quarta-feira, 2 de março de 2016

Deborah Secco posa com a filha e o marido para agradecer pela família

<p>Deborah Secco voltou a celebrar a vida em uma postagem feita no Instagram. Nesta quarta-feira (2), a atriz posou com a filha, Maria Flor, e o marido, Hugo Moura, em clima de pura alegria. </p><p>"Obrigada, meu Deus. Absoluta gratidão", escreveu na legenda da imagem compartilhada com os fãs na rede social. </p><p>Os seguidores adoraram o registro e não deixaram de elogiar o trio. "Fofinhos", comentou um internauta. "Parecida com o papai", apontou outra. "Essa menininha é muito gatinha. Olha a linguinha dela", publicou uma terceira. </p>

Deborah Secco voltou a celebrar a vida em uma postagem feita no Instagram. Nesta quarta-feira (2), a atriz posou com a filha, Maria Flor, e o marido, Hugo Moura, em clima de pura alegria.
"Obrigada, meu Deus. Absoluta gratidão", escreveu na legenda da imagem compartilhada com os fãs na rede social.
Os seguidores adoraram o registro e não deixaram de elogiar o trio. "Fofinhos", comentou um internauta. "Parecida com o papai", apontou outra. "Essa menininha é muito gatinha. Olha a linguinha dela", publicou uma terceira.
<p>Quase três meses após dar à luz Maria Flor, Deborah Secco mostrou a barriga trincada durante um intervalo na malhação, no dia 27 de fevereiro. </p><p>A artista posou ao lado do marido, Hugo Moura, e de mais dois amigos. </p>
Quase três meses após dar à luz Maria Flor, Deborah Secco mostrou a barriga trincada durante um intervalo na malhação, no dia 27 de fevereiro.
A artista posou ao lado do marido, Hugo Moura, e de mais dois amigos.

ESCLARECIMENTO

Boa noite, recebi esta nota e estou compartilhando com os meus seguidores....

A fim de prevenir alarmes falsos, favor tomar ciência do comunicado abaixo e compartilhar... haja vista vir de fonte segura fundamentada em fatos. Por SERGIO ARNALDO BRAZ (Secretario Municipal de Serviços Públicos): Para ciência de todos. Estão veiculando uma msg de whats up onde supostamente a Defesa Civil de Caraguatatuba noticiou possibilidade de uma "tromba d'água" esta noite.
PURA INVERDADE - O Capitão Romano (Diretor da Defesa Civil de Caraguá) acabou de sair da reunião com na Casa Militar e a estimativa é q nesta madrugada tenhamos CHUVA MODERADA em índice inferior ao que existiu nos últimos dias. Caso recebam a falsa notícia respondam com essa por favor. 

P. S.: Assinam Dr.Marcelo Paiva de Medeiros (Secretário Municipal de Desenvolvimento Social e Cidadania; Cap PM emerito Oduvaldo Romano (Diretor Municipal de Defesa Civil).

Ass. : CONSEG Caragua.

Belo é detonado por Luiz Carlos, do Raça Negra: 'Tem mania de não ir aos shows'

Belo é detonado por Luiz Carlos, do Raça Negra, na terça-feira, 01 de março de 2016: 'Tem mania de não ir aos shows'

Cantor esteve ao lado de Alexandre Pires na coletiva do 'Gigantes do Samba' e comentou a saída do marido de Gracyanne Barbosa do projeto
O cantor Belo já se desculpou pelas falhas cometidas ao longo do processo de criação da turnê do projeto "Gigantes do Samba". Falhas que inclusive tiraram o artista do projeto.Mas, parece que Alexandre Pires e Luiz Carlos, do Raça Negra, que seguem com o projeto, continuam chateados. Na noite de terça-feira (01), eles promoveram uma coletiva de imprensa e falaram sobre a saída do marido de Gracyanne Barbosa e sobre os pedidos dos fãs para qu ele retorne ao "Gigantes do Samba".
"Como os fãs podem pedir pelo retorno do Belo? Ele não pode voltar, porque ele nunca veio. Ele não foi aos ensaios, não apareceu em nenhum dos nossos compromissos. Nós não afastamos ele, ele é que se afastou", disse Luiz Carlos sobre o artista que está devendo R$ 700 mil para o dono de uma boate na Barra.
O vocalista da banda Raça Negra falou também que Belo é conhecido por faltar aos compromisso que fecha. Vale lembrar que há algum tempo, ele não foi ao programa de Raul Gil, depois de acertar tudo com a produção e fez o apresentador chorar. "Nosso objetivo era incluir um elemento novo, mas, infelizmente, ele (Belo) não entendeu assim. Não é segredo para ninguém, ele tem uma mania feia de não ir nos shows. Queria perguntar para ele o motivo dele não aparecer nos ensaios, nas gravações. Ele que não quis participar dos Gigantes. A vida segue e vamos seguir com o Gigantes do Samba", finalizou Luiz Carlos.

Luana Piovani posa no estilo loira fatal em bastidores da "Playboy"

<p>Luana Piovani continua instigando a curiosidade do público em relação a seu ensaio para a "Playboy" com amostras dos bastidores do projeto. Nesta quarta-feira (2), a atriz postou uma foto em que aparece no estilo loira fatal em seu Instagram.</p><p>Na imagem, a musa pode ser vista sem camisa, com maquiagem forte, cabelão solto e taça de champanhe na mão.</p><p>A beldade será estrela do primeiro número da nova fase da publicação, que retornará às bancas em abril.</p><p>A esposa de Pedro Scooby passou dois dias fotografando como veio ao mundo em uma mansão no Rio de Janeiro. </p><p>O grande mistério do ensaio é se Luana irá permitir que sejam publicadas fotos de nu frontal ou não. </p>

Luana Piovani continua instigando a curiosidade do público em relação a seu ensaio para a "Playboy" com amostras dos bastidores do projeto. Nesta quarta-feira (2), a atriz postou uma foto em que aparece no estilo loira fatal em seu Instagram.
Na imagem, a musa pode ser vista sem camisa, com maquiagem forte, cabelão solto e taça de champanhe na mão.
A beldade será estrela do primeiro número da nova fase da publicação, que retornará às bancas em abril.
A esposa de Pedro Scooby passou dois dias fotografando como veio ao mundo em uma mansão no Rio de Janeiro.
O grande mistério do ensaio é se Luana irá permitir que sejam publicadas fotos de nu frontal ou não.
<p>Pelo visto, Luana Piovani aprendeu com a mãe a não levar desaforo para casa. Assim como a atriz, Dona Francis não pensa duas vezes antes de rebater comentários maldosos sobre a herdeira nas redes sociais e deu um fora em alguns internautas nos últimos dias.</p><p>“A inveja quando não mata, aleija”, disse a um seguidor que criticou uma foto da loira nos bastidores de seu ensaio para a "Playboy".</p><p>Já a outro internauta que chamou Luana de antipática, a veterana detonou: “Você segue pessoa chata? Que vida vazia, inútil! Não tem nada melhor pra se dedicar? Vida amarga a sua, você destila fel”.</p><p>Vira e mexe, a esposa de Pedro Scooby também rebate as críticas que recebe em seu Instagram. Sem papas na língua, a beldade não economiza nas respostas mal criadas. </p>
Pelo visto, Luana Piovani aprendeu com a mãe a não levar desaforo para casa. Assim como a atriz, Dona Francis não pensa duas vezes antes de rebater comentários maldosos sobre a herdeira nas redes sociais e deu um fora em alguns internautas nos últimos dias. “A inveja quando não mata, aleija”, disse a um seguidor que criticou uma foto da loira nos bastidores de seu ensaio para a "Playboy"
<p>Luana Piovani aproveitou a segunda-feira (29) com os gêmeos, Liz e Bem, e com o marido, Pedro Scooby, em uma piscina. Em seu Instagram, a atriz disse que o ambiente estava preparado especialmente para os bebês. </p><p>“Primeiro banho de piscina pós filtro de ozônio. Nada de química, bom para todo mundo. Para os bebes, para os olhinhos do Bolota, para o meu cabelo e para o mundo”, escreveu na rede social.</p><p>A atriz ainda se derreteu pelos filhos ao colocar as hashtags “gratidão” e “amor só faz conta de multiplicação” na legenda do clique. </p>
Luana Piovani curtiu com os gêmeos, Liz e Bem, e com o marido, Pedro Scooby, o dia de folga em uma piscina. Em seu Instagram, a atriz disse que o ambiente estava preparado especialmente para os bebês: “Primeiro banho de piscina pós filtro de ozônio. Nada de química, bom para todo mundo".
<p>Nesta sexta-feira (26), André Sanseverino, novo dono da "Playboy", comentou a respeito das primeiras fotos de Luana Piovani para a nova edição da revista.</p><p>"Estou muito satisfeito com o resultado, com o desempenho e a entrega de Luana nesse ensaio. Está ficando fantástico. Ela e todos nós estamos muito felizes e satisfeitos”, afirmou ao jornal "Extra".</p><p>Já sobre os detalhes do trabalho, o empresário destacou: “Como a ‘Playboy’ não paga mais cachê, a vontade da estrela prevalece em tudo. A Luana fica livre para decidir o que vai mostrar nas fotos e de que forma ela quer conduzir o ensaio. E ela não vai nos decepcionar”.</p><p>Vale lembrar que os cliques estão sendo feitos em um casarão no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro. A revista com a famosa chega às bancas em abril.</p>
André Sanseverino, novo dono da "Playboy", comentou a respeito das primeiras fotos de Luana Piovani para a nova edição da revista. "Estou muito satisfeito com o resultado, com o desempenho e a entrega de Luana nesse ensaio. Está ficando fantástico. Ela e todos nós estamos muito felizes e satisfeitos”.
<p><a href="https://www.instagram.com/p/BCOIuzSt59_/?taken-by=sennarafael">Assista ao vídeo aqui!</a></p><p>Luana Piovani brindou os fãs com fotos e vídeos dos bastidores do trabalho na "Playboy". Em um deles, a gata aparece dançando ao som de "Sorry" - hit de Justin Bieber</p>
Luana Piovani brindou os fãs com fotos e vídeos dos bastidores do trabalho na "Playboy". Em um deles, a gata aparece dançando ao som de "Sorry" - hit de Justin Bieber.

Julia Lemmertz não chama Alexandre Borges de 'ex': 'Amor para o resto da vida'

Julia Lemmertz não chama Alexandre Borges de 'ex': 'Amor para o resto da vida'

Em entrevista, ela comenta a separação do ator, com quem foi casada por 22 anos
Em 2015, Julia Lemmertz e Alexandre Borges anunciaram o fim do casamento de 22 anos e pegaram muita gente de surpresa. Mas a atriz, que logo após a separação negou namoro com um advogado e, posteriormente, com um diretor de fotografia, não gosta da expressão "ex-marido" para se referir ao pai de seu filho caçula, Lucas, de 15 anos. Ainda afirmou considerar o termo "bizarro e inadequado".
"Não é ex nada. É o amor que mudou de configuração, e a gente vai descobrir que configuração é essa. Não sei bem qual vai ser", disse Julia. "Tudo isso é um processo, uma fase de mudança. Estou me ouvindo mais, para deixar a coisa se assentar e ver que relação é essa que irá se formar. Porque o Alexandre sempre será uma pessoa importantíssima, um amor para o resto da vida", continuou.
Longe da TV desde o fim da novela "Além do Tempo", em janeiro, Julia se dedica ao teatro e ao cinema. Por conta dos ensaios para a peça "A Tragédia Latino-Americana", com estreia marcada para 9 de março no Sesc Consolação, em São Paulo, ela se divide entre o Rio e a capital paulista, onde tem passado a semana. A atriz mora com filha Luiza, de 27 anos, em um apartamento no Centro, que pertenceu a seu pai, Lineu Dias. Nos fins de semana, ela viaja até o Rio para visitar Lucas.
"Filho só soma, só acrescenta coisas incríveis na vida. Você pensa em como criar essa pessoa, em como encaminhá-la para viver num mundo com as próprias pernas. É trabalho 'pra burro', mas é muito bom!", derreteu-se a atriz, que também vai estrear o filme "O Pequeno Segredo".

País começa a importar testes de zika

Considerados essenciais para avaliar a dimensão do surto de zika, os teste sorológicos para diagnóstico do vírus - que começam a ser importados nesta semana por empresas no Brasil - ainda causam preocupação entre cientistas quanto à confiabilidade.
Quatro testes sorológicos já foram aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). De resultado rápido, eles detectam anticorpos produzidos pelo corpo após a infecção e, ao contrário dos testes moleculares, conhecidos como PCR, são capazes de diagnosticar a zika em pessoas que já não têm mais o vírus no organismo. Outra vantagem é o preço: enquanto os moleculares custam cerca de R$ 1.600, os sorológicos saem por R$ 200.
De acordo com José Eduardo Levi, professor da USP e chefe do Departamento de Biologia Molecular do Hemocentro de São Paulo, o maior acesso aos testes sorológicos é fundamental do ponto de vista epidemiológico. “Nunca poderemos dimensionar essa epidemia olhando só para testes moleculares.” Segundo ele, o teste sorológico é capaz de detectar infecções recentes mesmo em pessoas sem sintomas - 80% dos casos. “Sem isso, os números atuais de zika são estimativa ou ‘chute’.”
O problema dos testes importados, no entanto, é que, por não terem sido desenvolvidos a partir de vírus isolados no Brasil, poderão ter “falsos positivos”, por causa de reações cruzadas com outros vírus. “Quando o resultado é negativo, o diagnóstico desses testes é confiável. Mas, quando é positivo, é possível que esteja acusando zika em alguém que teve dengue, ou se vacinou contra febre amarela. Minha preocupação é que os testes comerciais, tornando-se acessíveis, multipliquem os resultados falsos positivos”, afirmou Levi.
O patologista Helio Mangarinos Torres Filho, diretor do laboratório Richet, que oferece testes para zika desde maio, não tem o mesmo receio. “Quando chegarem os testes, os laboratórios importadores vão fazer a validação, um controle de qualidade para estabelecer as limitações”, disse.
Segundo ele, os testes sorológicos pedidos atualmente são encaminhados para um ambulatório em Barcelona, na Espanha. “Com a importação, o preço vai cair bastante e o teste ficará mais rápido. Um deles funciona como um teste de gravidez e o resultado sai em 20 minutos.”
Laboratórios anunciam 1º exame triplo contra vírus
Representantes do laboratório da Fundação Baiana de Pesquisa Científica e Desenvolvimento Tecnológico (Bahiafarma) e do Laboratório Farmacêutico de Pernambuco (Lafepe) anunciaram nesta terça-feira, 1º, uma parceria para o desenvolvimento do kit para diagnóstico rápido dos vírus da zika, da dengue e da chikungunya. Este será o primeiro do Brasil a detectar a presença dos vírus no organismo humano, ativo ou não, e determinar se a pessoa está imune às três doenças.
Além de detectar os vírus no organismo, a tecnologia vai determinar se a pessoa está imune às doenças. “Para mulheres em idade fértil e grávidas será um avanço significativo ter esse conhecimento”, diz o médico e pesquisador da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Fernando Kreutz, diretor do Grupo FK-Biotec. 

Cunha sofre derrota e Conselho de Ética abre processo de cassação

Eduardo Cunha: O presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha ao chegar para encontro com o presidente do STF ministro Ricardo Lewandowsk

Após quase cinco meses do protocolo da representação do PSOL e da Rede, o Conselho de Ética da Câmara dos Deputados finalmente aprovou o parecer prévio pela continuidade do processo por quebra de decoro parlamentar contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O relatório do deputado Marcos Rogério foi aprovado por 11 votos a 10 contra.
O voto de desempate veio do presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA). “Não posso de forma alguma votar de forma diferente. Minha intenção é investigar”, justificou.
A sessão foi retomada as 23h17 minutos, após Cunha segurar a sessão do plenário principal até o final da noite. Mesmo tendo concluído a votação de uma Medida Provisória, o peemedebista manteve o plenário praticamente vazio, com apenas 10 parlamentares, se revezando em discurso no tribuna. Ele chegou a prorrogar a sessão por mais uma hora sob a alegação de que havia inscritos para discursar. O objetivo era fazer com que os trabalhos no colegiado não fossem retomados até as 23h59, como prevê o regimento, e ganhar algumas horas para reverter o placar.
O presidente do conselho manteve a sessão da noite de terça para quarta-feira para concluir a votação do parecer do relator Marcos Rogério (PDT-RO). À tarde, a sessão foi suspensa devido ao início da ordem do dia no plenário. Pelo regimento, o início das votações no plenário principal impede a deliberação nas comissões.
O parecer só pode ser votado nesta noite porque os deputados retiraram os três pedidos de adiamento da votação, mas a sessão foi marcada por gritos e discussões para que os trabalhos fossem concluídos. Os aliados de Cunha passaram as últimas semanas manobrando para impedir as votações no colegiado.
Esse é o segundo parecer submetido à votação. O primeiro aprovado acabou sendo anulado após recurso concedido pelo vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA). A partir da notificação, Cunha terá 10 dias úteis para apresentar a defesa. A fase de instrução deve durar até 45 dias úteis e a apresentação do relatório final mais 10 dias úteis. “Acho que acaba no primeiro semestre, mas nesta Casa tudo pode acontecer”, comentou o presidente do Conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA).
Para aprovar o parecer, o relator teve de aceitar mudanças em seu parecer prévio. À pedido do deputado Paulo Azi (DEM-BA), que poderia mudar sua posição e votar à favor de Cunha, Rogério aceitou retirar o trecho de relatório que citava a possibilidade de perda de mandato por recebimento de vantagens indevidas e manteve apenas o trecho que mencionava a omissão de informações relevantes aos parlamentares.
O relator disse que a mudança não enfraquece a ação, uma vez que o trecho retirado poderá voltar ao relatório final se forem anexadas novas provas contra o peemedebista no decorrer do processo. Assim, a parte retirada poderá voltar ao texto no momento de julgar a cassação do mandato. “Não vejo prejuízo ao processo. Havendo circunstâncias novas, mudanças podem haver também”, disse Rogério.
O grupo contrário a Cunha acreditava ter pelo menos 11 votos dos 21 votantes para aprovar a admissibilidade do processo. Temendo uma derrota, os aliados de Cunha fizeram uma nova manobra, substituindo um parlamentar titular que faltou à sessão, cujo suplente poderia votar contra o peemedebista. Coube ao líder do PR, Maurício Quintella Lessa (AL), substituir Vinícius Gurgel (PR-AP). Segundo Quintella, o deputado alegou doença e pediu para que ele fosse substituído para fazer valer seu voto em favor de Cunha.
O colegiado vem sofrendo trocas constantes de seus titulares. Mais cedo foi anunciada a entrada do deputado Silas Câmara (PSD-AM) como suplente. Já o PTB mudou a deputada Jozi Araújo (AP) da titularidade para suplência e transferiu o deputado Sérgio Moraes (RS) de suplente para titular no bloco.

Novo ministro da Justiça diz que não haverá mudança no comando da Polícia Federal

A mudança no comando do Ministério da Justiça não deve refletir na Polícia Federal e não há previsão de saída do atual diretor-geral do órgão, Leandro Daiello, afirmou nesta terça-feira Wellington César Lima e Silva, indicado para assumir a pasta em substituição a José Eduardo Cardozo.
Wellington Cesar Lima e Silva, indicado para assumir o Ministério da Justiça, deixa sede do Conselho Nacional de Justiça, em Brasília
“A Polícia Federal naturalmente, nessa conjuntura, é um tema sensível. Já tive uma reunião ontem com o diretor-geral e tive a melhor das impressões. Portanto, não há no horizonte nenhuma mudança prevista nesse setor”, afirmou o futuro ministro depois de encontro com Cardozo.
De acordo com uma fonte palaciana, a manutenção de Daiello no cargo já foi discutida na segunda-feira por Lima e Silva e a presidente Dilma Rousseff.
A permanência do diretor-geral seria uma maneira de sinalizar que, apesar da saída de Cardozo por razões políticas, não haverá interferência na atuação da PF.
Já Cardozo afirmou que não se sente injustiçado com sua saída do ministério e mudança para a Advocacia-Geral da União (AGU), mesmo tendo decidido pedir demissão pela pressão de companheiros de partido – inclusive do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Ele repetiu o que já havia dito à Reuters em novembro do ano passado, que há sempre uma “fadiga de material” no cargo de ministro da Justiça.
“As situações de desgaste são óbvias. Você recebe críticas de aliados, de adversários e é necessário que entre gente nova, competente, que tenha compromisso com o interesse público como vai acontecer agora”, afirmou.
"Eu tenho certeza que cumpri meu papel. Teremos um grande ministro da Justiça, com sólida formação jurídica. Não me sinto injustiçado. Já há algum tempo avaliava que era necessário sair do ministério e foi da melhor forma”.
A posse dos dois ministros está prevista, em princípio, para a quinta-feira.

'Não seja marionete', sugere delegado da PF a novo ministro da Justiça

Delegado Edson Garutti.
A troca do ministro da Justiça em meio à Operação Lava Jato preocupa os delegados da Polícia Federal. Nesta segunda-feira, 29, José Eduardo Cardozo deixou a Pasta e foi para a Advocacia Geral da União (AGU) - substituindo Luis Inácio Adams. Para o lugar de Cardozo chega Wellington César, ex-procurador-geral de Justiça da Bahia.
A principal entidade da categoria divulgou nota nesta segunda-feira, na qual alega ter recebido com 'extrema preocupação' a notícia de que José Eduardo Cardozo pediu para deixar o Ministério da Justiça devido às pressões que vinha sofrendo do PT pelo avanço das investigações da PF envolvendo imóveis utilizados pelo ex-presidente Lula. Segundo Edson Garutti, os delegados querem que o ministro da Justiça 'seja quem for' assuma o compromisso de fortalecer a autonomia da Polícia Federal.
O ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, e o novo titular do ministério da Justiça, Wellington César, em 2012.
"Não chegue na pasta sendo uma marionete, colocada ali para controlar as investigações da Polícia Federal. O ministro, quem quer que seja, tem de chegar, sabendo seu papel, que é fortalecer as instituições", sugere Garutti.
Wellington César foi indicado ao cargo pelo ministro da Casa Civil, Jaques Wagner - citado na Operação Lava Jato. na quarta-feira, 24, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), acolheu pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para arquivar menção a Jaques Wagner, feita em delação premiada colhida no âmbito da Operação Lava Jato. Apesar de serem informações prestadas no curso das investigações sobre corrupção na Petrobrás, os apontamentos do delator são referentes à esfera eleitoral e por isso não foram analisadas pelo relator da Lava Jato no Tribunal, ministro Teori Zavascki.
“Há um murmurinho ainda de que ele (Wellington César) seria indicação de Jaques Wagner. Eu não sei se foi ou não foi. Jaques Wagner é um dos investigados da Lava Jato. Não teria legitimidade nenhuma. "Como um citado da principal investigação vai indicar o ministro da Justiça? Não sei se isso é verdade ou não. Estou falando o que eu ouvi na imprensa. Se for verdade, estamos muito mal", afirma o diretor regional da Associação dos Delegados da PF em São Paulo, delegado Edson Garutti.
O delegado pediu o apoio da população. "Já percebemos que fortalecimento de uma instituição policial não é algo muito prazeroso para os políticos. Os políticos só fortalecem a polícia quando isso é uma exigência da população. A gente chama a população para que fique atenta, preste atenção nos movimentos que estão acontecendo, que cobre dos seus governantes a questão da justiça, que a polícia tenha condições de fazer seu trabalho.
A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA COM O DELEGADO EDSON GARUTTI
ESTADÃO: O que tanto preocupa a PF com a saída de Cardozo?
EDSON GARUTTI: Nos preocupa dois pontos. Não é só a saída dele, é a saída dele e a entrada de outro. Porque o burburinho, o boato que corre é que o José Eduardo Cardozo teria sofrido pressões por parte de uma ala do PT por ter permitido, de uma certa forma, que a Lava Jato acontecesse, de não controlar a PF. Esses são os boatos, até passados pela mídia, de que o José Eduardo Cardozo sofreria pressões de uma ala do PT nesse sentido. Nos preocupa a saída do José Eduardo se for por esse motivo. E depois a entrada de outro ministro também por esse motivo. Nos preocupa mais é o motivo. O motivo é controlar a Polícia Federal? É tirar o pouco de autonomia que conseguimos conquistar? Justamente em um momento em que a gente vem batendo muito nessa tecla de autonomia orçamentária, financeira, administrativa, de atribuições. Justamente nesse momento surge um boato de que o MJ está sofrendo pressões porque não teria conseguido controlar a PF, ele sai e entra uma outra pessoa. Nos preocupa, sim.
ESTADÃO: Por que os delegados acreditam que a mudança poderá aumentar a pressão sobre a PF?
EDSON GARUTTI: Isso nos preocupa, essa tentativa de nos controlar. Justamente no momento em que está sendo feita a maior investigação policial do País, são os inquéritos policiais que no seu conjunto se denominam de Lava Jato. É delicado. Qual é a pressão realmente que está por trás disso? Não sei. No final do ano passado, nós da Associação dos delegados de Polícia Federal descemos algumas críticas por conta dos cortes orçamentários. O destinatário das nossas críticas, em parte, foi o José Eduardo Cardozo. O corte orçamentário não é atribuição dele, é do governo com o Congresso. Mas a gente sentiu, naquele momento, que o ministro da Justiça deveria ter uma postura mais firme da defesa do orçamento da Polícia Federal. O ministro reagiu prontamente e disse que nenhum orçamento seria cortado da Polícia Federal e que se fosse preciso, ele remanejava verbas do próprio ministério para que fosse mantido íntegro o orçamento para essas investigações que são prioridade. Ele não teve aquela proatividade inicial que a gente queria de defesa da instituição, mas quando nós cobramos, ele se mostrou firme. Era um ministro que atendia nesses pontos. Por vezes, ele não tinha essa proatividade, mas quando cobrado, ele chegou a defender as atribuições da Polícia Federal em alguns embates com a Procuradoria-Geral da República. A polícia é subordinada ao ministro em termos administrativos. O que se espera de um superior hierárquico administrativo é que defenda pelo menos as atribuições do órgão. E ele fez isso. É esse ministro que estão tirando para colocar uma pessoa que a gente não sabe qual é o histórico dela, o que ela defende, se ela está vindo para fortalecer a instituição do Ministério da Justiça, da Polícia Federal, do Departamento de Recuperação de Ativos. A gente não sabe se essa pessoa que vai entrar está vindo para defender essas instituições.
ESTADÃO: O novo ministro é o procurador Wellington Cesar. O sr conhece?
EDSON GARUTTI: Eu não conheço pessoalmente e não conhecia o nome. Vamos ter de analisar o currículo, o que já fez. Há um murmurinho ainda de que ele seria indicação de Jaques Wagner (ministro-chefe da Casa Civil). Eu não sei se foi ou não foi. Jaques Wagner é um dos investigados da Lava Jato. Não teria legitimidade nenhuma. Como um investigado da principal investigação vai indicar o ministro da Justiça? Não sei se isso é verdade ou não. Estou falando o que eu ouvi na imprensa. Se for verdade, estamos muito mal.
ESTADÃO: O sr acha que o procurador Wellington Cesar poderá tentar mudar a linha de atuação da PF?
EDSON GARUTTI: Não conheço a pessoa, não sei.
ESTADÃO: O fato de ele ser do Ministério Público, preocupa?
EDSON GARUTTI: Ministro da Justiça é uma indicação da Presidência da República. A presidente vai colocar o ministro que ela quiser, que achar conveniente para ela, indicação política. Não é técnica, de forma alguma. A indicação de alguém oriundo dos quadros do Ministério Público é um complicador, sim. Não deixa de ser. O Ministério Público tem algumas posições institucionais que vão contra algumas atribuições da Polícia Judiciária, não só da PF, previstas em lei. Se Wellington César trouxer consigo essa visão de alguma ala do Ministério Público, de diminuir as atribuições legais da polícia, isso nos preocupa bastante. Não é pelo fato de ele ser do Ministério Público que ele vai chegar com essa visão. Ele pode ser de uma ala que tenha um entendimento diferente, que a polícia tem, sim, de atuar de forma autônoma, fortalecida, ser modernizada. O que os delegados querem é que seja quem for que ocupe essa pasta da Justiça que assuma publicamente, se possível, o compromisso de fortalecer a autonomia da Polícia Federal. Não chegue na pasta sendo uma marionete, colocada ali para controlar as investigações da Polícia Federal. O ministro, quem quer que seja, tem de chegar, sabendo seu papel, que é fortalecer as instituições. A gente gostaria muito que esse novo ministro assumisse publicamente o compromisso de fortalecer a instituição e que ele não veio para controlar as investigações da PF.
ESTADÃO: Em nota, a Associação dos Delegados pede ‘apoio do povo brasileiro’. O que os delegados querem
EDSON GARUTTI: O fortalecimento da investigação policial, do inquérito policial, da instituição Polícia Federal, da autonomia e manutenção das atribuições legais que a polícia detém. A gente chama a população, porque já percebemos que fortalecimento de uma instituição policial não é algo muito prazeroso para os políticos. Os políticos só fortalecem a polícia quando isso é uma exigência da população. A gente chama a população para que fique atenta, preste atenção nos movimentos que estão acontecendo, que cobre dos seus governantes a questão da justiça, que a polícia tenha condições de fazer seu trabalho.
ESTADÃO: O José Eduardo Cardozo foi um bom ministro?
EDSON GARUTTI: Foi, não dá para dizer que ele foi um mau ministro. Atendeu algumas demandas da Polícia Federal. No ponto da autonomia financeira-orçamentária deixou a desejar. Mas não por ele, foi uma opção do governo. A partir do segundo mandato do governo Lula os recursos de investimento da PF foram decaindo. A gente viu que os ministros que se seguiram, depois do Marcio Thomas Bastos, o Tarso Genro e o José Eduardo Cardozo não tiveram essa proatividade de ir buscar, batalhar junto ao governo por mais recursos. Nesse ponto, eles ligaram o piloto automático. O governo foi diminuindo os recursos de investimentos da polícia e ficou por isso mesmo. A estrutura que nós temos hoje em muito decorre dos investimentos que foram feitos de 2007 para trás. A polícia que a gente vai ter daqui a 5, 7 anos vai ser decorrente dos investimentos que estão sendo feitos hoje.

Pedalinhos de sítio em Atibaia têm nomes de netos de Lula

<p>local é alvo da Lava Jato por envolvimento em desvios na Petrobras.</p>

Dois pedalinhos encontrados no lago do famoso sítio de Atibaia trazem os nomes de dois netos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os brinquedos em forma de cisne branco têm capas pretas com os nomes de Pedro e Arthur, e aparecem em uma imagem aérea exibida na edição desta segunda-feira do “Jornal Nacional”, da TV Globo.
Pedro é filho de Fábio Luís Lula da Silva, conhecido como Lulinha, e tem hoje cinco anos. Arthur tem quatro anos e é filho de Sandro Luís. Ambos nasceram na Maternidade do Hospital São Luiz, em São Paulo.
O local é alvo da Lava Jato por envolvimento em desvios na Petrobras. A construtora Odebrecht teria realizado obras de reforma no local, usado pelo ex-presidente e seus parentes. Lula admitiu que frequenta o sítio mas alega, porém, que o local pertence a “amigos da família”.
O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo de Lula e preso pela operação, teria pagado parte da reforma do sítio, segundo documentos apreendidos pela PF. Desde 2012, Lula e a família viajaram 111 vezes ao local. Logo após deixar a Presidência, Lula enviou seus pertences e de seus familiares ao sítio. Entre os itens transportados, havia 200 caixas - 37 delas com bebidas.

Zavascki rejeita pedido de Cunha e análise de denúncia é confirmada para 4ª

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou nesta terça-feira pedido do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), para adiar a análise pelo plenário da corte de denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o parlamentar, confirmando a sessão sobre o caso na quarta-feira.
Cunha foi denunciado pela PGR acusado de receber 5 milhões de dólares de propina do esquema de corrupção na Petrobras. Caso o plenário do Supremo julgue a denúncia procedente, o presidente da Câmara passará a ser réu em ação penal no STF.

Não adianta fazer cara feia que a sua casa esta caindo
Cunha deixa a casa dele em Brasília

Oposição questiona legalidade da nomeação de titular da Justiça

Após questionamentos jurídicos da oposição, a presidente Dilma Rousseff autorizou ontem a confirmação da posse do novo ministro da Justiça, Wellington César Lima e Silva para as 10h de amanhã. Um dos motivos do embate é a resolução 5 do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), que proibia integrantes do Ministério Público assumir cargo no governo federal. A posse chegou a ser suspensa e o Planalto e o próprio Ministério da Justiça buscou argumentação legal para sustentar o ato. O problema se agravou quando a oposição decidiu agir para suspender a nomeação.

A conclusão foi a de que a resolução 5, de 2006, havia sido suspensa e que uma nova resolução, de número 72, de 2011, permitia que o integrante do MP poderia assumir cargos, desde que as funções sejam compatíveis com o exercício do Ministério Público. Dilma, então, mandou confirmar a posse.

Uma outra medida ocorrida ontem reforçou a tese do Planalto. O Conselho Superior do Ministério Público da Bahia, por seis votos a um, autorizou o procurador Wellington César a assumir cargo de “alta relevância”. Com essa nova decisão, específica, o Planalto entendeu que a polêmica foi encerrada.

A oposição, por sua vez, alega que o artigo 128 da Constituição proíbe um membro do Ministério Público exercer qualquer função pública. Ou seja, para assumir o cargo de novo ministro Wellington César teria que abrir mão de sua carreira no Ministério Público da Bahia.

O deputado Mendonça Filho (DEM-PE), disse que, ao escolher o novo ministro da Justiça, a presidente comete “ato ilegal”. Ele informou que apresentaria uma ação pública à Justiça Federal de Brasília contra a presidente, solicitando liminar que impeça a nomeação de Wellington César Lima e Silva como ministro.

Mãe de Ezra confessa que matou o filho sozinha e com golpe de faca

A mãe do menino Ezra que foi encontrado morto dentro de um freezer em um apartamento no centro de São Paulo,  prestou depoimento à polícia e confessou que estava sozinha em casa quando matou o filho com golpes de faca, em setembro de 2015. Lee Ann Fink e o marido Mzee Shabani estão detidos na carceragem da Polícia Federal desde a última sexta-feira (26), quando chegaram da Tanzânia.
Em depoimento, o padrasto da criança afirmou que havia saído de casa no momento do crime para levar as duas filhas à escola e quando voltou já encontrou o garoto morto. A prisão preventiva do casal foi decretada em setembro de 2015, quando eles ainda estavam fora do Brasil. O casal será transferido para presídios diferentes na manhã desta quarta-feira (3).
<p>A prisão preventiva do casal foi decretada em setembro de 2015, quando eles ainda estavam fora do Brasil.</p>
O crime e a fuga do casal
Em 3 de setembro câmeras do Aeroporto de Guarulhos registraram o casal deixando o país com as 2 filhas, no dia seguinte, Ezra Liam Joshua Finck de 7 anos, foi encontrado morto no freezer da casa onde morava com os pais Lee Ann Finck uma sul-africana de 29 anos e o tanzaniano Mzee Shabani de 27. Os dois foram localizados em Bagamoyo, região costeira da Tanzânia, após a Interpol inserir o nome do casal na “difusão vermelha”, lista de foragidos internacionais.
O corpo do garoto foi enterrado em 29 de setembro depois de passar 25 dias no Instituto Médico Legal, a falta de parentes próximos da vítima que poderiam liberar o cadáver fez com que o Unicef enviasse um pedido a embaixada da África do Sul na tentativa de localizar familiares. Sem sucesso, o vice-cônsul sul-africano Thabo Sedibana liberou o enterro, e a Secretaria de Segurança Pública se prontificou a enterrar o garoto já que não haviam parentes para se responsabilizar pelo corpo.
Nascido na África, Ezra foi enterrado com apenas um coroa de flores que foi dada pelo IML, no dia 5 de outubro, foi realizada uma missa com a presença da Arquidiocese de São Paulo, da Pastoral da Menor e representantes do consulado da África do Sul que se manifestaram através da cônsul geral Mmaikeletsi Dube:  "é importante salientar que não é assim que o povo sul africano trata suas crianças".
A prisão do casal Lee Ann Finck e Mzee Shabani  foi decretada em 15 de setembro, e conforme apurou o Blog do Guilherme Araújo segundo uma testemunha, o padrasto  e Mzee Shabani confessou, por telefone, que a mãe do menino, Lee Ann Finck, “se excedeu e matou a criança e que ela estaria dentro de um freezer. Disse, por fim, antes de desligar o telefone, que fugiram para a África”.
O freezer em que Ezra foi encontrado, havia sido transportado da loja de doces dos pais até o apartamento no dia 28 de setembro, momento esse gravado pelas câmeras de vigilância do prédio. Cabe ainda ressaltar que a família já possuía um histórico de problemas, tendo o Conselho Tutelar atendido Ezra em julho de 2014 após denúncias de espancamento.
No mesmo ano o convívio familiar foi suspenso por uma liminar, porém a criança foi devolvida a família a pedido do mesmo, mas com acompanhamento do Centro de Referência de Assistência Social por seis meses. 

CONHEÇA DE FATO QUEM É O SENHOR LULA - "A Bem da Verdade": site de Lula tem ações contra jornalistas e respostas à imprensa



O ex-presidente Lula lançou um site com processos contra jornalistas e respostas direcionadas à imprensa. A plataforma trará todos os tipos de ações cíveis e criminais movidas por Lula contra profissionais da imprensa ou personalidades que tenham ofendido a honra do ex-presidente.
O site também mostrará as respostas jurídicas de Lula às diversas investigações e operações que estão sendo realizadas contra ele.
"A Bem da Verdade" foi o nome escolhido para o site, que terá ainda todas as notas enviadas à imprensa por ele. Ainda de acordo com Mônica Bergamo, de outubro de 2015 até o presente mês, foram 33 textos discordando de matérias publicadas pela imprensa.

VERDADE OU MENTIRAS? Enesno assim centenas de 'Garimpeiros' tentam encontrar tesouro de Eike para Iemanjá em Ipanema



O Blog do Guilherme Araújo revelou de que Eike Batista teria lançado ao mar R$ 700 mil em moedas de ouro no dia 2 de fevereiro, como forma de oferenda a Iemanjá, atiçou a cobiça de muitas pessoas. Na época muitas pessoas criticaram este noticia, e na manhã desta quarta-feira (2), garimpeiros do mar vasculhavam as areias de Ipanema, em busca de encontrar um tesouro.
Segundo o jornalista e blogueiro Guilherme Araújo, o ex-bilionário fez a oferenda para que a rainha das águas lhe concedesse a graça de voltar aos grandes tempos. "Se encontrasse, colocava o boi na sombra. Comprava duas casinhas: uma para morar e outra para alugar e ia viver de renda", sonha André Batista da Silva, de 41 anos.
"Aqui em Ipanema, R$ 700 mil não dá para comprar nem um quarto e sala, mas, no Mutuá, onde moro, dava para levar vida rei", pondera Oswaldo de Oliveira, de 52 anos.

Já que no Brasil ele consegue ficar livre na França a situação é outra e justiça francesa condena Maluf a três anos de prisão por lavagem de dinheiro

Deputado teria enviado para o exterior dinheiro fruto de corrupção pno período em que era prefeito de São Paulo; justiça do país europeu determinou ainda o confisco de 1,8 milhão de euros dele e de sua família.

Tá vendo, esta se cumprindo o que eu venho falando que já que o Brasil não consegue punir e prender estes senhores dono do dinheiro público e justiça francesa esta fazendo o seu papel. A Justiça francesa condenou o deputado federal e ex-prefeito de São Paulo, Paulo Maluf (PP-SP), a três anos de prisão por lavagem de dinheiro de 1996 a 2005. A sentença do ano passado determinou ainda o confisco de 1.844.623,33 euros em contas do deputado, de sua mulher Sylvia Lutfalla Maluf e seu filho Flávio Maluf. Além disso, os três deverão pagar multas que somam 500 mil euros.
A esposa e o filho do deputado também foram condenados por lavagem.
Segundo a Justiça francesa, os três condenados agiram em associação para ocultar a origem e a natureza dos recursos que seriam fruto de corrupção e desvio de dinheiro no Brasil na época em que Maluf era prefeito de São Paulo. O parlamentar e seus familiares segundo a justiça francesa, são acusados de enviar o dinheiro dos crimes para empresas offshore e contas em bancos no exterior.
Maluf é suspeito de irregularidades por conta de um depósito feito de US$ 1,7 milhão em uma agência do Crédit Agricole, da França. Em 2003, ele chegou a ser convocado pela Justiça em Paris para prestar esclarecimentos por conta do dinheiro.
A suspeita é de que o dinheiro poderia ter sido fruto de desvios em obras viárias de São Paulo quando Maluf foi prefeito, nos anos 90. Na sentença, a justiça do país europeu aponta que os recursos mantidos pelo parlamentar e seus familiares no exterior são decorrentes de crimes de corrupção e peculato (desvio de dinheiro) no Brasil, mas não detalha quais seriam estes crimes.
A acusação contra os três teve o apoio de provas compartilhadas pelo Ministério Público Federal (MPF) e pelo Ministério Público do Estado de São Paulo, a partir das investigações contra Maluf no Brasil. A Procuradoria-Geral da República foi informada no mês passado sobre a condenação, está acompanhando o caso, que ainda cabe recurso, e já solicitou às autoridades francesas a transferência do processo para o Brasil.
Mesmo condenado no exterior, Maluf não pode ser extraditado. Segundo o secretário de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da República, Vladimir Aras, “a condenação em Paris ainda está sujeita a recurso na Corte de Apelação de Paris.” Porém, segundo Aras, “em caso de condenação definitiva no exterior, o Parquet francês não poderá pedir ao Brasil a homologação da sentença criminal condenatória para execução da pena em nossa jurisdição, uma vez que, diferentemente de outros países, o artigo 9º do CP, reformado em 1984, não admite essa medida.”
STF. No Supremo Tribunal Federal (STF), o Maluf já é alvo de duas ações da Procuradoria-Geral da República nas quais é acusado dos crimes de quadrilha, corrupção passiva, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. As ações estão em segredo de justiça
Tentamos contato por telefone com Maluf, mas ele desligou ao ser informado que se tratava de um Blog do Guilherme Araújo. A defesa do parlamentar e de seus familiares já recorreu da decisão na justiça francesa.

Estudantes surpreendem vereadores e lotam o plenário da Câmara de Caragu...

Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro