A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

Cabeça's Barbearia

Cabeça's Barbearia
Av. Pres. Castelo Branco, Sumaré /anexo ao posto Shell, Caraguatatuba, (12) 99616-7705

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Para associações de magistrados, Cármen Lúcia está desanimada; para ela, associações estão delirando



Cármen Lúcia:  Ministra reclamouOs presidentes das três maiores associações de juízes do país sentaram-se à mesa da presidente do Supremo, Cármen Lúcia, na semana passada. Papo vai, papo vem, chegaram aonde queriam: pediram à ministra apoio ao reajuste dos magistrados.
Um deles saiu da reunião com a sensação de que a interlocutora estava “desanimada”, nas palavras do próprio.
Talvez seja porque Cármen não está disposta a mover uma palha para engordar os vencimentos da categoria.

“Quando Lula vai ser preso?” Que tal ouvir o que se deu em Curitiba?

Testemunhas de acusação em processo contra ex-presidente foram unânimes em apontar a existência de um azeitado esquema criminoso; Delcídio reiterou a onisciência de Lula, mas todas disseram ignorar se ele é mesmo o dono do tríplex do Guarujá

Como é sabido, uma das perguntas que as pessoas mais se fazem, antipetistas ou petistas, é esta: “Quando Lula será preso?”. Um grupo torce para que seja logo; outro, para que seja nunca. Ser o chefão do PT preso preventivamente ou não depende só da ação do Ministério Público Federal e dos juízes Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, e Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, onde o ex-presidente é réu duas vezes. Se e quando o MP entender que há motivos, creio que apresentará a solicitação a uma das duas varas, e um dos dois juízes vai alegrar um grupo e frustrar o outro. E por que o MPF não pediu até agora?
Em vez de exercícios divinatórios, que tal a gente tentar ler e ouvir o que anda na Justiça?
Vem muito debate-boca por aí… Aliás, ele já começou a ressoar nesta segunda, no primeiro dia de depoimento das testemunhas de acusação na ação de que Lula é réu em Curitiba: é aquela que apura se ele foi beneficiado por vantagens indevidas no tal tríplex de Guarujá. Segundo denúncia do Ministério Público Federal, aceita por Moro, o petista teria recebido R$ 3,7 milhões da empreiteira OAS na forma da aquisição do apartamento, na sua reforma e decoração e no armazenamento de parte de seu acervo pessoal. O ex-presidente é acusado de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
Os advogados de defesa e Moro chegaram a trocar palavras ríspidas. Falaram como testemunhas da acusação, nesta segunda, o ex-senador Delcídio do Amaral; Eduardo Leite e Dalton Avancini, ex-diretores da Camargo Corrêa, e Augusto Mendonça, do grupo Setal. Todos eles são delatores. Ruim para o PT: todos foram unânimes em apontar a existência de um azeitado e gigantesco esquema de propina, que tinha partidos e políticos como beneficiários — e, obviamente, no centro do teatro de operações, estava o PT, de que Lula sempre foi o chefe máximo. Delcídio foi o mais eloquente em afirmar que o ex-presidente sempre soube de tudo.
Bom para Lula: todos também foram unânimes em afirmar que desconheciam se o tal tríplex foi adquirido por ele ou foi reformado com dinheiro de propina. Para lembrar: o apartamento de Guarujá está em nome da OAS. O MPF diz que o conjunto de circunstâncias aponta que o imóvel pertence a Lula e que o fato de a empreiteira aparecer como dona é uma evidência justamente da lavagem de ativos. Os ouvidos também disseram jamais ter tratado pessoalmente de propina com Lula.
Os advogados do ex-presidente aproveitaram o fato de que as testemunhas disseram nada saber do apartamento e emitiram uma nota em que se lê:
“Como era esperado, os quatro delatores arrolados pelo Ministério Público Federal para depor em audiência realizada nesta data (21/11) na 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba não apresentaram qualquer elemento que confirme a tese acusatória relativa à propriedade de um apartamento tríplex, no Guarujá, pelo ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua esposa, Marisa Letícia. Tampouco afirmaram a participação do ex-Presidente em qualquer ilícito na Petrobrás. O ex-senador Delcídio do Amaral, um dos delatores ouvidos, disse nada saber sobre essa acusação do tríplex, limitando-se a repetir suas já conhecidas afirmações vagas e sem provas. Há muito Delcídio vem falando que Lula desta vez “não escapa”. Essa obsessão por incriminar o ex-Presidente, mesmo sabendo de sua inocência, foi hoje mais uma vez comprovada. Delcídio foi incapaz de apontar um fato ou conversa concreta em relação a Lula.”
Nesta quarta e na sexta, estão previstos os depoimentos de três outros delatores — os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró e o ex-deputado Pedro Corrêa — e do pecuarista e amigo de Lula José Carlos Bumlai.
IrritaçãoMoro acabou se irritando com o que considerou excesso de questões de ordem propostas pela defesa, que tentou impedir a linha de argumentação do MPF segundo a qual Lula só poderia ser beneficiário dos escândalos da Petrobras uma vez que a ele cabia, em última instância, decidir quem seria e quem não seria nomeado para a estatal. Moro chegou a pedir ao MPF que corrigisse algumas questões, mas acabou acusando os defensores do ex-presidente de “tumultuar a audiência”. Segundo o juiz, tal linha de argumentação servia para dar o contexto do caso. O advogado Juarez Cirino reagiu: “Mas qual é o contexto? Só existe na cabeça de vossa excelência. O contexto, para nós, é a denúncia”.
Entenda o embate jurídicoNotem: assim como os que depuseram nesta segunda, também as outras testemunhas arroladas pelo MPF dirão que nada sabem sobre Lula ser ou não dono do tríplex — até porque, reitere-se, o apartamento não está em seu nome. Podem apostar nisso. Qual é a lógica da acusação? Arrolar testemunhas que indiquem que o petista sempre esteve no controle de tudo. Se isso é verdade e se sobram evidências da proximidade de Lula e sua família com o apartamento, então se provaria, pelo conjunto da obra, que o imóvel, a reforma e a transferência do acervo fizeram parte das vantagens indevidas recebidas pelo ex-presidente.
Quem vai tomar a decisão? Sergio Moro. Importante: os testemunhos são apenas um dos elementos do processo. Há outros dados que ele pode considerar probatórios. Se achar que o conjunto prova a acusação do MPF, vai condenar Lula. “Aí ele vai preso, né?” Depende da sentença. E caberá recurso. Segundo decisão recente do Supremo, o cumprimento da pena de prisão já pode se dar a partir da condenação na segunda instância, não na primeira.
“Mas será que existe a chance de Moro absolver Lula, Reinaldo?” Bem, chance sempre existe. Afinal, ele é um juiz. Não um juiz de condenação. Isso não existe. Mas nem o mais otimista dos petistas acredita nisso.

Empresário que criou o Big Mac morre aos 98 anos


michael-jim-delligatti-ap-16335557290045
Morreu nesta segunda (28), aos 98 anos, o americano Michael "Jim" Deligatti, franqueado do McDonald's que inventou o Big Mac. Nos anos 60, época em que o McDonald's vendia apenas milk-shakes e cheeseburgers simples, o empresário quis inovar e criou uma versão maior e mais recheada do sanduíche da marca.

A receita foi rejeitada porque as vendas do outros produtos iam bem. Apesar da recusa, o McDonald's deixou que ele vendesse o sanduíche em suas 47 lojas na região de Pittsburgh, nos Estados Unidos e, percebendo o sucesso, incluiu o sanduba no menu principal. O Big Mac foi lançado oficialmente em 1968 nos Estados Unidos e mais tarde, no mundo todo. Em 2007, a rede inaugurou o Big Mac Museum.
De tão popular, o hambúrguer se transformou em "indicador econômico": a revista The Economist criou em 1986 o índice Big Mac, que compara o preço do produto em dólar em mais de 100 países.

Após meses de negociações, Jô Soares define último entrevistado do seu programa

Jô Soares já escolheu quem será o último entrevistado do seu programa na Rede Globo.
Segundo o colunista Daniel Castro, o apresentador vai receber em seu programa o cartunista Ziraldo em uma entrevista que será feita excepcionalmente no dia 16 de dezembro, data também da exibição da última edição da atração.
Jô Soares - Divulgação Rede Globo"Além de ter sido a pessoa que mais entrevistas me deu, quando eu estreei o programa [em 1988] ele me ligou e disse que não durava duas semanas. Quando escrevi [o best-seller O] Xangô [de Baker Street] ele falou que, com esse nome, não venderia nada. Então vou entrevistá-lo por causa dessas previsões", justifica Jô.
Durante 28 anos fazendo talk shows, Jô entrevistou o cartunista 23 vezes, entre o SBT e a Globo. Desde o ano de 2010, Ziraldo vai ao 'Programa do Jô' todos os anos.
Jô quer que a última entrevista de seu programa tenha a "naturalidade de qualquer outro programa".
Jô tentou várias personalidades para terminar seu programa, entre elas Silvio Santos e Roberto Irineu Marinho, presidente do Grupo Globo.
"Eu primeiro gostaria de ter como último entrevistado o Roberto Irineu (Marinho, presidente do Grupo Globo), que é meu amigo há muitos anos, mas ele é muito tímido. Depois eu tive a ideia de entrevistar o Silvio Santos, mas ele vem com essa história de que uma tal 'cartomante de New Orleans' disse que, se ele der entrevista, no dia seguinte ele estará morto. Antigamente ele dizia que não podia me dar entrevista porque, se desse, teria de dar também entrevistas para todo mundo. Agora é que surgiu a história da cartomante", ironizou o apresentador.
Com 78 anos, Jô Soares não quer parar de trabalhar. Atualmente o showman, que além de apresentador é ator, cenógrafo, roteirista, tradutor e escritor, comemora a lotação esgotada das duas peças em cartaz atualmente: "Histeria" (texto de Terry Johnson), com Pedro Paulo Rangel, Cássio Scapin, no Tuca; e "Tróilo e Créssida" (Sesi), de Shakespeare, com Maria Fernanda Cândido, Adriane Galisteu e Guilherme Santanna, entre outros.

Trump quer tirar a cidadania de quem queimar a bandeira dos EUA

Candidato republicano Donald TrumpDepois de um período longe de polêmicas na internet, o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a fazer promessas que não pode cumprir em seu Twitter. “Ninguém deveria poder queimar a bandeira americana – se o fizerem, devem haver consequências – talvez a perda de cidadania ou tempo na cadeia”, escreveu o republicano, na terça-feira.
Trump sugeriu a ideia logo após a emissora Fox News transmitir uma reportagem sobre um protesto na faculdade Hampshire College, em Massachusetts. Uma bandeira dos Estados Unidos foi queimada por um estudante da instituição, durante um protesto contra a vitória de Trump nas urnas.
De acordo com o jornal The New York Times, porém, seria quase impossível que o magnata pudesse colocar sua proposta em prática. Primeiro, Trump precisaria persuadir o Congresso a passar um estatuto criminalizando o ato da queima da bandeira, uma mudança importante no balanço entre poder governamental e liberdade individual prezado pelas instituições americanas.
Mesmo que o presidente eleito levasse a regra para frente, pessoas condenadas encontrariam precedentes em decisões da Suprema Corte que mostram que a perda da cidadania é uma violação constitucional. Segundo o Times, a Justiça no caso Afroyim vs. Rusk, de 1967, que o governo não poder expatriar americanos contra sua vontade. Outro obstáculo é o caso Texas vs. Johnson, de 1989, que aponta que a queima de bandeiras é uma forma de expressão política defendida pela Primeira Emenda da Constituição do país.

Acordo com Irã

Trump recebeu um conselho claro do diretor da CIA, John Brennan, nesta quarta-feira. Em uma entrevista à emissora britânica BBC, Brennan afirmou que seria “desastroso” encerrar o acordo com o Irã, que previne que países desenvolva armas nucleares. Durante a campanha, o republicano ameaçou diversas vezes que iria desfazer o acordo, mas, para Brennan, a decisão fortaleceria os políticos de linha dura no Irã e poderia persuadir outros países a seguirem o mesmo caminho.

Saiba como votou cada deputado sobre a medida que pune juízes

Deputados incluíram medidas polêmicas e retiraram propostas consideradas essenciais do pacote de medidas contra corrupção proposto pelo Ministério Público Federal: camara-desfigura-pacote-contra-a-corrupcaoNesta madrugada, deputados incluíram no pacote de medidas contra a corrupção proposto pelo Ministério Público uma emenda que propõe punir o abuso de autoridade praticado por juízes e membros do Ministério Público (MP), sob o argumento de que não se pode admitir “privilégios a ninguém”.
Em votação nominal, a emenda ao pacote anticorrupção foi aprovada na Câmara por 313 votos a favor, 132 contrários e cinco abstenções.
Confira, a seguir, como votou cada um dos 513 deputados:

Sim: Alberto Fraga DEM-DF; Alexandre Leite DEM-SP; Claudio Cajado DEM-BA; Efraim Filho DEM-PB; Elmar Nascimento DEM-BA; Felipe Maia DEM-RN; Francisco Floriano DEM-RJ; Hélio Leite DEM-PA; Jorge Tadeu Mudalen DEM-SP; José Carlos Aleluia DEM-BA; Juscelino Filho DEM-MA; Marcelo Aguiar DEM-SP; Misael Varella DEM-MG; Missionário José Olimpio DEM-SP; Paulo Azi DEM-BA; Professora Dorinha Seabra Rezende DEM-TO; Sóstenes Cavalcante DEM-RJ; Afonso Motta PDT-RS; André Figueiredo PDT-CE; Assis do Couto PDT-PR; Carlos Eduardo Cadoca PDT-PE; Dagoberto PDT-MS; Félix Mendonça Júnior PDT-BA; Flávia Morais PDT-GO; Hissa Abrahão PDT-AM; Leônidas Cristino PDT-CE; Mário Heringer PDT-MG; Pompeo de Mattos PDT-RS; Ronaldo Lessa PDT-AL; Sergio Vidigal PDT-ES; Weverton Rocha PDT-MA; Erivelton Santana PEN-BA; Junior Marreca PEN-MA; Augusto Coutinho SD-PE; Aureo SD-RJ; Benjamin Maranhão SD-PB; Genecias Noronha SD-CE; Laudivio Carvalho SD-MG; Lucas Vergilio SD-GO; Paulo Pereira da Silva SD-SP; Zé Silva SD-MG; Uldurico Junior PV-BA; Ademir Camilo PTN-MG; Aluisio Mendes PTN-MA; Antônio Jácome PTN-RN; Bacelar PTN-BA; Carlos Henrique Gaguim PTN-TO; Dr. Sinval Malheiros PTN-SP; Francisco Chapadinha PTN-PA; Jozi Araújo PTN-AP; Luiz Carlos Ramos PTN-RJ; Ricardo Teobaldo PTN-PE; Luis Tibé PTdoB-MG; Rosinha da Adefal PTdoB-AL; Silvio Costa PTdoB-PE; Adalberto Cavalcanti PTB-PE; Arnon Bezerra PTB-CE; Benito Gama PTB-BA; Cristiane Brasil PTB-RJ; Deley PTB-RJ; Jorge Côrte Real PTB-PE; Jovair Arantes PTB-GO; Nilton Capixaba PTB-RO; Pedro Fernandes PTB-MA; Sérgio Moraes PTB-RS; Wilson Filho PTB-PB; Zeca Cavalcanti PTB-PE; Alberto Filho PMDB-MA; Alceu Moreira PMDB-RS; Altineu Côrtes PMDB-RJ;André Amaral PMDB-PB; Aníbal Gomes PMDB-CE; Baleia Rossi PMDB-SP; Carlos Bezerra PMDB-MT; Carlos Marun PMDB-MS; Celso Jacob PMDB-RJ; Celso Pansera PMDB-RJ; Cícero Almeida PMDB-AL; Daniel Vilela PMDB-GO; Darcísio Perondi PMDB-RS; Elcione Barbalho PMDB-PA; Fábio RamalhoPMDB-MG; Fabio Reis PMDB-SE; Flaviano Melo PMDB-AC; Jarbas Vasconcelos PMDB-PE; Jéssica Sales PMDB-AC; João Arruda PMDB-PR; João Marcelo Souza PMDB-MA; Jones Martins PMDB-RS; José Priante PMDB-PA; Kaio Maniçoba PMDB-PE; Leonardo Quintão PMDB-MG; Lucio Mosquini PMDB-RO; Lucio Vieira Lima PMDB-BA; Manoel Junior PMDB-PB; Marcos Rotta PMDB-AM; Marinha Raupp PMDB-RO; Mauro Lopes PMDB-MG; Mauro Mariani PMDB-SC; Mauro Pereira PMDB-RS; Moses Rodrigues PMDB-CE; Newton Cardoso Jr PMDB-MG; Osmar Serraglio PMDB-PR; Pedro Paulo PMDB-RJ; Rodrigo Pacheco PMDB-MG; Rogério Peninha Mendonça PMDB-SC; Ronaldo Benedet PMDB-SC; Saraiva Felipe PMDB-MG; Soraya Santos PMDB-RJ; Valdir Colatto PMDB-SC; Valtenir Pereira PMDB-MT; Vitor Valim PMDB-CE; Walter Alves PMDB-RN; Erivelton Santana PHS-BA; Junior Marreca PHS-MA; Átila Lins PSD-AM; Diego Andrade PSD-MG; Domingos Neto PSD-CE; Edmar Arruda PSD-PR; Evandro Roman PSD-PR; Expedito Netto PSD-RO; Fábio Mitidieri PSD-SE; Fernando Torres PSD-BA; Herculano Passos PSD-SP; Heuler Cruvinel PSD-GO; Indio da Costa PSD-RJ; Irajá Abreu PSD-TO; Jefferson Campos PSD-SP; José Nunes PSD-BA; Júlio Cesar PSD-PI; Marcos Montes PSD-MG; Marcos Reategui PSD-AP; Paulo Magalhães PSD-BA; Raquel Muniz PSD-MG; Tampinha PSD-MT; rolde de Oliveira PSC-RJ; Gilberto Nascimento PSC-SP; Irmão Lazaro PSC-BA; Júlia Marinho PSC-PA; Takayama PSC-PR; Adilton Sachetti PSB-MT; Átila Lira PSB-PI; César Messias PSB-AC; Creuza Pereira PSB-PE; Danilo Cabral PSB-PE; Danilo Forte PSB-CE; Heráclito Fortes PSB-PI; Hugo Leal PSB-RJ; João Fernando Coutinho PSB-PE; José Reinaldo PSB-MA; Keiko Ota PSB-SP; Marinaldo Rosendo PSB-PE; Rafael Motta PSB-RN; Rodrigo Martins PSB-PI; Tadeu Alencar PSB-PE; Tereza Cristina PSB-MS; Alan Rick PRB-AC; Antonio Bulhões PRB-SP; Beto Mansur PRB-SP; Carlos Gomes PRB-RS; César Halum PRB-TO; Cleber Verde PRB-MA; Jhonatan de Jesus PRB-RR; João Campos PRB-GO; Jony Marcos PRB-SE; Lindomar Garçon PRB-RO; Márcio Marinho PRB-BA; Ricardo Bentinho PRB-SP; Roberto Alves PRB-SP; Roberto Sales PRB-RJ; Ronaldo Martins PRB-CE; Rosangela Gomes PRB-RJ; Silas Câmara PRB-AM; Tia Eron PRB-BA; Vinicius Carvalho PRB-SP; Adelson Barreto PR-SE; Aelton Freitas PR-MG; Alexandre Valle PR-RJ; Alfredo Nascimento PR-AM; Cabo Sabino PR-CE; Capitão Augusto PR-SP; Clarissa Garotinho PR-RJ; Delegado Edson Moreira PR-MG; Giacobo PR-PR; Giovani Cherini PR-RS; Gorete Pereira PR-CE; João Carlos Bacelar PR-BA; Jorginho Mello PR-SC; José Carlos Araújo PR-BA; Laerte Bessa PR-DF; Lúcio Vale PR-PA; Magda Mofatto PR-GO; Marcelo Álvaro Antônio PR-MG; Marcio Alvino PR-SP; Miguel Lombardi PR-SP; Milton Monti PR-SP; Paulo Feijó PR-RJ; Paulo Freire PR-SP; Remídio Monai PR-RR; Silas Freire PR-PI; Tiririca PR-SP; Vicentinho Júnior PR-TO; Wellington Roberto PR-PB; Zenaide Maia PR-RN;Aguinaldo Ribeiro PP-PB; André Abdon PP-AP; Arthur Lira PP-AL; Beto Rosado PP-RN; Beto Salame PP-PA; Cacá Leão PP-BA; Dilceu Sperafico PP-PR; Dimas Fabiano PP-MG; ;Eduardo da Fonte PP-PE; Ezequiel Fonseca PP-MT; ;Fausto Pinato PP-SP; ;Fernando Monteiro PP-PE; ;Franklin Lima PP-MG; Hiran Gonçalves PP-RR; Iracema Portella PP-PI; Julio Lopes PP-RJ; Lázaro Botelho PP-TO; Luis Carlos Heinze PP-RS; Luiz Fernando Faria PP-MG; Macedo PP-CE; Maia Filho PP-PI; Mário Negromonte Jr. PP-BA; Nelson Meurer PP-PR; Odelmo Leão PP-MG; Renato Molling PP-RS; Renzo Braz PP-MG; Roberto Balestra PP-GO; Roberto Britto PP-BA; Ronaldo Carletto PP-BA; Rôney Nemer PP-DF; Simão Sessim PP-RJ; Toninho Pinheiro PP-MG; Waldir Maranhão PP-MA; Bonifácio de Andrada PSDB-MG; Caio Narcio PSDB-MG; Geraldo Resende PSDB-MS; Giuseppe Vecci PSDB-GO; Marco Tebaldi PSDB-SC; Nelson Marchezan Junior PSDB-RS; Nilson Pinto PSDB-PA; Raimundo Gomes de Matos PSDB-CE; Rodrigo de Castro PSDB-MG; Rogério Marinho PSDB-RN; Alfredo Kaefer PSL-PR; Dâmina Pereira PSL-MG; Adelmo Carneiro Leão PT-MG; Afonso Florence PT-BA; Ana Perugini PT-SP; Angelim PT-AC; Arlindo Chinaglia PT-SP; Assis Carvalho PT-PI; Benedita da Silva PT-RJ; Beto Faro PT-PA; Bohn Gass PT-RS; Caetano PT-BA; Carlos Zarattini PT-SP; Chico D Angelo PT-RJ; Enio Verri PT-PR; Erika Kokay PT-DF; Fabiano Horta PT-RJ; Gabriel Guimarães PT-MG; Givaldo Vieira PT-ES; Helder Salomão PT-ES; Henrique Fontana PT-RS; João Daniel PT-SE; Jorge Solla PT-BA; José Airton Cirilo PT-CE; José Guimarães PT-CE; José Mentor PT-SP; Leo de Brito PT-AC; Leonardo Monteiro PT-MG; Luiz Couto PT-PB; Luiz Sérgio PT-RJ; Luizianne Lins PT-CE; Marco Maia PT-RS; Marcon PT-RS; Margarida Salomão PT-MG; Maria do Rosário PT-RS; Moema Gramacho PT-BA; Nelson Pellegrino PT-BA; Nilto Tatto PT-SP; Padre João PT-MG; Patrus Ananias PT-MG; Paulão PT-AL; Paulo Pimenta PT-RS; Paulo Teixeira PT-SP; Pedro Uczai PT-SC; Pepe Vargas PT-RS; Reginaldo Lopes PT-MG; Ságuas Moraes PT-MT; Valmir Assunção PT-BA; Valmir Prascidelli PT-SP; Vander Loubet PT-MS; Vicente Candido PT-SP; Vicentinho PT-SP; Waldenor Pereira PT-BA; Zé Geraldo PT-PA;;Zeca Dirceu PT-PR; Zeca do Pt PT-MS; Arthur Oliveira Maia PPS-BA; Alice Portugal PCdoB-BA; Angela Albino PCdoB-SC; Chico Lopes PCdoB-CE; Daniel Almeida PCdoB-BA; Jandira Feghali PCdoB-RJ; Moisés Diniz PCdoB-AC; Orlando Silva PCdoB-SP; 

Não: Abel Mesquita Jr. DEM-RR; Carlos Melles DEM-MG; Eli Corrêa Filho DEM-SP; Mandetta DEM-MS; Marcos Rogério DEM-RO; Onyx Lorenzoni DEM-RS; Pauderney Avelino DEM-AM; Subtenente Gonzaga PDT-MG; Walney Rocha PEN-RJ; Alessandro Molon Rede-RJ; Aliel Machado Rede-PR; João Derly Rede-RS; Miro Teixeira Rede-RJ; Augusto Carvalho SD-DF; Carlos Manato SD-ES; Fernando Francischini SD-PR; Major Olimpio SD-SP; Evair Vieira de Melo PV-ES; Evandro Gussi PV-SP; Leandre PV-PR; Roberto de Lucena PV-SP; Alexandre Baldy PTN-GO; Ezequiel TeixeiraPTN-RJ; Renata Abreu PTN-SP; Cabo Daciolo PTdoB-RJ; Alex Canziani PTB-PR; Arnaldo Faria de Sá PTB-SP; Josué Bengtson PTB-PA; Luiz Carlos Busato PTB-RS; Paes Landim PTB-PI; Alexandre Serfiotis PMDB-RJ; Celso Maldaner PMDB-SC; Edinho Araújo PMDB-SP; Edinho Bez PMDB-SC; Hildo Rocha PMDB-MA; José Fogaça PMDB-RS; Lelo Coimbra PMDB-ES; Pedro Chaves PMDB-GO; Sergio Zveiter PMDB-RJ; Weliton Prado PMB-MG; Walney Rocha PHS-RJ; André de Paula PSD-PE; Antonio Brito PSD-BA; Danrlei de Deus Hinterholz PSD-RS; Delegado Éder Mauro PSD-PA; Fábio Faria PSD-RN; Goulart PSD-SP; Jaime Martins PSD-MG; Joaquim Passarinho PSD-PA; Reinhold Stephanes PSD-PR; Rogério Rosso PSD-DF; Rômulo Gouveia PSD-PB; Sandro Alex PSD-PR; Thiago Peixoto PSD-GO; Eduardo Bolsonaro PSC-SP; Jair Bolsonaro PSC-RJ; Bebeto PSB-BA; Flavinho PSB-SP; Heitor Schuch PSB-RS; Janete Capiberibe PSB-AP; JHC PSB-AL; Jose Stédile PSB-RS; Júlio Delgado PSB-MG; Leopoldo Meyer PSB-PR; Luciano Ducci PSB-PR; Luiz Lauro Filho PSB-SP; Severino Ninho PSB-PE; Tenente Lúcio PSB-MG; ros Biondini PROS-MG; Felipe Bornier PROS-RJ; Ronaldo Fonseca PROS-DF; Toninho Wandscheer PROS-PR; Celso Russomanno PRB-SP; Cajar Nardes PR-RS; Christiane de Souza Yared PR-PR; Dr. João PR-RJ; Luiz Nishimori PR-PR; Afonso Hamm PP-RS; Conceição Sampaio PP-AM; Covatti Filho PP-RS; Jerônimo Goergen PP-RS; Jorge Boeira PP-SC; Marcelo Belinati PP-PR; Marcus Vicente PP-ES; Antonio Imbassahy PSDB-BA; Betinho Gomes PSDB-PE; Bruna Furlan PSDB-SP; Bruno Covas PSDB-SP; Carlos Sampaio PSDB-SP; Daniel Coelho PSDB-PE; Domingos Sávio PSDB-MG; Eduardo Barbosa PSDB-MG; Eduardo Cury PSDB-SP; Fábio Sousa PSDB-GO; Geovania de Sá PSDB-SC; Izalci Lucas PSDB-DF; João Gualberto PSDB-BA; João Paulo Papa PSDB-SP; Jutahy Junior PSDB-BA; Lobbe Neto PSDB-SP; Luiz Carlos Hauly PSDB-PR; Mara Gabrilli PSDB-SP;  arcus Pestana PSDB-MG; Mariana Carvalho PSDB-RO; Max Filho PSDB-ES; Miguel Haddad PSDB-SP; Nilson Leitão PSDB-MT; Otavio Leite PSDB-RJ; Paulo Abi-Ackel PSDB-MG; Pedro Cunha Lima PSDB-PB; Pedro Vilela PSDB-AL; Ricardo Tripoli PSDB-SP; Rocha PSDB-AC; Silvio Torres PSDB-SP; Vanderlei Macris PSDB-SP; Vitor Lippi PSDB-SP; Edmilson Rodrigues PSOL-PA; Glauber Braga PSOL-RJ; Ivan Valente PSOL-SP; Jean Wyllys PSOL-RJ; Luiza Erundina PSOL-SP; Andres Sanchez PT-SP; Alex Manente PPS-SP; Arnaldo Jordy PPS-PA; Carmen Zanotto PPS-SC; Eliziane Gama PPS-MA; Marcos Abrão PPS-GO; Pollyana Gama PPS-SP; Rubens Bueno PPS-PR; 

Abstenções: Wolney Queiroz PDT-PE; Josi Nunes PMDB-PR-TO; Bilac Pinto PR-MG; Luiz Cláudio PR-RO; Esperidião Amin PP-SC

Elize armou emboscada para matar Matsunaga, diz investigador de polícia

Começou o terceiro dia do júri de Elize Matsunaga, acusada de matar e esquartejar o ex-marido, o empresário Marcos Kitano Matsunaga, em 2012. Ainda na fase de escuta das testemunhas de acusação, o investigador de polícia Fábio Luís Ribeiro prestou depoimento na manhã desta quarta-feira, 30, no Fórum Criminal da Barra Funda, na zona oeste da capital paulista. Foi o policial quem analisou e editou o vídeo com as imagens de câmeras de segurança do prédio onde o casal morava.
O investigador falou por pouco mais de uma hora. Segundo afirmou, as equipes de investigação do DHPP, composta por dez policiais civis, concluíram que Elize armou uma emboscada e atirou assim que Marcos entrou no apartamento trazendo a pizza, a distância de centímetros da vítima.
"O orifício do disparo apresentava marcas de chamuscamento, que só ocorre quando o tiro é dado a curta distância", afirmou.
Para a acusação, trata-se de um elemento importante para mostrar que Marcos não teve chance de se defender.
Usando a planta do apartamento, a defesa contestou a versão do policial, que não soube informar de que local Elize fez o disparo. Os advogados da ré também tentaram mostrar aos jurados que o policial não domina conceitos de Polícia Científica e, por isso, não poderia afirmar sobre a distância do tiro.
Outra estratégia da defesa é mostrar que Elize contribuiu nas investigações e que o crime só foi realmente esclarecido após a confissão da ré. Questionado pelo advogado Luciano Santoro, Ribeiro confirmou que a polícia só teve "certeza sobre as investigações" quando Elize assumiu a autoria.
Gravações. As gravações mostram o momento em que Elize, o marido, a filha e a babá chegam ao prédio, ao voltar de viagem para o Paraná no dia 19 de maio, um sábado. Depois, Marcos desce de elevador e volta com uma pizza na mão. "Foi a última vez que ele apareceu", disse Ribeiro, que atuava no Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP).
Ele contou que, na sequência, a ré desce com três malas, onde estavam as partes do corpo do marido no domingo de manhã e só retorna no final da tarde.
Irmão. Nesta terça-feira, 29, o empresário Mauro Kitano Matsunaga, irmão de Marcos Matsunaga, falou por pouco mais de duas horas, em um dos depoimentos mais aguardados do júri. "Ele era meu único irmão. Eu falo para os meus filhos cuidarem muito bem um do outro, porque é muito duro perder um irmão", disse, sem conseguir conter o pranto.
À Justiça, o irmão da vítima declarou que nunca percebeu brigas entre o casal. Segundo relato, viagens e presentes caros eram comuns. "Usava mais o dinheiro dele com ela do que com ele", afirmou Mauro. "Ele endeusava Elize. Colocava ela em outro patamar."
Segundo Mauro, o irmão nunca contou à família que a ré era de origem humilde e nem que havia sido garota de programa. "Acredito que por proteção", afirmou.

Lula cogita assumir presidência do PT para evitar racha no partido


O ex-presidente Lula já cogita a possibilidade de assumir a presidência do Partido dos Trabalhadores (PT), com o objetivo de evitar um racha na legenda. Foi o que ele deu a entender durante um evento em Belo Horizonte, na última segunda-feira (28).
A informação também foi confirmada por um de seus mais próximos interlocutores, que prefere não ter o nome revelado. "Ele ainda resiste, 'faz charme', mas admite que talvez não tenha alternativa a não ser aceitar provisoriamente o posto, a fim de evitar um racha na sigla", disse a fonte.
O ex-presidente e seus partidários também estariam fazendo planos para lançar a sua candidatura à Presidência logo após o carnaval. 
Durante o evento em Minas Gerais, Lula abandonou o figurino cabisbaixo e voltou a se “pintar para a guerra”. A prova é que o ex-presidente retomou um hábito antigo: chamar economistas e comunicadores para reuniões internas. 
Diz um petista: “Não está mais triste. Encheu o saco de ficar na defensiva”.

"As 10 Medidas contra a corrupção não existem mais", diz Janot

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, criticou hoje (30) as mudanças feitas pelos deputados federais no texto original do Projeto de Lei (PL) 4.850/16, que trata das Dez Medidas de Combate à Corrupção, projeto popular incentivado pelo Ministério Público Federal (MPF).  Segundo Janot, as alterações colocaram o país “em marcha a ré no combate à corrupção”. De acordo com o procurador, “as 10 Medidas contra a Corrupção não existem mais”.
A proposta foi aprovada durante a madrugada pelos deputados  no plenário da Câmara, com emendas ao relatório de Onyx Lorenxoni e diversas alterações às medidas propostas inicialmente pelo Ministério Público.
Em nota à imprensa, Janot afirmou que o Ministério Público brasileiro não apoia as alterações no projeto de lei. “As 10 Medidas contra a corrupção não existem mais. O Ministério Público brasileiro não apoia o texto que restou, uma pálida sombra das propostas que nos aproximariam de boas práticas mundiais. O Ministério Público seguirá sua trajetória de serviço ao povo brasileiro, na perspectiva de luta contra o desvio de dinheiro público e o roubo das esperanças de um país melhor para todos nós”, disse.
Na manifestação, Janot afirmou ainda que as alterações são “medidas claramente retaliatórias” e pediu apoio da sociedade para que o projeto não seja concretizado no Senado, para onde segue para votação posterior.
“Um sumário honesto da votação das 10 Medidas, na Câmara dos Deputados, deverá registrar que o que havia de melhor no projeto foi excluído e medidas claramente retaliatórias foram incluídas. Cabe esclarecer que a emenda aprovada, na verdade, objetiva intimidar e enfraquecer Ministério Público e Judiciário”.
Cármen Lúcia: Mais cedo, a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, divulgou uma nota em que também  lamentou a aprovação, pela Câmara dos Deputados, do crime de abuso de autoridade para juízes e procuradores.

Força-tarefa ameaça deixar Lava Jato após decisão da Câmara


Os procuradores da Força-Tarefa da Operação Lava Jato afirmaram que podem deixar as investigações caso a proposta de abuso de autoridade seja sancionada.
size_960_16_9_lavajato.jpg
O plenário da Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta quarta-feira (30), por 313 votos a 132 e cinco abstenções, a possibilidade de juízes e membros do Ministério Público serem processados por crimes de abuso de autoridade.

“Viemos a público para denunciar o golpe mais forte desferido contra a Lava Jato concretamente em toda a sua história pelo Congresso Nacional”, afirmou o procurador Deltan Dallagnol durante coletiva de imprensa na tarde desta quarta.
Segundo ele, com a decisão da Câmara, as 10 medidas contra a corrupção foram rasgadas. “A Câmara sinalizou o começo do fim da Lava Jato”, disse Dallagnol. 
“Eles aproveitaram um projeto de combate à corrupção para se protegerem”, afirmou o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima. “Vamos renunciar coletivamente se à Lava Jato caso essa proposta seja sancionada pelo presidente”.

STJ nega novo recurso de Lula sobre investigação de tríplex no Guarujá

O ministro Marcelo Navarro Ribeiro Dantas, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou hoje (30) mais um pedido feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para suspender as investigações sobre um apartamento tríplex, no Guarujá (litoral de São Paulo), que envolvem o seu cliente.
A defesa de Lula buscava rever uma decisão anterior do próprio Dantas, proferida no fim de outubro, quando o magistrado confirmou o desmembramento promovido pelo juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, que devolveu parte das investigações sobre o tríplex para a Justiça de São Paulo, estado de origem do inquérito.
Na decisão de outubro, confirmada nesta quarta-feira, Dantas negou irregularidades alegadas pela defesa. "Tendo havido anuência, e não choque de entendimentos entre os julgadores em questão sobre o que caberia a cada um deles julgar, não há como falar em conflito de competência”, escreveu o magistrado.
Em agosto, Lula e sua esposa, Marisa Letícia, foram indiciados pela Polícia Federal por terem sido "beneficiários de vantagens ilícitas" na reforma do triplex e na guarda de bens do ex-presidente em um guarda-volumes. 

Esgoto bruto no CANAL DA AVENIDA JUNDIAÍ no bairro Sumaré...


Bastou descuidar um pouquinho para voltarem a despejar esgoto bruto no CANAL DA AVENIDA JUNDIAÍ no bairro Sumaré...

Até quando vamos ter que conviver com esta situação sem que a o poder público municipal tome as medidas fiscalização que o caso requer.

O esgoto lançado neste canal vai direito para a praia do camaroeiro contaminando todo o meio ambiente e praia.


Várias denúncias foram feitas e até a presente data os Secretário de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca senhor Auracy Mansano Filho e Secretária Adjunta senhora Natalia Pereira Cardozo - Secretária de Saúde Dr. Juan Lambert dos Santos - Secretária Adjunta senhora Luciana Fadel Locatelli não ficar conseguiram identificar os autores deste crime.















Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro