A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sábado, 24 de maio de 2014

Câmara concede título de cidadão caraguatatubense para Benedicto Pinto de Faria‏

Em sessão solene realizada na Câmara Municipal de Caraguatatuba, nesta sexta-feira, 23 de maio, o Sr. Benedicto Pinto de Faria recebeu o título de cidadão caraguatatubense pelos relevantes serviços prestados ao município.


A honraria foi concedida por meio do decreto legislativo de número 244, de 18 de dezembro de 2013, de autoria do Vereador Pedro Ivo de Sousa Tau. O homenageado já foi Presidente do Legislativo de Caraguá entre os anos de 1975 a 1977.
Familiares e amigos marcaram presença na solenidade. Colega dos tempos de vereador, Durval Marques de Jesus compôs a mesa junto ao homenageado da noite.
Natural de Jacareí, Faria nasceu em 24 de outubro de 1937. Filho de Mavigno Pinto de Faria e Lyzete Campos de Faria, veio morar em Caraguá a convite do ex-prefeito Geraldo Nogueira da Silva, conhecido como Boneca.
Em maio de 1961, casou com Sra. Denise de Oliveira Faria e juntos tiveram sete filhos: Antonio Fernando de Oliveira Faria; Ana Angélica de Oliveira Faria; Sylvio Renato de Oliveira Faria; Ana Amélia de Oliveira Faria; Ana Lydia de Oliveira Faria; Luiz Gustavo de Oliveira Faria e Ana Carolina de Oliveira Faria.
Faria é um dos servidores públicos mais antigos do município, iniciando sua carreira no Governo do Prefeito Altamir Tibiriçá Pimenta, tendo trabalhado durante anos nas secretarias de Obras, Urbanismo e Fazenda.
O novo cidadão caraguatatubense disputou várias eleições para o cargo de vereador, tendo alcançado a posição de primeiro suplente e sido investido no cargo na 6ª Legislatura (1969/1972).
A intensa atividade parlamentar e os afazeres diários não impediram Faria de participar ativamente de movimentos religiosos, tendo marcado presença em diversos casamentos de munícipes embalando a marcha nupcial com cânticos.
Sua dedicação a questão religiosa ligada ao dom musical lhe rendeu a sorte de integrar, como tenor, o Coral Diocesano e de realizar seu maior feito que foi lograr aprovação no concurso regional para a composição do hino da Diocese.
Atleta e diretor do Esporte Clube XV de Novembro, Faria também disputou campeonatos representando o Esporte Clube Indaiá.

CONVITE: Venha comemorar conosco os 5 anos de existência do Chá das Mulheres na Sociedade Bíblica do Brasil.‏


Zezé Di Camargo não oficializou separação com Zilu e negocia bens

Zezé Di Camargo não oficializou separação com Zilu e negocia bens, diz jornal - 1 (© AGNews)

Zezé Di Camargo ainda não se separou legalmente da mulher, Zilu Camargo. De acordo com o cantor e Zilu não oficializaram o divórcio, contrariando a ex-mulher, que afirmou à revista "Veja" que os papéis da separação já tinha sido assinados.
Ainda segundo a publicação, Zezé estaria em fase de negociação com Zilu sobre a partilha de bens. Esse é um dos motivos que tem levado o casal a adiar o divórcio, que só será oficializado depois que o sertanejo avaliar as exigências feitas por Zilu, que envolvem bens adquiridos quando ela e o ex-marido estavam casados. Zezé anunciou a separação em agosto de 2012 após uma relação de mais de 20 anos.
A separação pode ter tomado um rumo turbulento depois que Zilu disse em entrevista à "Veja" que tinha assinado a separação. O ex-marido não teria gostado nada de a ex-mulher dizer que os dois assinaram o divórcio sem o fato ter acontecido. O cantor também estaria chateado com as declarações de Zilu sobre as traições do sertanejo durante o seu casamento que durou 20 anos com o músico.
E ainda há a namorada de Zezé, Gracielle Lacerda, que também tem feito as suas exigências. Segundo o jornal, a jornalista pressionou o cantor para que ele assumisse a relação de dois anos que já mantém com ela. Até a família da moça teria incentivado Zezé a finalmente dizer que não está mais solteiro e oficifialize a relação. Enquanto isso, Zilu já fez a fila andar, assumindo o namoro com o sertanejo Zé Henrique, da dupla com Gabriel.

Wanderlei Silva e Chael Sonnen se estranham e Dana White separa confusão Presidente do UFC precisou interferir durante encarada dos rivais

Após a realização coletiva de anúncio oficial do UFC 175, evento programado para o dia 5 de julho, os lutadores foram convidados a fazerem a tradicional encarada, o que quase promoveu nova confusão entre Wanderlei Silva e Chael Sonnen.
Assim que chamados, os atleta avançaram rapidamente para o olho no olho, o que fez Dana White, presidente do UFC, se adiantar e, com a mão no peito de cada uma deles, impedir o encontro, que não renderia nenhum gesto amigável.
Separados a centímetros um do outro, os treinadores da terceira temporada do TUF Brasil passaram a se provocar rispidamente, com direito a simulação irônica do americano, que fingiu estar com medo do ‘Cachorro Louco’.
Claro, tudo isso sob gritos enlouquecidos da plateia. Agora é aguardar para ver o embate deles em julho, válido pela divisão dos meio-pesados (93 kg), que deve colocar um ponto final de uma vez por todas na rivalidade que ultrapassou o octógono.

Chael Sonnen e Wanderlei Silva se estranharam mais uma vez - Reprodução/ Youtube

Desconectar para Conectar

Não é segredo que o avanço tecnológico, a acessibilidade cada vez mais facilitada e a ampla divulgação de informação e materiais que temos contato diariamente trouxeram inúmeros benefícios para o desenvolvimento da sociedade. Porém, como Nicholas Carr defende em seu livro, “The Shallows: What the Internet is Doing to Our Brains”, a velocidade e bombardeamento de informação constante estão nos fazendo perder a capacidade de concentração e nos tornando menos reflexivos.


O que, em outras palavras, significa dizer que estamos nos tornando verdadeiras "esponjas" que absorvem informações de todos, numa velocidade tão alta, que estamos perdendo nossa capacidade crítica e analítica. Nossas mentes se habituaram a catalogar, arquivar e pesquisar informações, como verdadeiros computadores, e isso tem nos tornado cada vez mais desfocados, distraídos e superficiais em nossas relações, inclusive, e principalmente, conosco. Vivemos em um ritmo tão acelerado, sendo demandados em tantas funções e sob diversos tipos e níveis de pressões, que muitas vezes não temos condições de pensar e avaliar sobre cada ato que estamos realizando. Estamos entramos em modo automático, de raciocínio lógico e prático, para conseguir cumprir com nossas obrigações.



Provavelmente, você já deve ter ouvido de alguém ou lido algo como “A tecnologia aproxima quem está longe e afasta quem está perto”, mas e quando essa tecnologia acaba contribuindo para descuidarmos de nossa saúde mental e nossa conexão mais profunda com o nosso interior?Quando foi a última vez em que você parou para se cuidar ou prestar atenção em você mesmo? Em que você parou para ouvir seus pensamentos, avaliar sua satisfação em relação a seus atos e suas atividades, colocar em prática suas vontades e aspirações mais profundas (e por que não, malucas)? Quando foi a última vez em que você ficou em silêncio, sozinho e relaxou? Sem pensar no que tem que fazer logo após ou no dia seguinte, sem se preocupar com o próximo horário a cumprir, nas contas mensais ou o prazo do próximo relatório do trabalho? Quando foi a última vez em que você limpou suas gavetas e caixas e se permitiu surpreender com as enormes lembranças de pessoas queridas e momentos insubstituíveis contidas nelas, em forma de objetos ou de fotos, e o melhor, se você parou para comparar o que mudaram daquela época para hoje? Para melhor ou para pior, sim. A auto-avaliação, de tempos em tempos, é absolutamente benéfica e necessária para acertarmos o que achamos que não está em conformidade e caminharmos em direção ao que almejamos.

Autossustentável: Desconectar

Não há fórmula mágica para nos conectarmos com nossas mentes, cada pessoa é única e responde melhor a estímulos completamente diferentes. Mas existem alguns caminhos que nos auxiliam no processo. Comumente elas são associadas a técnicas de relaxamento, por produzir a sensação de bem-estar e alívio de stress e tensões, que são perfeitamente válidas. Abaixo, seguem sugestões:

ü  Defina quais as atividades em que você acha que poderia relaxar, e escolha atividades que você realmente goste.

ü  Não tenha medo de tentar algo novo e diferente (o cérebro agradece). Estará dando oportunidade a si mesmo de descobrir novas formas de se relacionar com o seu corpo e assim usufruir das riquezas intermináveis que ele pode produzir.

ü  Verifique a existência de atividades de lazer onde vive e provavelmente que pouco frequenta (cinemas, praias, clubes, atividades culturais, exposições parques, etc).

ü Procure praticar exercícios leves como caminhar, andar de bicicleta, dançar, nadar, praticar jardinagem, etc.
Por exemplo: sinta o peso do seu corpo ao caminhar, sinta a respiração, sinta a sensação do ar entrando e saindo dos seus pulmões, o cabelo ao vento, os músculos que usa, a sensação do vestuário…entre muitas outras coisas.

ü  Caso tenha interesse, procure praticar algumas técnicas de relaxamento mental para criar a sensação de paz e tranquilidade de corpo e mente.

ü  Outras técnicas de relaxamento mental incluem a leitura de um bom livro ou deixar-se envolver na tranquilidade de uma música suave, ou concentrar-se na contemplação.

ü  Atividades criativas como pintura, desenho, cerâmica, carpintaria, tricô e mesmo arte culinária, por prazer, podem lhe dar também um sentido de realização, paralelamente ao tranquilizante relaxamento de se concentrar em algo que você deseja fazer.

ü  Você também pode aliviar o cansaço do dia-a-dia do trabalho com um banho bem demorado, logo que chegar em casa. Este pode ser considerado um exercício excelente de estimulação dos sentidos. Aprecie a água a cair no seu corpo, o som que faz, a temperatura que sente, o impacto das gotas do chuveiro, o estado de relaxamento que consegue atingir, sinta isso e contemple o prazer que está presenciando, foque-se nas sensações e perceba o nível de bem-estar que sente.

ü  Procure atentar para os pequenos detalhes do seu dia-a-dia. Por exemplo, reparar nos prédios ou na paisagem do caminho feito para o trabalho/escola/faculdade; tente traçar novas rotas e descobrir alternativas para o destino que frequenta rotineiramente, você pode se surpreender com o caminho ou acabar conhecendo algo interessante.

Sabemos que nossas realidades, muitas vezes, não nos permitem fazer tudo o que queremos a todo o tempo. Nem todos nós temos o emprego que sonhamos ou exercemos a profissão que almejamos. Temos responsabilidades, obrigações e deveres que pode não ser condizente com as nossas expectativas. Não temos que nos acomodar com o que não nos agrada, pelo contrário, devemos procurar evoluir e mudar o que nos convém, porém, para encontrar alternativas e soluções para essas questões, é fundamental que estejamos em dia com a nossa saúde mental. 

Autossustentável: Desconectar

Portanto, não se esqueça de tirar alguns momentos do seu dia ou da sua semana para se desconectar do mundo ao seu redor e se dedicar a você, ao que você realmente deseja, prestar atenção em você, sua mente, seus pensamentos, relações e avaliar seus sentimentos, ações e aspirações.

CASA FLUTUANTE AUTOSSUSTENTÁVEL EM FORMATO DE OVO ABRIGARÁ ARTISTA POR UM ANO


Conheça o Exbury Egg, uma casa flutuante em forma de ovo totalmente autossustentável que irá abrigar o artista Stephen Turner por um ano. Originário de um projeto colaborativo entre o artista, SPUD e PAD Studio, a construção é resultado de quase 3 anos de desenvolvimento.

Feito de cedro recuperado, o Exbury Egg foi feito para resistir aos elementos e irá abrigar Stephen por um ano na foz do rio Beaulieu enquanto ele estuda a vida natural durante as marés e experimenta ciclos naturais locais do meio ambiente no que se refere à atividade humana.

Confira:

















A Natureza do Turismo Sustentável Brasileiro

Autossustentável: Chapada dos Veadeiros, Goiás - Foto: Chris Jackson

Devido às características climáticas e geográficas o turismo em áreas naturais é predominante no Brasil. Atualmente o turismo sustentável é o tema principal nas agendas das grandes empresas, pequenos empreendedores, autoridades regionais e nacionais do setor. Será que estamos aplicando somente práticas pontuais de sustentabilidade socioambiental ou de fato estamos construímos um turismo sustentável no Brasil?

Visto sob a ótica do tripé da sustentabilidade de acordo com a OMT - Organização Mundial do Turismo, a atividade turística deve levar em consideração questões:
  • (i) sociais - respeito e fomento aos valores e cultura de um povo; 
  • (ii) econômicas - assegurar a correta alocação dos recursos e investimentos na área, e;
  • (iii) ambientais - garantir a capacidade do ecossistema em manter-se ou recuperar-se dos impactos da atividade.

No âmbito social é crescente o número de iniciativas que valorizam a cultura local e preservação ambiental, principalmente por iniciativas do terceiro setor. A baixa remuneração dos pequenos empreendedores e a falta de educação ambiental impedem a sustentabilidade nos serviços prestados quando não apoiados e estimulados pelo terceiro setor ou órgãos competentes.

Autossustentável: Lixo em área de proteção ambiental


Diversas pesquisas indicam o crescimento econômico positivo do turismo nacional, que amplia a oferta de contratação de mão de obra e gera demanda por investimentos. Embora as pequenas e médias empresas constituam a maior parte do setor hoteleiro e turístico no Brasil, as grandes empresas são as maiores beneficiadas com os incentivos gerados pelas autoridades regionais e nacionais.

A expansão de modalidades turísticas em áreas naturais e de proteção ambiental, como por exemplo, o ecoturismo e turismo de aventura, sem o devido planejamento, colocam em risco a biodiversidade e sustentabilidade de tais áreas. Neste cenário, as certificações ambientais cobririam parte das deficiências que as legislações deixam escapar durante o processo de licenciamento e cumprimento das normas ambientais.

Autossustentável: Praia do Lixo

Enquanto vemos a falta de uma política clara para o incentivo ao desenvolvimento sustentável voltada ao pequeno empreendedor, acompanhamos os gigantescos esforços voltados para preparar o país para os mega eventos, como Copa do Mundo e Olimpíadas. Percebemos que práticas socioambientais são de fato realizadas, contudo, não são incorporadas em todos os pilares para alcançarmos o turismo sustentável no Brasil.

Talento & Reaproveitamento: Carioca Transforma Tampinhas de Garrafa em Obras de Arte

O Galpão das Artes Urbanas Hélio G. Pellegrino, na cidade do Rio de Janeiro, está recebeu no dia 10 de maio a Exposição: “Ecotampas - Se Beber, Recicle” do artista plástico Alfredo Borret.

Autossustentável: Alfredo Borret - Arte com Tampas de Metal
São 18 obras e trabalhos inéditos, com uma técnica criada pelo artista para o reaproveitamento das tampinhas de metal.

Alfredo Borret, formado em marketing, sempre gostou de arte e sustentabilidade e tem chamado a atenção do mundo, através de sua arte com tampas de garrafas de cerveja e refrigerante, para o descarte das tampinhas de metal.

Desde 2007 usa sua habilidade para dar vida nova ao lixo gerado pelas bebidas, transformando-o em ímãs de geladeira com imagens dos cartões postais e times de futebol do Rio, assim foi criado o projeto Ecotampas – artesanatos feitos com tampas de garrafas.

Autossustentável: Alfredo Borret - tampinhas reaproveitadas

Em 2008, Alfredo distribuía seus artesanatos duas vezes por mês, de forma gratuita, aos turistas que visitavam a Cidade Maravilhosa. A distribuição também era realizada em palestras e oficinas realizadas em escolas. Essa foi a encontrada pelo artista para transmitir a mensagem “Se Beber, Recicle” e despertar a atenção o reaproveitamento do “lixo” tampinha de metal.

Alfredo Borret recebeu premiação, em 2011, do Jornal O Globo no concurso “Aniversário do Rio”, onde cerca de 2.500 participantes declararam seu amor ao Rio de Janeiro em forma de arte. Em votação realizada via internet, o artista ficou com a segunda colocação através de seu projeto Ecotampas.
Em 2012, Alfredo inova novamente através da criação de uma nova técnica, na qual as tampinhas são transformadas em telas de arte. Com muita irreverência o artista plástico reproduz paisagens cariocas e obras de grandes mestres no reduzido espaço das tampas, criando lindos mosaicos.

Autossustentável: Alfredo Borret - Monalisa

Autossustentável: Quadros Alfredo Borret
Autossustentável: Galpão de Exposição

“Trabalho com um tipo resíduo que está fora do radar da reciclagem, a tampinha de metal. Após ver as pequenas tampinhas transformadas em arte, as pessoas despertam um novo jeito de pensar esse tipo de lixo. Precisamos mudar nossos hábitos e a forma como vivemos e interagimos com o meio ambiente. Gastamos muito dinheiro com a limpeza urbana e grande parte desse recurso poderia ser aplicado em outras áreas como saúde e educação. Despertar um olhar mais consciente para os resíduos sólidos é o grande objetivo”, diz Borret.

Algumas Curiosidades:
·       O processo de confecção, 100% manual, leva tempo: uma obra de 90cm X 60cm consome 702 tampinhas e leva entre 15 a 20 dias para ficar pronta.
·       Desde 2007, já foram recicladas mais de 300 mil tampinhas pelo artista.

Aprenda a fazer biscoitos com casca de goiaba


Nesta época do ano, fica mais fácil comprar a goiaba, uma fruta altamente nutritiva. Depois de consumir a fruta ou preparar um suco, suas cascas podem ter um destino bem melhor que o lixo, se transformando em biscoitos sustentáveis, ricos em vitamina C e outras propriedades benéficas à saúde.


Ingredientes:

  • Cascas de duas goiabas;
  • 3 xícaras de chá de farinha de trigo;
  • 3 colheres de sopa de margarina;
  • 1 xícara de chá de açúcar

Modo de preparo:

Em um refratário, pique a casca das goiabas em tiras e reserve-as. Em outro recipiente, misture a farinha, o açúcar e a margarina. Amasse bem, até a mistura ficar homogênea. Feito isso, coloque as cascas cortadas em tiras e reserve-as.

Depois de preparar a mistura, modele os biscoitos no formato que quiser e leve-os para assar em forno médio, pré-aquecido, até dourar e os biscoitos estarão prontos.

Quem provar a guloseima aproveita também os benefícios oferecidos pela goiaba, que tem índices mínimos de gordura. Além disso, a receita combate o desperdício de alimentos, por utilizar a fruta em sua totalidade.

Conheça os benefícios da laranja


A laranja é uma fruta bastante comum da dieta dos brasileiros. Além de ser rico em vitamina C, o fruto reserva uma série de outros benefícios, incluindo melhores condições para o sistema cardíaco e digestivo.

É importante lembrar que a maior parte dos benefícios da laranja está concentrada no bagaço da fruta, que é rico em fibra e pectina, um polissacarídeo muito importante para auxiliar a digestão e impedir a absorção e o armazenamento de gorduras no corpo.

Devido a todas as suas propriedades naturais, a laranja traz como benefícios diretos à saúde o combate ao colesterol, o controle da pressão sanguínea, o estímulo às funções intestinais e sistema circulatório, além de ajudar a manter a defesa do organismo e deixar a pele mais bonita.

Essa fruta pode ser consumida em sua forma natural ou através de sucos. O ideal é que eles sejam feitos e tomados na hora, sem conservantes e outros químicos que reduzem sua eficiência. Para aumentar o aproveitamento, bata a laranja no liquidificador ou em uma centrífuga, pois assim a casca também é utilizada.

Outra sugestão é fazer o bolo de laranja com casca, confira a receita abaixo:

Ingredientes:

- 2 laranjas médias
- ¾ xícaras (chá) de óleo
- 3 ovos
- 2 xícaras (chá) de açúcar
- 2 xícaras (chá) farinha de trigo
- 1 colher (sopa) de fermento em pó
- Gotas de baunilha

Modo de preparo:

Corte as laranjas em quatro e retire as sementes e a parte branca no centro (deixe a casca e o bagaço). Bata no liquidificador as laranjas, os ovos, o açúcar e a baunilha. Despeje esta mistura em uma vasilha. Acrescente a farinha de trigo mexendo bem e, por último, o fermento misturando levemente. Asse em forma untada. Se preferir, despeje sobre o bolo quente o suco de duas laranjas, adoçando com 2 colheres (sopa) açúcar.

Surfista brasileiro cria pranchas ecológicas com garrafas PET

Pranchas ecológicas com garrafas PET

O surfista brasileiro Jairo Lumertz uniu suas duas paixões, surf e natureza, e desenvolveu uma prancha ecologicamente correta, feita com garrafas PET. Logo, conheceu a curitibana, moradora de Garopaba (SC) há seis anos, Carolina Scorsin, e juntos desenvolveram o Projeto Prancha Ecológica que tem como objetivo promover o esporte e consciência ambiental entre crianças e adolescentes.

A ideia surgiu durante sua estada no Havaí, em 2007, e se concretizou tempos depois no Brasil. Além de ajudar o meio ambiente, a Prancha Ecológica é uma maneira de agregar pessoas de baixa renda ao esporte mais restrito às famílias com melhores condições financeiras.

São fabricados e comercializados tradicionalmente dois tipos de pranchas: as de resina de poliuretano com resina de poliéster insaturado e de poliestireno epóxi. Tobias Schultz, um dos membros do projeto, investigou o impacto ambiental de ambas as fabricações e descobriu que os dois tipos geram muita poluição e muito resíduo de matéria-prima. Por isso, as pranchas alternativas são boas opções.


Pranchas ecológicas com garrafas PET


A prancha é fabricada utilizando garrafas PET, canos de PVC para estruturação das garrafas que são unidas por uma espuma rígida de PU (PUR) desenvolvida especialmente para a prancha, fortalecendo e dando resistência necessária a mesma.
Pranchas ecológicas com garrafas PET

“Surfo desde março deste ano, incentivada pelo Jairo. A sensação de surfar em cima de algo que poderia ir para o lixo e foi reutilizado, não tem preço, é algo mágico, viciante e de bem com a natureza. Sem falar que a aceitação da prancha ecológica é excelente.", diz Carolina.

Boliviana constrói casas de garrafas PET para famílias carentes em 20 dias


Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

A cada dia descobrimos uma nova utilidade para os resíduos que produzimos. Prova disso é o reuso da garrafas. São inúmeras coisas que podemos fazer através da reciclagem deste produto. A artesã boliviana Ingrid Vaca Diez desenvolveu uma técnica para construir casas com as garrafas. Algo improvável, que pode ser a solução para a moradia de famílias de baixa renda.

Casas de Botellas é o nome da iniciativa criada pela boliviana Ingrid Vaca Diez. Envolvida com trabalho voluntário desde pequena e apaixonada por artesanato, a advogada de Santa Cruz de La Sierra teve a ideia de construir casas de garrafas PET para famílias em situação de extrema pobreza após uma briga com o marido, que não aguentava mais a quantidade de ‘entulho’ que Ingrid guardava em casa para trabalhos manuais. “Dá para construir uma casa com esse monte de PET”, reclamou o parceiro em tom de ironia – o que bastou para acender uma luz na cabeça da boliviana.

Para construir uma "Casas de Botellas" (casas de garrafas) é necessário, garrafas PET, garrafas de vidro, cimento, cal, areia, cola, sedimentos, resíduos orgânicos, aros e glicose. A primeira casa edificada por Ingrid teve 170m² e nela foram utilizadas 36 mil garrafas plásticas de dois litros. 

As garrafas, recheadas de resíduos e sedimentos diversos formam as paredes, que após amarradas, são fixadas com cal e cimento. Como a casa criada por Ingrid se tornou um projeto social, os outros materiais necessários para o acabamento, inclusive os móveis, são doados por empresas ou instituições regionais. 

Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

14 anos depois de começar o projeto, a boliviana já tem no currículo mais de 300 moradias construídas para famílias em situação de extrema pobreza – não só na Bolívia, mas em outros países da América Latina, como Argentina, México, Panamá e Uruguai.
Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET


Ingrid garante que é possível construir uma casa em 20 dias, com a ajuda de cerca de 10 voluntários – contando os futuros moradores, que ela faz questão de que participem do processo para dar mais valor à moradia. O problema é que falta matéria-prima e mão de obra disposta a trabalhar “apenas” para ajudar o próximo.

Autossustentável: Casa de Botellas - Ingrid Vaca- Diez - garrafas PET

Construir no Brasil está nos planos da boliviana, que está bem animada. Para ela, o povo brasileiro é mais receptivo ao trabalho voluntário e também tem a cultura da reciclagem mais sedimentada, em relação aos outros países da América Latina, o que facilita a coleta das garrafas PET. Com tanto entusiasmo, certamente a advogada vai conquistar o coração de muita gente boa por aqui. Vem logo, Ingrid!


Read more: http://www.autossustentavel.com/2014/05/boliviana-constroi-casas-de-pet-para-familias-carentes-em-20-dias.html#ixzz32edFUk2D

Quando Tudo Dá Errado: O exemplo de Jó


Imagine um dia que começa como qualquer outro. Você se levanta para ir ao serviço e, chegando na firma, encontra as portas lacradas. A firma fechou, sem aviso. Você, inesperadamente, ficou desempregado. Tendo obrigações para cumprir, você decide ir ao banco para sacar dinheiro e pagar algumas contas que estão vencendo. Mas, chegando ao banco, eles dizem que sua conta foi fechada, sem explicação, e que você não tem nenhum centavo. O dia já está piorando. Você resolve voltar para casa, ainda tentando entender o que está acontecendo. Chegando perto de sua rua, você percebe vários bombeiros e ambulâncias correndo por todos os lados. Suas vizinhas estão na rua, chorando inconsolavelmente. Antes de você chegar até sua casa, um dos vizinhos chama você e fala palavras que jamais esquecerá: "Aconteceu tão rápido", ele diz, "que não foi possível salvar ninguém. A casa, de repente, explodiu. Todos que estavam dentro morreram. Eu sinto muito. Todos os seus filhos estão mortos."

Alguns dias passam. Você acorda num lugar estranho. Olhando para seu redor, percebe que está num hospital. Você está sentindo dores terríveis, e uma coceira constante. Depois de algumas horas de sofrimento, a enfermeira avisa que está na hora de visita. No seu caso, várias pessoas serão permitidas entrar para visitá-lo. A primeira pessoa que entra no quarto é sua esposa. Precisando muito de uma palavra de consolo e de explicação, você olha para ela com tanta esperança, nunca imaginando o que ela vai falar. Ela chega perto da sua cama e começa a gritar: "Eu não entendo a sua atitude", ela diz. "Sua fé não vale nada. Você confia num Deus que fez tudo isso? Amaldiçoe o nome de Deus e morra!" Com essas palavras, ela sai do quarto.

Enquanto você procura entender tudo isso, chegam alguns amigos seus. São velhos amigos, sempre prontos para ajudar. Agora será consolado! Mas, eles entram no quarto, vêem seu estado crítico e seu corpo desfigurado pela doença, e não falam nada. Ficam com a boca aberta, olhando, mas não acreditam. Depois de um longo período de silêncio, um deles fala: "Você mereceu isso. Você deve ter feito alguma maldade muito grande, e Deus está te castigando. Ele tirou todos os seu bens e matou seus filhos. Ele causou esta sua doença. Ele fez tudo isso porque você é mau!" Você começa discutir quando um dos outros concorda com o primeiro, e depois outro também concorda com eles. Não adianta discutir. Para eles, você é um detestável pecador que deve sofrer mais ainda.

De repente, algumas crianças passam no corredor. Você se anima, porque crianças sempre trazem alegria e amor. Mas, estas crianças param na porta, vêem a feiura do seu rosto e corpo, e saem correndo. "Nunca vi nada tão feio", uma delas comenta.

Tudo ficção? Jamais aconteceria uma coisa tão terrível? Modifiquei os detalhes para ajudar você, o leitor moderno, sentir na pele o que aconteceu na vida de Jó. O livro de Jó é, possivelmente, o primeiro livro bíblico escrito. Um homem fiel e abençoado por Deus perdeu, num dia só, todas as suas posses e todos os seus filhos. Logo depois, foi atacado por uma terrível enfermidade. A própria esposa foi contra este homem de Deus, e disse: "Amaldiçoa a Deus e morre" (Jó 2:9). Os amigos o condenaram e discutiram com ele para provar a sua culpa (a maior parte do livro relata essas discussões, começando no 2:11 e continuando até 37:24). Todos os conhecidos dele, até as crianças, o desprezaram (19:13-19).

O livro de Jó trata de um dos assuntos mais difíceis na experiência humana: como entender e lidar com o sofrimento. É um livro rico e cativante que todos os servos de Deus precisam estudar. Um dia, mais cedo ou mais tarde, ele será útil na sua vida. Neste artigo, vamos considerar algumas lições claras e importantes desse livro.