ABI - Associação Brasileira de Imprensa

ABI - Associação Brasileira de Imprensa
Liberdade de Expressão e Ética

quinta-feira, 16 de maio de 2013

O tempo passa e esta é a maior prova dos politiqueiros que temos em Caraguá.. Veja bem o eles falam neste vídeo e depois veja o que eles fizeram...



O vereador Celso pereira, chama o então candidato e adversários de PICARETA... chama a cidade de Caraguatatuba de Caraguatasilva....Como pode isso... Chega ser uma piada...

Claro, Net e Embratel terão Wi-Fi em 9 cidades


Clientes das três operadoras terão acesso gratuito à internet em cerca de 6 mil locais onde a rede foi instalada
RIO - Em um possível primeiro passo para unificar as operações do grupo América Móvil no Brasil, Claro, NET e Embratel lançaram nesta quinta-feira, 16, uma nova rede Wi-Fi (internet sem fio) para clientes das três empresas por meio de 6 mil hotspots em locais públicos de nove cidades: Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Campinas, Brasília, Belo Horizonte, Recife, Curitiba e Porto Alegre.
Batizadas de Claro Wi-Fi Max e NET Vírtua Wi-Fi, as redes já estão operando. O objetivo é aumentar as sinergias das empresas da América Móvil, do bilionário mexicano Carlos Slim, no Brasil.
O melhor atendimento aos clientes na Copa de 2014 e nas Olimpíadas 2016 também está na mira. Os investimentos foram compartilhados pelas três companhias para otimizar a cobertura 3G e complementar a cobertura 4G do grupo.
Pontos de acesso como aeroportos, shoppings e hospitais terão acesso gratuito aos clientes das operadoras. No caso da Embratel a nova infraestrutura será ofertada para o acesso externo de Wi-Fi por seus clientes corporativos. Em São Paulo a tecnologia está disponível em 1700 pontos e, no Rio, em mil pontos de 77 bairros como Maracanã, Leblon, Ipanema, Copacabana e Centro.

MPF vai investigar empréstimo de metralhadora da PF

O Grupo de Controle Externo da Atividade Policial da Procuradoria Regional de República no Rio de Janeiro instaurou procedimento investigatório criminal para apurar o empréstimo, pela Polícia Federal, de uma metralhadora MAG calibre 7.62 à Polícia Civil do Rio. As polícias Civis estaduais não têm autorização do Exército para empregar este tipo de armamento, cuja capacidade varia de 650 a mil tiros por minuto.
A metralhadora, de fabricação belga, foi utilizada no helicóptero da Polícia Civil durante a operação que resultou na morte do traficante Márcio José Sabino Pereira, o Matemático, na favela da Coreia, em Senador Camará, zona oeste da capital, em 11 de maio do ano passado. A metralhadora aparece nas imagens da operação exibidas pelo "Fantástico", da TV Globo, no último dia 5. O vídeo mostra os agentes da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), tropa de elite da Polícia Civil, atirando de um helicóptero contra um carro onde estava o bandido, apesar de haver várias casas, prédios e pedestres na linha de tiro. A MAG estava sendo usada no helicóptero.
Em entrevista coletiva na última segunda-feira, o subchefe operacional da Polícia Civil, delegado Fernando Veloso, disse que aquela não foi a primeira vez que a metralhadora foi utilizada pela Polícia Civil. "O emprego da MAG não é novidade pelas polícias do Estado do Rio. Neste caso, a arma foi cedida pela Polícia Federal num ato de cooperação visando à captura do (traficante) Matemático. A PF tinha uma investigação sobre o paradeiro dele e pediu que a Polícia Civil desse apoio aéreo, e a PM, apoio terrestre. Além disso, o calibre 7.62 da MAG é compatível com o de armas usadas pelas forças de segurança do Rio", afirmou Veloso, na ocasião.
Procurado pela reportagem na segunda-feira, após a coletiva, o Exército informou que somente a Polícia Federal e as policias militares dos Estados são autorizadas a empregar a MAG.
Em nota, a Polícia Civil fluminense informou nesta quinta que o termo de cautela da metralhadora foi assinado pelo então chefe do Serviço Aeropolicial (Saer), Adonis Lopes de Oliveira, e um representante da Polícia Federal. A instituição não divulgou o nome do agente federal que assinou o documento de empréstimo. A Civil disse que a arma já foi devolvida à PF. Indagada quantas vezes e desde quando a MAG foi utilizada, a assessoria limitou-se a dizer que a Corregedoria está investigando. A mesma resposta foi dada para responder a pergunta sobre que medidas serão tomadas para punir os responsáveis pelo empréstimo da metralhadora e os agentes que a utilizaram. O piloto Adonis Oliveira não foi localizado para comentar o caso.
A reportagem enviou os mesmos questionamentos à Superintendência da Polícia Federal no Rio, mas não obteve resposta até o início da noite desta quinta.
Vazamento de vídeos
No último dia 11, o jornal Extra publicou vídeos de outra operação da Polícia Civil cuja legitimidade foi questionada. Cinco homens - sendo que dois não tinham antecedentes criminais - foram mortos durante a incursão na Favela do Rola, em Santa Cruz, na zona oeste da cidade. Uma das vítimas, que estava desarmada, aparece sendo carregada por policiais para um bar, conhecido reduto de traficantes da favela. O objetivo, segundo o jornal, seria forjar um auto de resistência (morte em confronto com a polícia). Este caso também está sendo investigado pela Corregedoria da instituição.

Família de ciclista quer R$ 500 mil de Thor


A família de Wanderson Pereira dos Santos, atropelado e morto por Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, em 17 de março de 2012, vai processar Thor por ter contado, em depoimento à Justiça, que pagou R$ 615 mil aos parentes de Wanderson.
Mesmo alegando não ter culpa pelo atropelamento, Thor fez um acordo com a família do ajudante de caminhoneiro. Ofereceu R$ 315 mil à mulher de Wanderson, Cristina, R$ 315 mil à tia que criou o rapaz, Vicentina, e R$ 100 mil a um amigo da família que auxiliou financeira e emocionalmente Cristina e Vicentina nos dias seguintes ao atropelamento. O advogado que representou a família na negociação recebeu R$ 270 mil. Ao firmar o acordo, em 22 de março de 2012, os envolvidos se comprometeram a não divulgar valores, sob pena de ter de pagar R$ 500 mil à parte contrária. O dinheiro foi pago um mês depois.
Segundo o advogado da família de Wanderson, Cleber Rumbelsperger, durante o depoimento à Justiça, em abril passado, Thor contou sobre o acordo e não pediu que fosse decretado segredo de Justiça. "Se os advogados de Thor tivessem pedido (segredo), mesmo se o juiz não decretasse, eles teriam cumprido a parte deles. Mas não pediram, então Thor rompeu a cláusula que dá direito à multa."
Na quarta-feira, 15, o Ministério Público divulgou o acordo e desde então, segundo o advogado, Cristina e Vicentina passaram a ser abordadas por familiares e vizinhos que pedem dinheiro e acusam ambas de não terem prestado auxílio financeiro, mesmo dispondo do dinheiro pago por Thor. "A tia de Wanderson teve até que sair de casa para evitar o assédio", conta Cléber.
Ele afirma ter feito contato, nesta quinta-feira, 16, com um advogado de Thor e ouvido dele que a atitude de Thor não caracterizou quebra da cláusula. "Na próxima segunda-feira vou notificar Thor para que pague os R$ 500 mil por quebra da cláusula e propor uma ação pedindo indenização por danos morais a Cristina e Vicentina. Vou me reunir com elas amanhã (sexta-feira) para relatar todos os incômodos que tiveram desde que o acordo foi divulgado e decidir quanto vamos pedir como indenização."
O advogado de Thor, Celso Villardi, afirmou nesta quinta-feira que seu cliente não divulgou o acordo e que multa e indenização são descabidas.

Lei garante início de tratamento de câncer em 60 dias


A partir da quinta-feira, 23, pacientes com diagnóstico de câncer deverão ter assegurado o início do tratamento em até sessenta dias. O direito está previsto em lei editada ano passado e que entra em vigor na próxima semana. O tempo começa a ser contado a partir do registro do prontuário do paciente. Caso o prazo não seja respeitado, pacientes devem procurar secretarias de saúde de suas cidades. De acordo com a norma, início do tratamento pode ser quimioterapia ou radioterapia ou cirurgia.
Serviços que não atenderem o prazo estarão sujeitos a punições administrativas. As exceções para a regra são casos em que o tratamento não é indicado, câncer de pele que não seja melanoma e câncer de tireoide sem fatores clínicos. De acordo com o Ministério da Saúde, no entanto, não será preciso muito esforço adequação à regra. Levantamento feito pela pasta com registros dos últimos cinco anos mostra que 78% dos casos de câncer em estágio inicial iniciam o tratamento neste prazo.
Entre pacientes que tiveram diagnóstico da doença em estágio avançado, 79% tiveram início também antes dos 60 dias. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, afirmou que números mais confiáveis sobre a espera para o início do tratamento serão obtidos a partir dos próximos meses, quando entrar em funcionamento um Sistema de Informação de Câncer, um software oferecido pela pasta gratuitamente para secretarias, a partir desta semana. De acordo com Padilha, até agosto todos os registros de novos casos da doença terão de ser feitos por esse sistema.
O ministro anunciou nesta quinta-feira, 16, a edição de uma portaria para regulamentar a dedução fiscal de empresas que contribuam com doações para medidas de combate ao câncer e reabilitação de pessoas com deficiências. A partir de amanhã, com a publicação da regra, entidades sem fins lucrativos poderão se credenciar no Ministério da Saúde. Depois do credenciamento, elas devem apresentar projetos candidatos à doação. "Eles serão tanto na área de assistência, quanto de pesquisa ou para aquisição de insumos", disse o ministro.
Aprovado, empresas poderão sair em busca de parceiros. Empresas e pessoas físicas que fizerem doações poderão abater do seu imposto de renda as contribuições.
Dados do Instituto Nacional do Câncer indicam que este ano deverão ser registrados 518 mil novos casos da doença no País. Não há levantamento no ministério sobre quantos pacientes têm o diagnóstico da doença já em estágio avançado. O câncer é responsável por cerca de 15% das mortes do País.

Família de ciclista vai cobrar mais R$ 500 mil de Thor Batista Depois de pagar R$ 1 milhão, filho de Eike Batista pode ser multado por revelar acordo


A família de Wanderson Pereira dos Santos, atropelado e morto por Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, em 17 de março de 2012, vai processar Thor por ter contado, em depoimento à Justiça, que pagou R$ 615 mil aos parentes de Wanderson. Mesmo alegando não ter culpa pelo atropelamento, Thor fez um acordo com a família do ajudante de caminhoneiro. Ofereceu R$ 315 mil à mulher de Wanderson, Cristina, R$ 315 mil à tia que criou o rapaz, Vicentina,e R$ 100 mil a um amigo da família que auxiliou financeira e emocionalmente Cristina e Vicentina nos dias seguintes ao atropelamento.
O advogado que representou a família na negociação recebeu R$ 270 mil. Ao firmar o acordo, em 22 de março de 2012, os envolvidos se comprometeram a não divulgar valores, sob pena de ter de pagar R$ 500 mil à parte contrária. O dinheiro foi pago um mês depois. Segundo o advogado da família de Wanderson, Cleber Rumbelsperger, durante o depoimento à Justiça, em abril passado, Thor contou sobre o acordo e não pediu que fosse decretado segredo de Justiça. "Se os advogados de Thor tivessem pedido (segredo), mesmo se o juiz não decretasse, eles teriam cumprido a parte deles. Mas não pediram, então Thor rompeu a cláusula que dá direito à multa."
Na última quarta-feira (15), o Ministério Público divulgou o acordo e desde então, segundo o advogado, Cristina e Vicentina passaram a ser abordadas por familiares e vizinhos que pedem dinheiro e acusam ambas de não terem prestado auxílio financeiro, mesmo dispondo do dinheiro pago por Thor. "A tia de Wanderson teve até que sair de casa para evitar o assédio", conta Cléber.
Ele afirma ter feito contato, ontem, com um advogado de Thor e ouvido dele que a atitude de Thor não caracterizou quebra da cláusula. "Na próxima segunda-feira vou notificar Thor para que pague os R$ 500 mil por quebra da cláusula e propor uma ação pedindo indenização por danos morais a Cristina e Vicentina. Vou me reunir com elas amanhã (sexta-feira) para relatar todos os incômodos que tiveram desde que o acordo foi divulgado e decidir quanto vamos pedir como indenização."
O advogado de Thor, Celso Villardi, afirmou ontem que seu cliente não divulgou o acordo e que multa e indenização são descabidas.

Presidente da Fifa 'vira' paulistano, e vereador minimiza acusações ao cartola


A Câmara Municipal de São Paulo aprovou nesta quinta-feira um projeto para conceder o título de cidadão paulistano ao presidente da Fifa, o suíço Joseph Blatter.
O autor da proposta, vereador Reis (PT), minimizou as acusações que o cartola recebeu nos últimos anos.
A Fifa enfrentou escândalos de corrupção, inclusive com suspeitas recaindo sobre os processos de escolha das sedes das Copas de Mundo.
Blatter teve o seu nome envolvido no caso ISL, mas acabou inocentado, em uma investigação interna, pelo Comitê de Ética da Fifa.
A ISL era uma empresa de marketing esportivo, parceira da Fifa nos anos 90, que foi investigada pela Justiça suíça por ter pago propina a dirigentes em troca de facilidades na obtenção de contratos. A Fifa decidiu criar em 2012 um comitê de ética e anunciou a abertura de uma investigação interna sobre o caso.
"Isso tudo [as acusações] pode até ser verdade, mas o título está mais ligado à autoridade da Fifa", declarou o vereador, conforme divulgado pelo site oficial da Câmara.
"Ele é a maior autoridade do futebol mundial e achamos por bem homenageá-lo."
A ideia é entregar o título a Blatter quando o dirigente participar de uma audiência pública sobre a Copa do Mundo, no dia 10 de junho, na Câmara.

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, durante entrevista no Panamá

Idoso tem corpo queimado com soda cáustica durante assalto em SP


Um homem de 66 anos teve parte do corpo queimada com soda cáustica e álcool durante um assalto a sua casa em uma chácara em Capela do Alto (136 km de São Paulo), na região de Sorocaba.
O crime ocorreu por volta das 10h desta quinta-feira (16). O idoso estava na casa com sua mulher, de 57 anos. Os dois foram amarrados com uma corda, agredidos e torturados pelos criminosos, que estavam em um grupo de quatro a cinco pessoas.
Os assaltantes teriam se irritado porque o casal tinha apenas R$ 400 em casa. Levaram ainda um celular e um carro, um Fox, que foi utilizado na fuga junto com o carro em que haviam chegado.
Antes de fugir, o grupo jogou soda cáustica e álcool no homem e ateou fogo. A mulher não foi queimada.
Ela já foi liberada pelos médicos. O idoso está no pronto-socorro da cidade com pernas, braços e barriga queimados e, segundo a polícia, aguarda transferência para um hospital em Catanduva.
De acordo com a Polícia Civil de Capela do Alto, o carro dos criminosos se acidentou durante a fuga e foi abandonado na zona rural do município de Porto Feliz. Os ladrões fugiram a pé.
O helicóptero Águia da Polícia Militar chegou a ajudar nas buscas, mas o grupo não foi localizado. Ninguém foi preso até a noite desta quinta-feira.

OUTRO CASO
No mês passado, a dentista Cinthya Magaly Moutinho de Souza, 46, foi morta queimadadurante um assalto em seu consultório em São Bernardo do Campo (na Grande São Paulo).
Segundo a denúncia, os quatro criminosos roubaram o cartão bancário dela e foram fazer saques em uma loja de conveniência, mas ficaram irritados quando viram que ela tinha penas R$ 30 na conta. Dessa forma, eles retornaram ao consultório e a incendiaram.
Victor Miguel Souza Silva, 24, Jonatas Cassiano Araújo, 21, e Thiago de Jesus Pereira, 25, foram presos pelo crime e denunciados pelo Ministério Público. Segundo a Promotoria, um adolescente de 17 anos também confessou o crime perante Promotor de Justiça da Infância e da Juventude, "com riqueza de detalhes".

Comissão da Verdade de SP quer ouvir Maluf sobre crematórios


O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) será convidado para depor na Comissão da Verdade da Câmara Municipal de São Paulo sobre um projeto que previa a instalação de dois crematórios no cemitério Dom Bosco, no bairro de Perus, durante sua primeira gestão como prefeito da cidade (1969-1971).
Segundo o presidente da comissão, vereador Gilberto Natalini (PV), há "alguns indícios de que presos políticos seriam incinerados naqueles fornos que estavam sendo propostos".
De acordo com o relatório da CPI da Câmara Municipal sobre a vala comum descoberta no cemitério de Perus em setembro de 1990, "houve intenção de cremar os corpos de indigentes, entre os quais estavam os de presos políticos".
As suspeitas se baseiam em carta citada no relatório da CPI em que a empresa inglesa Dowson & Mason (D&M), que seria contratada para construir os crematórios, afirma que o projeto elaborado pela prefeitura para os fornos seria inadequado ao acompanhamento de familiares e conteria outras irregularidades.

Após os questionamentos da D&M, o projeto foi modificado e construído posteriormente no cemitério São Pedro, no bairro de Vila Alpina.
Procurada, a assessoria de imprensa do deputado não comentou o convite. Disse apenas que "Paulo Maluf vai convidar os membros da Comissão Municipal da Verdade a visitar as 14.525 obras que ele fez no Estado e na cidade de São Paulo".
Em seu depoimento à CPI de Perus, nos anos 1990, Maluf negou que tivesse tentado viabilizar a instalação do crematório, por razões religiosas.

Marina diz que Feliciano é criticado 'por ser evangélico, e não por posições políticas'


A ex-senadora Marina Silva criticou nesta quarta-feira (15), no Recife, a discussão em torno do presidente da Comissão de Direitos Humanos, deputado Marco Feliciano (PSC), e disse que considera "um erro" criticá-lo "por ser evangélico", e não "por posições políticas equivocadas".

Cotada para disputar a Presidência em 2014 pelo novo partido em formação, a Rede Sustentabilidade, Marina afirmou que "não se deve combater preconceito com preconceito".

Marina Silva coleta assinaturas no SPFW
Marina Silva coleta assinaturas no SPFW
Feliciano, que é pastor evangélico, sofre pressões para deixar o comando da Comissão de Direitos Humanos por suas declarações polêmicas em relação aos gays e negros. Ele é alvo de inquérito no STF (Supremo Tribunal Federal) por preconceito e discriminação.
"Não devemos fazer esse debate dessa forma", disse a ex-senadora, usando em seguida seu próprio nome para exemplificar. "O despreparo da Marina é porque ela está despreparada, não porque é evangélica."
As críticas, segundo ela, "devem ser feitas pelas ações e atitudes, não porque se é ateu, católico, evangélico, espírita ou judeu".
Em entrevista à "Rádio Jornal", Marina, que também é evangélica, afirmou que religião e política não devem ser misturadas e que considera "uma conquista" o Estado laico.
"Nas reuniões [que faço] com lideranças evangélicas procuro fazer em espaços neutros, para não transformar púlpito em palanque", declarou.
A ex-senadora já havia feito as mesmas declarações sobre a polêmica em torno de Feliciano na noite de terça-feira, em uma palestra com estudantes da Unicap (Universidade Católica de Pernambuco). Ela nega que suas críticas sejam uma defesa do parlamentar. (veja no vídeo abaixo)
"Ele está sendo criticado por ser evangélico, e não por suas posições políticas equivocadas. A gente acaba combatendo preconceito com outro. Porque se ele fosse ateu, eu não gostaria de combater as posições equivocadas dele dizendo que era porque ele era ateu."
Em 2010, a ex-senadora, então candidata à Presidência pelo PV, declarou ser contra o a legalização do aborto e do casamento gay, embora afirme concordar com à união civil entre pessoas do mesmo sexo.

DILMA SEM MARCA
Na entrevista, Marina afirmou também que o governo da presidente Dilma Rousseff "ainda não tem uma marca", ao contrário de seus antecessores.
"A marca que está deixando até agora é do retrocesso na agenda socioambiental", disse. "É no governo da presidente Dilma que se retirou as competências do Ibama para fiscalizar desmatamento, que se aprovou uma lei para anistiar quem desmatou ilegalmente 40 milhões de hectares, que se mudou o Código Florestal", criticou.
Ela elogiou o governo por manter as políticas sociais do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Ministérios Públicos dos Estados limitam divulgação de folha de salários


Instituição de defesa dos interesses da sociedade, o Ministério Público tem criado barreiras para cumprir a Lei de Acesso à Informação --que completa um ano em vigor hoje- quando o assunto é o salário dos seus servidores.
O obstáculo à transparência é a falta de padronização na divulgação desses dados na internet. Há Promotorias que expõem nomes e valores na mesma página, como é recomendado, mas algumas identificam os servidores somente por números, e outras dificultam as buscas.
A exigência de publicação dos salários de forma individualizada consta na Lei de Acesso e foi seguida pelas Promotorias em agosto de 2012, após resolução do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Todos os Ministérios Públicos Estaduais divulgaram em seus sites dados a respeito da remuneração de seus funcionários.
Mas apenas oito Estados publicam as informações (nomes e salários) numa mesma página ou documento.
Outros 11 trazem os salários associados aos números de matrícula -e não aos nomes- dos funcionários. Em seis deles, há listas, mas é preciso acessar servidor a servidor para saber os salários.
Embora a resolução do CNMP determine que os dados sejam abertos "sem necessidade de cadastro prévio", Promotorias criam barreiras para isso.

OBSTÁCULOS
O Ministério Público do Rio de Janeiro, por exemplo, divulga só os cargos e seus respectivos salários. Para mais detalhes, é preciso ter o número de identificação do servidor e se cadastrar no site.
As Promotorias da Bahia, de Minas Gerais e de São Paulo pedem CPF ou nome e número que identifica o computador de quem solicita os dados para só então fornecer as informações dos servidores.
Pernambuco não pede cadastro, mas exige o número de matrícula do funcionário e envia um e-mail ao servidor que teve dados consultados.
Tito Amaral, presidente da Comissão de Controle Administrativo e Financeiro do CNMP, diz que a falta de divulgação nominal dos salários "não é desejável", embora não seja ilegal. "Todos os ramos devem ter o compromisso de que isso [nomes dos servidores] seja aberto."
A padronização da divulgação dos dados, afirma Amaral, esbarra em limitações técnicas e na autonomia das instituições. "Cada ramo tem uma base [de dados], e há a possibilidade de que os Ministérios Públicos, atentos à lei [de acesso] e à resolução [do CNMP], façam as próprias regulamentações."
Para o sociólogo da USP Jorge Machado, do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação, os órgãos têm de divulgar as remunerações nominalmente. Segundo ele, o ideal é a "transparência ativa", sem necessidade de que se recorra à Lei de Acesso para solicitar as informações.
A necessidade de fazer o pedido dessa forma pode virar uma barreira para a transparência, diz. "A lei tem um aspecto negativo -ela não aceita pedidos anônimos. Os Estados pedem um monte de informações, e a gente não sabe quem tem acesso a elas."
Quanto à possibilidade de cada órgão elaborar um regulamento próprio, Machado afirma que essa liberdade se restringe a definir ações internas a serem adotadas para alimentar os portais de transparência e atender às solicitações de informação por meio da Lei de Acesso.
"Às vezes eles se apegam a isso para dizer que [aspectos da lei] não se aplicam."

Senado aprova a criação de quase 7.000 mil cargos no governo


Sem alarde, o Senado aprovou nesta quarta-feira (15) projeto que cria 6.818 cargos no governo federal com impacto anual de R$ 480 milhões por ano aos cofres públicos. O projeto segue para sanção da presidente Dilma Rousseff.
A votação ocorreu de forma simbólica (sem o registro do voto dos senadores), com a presença de poucos congressistas no plenário.
As novas vagas serão preenchidas pelo Executivo em diversos ministérios e autarquias, por meio de concurso público, a partir deste ano. Mas os impactos orçamentários vão ocorrer a partir do ano que vem.
A despesa do governo com as novas vagas deve ser ainda maior porque o projeto também prevê a substituição de servidores terceirizados de órgãos do governo por servidores concursados
Um dos casos é o da Secretaria Especial Indígena do Ministério da Saúde, que espera substituir todos os terceirizados que atuam em programas de atenção indígena. O impacto da troca é de mais R$ 110,6 milhões por ano.
Dilma encaminhou o texto ao Congresso em 2012. Na justificativa do projeto, a ministra Miriam Belchior (Planejamento) afirma que órgãos do governo têm déficit de mão de obra na área de pesquisa.
A maioria das vagas criadas será para a área de ciência e tecnologia, no total de 3.594. Elas serão distribuídos entre ministérios como o de Ciência e Tecnologia, Saúde, Exército, Marinha e órgãos como a AEB (Agência Espacial Brasileira) e o Instituto Nacional do Câncer.
No caso do Exército, segundo a ministra, serão cargos para fortalecer a estratégia nacional de defesa relacionada a pesquisas.
Relator do projeto, o senador Gim Argello (PTB-DF) defendeu a criação dos cargos ao afirmar que serão atendidas áreas "carentes" de estrutura no Executivo.
"A imensa maioria dos cargos criados destina-se à área de ciência e tecnologia, de infraestrutura e de regulação. São áreas carentes e estratégicas, que indicam as prioridades do Estado com vistas ao incremento do conhecimento, da inovação e do desenvolvimento econômico", afirmou.
O senador disse que eventuais críticas sobre o inchaço no aparelho estatal do país com as novas vagas são "infundadas".
"A relação servidor público/população no Brasil é uma das menores se comparada à de países com o mesmo ou superior grau de desenvolvimento. Todos os cargos que estão sendo criados são efetivos, por concurso público, o que faculta acesso em igualdade de condições a todos", afirmou.

Lei de Acesso comemora um ano sem adesão da maioria de Estados e municípios


Em evento organizado pelo governo federal nesta quinta-feira (16) para festejar um ano da Lei de Acesso à Informação, os dados apresentados mostram que a norma ainda está distante de ser uma celebração da transparência em todo o país, como a presidente Dilma Rousseff afirmou ao sancioná-la.
Levantamento da CGU (Controladoria Geral da União) revela que a lei foi regulamentada em apenas 12 Estados. São eles: Bahia, Ceará, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rondônia, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo.
O Estado paulista aparece como o que mais recebeu pedidos. Foram 18 mil pedidos ou 21% dos pedidos feitos aos Estados do país
Em relação aos municípios, a regulamentação aconteceu somente em 8% das cidades com população superior a 100 mil habitantes.
De acordo com o levantamento, 17% das capitais não regulamentaram a lei.
"Depois de um ano de monitoramento da lei no governo federal vamos voltar nossas vistas para ajudar os municípios, já que não temos atribuição legal para interferir", afirmou o Controlador-Geral da União, Jorge Hage.
O ministro elogiou o comportamento do governo federal no cumprimento da lei acesso.
Segundo a CGU, o Executivo recebeu 87,1 mil pedidos. Desses, segundo o estudo, 78% tiveram o acesso à informação concedido.
Outros quase 22% foram negados, não respondidos ou tiveram problemas como a informação inexistente. As negativas mais comuns são relacionadas a informações sobre "dados pessoais".
Questionado pelo Blog do Guilherme Araújo se as recusas do Executivo seriam derrotas da lei, Hagi definiu-as como "dificuldades naturais". "Trata-se de mudar uma cultura de quinhentos e poucos anos".
"Fazendo um esforço de isenção, como cidadão e não como ministro responsável pela implementação da lei no governo federal, [afirmo que] conseguimos muito", disse.
"É claro que ainda existe resistência em relação a documentos da ditadura militar", admitiu Hagi, comentando os papéis do período descobertos pelo Blog do Guilherme Araújo em nove ministérios, que foram negados pela Lei de Acesso.
Após a publicação de reportagem sobre a existência dos documentos, o governo determinou o envio dos mesmos papéis para o Arquivo Nacional, em Brasília.
Segundo ele, o depoimento do Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra semana passada na Comissão da Verdade é um exemplo de como ainda existem setores na sociedade resistentes a transparência. "Mas o ministério da Defesa tem, repetidas vezes, reformado decisões negadas em instâncias inferiores", disse.

ARQUIVOS
Para o ministro, é preciso "melhorar a gestão da documentação e do sistema de arquivamento [para] facilitar a recuperação da informação" no caso de informes produzidos há mais de 20 anos.
Os órgãos federais com mais pedidos foram a Susep (Superintendência de Seguros Privados) e o INSS (Instituto Nacional de Seguro Social).
Nos pedidos ao executivo, 60% deles foram realizados por pessoas com ensino superior. Somente 5% dos pedidos foram feitos por pessoas com o ensino fundamental. Não é obrigatório responder o grau de escolaridade para requisitar dados através da lei de acesso.

REGULAMENTAÇÃO DA MÍDIA
Questionado sobre setores que defendem a regulamentação da mídia, Hagi afirmou ser contra algo que "signifique restrição e censura". "Isso é absolutamente impensável".
"Sustento sempre que eu considero o Brasil como um dos países com o maior grau de liberdade de imprensa do mundo e esperamos que continuemos assim", afirmou.
"Não dá para discutir a regulação sem saber exatamente do que se está falando", disse.

Me dou ao luxo de dizer o que quero a Obama, diz presidente uruguaio


"O que eu vou falar para o Obama? Ele está ciente das nossas limitações, somos como um bairro de Nova York". É com bom humor que o presidente do Uruguai, José Mujica, responde ao jornal britânico "Financial Times" sobre o que vai falar com o presidente americano, Barack Obama. Os dois líderes devem se encontrar ainda neste ano.
Mesmo contando com um alto grau de investimentos na última década, políticas econômicas estáveis e mudanças lucrativas em novos setores, a economia uruguaia ainda é 300 vezes menor do que a americana, observa o jornal.
"Então eu me dou ao luxo de dizer o que eu quero", diz Mujica, contando que na Cúpula das Américas, sediada no ano passado em Cartagena, ele pediu que Obama retirasse as tropas do Afeganistão o mais rápido possível.
Mujica também conta que suas prioridades não estão do outro lado do Rio da Prata, mas sim no vizinho que faz fronteira com o norte do país: o Brasil. "Estamos apostando na integração complementar com o Brasil", disse Mujica, acrescentando que o Uruguai e o Brasil estão "em sintonia".
Para o presidente, o Brasil é um excelente mercado --"que temos à nossa porta", acrescenta-- para a carne bovina, cordeiro e produtos lácteos uruguaios.
Sobre o outro vizinho, Mujica não é tão amistoso. Ele descreve a Argentina, governada por Cristina Kirchner, como "muito fechada em si mesmo, meio anos 60".
Mesmo dizendo que os dois países não concordam em muitos aspectos e estão "em caminhos diferentes", Mujica reconhece que Uruguai e Argentina são "quase como gêmeos" e que Cristina é "uma grande amiga".

Presidente do Uruguai, José Mujica, durante entrevista nesta quinta-feira em sua casa, na zona rural de Montevidéu

Venezuela precisa comprar 50 mi de rolos de papel higiênico para evitar escassez


O governo da Venezuela aprovou na terça-feira a compra de 50 milhões de rolos de papel higiênico para reabastecer o país ante à falta do produto nos supermercados. O governo diz que a compra se deve "a compras nervosas desnecessárias" causadas pelo ambiente político do país.
Além do papel higiênico, diversos alimentos e insumos começaram a ficar em falta nos supermercados após a morte do ex-presidente Hugo Chávez, em março. O governo culpa as empresas pelo baixo fornecimento dos produtos, a maior parte deles com preços congelados.
O anúncio foi feito pelo ministro da Indústria, Ricardo Menéndez, após reunião com Alejandro Fleming, titular do ministério do Comércio. Fleming disse que a primeira remessa, de 20 milhões de unidades, será distribuída a partir de sexta (17).
Mesmo com a compra do produto importado, Fleming negou que o país enfrente deficiência na produção. Sem citar fontes, ele disse que o consumo mensal de papel higiênico no país é de 125 milhões de rolos mensais, mas que o suposto excesso de demanda teria aumentado essa quantidade em 40 milhões.
O ministro diz que os 50 milhões são suficientes para lidar com o desabastecimento que, para ele, é causado por "campanha midiática que promove uma excessiva demanda" por papel higiênico.
"Só vamos injetar maior quantidade no mercado para acalmar o nervosismo. Vamos trazer 50 milhões para demonstrar a esses grupos que não poderão nos derrubar".
Por sua vez, Ricardo Menéndez anunciou que instalará novas máquinas para aumentar a capacidade de produção da fábrica Papeles Venezolanos, que foi expropriada pelo Estado. "Temos que nos tornar menos dependentes das importações e produzir em território nacional".
DESABASTECIMENTO
A escassez de produtos básicos é atribuída pelo presidente Nicolás Maduro aos empresários que, segundo ele, estão aliados à oposição para desabastecer o país e gerar insatisfação popular. Para os chavistas, a situação criaria um golpe militar para derrubar o governo.
Desde o terceiro mandato de Chávez, em 2006, o país congelou preços e limitou a oferta de diversos produtos para tentar controlar a inflação, que é de cerca de 30%. A variação de preços e fornecimento manteve o índice em níveis elevados nos últimos anos.
Na segunda (13), o governo aprovou medidas para aumentar a produção de alimentos, em setores como os hortifrutigranjeiros, açúcar e óleo de girassol. Ao mesmo tempo, aprovou um aumento de 20% para laticínios e carnes de frango e boi.

Obama nomeia novo chefe da Receita Federal dos EUA


O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, nomeou Daniel Werfel como o novo chefe da Receita Federal Americana (IRS, sigla em inglês) nesta quinta-feira, segundo a Casa Branca.
Werfel, 42, é assessor orçamentário na Casa Branca e assumirá o cargo na próxima quarta-feira (22).
O presidente afastou o então chefe do IRS Steven Miller na última quarta-feira (15), após um escândalo que revelou que organizações ligadas à oposição eram discriminadas pelo órgão.
Uma investigação está em curso para verificar se organizações ligadas ao movimento republicano Tea Party, de oposição ao governo, tiveram seus direitos civis violados pela Receita.
Obama disse que Wertel permanecerá no cargo até o final de setembro com o objetivo de "restaurar a confiança pública" na aplicação das leis tributárias.
Funcionário do governo de longa data, Werfel já trabalhou em administrações democratas e republicanas e ganhou elogios por sua atenção aos detalhes dos orçamentos.
O secretário do Tesouro, Jack Lew, emitiu um comunicado elogiando Werfel e sua "humildade e completo domínio do assunto".

Danny Werfel, novo chefe da Receita Federal americana foi nomeado nesta quinta-feira

Embaixada acusa Brasil de usar "expediente repugnante" para reter mala diplomática


A embaixada da Nicarágua no Brasil entrou nesta quinta-feira com mandado de segurança no STF (Supremo Tribunal Federal) acusando o governo brasileiro de reter "arbitrária e ilegalmente" uma mala diplomática no aeroporto de Guarulhos.
Os advogados da representação estrangeira pedem ao presidente da Corte, Joaquim Barbosa, que determine liminarmente a devolução de um contêiner, retido há quase três meses na alfândega. Qualquer correspondência diplomática, de carta a cargas, é chamada de mala diplomática.
Eles dizem que há ameaça iminente de dano à correspondência e lembram que esse tipo de carregamento pode "conter documentos sigilosos os quais, se revelados, gerarão possíveis incidentes diplomáticos internacionais".
A Convenção de Viena, da qual o Brasil é signatário, protege esses carregamentos e determina que eles não podem ser abertos nem retidos em qualquer alfândega dos países que aderiram ao acordo.
Em 22 de fevereiro, um contêiner despachado pela embaixada da Nicarágua na Flórida foi despachado para o Brasil. Inspetores do aeroporto de Guarulhos acharam o volume e o peso excessivos e destoantes dos padrões costumeiros. Desconfiados de seu conteúdo, decidiram retê-lo.
Em seguida, pediram ao Ministério das Relações Exteriores que comunicasse o fato à embaixada da Nicarágua, solicitando autorização para que o contêiner fosse aberto e revistado.
A embaixada respondeu então que preferia que o material fosse enviado de volta à Flórida, como determina a Convenção de Viena em casos como esse. Até agora, no entanto, isso não ocorreu.
"Resta claro que o governo brasileiro, representado pelo senhor inspetor-chefe da alfândega do aeroporto de Guarulhos, está a se utilizar de expediente repugnante e desrespeitoso das regras internacionais diplomáticas, atentando contra disposições que são verdadeiros alicerces dos princípios civilizatórios de qualquer nação", diz a petição, assinada pelos advogados Sergio Bermudes, Andre Silveira e Ana Paula Siciliano.

Não há unidades de cadeias de fast-food famosas, nessa faixa costeira de 360 quilômetros quadrados na qual vivem 1,7 milhão de palestinos e onde a entrada e saída de bens e pessoas continua restrita; o desemprego na área é de cerca de 32%. A passagem para o Egito pelo ponto de entrada em Rafah está limitada a 800 pessoas ao dia, e os homens com idade de entre 16 e 40 anos requerem aprovação especial para a travessia. Passar pelo posto de controle de Erez, para entrar em Israel, requer licença prévia e em geral só é autorizado para pacientes médicos, empresários e funcionários de organizações internacionais. Os palestinos em geral se referem a Gaza como área sob sítio ou bloqueio por Israel, e o isolamento com relação ao mundo está entre as queixas mais comuns das pessoas daqui. Isso pode criar intensos anseios que as pessoas que não vivem em Gaza considerariam levianos, ou ordinários. "As circunstâncias irregulares de Gaza geram uma forma irregular de pensar", explica Fadel Abu Heen, professor de psicologia na Universidade Al Aqsa, em Gaza. "Elas pensam em qualquer coisa do outro lado da fronteira, exatamente como um prisioneiro pensa em qualquer coisa do outro lado das grades". Abu Heen aponta que, quando o Hamas, o grupo militante islâmico que controla a Faixa de Gaza, violou a fronteira com o Egito em 2008, durante o período mais intenso de sítio israelense, milhares de moradores da região afluíram a El Arish e adquiriram não só remédios e alimentos mas também cigarros, conhaque e coisas de que não precisavam --apenas para mostrar que haviam conseguido trazer alguma coisa de fora. Romper o bloqueio, então como agora, é visto como parte da resistência ao inimigo israelense, oferecendo um gostinho de poder e controle aos moradores locais, ainda que este venha em forma de frango frito. Mesmo depois que Israel relaxou as restrições a importações, nos últimos anos, centenas de túneis ilegais floresceram, em Rafah. Armas e pessoas são contrabandeadas por sob a terra, mas o mesmo vale para carros de luxo, materiais de construção e bens de consumo como iPads e iPhones. E agora comida do KFC. Antes conhecido como Kentucky Fried Chicken, o KFC abriu uma unidade franqueada em El Arish, logo ao sul da fronteira de Gaza, em 2011, e uma unidade em Ramallah, na Cisjordânia, no ano passado. Isso, somado aos comerciais de TV onipresentes do KFC e outras marcas famosas do fast food, fez com que os moradores de Gaza começassem a sonhar com o sabor da receita secreta do coronel Sanders. Assim, depois que Efrangi trouxe pratos do KFC de El Arish para que seus amigos experimentassem, no mês passado, começou a receber um dilúvio de pedidos, e um novo negócio surgiu. "Aceitei o desafio de provar que os moradores de Gaza persistem, apesar das restrições", diz Efrangi. Nas últimas semanas, ele coordenou quatro entregas, totalizando cerca de 100 refeições, e gerou cerca de US$ 6 por refeição em lucro. Ele promove o serviço por meio da página do Yamama no Facebook, e sempre que acumula uma massa crítica de pedidos - em geral cerca de 30 -, ele começa um complicado processo de telefonemas, transferências bancárias via Internet e coordenação com o governo do Hamas para trazer o frango frito de lá para cá. Um dia desses, Efrangi fez 15 pedidos e transferiu o dinheiro do pagamento ao restaurante de El Arish, onde os pedidos foram apanhados por um taxista egípcio. Do outro lado da fronteira, Ramzi al-Nabih, um taxista palestino, foi ao posto de controle do Hamas em Rafah, onde os seguranças o conhecem como "o cara do Kentucky". Do posto de controle, Nabih, 26, ligou pra seu colega egípcio e o informou sobre qual entre as dezenas de túneis disponíveis o Hamas havia liberado para a entrega da comida. Ele começou esperando perto do poço de entrada do túnel, mas depois foi baixado em um elevador para uma área a cerca de 10 metros de profundidade, e caminhou até a metade do túnel de 200 metros para se encontrar com dois meninos egípcios que empurravam um carrinho com as caixas e baldes de comida, embrulhados em plástico. Nabih deu cerca de US$ 16,50 aos meninos e discutiu com eles por alguns minutos sobre a gorjeta. Meia hora depois, a comida estava no porta-malas e no banco traseiro de seu táxi, a caminho de Gaza. SELEÇÃO No Yamama, Efrangi separou os pedidos para que seus motoboys entregassem aos clientes. Ele contou que limitava as escolhas a pedaços de frango, fritas, coleslaw e torta de maçã, porque os demais itens podem causar complicação demais. "Alguns clientes pediriam sanduiche sem maionese, ou com tempero extra, ou com ou sem molho", ele diz. "É por isso que não trazemos o cardápio todo, para evitar entregar o pedido errado". Ibrahim el-Ajla, 29, que trabalha para a companhia de água de Gaza e estava entre os clientes que receberam pedidos do KFC naquele dia, reconheceu que a comida era melhor quente como servida no restaurante, mas afirmou que era provável que voltasse a pedir o delivery. "Experimentei nos Estados Unidos e no Egito, e sinto falta do sabor", ele diz. "A despeito do bloqueio, recebi comida do KFC em casa". Efrangi talvez não opere sem concorrência nesse mercado por muito tempo. Um empresário de Gaza que pediu para ser identificado apenas pelo apelido, Abu Ali, para evitar dar informações aos concorrentes, disse ter solicitado uma franquia ao Americana Group, que controla a rede KFC no Oriente Médio, dois meses atrás. Adeeb al-Bakri, dono de quatro unidades do KFC e Pizza Hut na Cisjordânia, disse ter sido autorizado a abrir um restaurante em Gaza, e que estava trabalhando nos detalhes. "Precisamos de aprovação a fim de criar frangos em granjas de Gaza sob os padrões do KFC. Precisamos garantir que as máquinas de fritura entrem em Gaza. Precisamos que especialistas do KFC visitem Gaza para as verificações mensais regulares", disse Bakri. "Não tenho uma varinha de condão que permita abrir em Gaza rapidamente". Bakri não conhecia o serviço de entrega de Efrangi, e quando informado sobre os detalhes, fez uma careta ao saber da odisseia de quatro horas entre o restaurante e a mesa de jantar. "Se um prato não é servido em meia hora, nós o jogamos fora", disse.


As fritas chegam encharcadas, e o frango frito já não está mais crocante. Um balde com 12 pedaços custa cerca de US$ 27 em Gaza mais que o dobro dos US$ 11,50 cobrados do outro lado da fronteira, no Egito.
E se estamos falando de fast-food delivery, bem, o serviço está longe de rápido: demorou mais de quatro horas para que pratos do KFC chegassem aqui, em uma tarde recente, da unidade em que foram preparados em El Arish, Egito, uma jornada que requereu dois táxis, atravessar uma fronteira internacional e um túnel de contrabando, e o trabalho de um jovem empreendedor que coordena toda essa operação de uma pequena loja chamada Yamama a palavra árabe para "pombo", perto daqui.
"É nosso direito desfrutar do sabor de que outras pessoas em todo o mundo podem desfrutar", disse o empresário, Khalil Efrangi, 31, que criou o Yamama anos atrás, com uma frota de motos que entregam comida para os restaurantes de Gaza, o primeiro serviço desse tipo por aqui.





Não há unidades de cadeias de fast-food famosas, nessa faixa costeira de 360 quilômetros quadrados na qual vivem 1,7 milhão de palestinos e onde a entrada e saída de bens e pessoas continua restrita; o desemprego na área é de cerca de 32%.
A passagem para o Egito pelo ponto de entrada em Rafah está limitada a 800 pessoas ao dia, e os homens com idade de entre 16 e 40 anos requerem aprovação especial para a travessia.
Passar pelo posto de controle de Erez, para entrar em Israel, requer licença prévia e em geral só é autorizado para pacientes médicos, empresários e funcionários de organizações internacionais.
Os palestinos em geral se referem a Gaza como área sob sítio ou bloqueio por Israel, e o isolamento com relação ao mundo está entre as queixas mais comuns das pessoas daqui. Isso pode criar intensos anseios que as pessoas que não vivem em Gaza considerariam levianos, ou ordinários.
"As circunstâncias irregulares de Gaza geram uma forma irregular de pensar", explica Fadel Abu Heen, professor de psicologia na Universidade Al Aqsa, em Gaza. "Elas pensam em qualquer coisa do outro lado da fronteira, exatamente como um prisioneiro pensa em qualquer coisa do outro lado das grades".
Abu Heen aponta que, quando o Hamas, o grupo militante islâmico que controla a Faixa de Gaza, violou a fronteira com o Egito em 2008, durante o período mais intenso de sítio israelense, milhares de moradores da região afluíram a El Arish e adquiriram não só remédios e alimentos mas também cigarros, conhaque e coisas de que não precisavam --apenas para mostrar que haviam conseguido trazer alguma coisa de fora.
Romper o bloqueio, então como agora, é visto como parte da resistência ao inimigo israelense, oferecendo um gostinho de poder e controle aos moradores locais, ainda que este venha em forma de frango frito.
Mesmo depois que Israel relaxou as restrições a importações, nos últimos anos, centenas de túneis ilegais floresceram, em Rafah. Armas e pessoas são contrabandeadas por sob a terra, mas o mesmo vale para carros de luxo, materiais de construção e bens de consumo como iPads e iPhones. E agora comida do KFC.
Antes conhecido como Kentucky Fried Chicken, o KFC abriu uma unidade franqueada em El Arish, logo ao sul da fronteira de Gaza, em 2011, e uma unidade em Ramallah, na Cisjordânia, no ano passado. Isso, somado aos comerciais de TV onipresentes do KFC e outras marcas famosas do fast food, fez com que os moradores de Gaza começassem a sonhar com o sabor da receita secreta do coronel Sanders.
Assim, depois que Efrangi trouxe pratos do KFC de El Arish para que seus amigos experimentassem, no mês passado, começou a receber um dilúvio de pedidos, e um novo negócio surgiu. "Aceitei o desafio de provar que os moradores de Gaza persistem, apesar das restrições", diz Efrangi.
Nas últimas semanas, ele coordenou quatro entregas, totalizando cerca de 100 refeições, e gerou cerca de US$ 6 por refeição em lucro. Ele promove o serviço por meio da página do Yamama no Facebook, e sempre que acumula uma massa crítica de pedidos - em geral cerca de 30 -, ele começa um complicado processo de telefonemas, transferências bancárias via Internet e coordenação com o governo do Hamas para trazer o frango frito de lá para cá.
Um dia desses, Efrangi fez 15 pedidos e transferiu o dinheiro do pagamento ao restaurante de El Arish, onde os pedidos foram apanhados por um taxista egípcio. Do outro lado da fronteira, Ramzi al-Nabih, um taxista palestino, foi ao posto de controle do Hamas em Rafah, onde os seguranças o conhecem como "o cara do Kentucky".
Do posto de controle, Nabih, 26, ligou pra seu colega egípcio e o informou sobre qual entre as dezenas de túneis disponíveis o Hamas havia liberado para a entrega da comida. Ele começou esperando perto do poço de entrada do túnel, mas depois foi baixado em um elevador para uma área a cerca de 10 metros de profundidade, e caminhou até a metade do túnel de 200 metros para se encontrar com dois meninos egípcios que empurravam um carrinho com as caixas e baldes de comida, embrulhados em plástico.
Nabih deu cerca de US$ 16,50 aos meninos e discutiu com eles por alguns minutos sobre a gorjeta. Meia hora depois, a comida estava no porta-malas e no banco traseiro de seu táxi, a caminho de Gaza.

SELEÇÃO
No Yamama, Efrangi separou os pedidos para que seus motoboys entregassem aos clientes. Ele contou que limitava as escolhas a pedaços de frango, fritas, coleslaw e torta de maçã, porque os demais itens podem causar complicação demais.
"Alguns clientes pediriam sanduiche sem maionese, ou com tempero extra, ou com ou sem molho", ele diz. "É por isso que não trazemos o cardápio todo, para evitar entregar o pedido errado".
Ibrahim el-Ajla, 29, que trabalha para a companhia de água de Gaza e estava entre os clientes que receberam pedidos do KFC naquele dia, reconheceu que a comida era melhor quente como servida no restaurante, mas afirmou que era provável que voltasse a pedir o delivery. "Experimentei nos Estados Unidos e no Egito, e sinto falta do sabor", ele diz. "A despeito do bloqueio, recebi comida do KFC em casa".
Efrangi talvez não opere sem concorrência nesse mercado por muito tempo. Um empresário de Gaza que pediu para ser identificado apenas pelo apelido, Abu Ali, para evitar dar informações aos concorrentes, disse ter solicitado uma franquia ao Americana Group, que controla a rede KFC no Oriente Médio, dois meses atrás. Adeeb al-Bakri, dono de quatro unidades do KFC e Pizza Hut na Cisjordânia, disse ter sido autorizado a abrir um restaurante em Gaza, e que estava trabalhando nos detalhes.
"Precisamos de aprovação a fim de criar frangos em granjas de Gaza sob os padrões do KFC. Precisamos garantir que as máquinas de fritura entrem em Gaza. Precisamos que especialistas do KFC visitem Gaza para as verificações mensais regulares", disse Bakri. "Não tenho uma varinha de condão que permita abrir em Gaza rapidamente".
Bakri não conhecia o serviço de entrega de Efrangi, e quando informado sobre os detalhes, fez uma careta ao saber da odisseia de quatro horas entre o restaurante e a mesa de jantar.
"Se um prato não é servido em meia hora, nós o jogamos fora", disse.


Brasileiras que prostituíam filhas menores são detidas na Espanha


A polícia espanhola realizou busca em um apartamento em Cáceres (Espanha) onde flagrou duas menores de idade que se prostituíam e deteve quatro pessoas, entre elas as mães das jovens, duas mulheres brasileiras, informou nesta quinta-feira a polícia em comunicado.
As menores foram encaminhadas a um centro de acolhida por estarem em situação 'de risco e desamparo'.
Além das duas cidadãs brasileiras, de 34 e 25 anos, mães das menores, outra jovem de 19 anos foi detida na operação, além de um espanhol de 43 anos.
A polícia comprovou que o apartamento onde a exploração era praticada havia sido anunciado em várias redes sociais e era frequentado por vários clientes ao dia.
As investigações determinaram que o 'Apartamento Relax' era administrado por uma das detidas, mãe de uma das menores.
Além disso, a polícia também identificou e deteve um cliente de uma das jovens, que foi chantageado pela mãe da outra menor para não ser denunciado e chegou a pagar até 2,2 mil euros, informou a polícia. 

Retomar um relacionamento: como saber se vale a pena? Psicólogas explicam que retomar um relacionamento depende muito das razões que levaram o casal ao rompimento e dos danos causados a essa relação.


Encerrar um relacionamento nunca foi tarefa fácil. Isso porque casais podem retomar o relacionamento, separar-se novamente, retomar mais à frente, romper de novo. E uma relação é exatamente isso, como bem disse o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade no poema "Toada do amor": "Briga, perdoa, perdoa, briga". Como saber se reatar aquela relação realmente vale a pena? E quando ter a certeza de que não vale?
Na opinião da pesquisadora norte-americana Amber Vennum, da Kansas State University, nos Estados Unidos, o resultado de uma conciliação, na maioria das vezes, não é bom. Em seu estudo divulgado em 2012, ela verificou que grande parte dos casais retorna por impulso tomando decisões como morar juntos o mais rápido possível, fazendo com que as chances de dar errado novamente cresçam.
Já nos relacionamentos cíclicos, o famoso separa-reata, os participantes disseram estar menos satisfeitos com o parceiro, tinham autoestima baixa, problemas de comunicação e estavam menos seguros sobre o futuro da relação. Para a pesquisadora, a maioria dos casais volta a ficar junto após o término porque acha que o outro mudou e que a comunicação na relação melhorou, mas em grande parte dos casos isso costuma ser uma ilusão.

Retomar depende muito das razões que levaram o casal ao rompimento / Foto: Thinkstock

Na avaliação da psicoterapeuta e psicóloga clínica Triana Portal, saber se vale a pena ou não retomar um relacionamento depende muito das razões que levaram o casal ao rompimento e dos danos causados a essa relação. "Sem contar na capacidade dos envolvidos para trabalhar as mágoas, a disposição emocional para recomeçar e a maturidade para não ficar trazendo as problemáticas do passado a cada vez que houver novos problemas", adverte Triana.
Segundo a psicoterapeuta, reconciliações, no geral, costumam ter finais felizes se existir amor, parceria e desejo mútuo de fazer a relação funcionar. "O vínculo fica ainda mais forte. Sabendo o que não funcionou no passado, ambos conseguem trilhar um novo caminho sem cometer os mesmos erros. Quando se conhece e respeita os limites do outro, a relação tende a fluir sem sobressaltos", explica Triana.
O que pode acontecer é que, muitas vezes, a origem dos conflitos entre os casais não está em supostos defeitos e nem se trata de culpa de um ou de outro. Para a psicóloga e terapeuta de casais Iara Camaratta Anton o que mais desagrada são, frequentemente, as divergências, as desatenções, a impaciência e a rotina somadas às frustrações a tal ponto que se chega a crer que não há mais razão alguma para ambos seguirem juntos.
"Este processo tende a ser bastante doloroso para o casal", adverte Iara, autora dos livros "A Escolha do Cônjuge" e "Homem e Mulher – Seus vínculos secretos", ambos publicados pela Editora Artmed.

Sexônico convida novos testadores para escrever sobre produtos eróticos


Está cansado da rotina de trabalho? Gostaria de fazer algo mais prazeroso? Sim, com o perdão do trocadilho, trabalhar com prazer literalmente pode ser realidade. Este é o trabalho da Mariana Blac do Sexônico, buscador de produtos eróticos. A sortuda escreve críticas positivas e negativas sobre os produtos que testa, além de dar dicas sobre a melhor forma usar os acessórios.

Mariana Blac acredita nos melhores prazeres desta vida. É por isso que ela é fã dos produtos eróticos, que são sempre muito mais práticos, seguros e prazerosos do que qualquer relacionamento! Todas as pessoas que se identificam com a Mari e quiserem fazer parte da equipe de testadores do www.sexônico.com.br, podem escolher um produto, fazer o teste esgotando todas as possibilidades e enviar a sua crítica para a Mariana Blac. As melhores resenhas serão publicadas e ganharão R$50,00. A iniciativa vai fazer com que o Sexônico atinja um de seus objetivos que é mostrar o que realmente funciona e o que não funciona no mercado de produtos eróticos. Aumentar o time vai ajudar o site a fazer esse trabalho de maneira ainda mais rápida.

O melhor de tudo é que os brinquedinhos exigem apenas cuidados e higienização, ou seja, o prazer vem sem cobranças, sem pedidos de carinho e atenção como alguns homens e mulheres fazem.

Vejam as críticas da Mariana Blac e sintam-se à vontade para enviar dúvidas, sugestões, críticas, elogios e todo tipo de comentário!

Para inscrição:
http://www.sexonico.com.br/seja-uma-testadora-de-produtos-eroticos

Profissão: Mariana Blac é testadora de produtos eróticos! A testadora do site Sexônico, Mariana Blac, conta um pouco da sua profissão ao Tempo de Mulher e recomenda 5 brinquedinhos para você por fogo na sua relação! Confira!



Quem disse que sexo também não é trabalho? Pergunte para a paulistana Mariana Blac, de 27 anos, que tem uma profissão bem diferente: testadora de produtos eróticos do site Sexônico, uma espécie de Google desse mercado. Disputando e vencendo 7 mil candidatas ao posto, Mariana explica porque trocou o emprego de jornalista para virar testadora, conta um pouco da sua rotina e ainda recomenda 5 brinquedinhos eróticos para você por fogo na sua relação!
"Vi a vaga de testadora no site do Kibe Loco porque um amigo compartilhou a vaga no Facebook. Fui pesquisar para saber se era verdade ou brincadeira e aí mandei o currículo. Foram 7 mil mulheres disputando a vaga e quatro etapas para escolher a testadora. Passei em todas e fui escolhida", conta Mariana. Depois, ela precisou enviar um texto sobre algum brinquedinho erótico que tinha em casa para a empresa avaliar sua escrita.
Para a coaching em produtos sexuais Neusa Pandolfo, os produtos eróticos servem para quebrar a rotina no relacionamento. "As mulheres que usam brinquedos eróticos, sozinhas, têm um desenvolvimento infinitamente melhor com seu parceiro", diz Neusa, que também é palestrante e educadora sexual.

Dira Paes mostra bastidores de seu último dia de gravação em Salve Jorge

FAMOSIDADES


Toda animada, Dira Paes gravou sua última cena em “Salve Jorge” e mostrou os bastidores em seu Instagram.
A intérprete da Lucimar publicou uma imagem ao lado de Luis Felipe Melo, Rodrigo Lombardi e Nanda Costa.
“Família chegando ao Alemão!”, escreveu na legenda da foto.

Otaviano Costa e Flávia Alessandra dão beijão durante gravação do Esquenta!

FAMOSIDADES


O casal Otaviano Costa e Flávia Alessandra vive em clima de romance. E durante a gravação do programa "Esquenta!", em comemoração ao Dia dos Namorados, não foi diferente.
O ator de "Salve Jorge" surpreendeu a amada ao cantar a música "Verdade", de Zeca Pagodinho, em homenagem à atriz. "Poema em forma de samba, que revela a minha verdade pelo meu amor", declarou Otaviano, todo romântico.
E para selar o amor dos pombinhos, a dupla deu um beijão daqueles de tirar o fôlego! Fofos!

Xuxa tira cidadania italiana e vai viajar para a Europa


Xuxa agora também é cidadã italiana! Isso mesmo. A apresentadora contou a novidade por sua página no Facebook e vibrou ao receber o novo passaporte.
“Gente, agora não vou só falar 'beijinho, beijinho, tchau, tchau'. Vou falar também 'bacio, bacio, ciao, ciao'. Sou cidadã Italiana”, comemorou ela, brincando com o italiano.
Para celebrar, a loira contou que vai para a Europa para visitar as origens de sua família. "Vou viajar para a Itália e vou a Trenton conhecer a cidade onde nasceu a família Meneghel".

FAMOSIDADES

Prestes a desembarcar no Brasil, Paramore pede hotéis e comidas simples

FAMOSIDADES


A banda Paramore, que chega ao Brasil no final de julho para uma série de seis shows, surpreendeu ao fazer poucas exigências para os produtores brasileiros.
Sem seguir o exemplo da maioria dos astros internacionais, que faz pedidos extravagantes e luxuosos, o grupo norte-americano demonstrou simplicidade.
Liderada por Hayley Williams, a banda sugeriu que o hotel fosse escolhido de acordo com o gosto de sua equipe. No camarim, os músicos pediram apenas muita água mineral, biscoitos e suas tradicionais toalhas pretas de palco.
O cardápio dos cantores também não terá nada de extravagante. “Nossa equipe gosta muito de comidas normais e simples, nada muito exótico. Carnes e frangos grelhados e macarrão à bolonhesa serão os pratos mais apreciados”, disseram em nota oficial.
O Paramore fará seu primeiro show no Rio de Janeiro, no dia 25 de julho, e segue para Belo Horizonte, no dia 26, Brasília, no dia 28, e São Paulo, no dia 30, em agosto a banda se apresenta em Curitiba, no dia 2 e, para finalizar, chega a Porto Alegre no dia 4. 

Ronaldo beija namorada e deixa David Brazil com inveja Ex-jogador postou a foto no Instagram

FAMOSIDADES

 promoter David Brazil fez careta para o beijinho carinhoso que Paula Morais ganhou do amado, o ex-jogador de futebol Ronaldo. "Assistindo ao Timão com meus amores! David Brazil demonstra uma certa inveja", brincou o craque no Instagram

'Tenho vontade de ser mãe', diz Thammy



Acompanhe os bastidores da última semana da trama da de Gloria Perez - 1 (© Divulgação TV Globo)


Tem vontade de ser mãe?
Tenho! Tenho vontade de ter um filho. Não sei se vou fazer bem a parte de mãe. Quero fazer inseminação e por enquanto penso só em um, porque é difícil para sustentar. Tem que dar uma bela educação.
O que você sente quando se vê toda bonita, vestida sensualmente na novela?
Eu não sinto nada. É uma personagem, não sou eu. Não é que eu esteja me arrumando para sair para uma balada. Eu me sinto como a personagem se sentiria. No caso, é uma policial infiltrada e que tem que se vestir daquela forma para enganar as pessoas dali. Quando eu me visto dessa forma, estou focada nisso. Eu tenho que induzir as pessoas que estão na boate a acreditarem que eu sou aquilo.
Como você fez para vencer as barreiras do preconceito?
A barreira do preconceito não foi quebrada por mim. Essa barreira está sendo quebrada pela Gloria (Perez, autora da trama), pela Rede Globo que está apostando em mim e nos nossos diretores. A barreira está sendo quebrada a partir daí. Eu sozinha não conseguiria. É preciso que essas pessoas quebrem as barreiras para eu mostrar do que sou capaz, do que o meu trabalho é capaz.
Se você não fosse a Jô, gostaria de ser qual personagem?
Eu adoro a Helô. Sou fã da Giovanna (Antonelli) e eu sou fascinada na delegada que ela faz: uma mulher forte, decidida. Ao mesmo tempo no “perrengue” com o marido... Acho sensacional! Se eu não fosse a Jô, queria ser a Helô! Porque a Giovanna deu uma vida para a personagem sem igual.

Thammy Miranda garante que ficaria com fã

Acompanhe os bastidores da última semana da trama da de Gloria Perez - 1 (© Divulgação TV Globo)


Um dos maiores sucessos de 'Salve Jorge', Thammy Miranda abriu o coração, em entrevista ao site oficial da novela. Ela respondeu perguntas de fãs e garantiu: ficaria com uma fã. 
Qual a semelhança entre Thammy, Joyce e Lohana?
A Thammy é completamente tímida, mais na dela e não é policial. A Joyce é uma policial mais durona, mais marrenta e a Lohana é o oposto tanto da Thammy, quanto da Joyce. Lohana é uma artista e, quer queira, quer não é uma policial, mas ali ela está fazendo um número, se passando por uma pessoa mais desenvolta. Então, as três são bem diferentes.
Qual foi a cena mais difícil de fazer em Salve Jorge?
Não sei se é a mais difícil, mas acho que é a cena que tem que ter mais cuidado: a última cena. É o fechamento da novela. Essa teve mais responsabilidade.
Você gostou do seu visual nessa nova fase da novela? E você já ouviu 'piadinhas' de pessoas em relação à sua nova 'imagem'?
Eu escutei bastante que estava bom. Gostar do visual eu não tenho muito que gostar. Sou uma atriz e tenho que fazer bem feito. O pessoal do cabelo fez uma peruca show de bola e a galera da maquiagem é sensacional, me deixou linda! E quanto às piadinhas, ouço, sim, me chamam de gostosa e tal.
Você ficaria com uma fã?
Ficaria, mas não sei se daria certo. Uma pessoa que tem muita admiração acaba perdendo um pouco daquela “coisa” da conquista. Mas ficaria.

Reta final de Salve Jorge Helô pega Riva de jeito e descobre segredo

Acompanhe os bastidores da última semana da trama da de Gloria Perez - 1 (© Divulgação TV Globo)


Morena (Nanda Costa) está cismada com Riva (Rita Elmôr). Mas a inquietação da gata do Alemão vai acabar já, já. Isso porque a delegada Helô (Giovanna Antonelli) resolve armar uma emboscada para saber qual é a da loira! Morena vai para a rua onde rola a prostituição e acerta em cheio: Riva aparece e a segue.
As duas seguem para uma igreja onde Helô está com seus policiais. Ela vê Riva atrás de uma coluna, tentando se esconder de Morena, que já a viu há um tempão. Nesse momento, Helô pega a moça e a imobiliza, apontando uma arma para ela.
Riva levanta as mãos e manda a delegada a revistar. A delegada brasileira encontra uma carteira da Interpol no bolso da suspeita!
Isso mesmo! Riva não faz parte da quadrilha. No apartamento da polícia federal, a policial conta como se infiltrou e diz que estava monitorando Morena.
'Não interessava pra nós que o Russo (Adriano Garib) apagasse você! Você é uma testemunha valiosa!', explica.



Prefeitura de Caraguá-SP, pode aumentar o salário dos servidores em 20%


A edição nº 993 do jornal expressão caiçara de Caraguatatuba-SP, divulgou os relatórios da LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal), e com base nestes relatórios extraímos a margem possível para aumento com pessoal da prefeitura.

Esclarecemos que está informação está disponível no relatório de gestão fiscal do 2º quadrimestre-2.012, porém, encontra-se de forma implícita, alertamos, que o aumento com pessoal é de responsabilidade do prefeito, que no momento está impedido de fazê-lo, devido a legislação eleitoral.

PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE VALIDADE DOS CONCURSOS


Prefeitura Municipal da Estância Balneária de Caraguatatuba  Estado de São Paulo
PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE VALIDADE DO CONCURSO 01/2010
 Á vista da manifestação da Secretaria Municipal de Administração, que aprovo, FICA 
PRORROGADO o prazo de validade do Concurso 01/2010 – Processo nº 01/2010, em mais 02 
(dois) anos, para os seguintes cargos: 
 Auxiliar de Topógrafo; Eletricista; Fiscal de Saúde Pública; Fiscal de Tributos; Técnico de 
Segurança do Trabalho; Técnico em Informática; Cientista Social; Engenheiro Civil; Jornalista; 
Nutricionista; PEB II – Inglês; Professor de Educação Física; Sociólogo; Tecnólogo em 
Processamento de Dados; Inspetor de Alunos; Auxiliar de Biblioteca; Fiscal de Obras; Fiscal de 
Posturas; Fotógrafo; Motorista II; Secretário Escolar, Técnico Agropecuário; Administrador; 
Antropólogo; Arquiteto; Biólogo; Tecnólogo em Turismo e Psicólogo; cuja Homologação foi 
publicada na imprensa oficial aos 04 de maio de 2011, ao fundamento no artigo 13, da Lei 
Complementar nº 25, de 25 de outubro de 2007. 
Ficam excluídos da presente prorrogação, os demais cargos. 
Caraguatatuba, 29 de abril de 2013. 
ANTONIO CARLOS DA SILVA 
Prefeito Municipal


PRORROGAÇÃO DO PRAZO DE VALIDADE DO CONCURSO 02/2010
 Á vista da manifestação da Secretaria Municipal de Administração, que aprovo, FICA 
PRORROGADO o prazo de validade do Concurso 02/2010 – Processo nº 02/2010, em mais 02 
(dois) anos, para os seguintes cargos: 
 Auxiliar de Serviços Gerais; Agente de Zoonoses; Agente de Fiscalização de Trânsito; 
Monitor de Artes e Ofícios; Oficial de Controle Animal; Analista Ambiental; Engenheiro 
Agrônomo; Farmacêutico-Bioquímico; Fiscal Municipal e Médico Veterinário; cuja 
Homologação foi publicada na imprensa oficial aos 04 de maio de 2011, ao fundamento no 
artigo 13, da Lei Complementar nº 25, de 25 de outubro de 2007. 
Ficam excluídos da presente prorrogação, os demais cargos. 
Caraguatatuba, 29 de abril de 2013. 
ANTONIO CARLOS DA SILVA 
Prefeito Municipal


"Aprovado em concurso tem direito a nomeação, decide o STF"


Entendimento é referente a aprovado dentro do nº de vagas da seleção.

Ao julgar um recurso extraordinário nesta quarta-feira (10), o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que aprovado em concurso público dentro do número de vagas tem direito a nomeação. A decisão, por unanimidade, foi em cima de um processo em que o estado de Mato Grosso do Sul questiona a obrigação da administração pública em nomear candidatos aprovados para o cargo de agente auxiliar de perícia da Polícia Civil. Houve repercussão geral, portanto, a interpretação terá de ser seguida em todos os processos que envolvem essa questão, diz a assessoria do Supremo.

Houve discussão sobre se o candidato aprovado possui direito subjetivo à nomeação ou apenas expectativa de direito. O estado sustentava violação aos artigos 5º, inciso LXIX, e 37, caput e inciso IV, da Constituição, por entender que não há qualquer direito líquido e certo à nomeação dos aprovados. Alegava que tais normas têm o objetivo de preservar a autonomia da administração pública.
O relator, ministro Gilmar Mendes, considerou que a administração poderá escolher, dentro do prazo de validade do concurso, o momento no qual se realizará a nomeação, mas não poderá dispor sobre a própria nomeação, “a qual, de acordo com o edital, passa a constituir um direito do concursando aprovado e, dessa forma, um dever imposto ao poder público”.

Mendes salientou que as vagas previstas em edital já pressupõem a existência de cargos e a previsão de lei orçamentária. "A simples alegação de indisponibilidade financeira desacompanhada de elementos concretos tampouco retira a obrigação da administração de nomear os candidatos", afirmou.
Para o ministro, quando a administração torna público um edital de concurso convocando todos os cidadãos a participarem da seleção para o preenchimento de determinadas vagas no serviço público, “ela, impreterivelmente, gera uma expectativa quanto ao seu comportamento segundo as regras previstas nesse edital”.
“Aqueles cidadãos que decidem se inscrever e participar do certame público depositam sua confiança no Estado-administrador, que deve atuar de forma responsável quanto às normas do edital e observar o princípio da segurança jurídica como guia de comportamento”, avaliou.

Situações excepcionais
Mendes, no entanto, entendeu que devem ser levadas em conta "situações excepcionalíssimas" que podem exigir a recusa da administração de nomear novos servidores. O ministro afirmou que essas situações seriam acontecimentos extraordinários e imprevisíveis "extremamente graves". Como exemplos, citou crises econômicas de grandes proporções e fenômenos naturais que causem calamidade pública ou comoção interna.

Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro