a cada cinco minutos da mesa de bar para cuspir sua fumaça tóxica na cara do guardador de automóveis, que está lá na sua paz, a respirar avidamente cano de descarga de carro de playboy na noite de neon.

Para equilibrar essa injustiça, vou confessar o inconfessável: sinto pena dos tabagistas, não pelos riscos que correm em decorrência do seu vício, mas pelo bullying que sofrem. O que mais querem do fumante? Ele já renunciou a fumar em restaurantes e leva esporro até quando fuma na calçada.

Nas empresas, são confinados em fumódromos, que antes eram áreas mais ou menos agradáveis, mas estão, progressivamente, se transformando em câmaras de fumaça minúsculas do tamanho de elevadores, onde uns 20 viciados se acotovelam e são obrigados a fumar, além dos próprios cigarros, as emanações dos cigarros alheios, pois têm mais é que morrer mesmo, esses filhos do demo.

Não vejo esse ódio todo dirigido, por exemplo, aos bebuns. Esses são vistos como santos, pois tudo que fazem é encher os cornos com o fruto da vinha, abençoado desde tempos bíblicos. Verdade que têm de enfrentar a Lei Seca, mas quem se preocupa com isso desde que o Twitter passou a prover os serviços mais sérios e honestos de despiste da fiscalização?

Por algum motivo que me escapa, o tabaco em cigarros (pois os charutos, os cachimbos e o rapé têm status bem mais respeitável) é visto como vício dos infernos, enquanto outros vícios igualmente lícitos são contemplados com ternura e saudados com risadas de hiena.

As intoxicações por cafeína, por exemplo, são não apenas praticadas a granel no ambiente de trabalho, mas estimuladas como hábito motivador de produtividade. Alguém já viu, em alguma empresa do país, uma campanha de comunicação interna incentivando os funcionários a beberem menos café? E, entretanto, o excesso de cafeína, conforme qualquer psiquiatra pode atestar, produz surtos de ansiedade graves, capazes de gerar um tipo de violência que, a olhos nus, passa por inexplicável.

Os quilos de chips industrializadas, o Lexotan, os energéticos destruidores de estômagos, os hambúrgueres de fast food, as porcarias açucaradas de todos os tipos, sem falar no consumo cultural compulsivo de bobagens e da aderência doentia às redes sociais, tudo pode ser visto como questões de saúde pública ou pautas para reportagens.

Pode-se alegar, e é verdade, que o fumante lesiona o outro e expõe o próximo a emanações tóxicas (isso quando é permitida sua presença, pois hoje em dia isso é raro).

Mas... e o ronco porco do automóvel? E o maníaco digital, com seu isolamento e sua compulsão a expor os outros ao ridículo?

O fumo é um hábito como qualquer outro. Respeitável. Uma vez limitado o cigarro a certos ambientes, é preciso que se deixe o fumante em paz, e que se pare de lhe passar esses sermões datados que informam aquilo que já está mais do que sabido.

Parei de fumar há quase duas décadas, mas gostaria de voltar um dia. Talvez volte. Gosto do gesto e do gosto.

Não voltei ainda porque hoje, quando arrisco um cigarro extemporâneo, fico tonto e tenho náuseas, o que me tira a vontade de insistir. Mas quando estou com um fumante, faço questão de continuar em sua presença, solidário e amigo.

Ele tem o direito de pitar seu fumo. De intoxicar- se o quanto quiser, de engolir a fumaça com prazer cinematográfico, de viver a seu modo e de morrer, se assim o desejar.

Falando de amor e responsabilidade, Rashid se consagra entre os novos nomes do rap nacional

Nos últimos anos, uma novíssima geração de rappers vem dando nova cara ao gênero no Brasil. 
Ampliou a temática das músicas, as batidas e, por tabela, o seu público, há muito não restrito à periferia.

Um dos principais arquitetos dessa mudança é o paulistano Michel Dias Costa, 24, o Rashid, nome que vem do árabe e quer dizer "justo" ou "verdadeiro" -palavras que ele tatuou no braço direito.

Com versos como "sua filha é linda, parabéns pra você! / deve ter caprichado na hora de fazer!", que fazem as "minas" pirarem, ele tem pavimentado a carreira que começou na base do perrengue.

Nascido no bairro de Lauzane Paulista, zona norte de São Paulo, onde mora hoje, Rashid foi criado em Ijaci (a 300 km de Belo Horizonte). Lá, começou a fazer rap aos 12 anos.

"Eu botava o boné na cabeça, olhava no espelho e ficava rimando para mim mesmo, mexendo as mãos como Mano Brown", diz.

Sem muito recurso tecnológico, ele se virava como podia, gravando trechos de músicas em fitas cassete e, depois, a própria voz por cima.

O primeiro computador só veio aos 21 anos, quando ele já estava enturmado com Projota e Emicida, outros dois novos rappers. Juntos, eles formam o projeto Os Três Temores.

Rashid conheceu a dupla enquanto passava férias em São Paulo, no final da adolescência.

Foi nessa época, por volta de 2008, que gravou profissionalmente suas primeiras músicas. A divulgação era na base do boca a boca ou, como ele lembra, "mandando para cada um dos 4.000 amigos que eu tinha no Orkut".

Deu certo, e suas rimas se espalharam rapidamente; público e outros rappers começaram a prestar atenção no moleque.

"A construção do texto e as rimas do Rashid são das mais afinadas dessa nova geração", analisa o produtor Daniel Ganjaman, que tem no currículo trabalhos com os Racionais e Criolo.

"Ele abriu a temática do hip- hop -que no final dos anos 1990 estava muito restrita ao próprio movimento- falando mais abertamente de amor, por exemplo."

Entre as primeiras músicas divulgadas no MySpace e os primeiros shows que fez, mais dificuldades. 
Rashid chegou a morar sozinho em uma casa minúscula, sem geladeira e fogão. "As vezes eu até duvidava que conseguiria gravar um disco", conta.

Apesar disso, nunca quis um emprego fixo e se manteve focado no que chama de missão: o rap.

ENFIM, O SUCESSO 

Neste ano, veio a colheita. O clipe de "Quero Ver Segurar", da "mixtape" "Assim Seja", a terceira da carreira, concorre nas categorias Revelação e Hit do Ano do Video Music Brasil, da MTV. Ele também subirá ao palco da premiação para cantar com Emicida.

Sozinho ou acompanhado, Rashid faz uma média de 12 shows por mês e já lotou casas de Porto Alegre a Manaus.

A maior parte do público não chegou à maioridade. Por causa disso, ele virou o rei das matinês, levando uma média de 6.000 pessoas por apresentação.

"Ele está em ampla evolução da performance no palco e é um dos caras mais determinados que conheci", diz Kamau, rapper de uma geração anterior à de Rashid e um dos primeiros a notarem seu talento.

A internet também ajudou a propagar seus versos e rimas, independentemente de classe social. 
"Gente da periferia ou da classe média se identifica com a minha mensagem do mesmo jeito. Classe social não é importante. Eu quero ser ouvido e me interessa que as pessoas sejam melhores."

Para ele, isso não quer dizer mudança de discurso. Rap é compromisso e fala também de coisas sérias, além de, no seu caso, relacionamentos e cotidiano, com pitadas de humor.

Quando olha para os artistas que foram os seus guias, Rashid diz que a principal diferença de sua geração para "o rap antigo, dos Racionais MCs, por exemplo", é a linguagem.

"A criançada na periferia está sempre com o celular na mão. O nosso rap acompanha isso." 
Com cerca de 100 mil "amigos" no Facebook e 700 mil seguidores no Twitter, o rapper propaga uma espécie de (também título de uma música sua): "Foco, força e fé".

A vida melhorou nos palcos e fora deles. Neste ano, alugou uma casa mais confortável, para onde levou a avó.

Quando encontrou a reportagem do "Folhateen", Rashid carregava debaixo do braço um exemplar de "O Poderoso Chefão", do italiano Mario Puzo.

"A história parece um pouco com a filosofia dos samurais, tem a coisa do foco na missão. Acredito nisso. Se você tem uma certeza, foque nisso, que vai funcionar", diz.