A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Lula intervém e faz de Tatto o novo ‘líder’ do PT



A bancada do PT na Câmara federal já dispõe de novo líder.. Sai Paulo Teixeira (SP). Entra, empurrado por Lula, Jilmar Tatto (SP).
Disputava a cadeira com Tatto o deputado José Guimarães (CE). A refrega seria decidida numa votação que trincaria a bancada. Ao entrar em cena, Lula fechou o paiol.
Ficou definido que haverá um revezamento na liderança. Lula impôs a ordem das coisas. Em 2012, dá as cartas Tatto. Em 2013, Guimarães assume o baralho. E não se fala mais nisso.
Lula desceu ao front da Câmara representado pelo amigo Luiz Marinho, prefeito petista de São Bernardo do Campo. A pedido dos médicos, o ex-soberano poupa o latim. Marinho falou por ele.
Informados sobre a vontade do líder supremo, os operadores da infantaria de Guimarães -à frente o líder do governo Cândido Vaccarezza e o ex-presidente mensaleiro da Câmara João Paulo Cunha- recolheram as armas.
Lula impôs sua vontade na Câmara uma semana depois de ter prevalecido no Senado. Ali, interveio em favor de Marta Suplicy (SP), contra José Pimentel (CE), seu ex-ministro da Previdência.
Marta elegera-se vice-presidente do Senado, em 2010, sob o compromisso de renunciar à cadeira dois anos depois. Neste fevereiro de 2012, iria ao assento o companheiro Pimentel.
Empurrada para fora do tabuleiro eleitoral de São Paulo por Lula e refugada por Dilma Rousseff na Esplanada dos Ministérios, Marta deu o acordado por desacordado.
Quando a bancada se preparava para levá-la à fogueira, Lula providenciou a água fria. Pediu compreensão a Pimentel e bancou a posição de Marta. Jogo jogado.
Nos dois casos, Lula paga em Brasília as faturas de São Paulo. A exemplo de Marta, também o deputado Tatto retirara-se da briga pela prefeitura paulistana em favor de Fernando Haddad, o dodói de Lula.
Tatto ameaçara levar a disputa às últimas consequências de uma prévia. Estava entendido que perderia. Mas faria demasiado barulho. Após silenciá-lo no município, Lula dá-lhe voz na liderança da Câmara.
Nesse ritmo, o partido acaba trocando de sigla. Em vez de PT, PTdoT. Não é mais Partido dos Trabalhadores. Virou Partido do Trabalhador. Antes, Lula metia-se apenas nos grandes negócios -escolha de ministros, por exemplo. Hoje, resolve tudo -de unha encravada e dor de dente.

Kassab usa até voto evangélico para seduzir PT



O prefeito Gilberto Kassab esforça-se para dar uma ossatura teórica ao projeto de juntar o seu PSD ao PT na eleição municipal de São Paulo. Para persuadir o pedaço do petismo que ainda resiste à aproximação, Kassab leva à mesa até o voto evangélico.
No prognóstico de Kassab, desenhado em privado, a disputa paulistana será definida em dois turnos. Sem José Serra, ele não vê o PSDB no segundo round. Acha que estarão no páreo o candidato do PT, Fernando Haddad, e o do PMDB, Gabriel Chalita.
Avalia que, para prevalecer, Haddad terá de agregar ao seu cacife “natural” os votos de gente que costuma torcer o nariz para o PT. É nesse ponto da equação que Kassab se inclui.
Na conta do prefeito, Haddad saltará dos 5% que o Datafolha lhe atribui em seu melhor cenário para o percentual histórico de votos do PT –“entre 30% e 33%”, ele estima. Kassab imagina que seu apoio adicionará à conta algo como 15%.
Nessa antevisão, Haddad seria alçado a patamares situados no intervalo de 45% a 48%. Para vencer, precisa ultrapassar a barreira dos 50%. O triunfo viria, segundo Kassab, do eleitorado evangélico. Um voto que ele diz ser capaz de prover.
Entre quatro paredes, Kassab jacta-se de ter construído pontes com lideranças religiosas como Silas Malafaia, um telepastor da Igreja Assembléia de Deus-Vitória em Cristo. Acha que conseguirá adicionar ao cesto de Haddad algo entre 5% e 7% de votos oriundos do nicho evangélico.
De acordo com o último Datafolha, veiculado em 27 de janeiro, 14% dos eleitores paulistanos declaram que poderiam votar num candidato apoiado por Kassab. Um percentual muito próximo dos 15% que o prefeito inclui como cota pessoal nas contas que faz.
Porém, a pesquisa também mostrou que o apoio do prefeito afastaria do candidato de sua predileção quase metade do eleitorado –46% afirmam que não votariam num postulante apoiado por Kassab. Um dado que o potencial aliado do PT se abstém de considerar.
De resto, a companhia de Kassab embaralharia o discurso do petismo. Haddad teria de fazer ginástica retórica para justificar a parceria com um personagem a cuja gestão o PT sempre se opôs. Lula dá de ombros para as contradições. Defende enfaticamente a aliança.
Kassab deseja indicar o vice de Haddad. Seu preferido é o atual secretário de Educação da prefeitura, Alexandre Schneider. O predileto de Lula é o ex-presidente do BC Henrique Meirelles, que não se mostra, por ora, encantado pela ideia.
A despeito de todos os senões escondidos atrás dos acenos que dirige ao PT, Kassab parece considerar-se o aliado mais poderoso que ele conhece. Multiplica o seu valor por sua autoestima. Ou divide-o por sua autocrítica.

General que confraternizou com PMs é afastado

O general Marco Edson Gonçalves Dias, da 6a Região Militar, foi  afastado do comando da operação militar montada para debelar a greve-motim da PM da Bahia. Foi substituído por determinação do comandante do Exército, general Enzo Martins Peri.
Oficialmente, o Exército nega a troca. Porém, foi deslocado para a Bahia outro general: Odilson Sampaio Benzi, comandante militar do Nordeste. É ele quem está no comando agora. Deve-se a providência a uma cena protagonizada por Gonçalves Dias na última terça (8).
Deu-se defronte da Assembléia Legislativa baiana, ocupada por grevistas, alguns deles com ordem de prisão decretada pela Justiça. Dirigindo-se a um grupo de PMs, Gonçalves Dias disse coisas assim: “…Não vai ter combate, não vai ter invasão, não vai ter nada.”
O general fazia aniversário. Diante das câmeras, permitiu-se receber um bolo dos grevistas. Abraçou-se com um deles. Emocionado, chorou. As imagens atearam nos superiores do general dúvidas quanto à sua capacidade de comando. E quando se começa a duvidar da autoridade de um general é porque já não há a menor dúvida.
Sob Lula, Gonçalves Dias chefiou a equipe que fazia a segurança do presidente da República. Algo que não impediu Dilma Rousseff de associar-se à onda de irritação que a confraternização da Bahia produziu em Brasília.
Vivo, o poeta Gonçalves Dias talvez recomendasse ao general Gonçalves Dias a leitura de um de seus poemas. Diz o seguinte:
 
Não chores, meu filho;
Não chores, que a vida
É luta renhida:
Viver é lutar.
A vida é combate,
Que os fracos abate,
Que os fortes, os bravos
Só pode exaltar!

Irritado com paralisia da Câmara, Romário se diz ‘puto’ e pede ‘alguma porra pra fazer’ em Brasília


Reaberta na semana passada, a Câmara federal encerra a segunda semana de “trabalho” sem votar nenhum projeto. A pauta é extensa. Mas um desacordo do bloco governista com a oposição e com parte de seus próprios aliados leva à paralisia. Gerente de polêmicas, o presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), preferiu encerrar a sessão desta quarta (8) sem testar os humores do plenário.
Abespinhado, o deputado Romário (PSB-RJ) plugou-se à internet na madrugada desta quinta (9). Despejou sua irritação no twitter. Dirigindo-se à “galera” que o segue na web, disse estar “feliz e puto também”. Ele como que sugeriu um título para sua indigação: “Romário fica indignado com lentidão na Câmara.”
Na ponta do lápis, a inatividade remunerada da Câmara dura dez dias. Mas Romário exagerou: “Tem 3 semanas que venho em Brasília para trabalhar e nada acontece. E olha que estamos em ano de eleição.”
Autoconvertido numa espécie de zagueiro de tome de várzea, o ex-jogador foi à canela: “Espero que na minha próxima vinda a Brasília tenha alguma porra pra fazer. Ou será que o ano só vai começar depois do Carnaval?
Sob o comando de Cândido Vaccarezza (PT-SP), líder de Dilma Rousseff na Câmara, o pedaço do consórcio governista leal ao Planalto pretendia votar o projeto que cria o Funpresp, fundo de previdência complementar dos servidores públicos.
Essa proposta foi guindada por Dilma à condição de prioridade. Porém, conforme noticiado aqui na véspera, os “aliados” PR e PDT decidiram desafiar a presidente. Associaram-se a uma ameaça de obstrução do PSDB.
Vaccarezza recuou. Marco Maia cogitou levar a voto uma das quatro medidas provisórias que atulham a pauta de votações. O líder de Dilma se opôs. E nada foi votado. Nem mesmo um projeto previdenciário que parecia incontroverso.
Trata-se da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) número 270. Tramita na Câmara desde 2008. Concede proventos integrais a trabalhadores aposentados por invalidez. Em dezembro do ano passado, fora aprovada em primeiro turno.
Antes de ser enviada ao Senado, a proposta precisa ser confirmada numa segunda votação. Nessa matéria, impera o consenso. Mas nada de votação. Romário fez da língua um bico de chuteira.
Chutou uma vez: “Não foi votada porque os parlamentares alegaram falta de tempo hábil para concluir se ela é positiva ou negativa para o povo.” Bicou de novo: “Têm quatro anos que essa PEC tramita na Casa e não tiveram tempo de decidir se é boa ou ruim?”
Na zaga do twitter, o ex-artilheiro tratou também do tema que monopoliza as manchetes: a revolta dos policiais militares. Anotou: “A PEC 300 também não foi votada. Têm greves acontecendo, pessoas morrendo e lojas sendo saqueadas. Nós políticos somos culpados mesmo!”
A PEC 300 é aquela proposta de emenda constitucional que cria um piso nacional para os salários de PMs e bombeiros. A Câmara aprovou-a primeiro turno. Deu-se em julho de 2010, a três meses da eleição presidencial. Desde então, o governo opera para que o segundo round da votação não ocorra.
Romário desaprova os meios empregados pelos PMs em greve na Bahia, mas apoia os fins: “Claro que nada tem que ser levado para o lado da violência e muito menos da baderna, mas temos que resolver o problema dos policiais.”
Alheio à alegação de insuficiência orçamentária, o deputado toma as dores dos PMs, “profissionais que têm família e dão a vida para garantir a nossa vida”, de olho em potenciais eleitores, “um policial carioca não pode ganhar menos de R$ 1 mil.”
Afaga também os soldados de outras praças, adiantando o voto: “Os policiais de outros Estados também não podem ganhar menos do que tem direito. Antecipadamente, digo que vou votar a favor dos policias.”
Como que receoso de tomar um cartão vermelho, perte de três da madrugada, Romário retirou-se de campo: “Vou parar por aqui pra não dar mais porrada. Boa noite! Valeu!”

Supremo validou a lei Maria da Penha mesmo sem denúncia da vítima; você é a favor ou contra a decisão?

Lei válida

Mais cedo, o Supremo referendou por unanimidade a validade da lei, provocado por uma ação declaratória de constitucionalidade enviada pela Presidência da República em 2007. Na ocasião, estimulado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele afirmou que o mecanismo é uma necessidade para atenuar distorções sociais que separam homens de mulheres.

De acordo com Marco Aurélio, “a mulher é eminentemente vulnerável quando se trata de constrangimentos físicos, morais e psicológicos em âmbito privado” e a Justiça deve tratar os desiguais de forma desigual para que haja igualdade real. “A abstenção do estado na promoção da igualdade de gêneros implica situação da maior gravidade político-jurídica”, disse.


A mais eloquente durante o primeiro dos dois julgamentos foi a ministra Cármen Lúcia. Ela afirmou que até ministras do Supremo sofrem preconceito de gênero. “Há os que acham que não é lugar de mulher, como já me disse uma determinada pessoa sem saber que eu era uma dessas”, disse. “Gostamos dos homens. Queremos ter companheiros. Mas não queremos carrascos.”


Ganhou a solidariedade do colega Luiz Fux. “Quando uma mulher é atingida, todas são atingidas. Me solidarizo e digo que nós, homens de bem, também nos sentimos atingidos quando uma mulher sofre violência doméstica.”

Supremo valida lei Maria da Penha mesmo sem denúncia da vítima

Maria da Penha Maia Fernandes, a mulher que inspirou a lei que leva seu nome
 Maria da Penha Maia Fernandes, a mulher que inspirou a lei que leva seu nome

Quase por unanimidade, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (9) pela validade da Lei Maria da Penha –que pune violência doméstica contra mulheres– mesmo sem manutenção da denúncia pela vítima. O relatório do ministro Marco Aurélio de Mello tratou de uma iniciativa da Procuradoria-Geral da República, alegando que agressões contra mulheres não são questão privada, mas sim merecedoras de uma ação penal pública.

A partir de agora, Ministério Público passará a ter a prerrogativa de denunciar agressores e as vítimas não poderão impedir que isso aconteça. A lei não será aplicada apenas em casos de lesões leves ou culposas (acidentais). Hoje, para ter validade, é necessária uma representação da agredida e a manutenção da denúncia contra o agressor. Estatísticas indicam que até 90% das mulheres desistem no meio do caminho.


Os críticos da Maria da Penha alegam exatamente que ela fere o princípio da isonomia ao tratar a mulher de forma diferenciada. A única divergência no julgamento foi do presidente da corte, Cézar Peluso. Ele discordou da falta de exigência de denúncia da vítima porque “o ser humano se caracteriza por ser sujeito da sua história”. O ministro disse ainda que tem “esperança de que a maioria esteja certa”.


Já para o ministro-relator, deixar a denúncia a cargo da vítima “significa desconsiderar o temor, a pressão psicológica e econômica, as ameaças sofridas, bem como a assimetria de poder decorrente de relações histórico-culturais, tudo a contribuir para a diminuição de sua proteção e a prorrogação da violência”. Gilmar Mendes chegou a cogitar um pedido de vistas que adiaria a decisão, mas acabou desistindo da ideia.


O vice-presidente do Supremo, ministro Carlos Ayres Britto, afirmou que uma lei clara com eficácia independente da vítima funcionará melhor para defender as agredidas do que repassar a elas a decisão de processar os agressores. “A mesma liberdade para lobos e cordeiros é excelente para os lobos”, disse.

Eu aprendi?

Com o passar dos tempos eu aprendi que eliminando coisas e pessoas passageiras da minha vida... 
As vezes não identificamos de inicio o que fica ou o que vai passa, mas, aprendi a escutar minha intuição... 
Sinto mas eu preciso informar para alguns, Guilherme Araújo é forte!

Tudo isso que esta aqui é balela.....

Atendimento Ouvidoria

A Ouvidoria na Telefônica
Fruto do compromisso com seus Clientes, a Telecomunicações de São Paulo S.A, então Telefônica, instituiu em 1994 a função da Ouvidoria. Este canal abre uma nova via de relacionamento da Telefônica com seus Clientes, atuando de forma imparcial à busca da satisfação dos mesmos.
Esse canal é exclusivo para o recebimento de sugestões, críticas ou elogios referentes a prestação de serviços da Empresa.
Para reclamações, utilize a Ouvidoria somente após ter um protocolo registrado nos canais de relacionamento da Telefônica, e caso ainda não tenha obtido o retorno satisfatório.
O que faz?
A função da Ouvidoria é receber sugestões, críticas ou elogios. Seu principal objetivo é melhorar os processos, produtos e serviços da Telecomunicações de São Paulo S.A. Para isso, ele se mantém isento de defender práticas vigentes na empresa, ficando atento para recomendar providências em todos os níveis da Telefônica, de modo a eliminar fatos capazes de afetar a imagem pública da Organização, mudar e reciclar procedimentos internos, reorientar mão-de-obra e repensar estratégias de mercado.
Quem é ?
Ivete Sgai é a responsável pela área da Ouvidoria, vinculada a Presidência da Telefônica. Possui vasta experiência no relacionamento com Clientes e ferramentas da qualidade e está ajudando a Telefônica a tratar as insatisfações dos Clientes, com foco no diagnóstico e solução das causas dos problemas.
Como entrar em contato?
A função da Ouvidoria é receber reclamações, críticas e sugestões, com o objetivo de identificar oportunidades, mudar e reciclar procedimentos, processos e repensar estratégias de mercado. Por isso, é fundamental que antes de você entrar em contato com a Ouvidoria, tenha buscado um canal de atendimento básico e aguardado o prazo informado para o atendimento a sua solicitação.
Para contatar a Ouvidoria, ligue 0800 - 775 12 12, de segunda a sexta feira, das 8 horas às 18 horas. "

BrahmaFla

  • Queria muito poder dar a desculpa de que o time está com a cabeça na liberta. (Deus queira!!) Porque um time do flamengo (titular!!??) não pode jogar assim contra o madureira! O Joel acabou de chegar, beleza. Mas esse time joga junto há mais de 1 ano!! Se liga Joel, libertadores é coisa séria pra cac#ta! Os gringos lá não usam moicano, brinquinhos de diamantes, nem pintam cabelo para parecer uma calopsita. ELES JOGAM A VIDA DO INÍCIO AO FIM. Atividade, Atividade!!

Romário diz que Câmara não vota nada há 3 semanas Deputado criticou parlamentares por demora nas votações de propostas, entre elas, a que fixa o piso salarial de policiais militares

Romário, deputado federal, em seu gabinete na Câmara
Romário, deputado federal, em seu gabinete na Câmara 
O deputado federal Romário (PSB-RJ) disparou críticas contra os colegas da Câmara dos Deputados na madrugada desta quinta-feira em seu Twitter. O ex-jogador de futebol reclamou da falta sensatez diante da demora de votações, inclusive da PEC 300. A Emenda Constitucional fixa o piso salarial de policiais militares e bombeiros no valor de 3 500 reais e é uma das reivindicações dos PMs na Bahia.
“Têm três semanas que venho em Brasília para trabalhar e nada acontece. E olha que estamos em ano de eleição”, disse Romário no microblog. “Espero que na minha próxima vinda a Brasília tenha alguma p... pra fazer. Ou será que o ano só vai começar depois do carnaval?”, questionou.
O ex-jogador disse que é preciso resolver os “problemas” dos policias, ainda que acredite que nada deva ser levado para o lado da “baderna”. “Têm greves acontecendo, pessoas morrendo e lojas sendo saqueadas. Nós políticos somos culpados mesmo!”. Ele afirmou que um policial carioca não pode ganhar menos de mil reais e adiantou que votará a favor dos policias em relação à PEC 300.
Desde que assumiu uma cadeira na Câmara, o ex-jogador tem demonstrado não ter papas na língua. Um de seus alvos principais é o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira. Romário defendeu a demissão do presidente da CBF.

Adele diz que ficou muda por semanas após cirurgia Cantora afirma em entrevista à programa de televisão que tinha de usar aplicativo de celular para se comunicar e xingar -- coisa que ela adora fazer

Adele durante performance no MTV Video Music Awards em Los Angeles
Adele durante performance no MTV Video Music Awards em Los Angeles 



Cantora mais popular do momento e recordista de venda de discos no ano passado, Adele quase perdeu a voz após uma cirurgia nas cordas vocais no ano passado. Ela ficou sem falar por algumas semanas quando teve de realizar um procedimento após ter hemorragia nas cordas vocais, causada por muito esforço e turnês extensas. Mas ficar sem cantar não foi seu maior problema naquela época.
"Eu adoro xingar e falar palavrões", conta a cantora de 23 anos em entrevista ao programa 60 Minutes, apresentado por Anderson Cooper, que vai ao ar nos Estados Unidos neste domingo. "Foi muito difícil, porque eu adoro falar", diz Adele, que enquanto não podia falar, usou um aplicativo para celular que falava as palavras por ela. Mas, diz, a maioria destes programas não permitem usar xingamentos.
"Eu procurei bastante e encontrei este com o qual você pode xingar. Fiquei tão feliz, porque ainda conseguia me comunicar normalmente e ser compreendida pelas pessoas", afirma Adele, que após um longo período de recuperação, está com as cordas vocais tinindo e vai fazer seu retorno aos palcos neste domingo, durante a entrega do Grammy.

Filha de Wando expulsa Agnaldo Timóteo de velório do pai Ele afirma que tinha uma relação "maravilhosa" com Wando. "Já até pedi dinheiro emprestado para ele"; família teria ficado brava após Timóteo dizer na televisão que Wando gostava de uísque

A filha de Wando,impediu que Agnaldo Timóteo prestasse homenagem ao cantor durante a cerimônia religiosa, no cemitério Bosque da Esperança
A filha de Wando,impediu que Agnaldo Timóteo prestasse homenagem ao cantor durante a cerimônia religiosa, no cemitério Bosque da Esperança 


A família pediu privacidade no velório de Wando -- queria apenas familiares e amigos no cemitério Bosque da Esperança, em Belo Horizonte --, mas as fãs apareceram mesmo assim para homenagear o ídolo com suas maçãs e calcinhas. A família só não esperava que uma atitude desagradável partiria justamente de um amigo de Wando, o cantor Agnaldo Timóteo. Prestando seu adeus ao colega, o cantor brega quis pegar o microfone, que estava com o padre, e "agradecer a imprensa por tratar Wando de maneira respeitosa após sua morte", mas a filha de Wando, Gabrielle Burcci, não deixou e pediu que Timóteo fosse embora do velório.
"A filha dele não me deixou nem agradecer, mas a gente precisa respeitar a reação de uma família que acaba de perder um mito da música nacional. Eles estão bravos comigo porque eu falei no programa da Sônia Abraão que Wando gostava de uísque. Só que eles não sabem que quando eu fui embora do programa, me disseram que ele não bebia mais há anos e eu enviei um bilhete pedindo desculpas, que a Sônia leu no ar no mesmo dia", disse o músico.
"Eu sempre imaginei que Wando gostasse de uísque, porque ele sempre gostou de bons restaurantes, bons carros... Ele gostava da noite", afirmou Timóteo. "Eu tenho uma amizade de 35 anos com o Wando, não 35 dias. Minha relação com Wando era maravilhosa, já até pedi até dinheiro emprestado para ele. A filha dele nem me conhece, por isso me tratou assim. Já o Junior, outro filho dele, eu conheço muito bem e sei que ele deu muito trabalho para o Wando, esteve envolvido com coisas muito desagradáveis", disse o músico, sem especificar a que se referia.

Denuncia

Amigos se vc não estiver satisfeito com os problemas de seu bairro, aqui segue uma dica de mas um parceiro do povo....
Liguem e denunciem na Band..
12.97111313 vale urgente - denuncie

Entenda o que comprar na Liquidação Marisa a Preço de Banana

E o CDP de Caraguá?

Infelizmente o sistema carcerário no Brasil, não ressocializa quase ninguém...

Dia do Frevo ...

Greve ou motim?

Greve ou motim?

policia Greve ou motim?
A situação na Bahia está passando dos limites? O que você acha?
É greve ou um motim de servidores públicos?
Policial militar, que tem tanta relevância para a segurança pública e a ordem pública, pode entrar em greve?
Quais são suas opiniões sobre as perguntas acima?

Conhecer.....

Você pode ter todo conhecimento e cultura que o mundo oferece. Pode ser dono das mais belas palavras. Pode ter feito várias faculdades e completado vários cursos. Pode falar várias línguas. Isso faz te ti uma pessoa culta. Mas a Sabedoria é algo muito maior que isso e um Sábio pode ter poucos conhecimentos, falar apenas um idioma, talvez nem escrever tudo corretamente. Pois Sábio é aquele que coloca seu conhecimento em PRÁTICA e a Sabedoria é conhecer e aplicar o que se aprendeu, seja na vida ou na Universiade. Acumular conhecimento e não colocá-lo em uso no dia dia é como ter um copo cheio de água próximo as mãos e não poder bebê-lo para matar a sede.

Deus é Deus

Existe um Deus que habita em sua
mente e em seu coração.
Existe um Deus que mandou o sol para
iluminar sua estrada e a sua vida.
Existe um Deus que sara suas feridas,
alivia as suas dores, enxuga as suas
lágrimas e acolhe seus prantos se surgirem.
E esse mesmo Deus olha por você.

E agora?

O motorista que atropelou e matou um casal na noite da ultima segunda-feira se apresentou hoje pela manhã á policia. Na companhia de um advogado o acusado disse não ter visto as vitimas travessando a pista e alegou não ter parado para prestar socorro temendo ser linchado por populares.
Na companhia de um advogado o homem foi ouvido pela policia civil e liberado. 

A Polícia Civil localizou o automóvel responsável pela morte de um casal, na noite da última segunda-feira, que tentava atravessar a rodovia Rio/Santos (SP-55) no km 106, no sentido leste (São Sebastião/Caraguatatuba) próximo ao novo shopping...

SOS Caraguatauba / SP....

 Procura-se
A Polícia Civil ainda continua as buscas pelo suspeito da morte da aposentada Vera Sales, 64 anos, no último dia 31 de janeiro. A polícia está divulgando uma foto e o nome do suspeito e pede para que a quem tiver qualquer informação sobre o paradeiro do fugitivo Luciano Costa de Almeida Lima entre em contato com a Delegacia de Polícia de Caraguatatuba pelos telefones: 3882-2313 / 3882-2333 / 3882-3388.

Boa tarde

De repente um monte de marteladas e achei que estivesse numa lobotomia. Mas a Lobotomia só precisa de uma martelada. Que barulho é esse a essa hora da manhã? Cada martelada parecia que um parafuso da TV estava sendo fincado na minha cabeça, como se eu estivesse me tornando um monitor que apenas repete palavras feito o papagaio da piada sem graça. E quando despertei, a pouco, fui procurar de onde minhas estas batidas. Não eram o meu coração, tão pouco eram ilusões de algum sonho desagradável. Meus pés doloridos pisaram ao chão num movimento em camera lenta saltados da cama. Fui cambaleando até as escadas, desci lentamente e dei de cara com uma obra dentro da minha casa. Franzi a testa, por educação dei bom dia ao trabalhador e ouvi em seguida o barulho de uma furadeira invadindo meus tímpanos. Tentei fingir que aquilo não estava me incomodando. Essa obra em minha casa... Quem estava cordenando? Pouco importa. Tive de dar bom dia para mais 5 trabalhadores, que acordaram provavelmente muito mais cedo do que eu e devem ter pego conduções em péssimos estados para chegarem até aqui. Mas estavam lá trabalhando, eu é que estava dormindo.
Foi quando olhei aquele sorriso lindo vindo do sofá. Deitada vendo desenho animado sem se importar com a barulheira ensurdecedora.
- Papai, eu te amo!
- Também te amo minha filha. Bom dia!
- Bom dia papai.

E meu breve mau humor desapareceu como se nunca tivesse existido antes.
Nada mais divino do que o poder do sorriso sincero e carinhoso de uma criança. Nada mais sublime do que amar e ser amado por seus filhos.
O outro?

Esta dormindo como se fosse o príncipe encantado na versão oposta da Branca de neve. Como se estivesse um silêncio paradisíaco. Dei um beijo em sua testa e o deixei descansando.

Assim começa o meu dia que tinha tudo para começar já de saco cheio, mas que foi salvo pela singela existência desses seres iluminados na minha vida, e é nesse espírito que desejo a todos vocês um BOM DIA! ;)

A EDUCAÇÃO EM DUQUE DE CAXIAS NO MANDATO DE ZITO - REDE BANDEIRANTES DE TV

Para Pedro Rios Leão

 
 
Ficar de casa SENTADO NA FRENTE DO COMPUTADOR estimulando uma Ação onde uma pessoa esta colocando sua saúde em jogo para chamar atenção de quem não quer ter sua atenção chamada não é uma atitude revolucionária.
Querem fazer algo por PINHEIRINHO E  pelo Pedro, então saiam de suas casas e tomem as ruas! Se juntem e caminhem do Rio, de SP, de todos os lugares até o Supremo Tribunal Federal em Brasília e LÁ nós atingimos o ALVO. Foram eles quem permitiram aquela baderna e aquela tragédia!
 
Querem repercutir a TRAGÉDIA QUE A MÍDIA ESTA OMITINDO?
GANHEM AS RUAS.
SENTADOS DIANTE DO COMPUTADOR O MÁXIMO QUE FARÃO É TIRAR UM POUCO DA CULPA POR NÃO SAIR DO CONFORTO DE SUAS CASAS PARA LUTAR.
A internet ajuda sim.
MAS PARA AS MUDANÇAS QUE COBRAMOS, temos que estar nas RUAS, diante dos órgão de JUSTIÇA competentes, tentando as transformações.

 Sem mais.

Pacto de silêncio



A internet expõe cada vez mais a fragilidade de um mecanismo assustador no que diz respeito a uma das classes mais poderosas desse país. O pacto de silêncio e o medo que muitos artistas tem de manifestar suas opiniões com relação a assuntos importantes e de cunho social e político tem uma Raiz forte na falsa sensação de liberdade da qual supostamente desfrutamos.
 
Tenho medo também. Mas arrisco fazer uma análise fria, sem generalizar e consciente de que a escolha pelo não envolvimento de nomes consagrados, não só da musica, mas de todos os demais segmentos como a TV, Cinema, Teatro, que falam diretamente com o público de massa, leia-se o POVO, está diretamente relacionado com as questões financeiras a qual todos nós estamos necessariamente ligados e de certa forma dependentes.
 
Escolho fazer este manuscrito, ciente de que já não sou bem visto por muitos de meus colegas artistas, porém, com o cuidado daquele que precisa registrar uma opinião onde falta exatamente a opinião. Não me sinto mais capaz do que ninguém, e muito menos me sinto mais corajoso do que outros já foram ou estão sendo. Me sinto apenas responsável por buscar um entendimento geral em meio a tanto silêncio.
 
Por que parte da Classe artística prefere não se posicionar diante dos assuntos em pauta no Brasil?
 
A melhor palavra que encontro é MEDO. E não me entendam mal, o medo é importante para que você possa delimitar o grau de risco que quer correr, mas ele é negativo quando lhe tira o poder de decisão e lhe joga diante de uma atitude covarde.
 
É como se estivéssemos todos pisando em ovos o tempo inteiro. Medindo cada discurso, cada frase, cada palavra. Tentando não afetar os interesses daqueles que determinam os rumos do poder, das verbas e das influências. Quanto mais em cima do muro, quanto mais escorregadio, quanto mais jogo de cintura, melhor. Ninguém se compromete com nada que possa gerar constrangimentos aos que dão as cartas. Para isso: assessores de imprensa, empresários, empresas que cuidam, resgatam e trabalham a imagem perfeita, do artista perfeito. Aquele que vende sorrisos, que estampa publicações sobre amenidades, que desfruta das  melhores festas, nos melhores canais, ao lado de gente que decide seus rumos nos trabalhos futuros e criando um desejo coletivo dos que acompanham seus passos em se tornar como eles, felizes ininterruptamente.
 
Quem vai querer se indispor com um Governador de um Estado influente? E perder o incentivo para seu filme ou seu show? Quem vai questionar um Prefeito que todo ano contrata aquele show bacana com um cachê gordo? E não temos como julgar a procedência de tais recursos. O que podemos é fazer a nossa parte dentro da lei. Quem é que vai apontar os problemas de uma cidade e prejudicar o bom andamento do rebanho? Quem? Para quê? E com quais garantias?
 
Como se não bastasse muitas vezes estar nas mãos de políticos, que por sua vez detém muitos veículos de mídia em seus tentáculos, os artistas ainda precisam se cuidar com relação as grandes empresas. Boa parte de recursos para patrocínios vem destas mega corporações que por sua vez inevitavelmente passam pelo crivo e pelas relações com os homens de terno e gravata que orientam em que investir e quem representa riscos para seus interesses.
 
Vale a pena associar a imagem da sua empresa a alguém que esta constantemente envolvido em assuntos que queremos todos jogar para debaixo dos tapetes?
 
Será que é interessante dar voz pública a eles?
 
Com as redes sociais, fica cada vez mais evidente esse silêncio e esse cuidado em manifestar opiniões que possam render polêmicas “desnecessárias”.
 
Certa vez ouvi de um dos meus ídolos, que prefiro omitir o nome.
 
Você quer ganhar dinheiro ou quer mudar o mundo?
 
Se quiser ganhar dinheiro, esquece esse discurso “rebelde” e revolucionário. Fica quieto no seu canto, faz a sua música e não incomoda ninguém. Você será bem vindo e certamente poderá desfrutar de mais conforto.
 
Quero ter meu dinheiro, minha autonomia, minha vida com conforto para meus filhos, minha família. Quero pagar minhas contas em dia e não preciso de tantas regalias ou luxos. Sou feliz com o que conquistei as custas de muito trabalho, de opções que nem sempre foram as melhores escolhas diante desta equação que envolve o jogo de cintura e o usufruto da influência daqueles que comandam. Poderia hoje ser mais rico, ter o respaldo dos núcleos que fomentam e escolhem as melhores bocadas para os que se dispõem a colaborar com o silêncio, mas se optasse por isso e simplesmente só por isso, não sei se conseguiria dormir em paz.
 
 O preço que pago é alto. Menos espaços, menos atenção, um certo ar de deboche onde passo, piadinhas que pensam que não percebo, mas acima de tudo, me sinto coerente com o estilo de vida pelo qual optei.  Nos momentos em que tentei ser mais “flexível” com relação a minhas abordagens, senti que estava traindo algo dentro de mim e isso não me fez bem. Seria prepotência da minha parte exigir que outros artistas fizessem o mesmo, mas me intriga o silêncio completo... Diante de Massacres como o do Pinheirinho, das Greves dos PMs pelo Brasil, das elucubrações políticas que desviam milhões de Reais pelos ralos da corrupção e nós sabemos o poder de influência de um artista de massa diante de seu público. O quanto isso faria com que algumas pessoas pudessem no mínimo perceberem o que se passa ao redor além das tradicionais baladas.
 
As respostas, quando vem, são camufladas de uma aura de cumplicidade, é mais inteligente pedir PAZ do que se posicionar diante de questões que repercutem na vida de todos nós. Pedir PAZ é estar neutro, é querer que um anjo venha do céu e ilumine a cabeça daqueles que estão envolvidos nos escândalos ou nos cenários mais absurdos, como os que estamos acompanhando ultimamente.
 
Não lhes culpo.
 
Quando um filme nacional acaba, fico para ver quem foi que deu o apoio, quem foi que bancou aquele projeto e são sempre as mesmas empresas, algumas delas inclusive Estatais. Como fazer um roteiro contundente usando o dinheiro daquele que poderá ser o alvo?
 
Nos anos de chumbo, existia uma cumplicidade entre a classe artística porque o inimigo estava de farda e dando ordens de uma maneira ostensiva e repressora.
 
Atualmente estamos sob um regime muito semelhante no que se refere a liberdade de expressão e suas consequências.
 
Se você optar por abrir o verbo e questionar ou apontar para alguma direção que vá de encontro aos interesses destes homens que determinam as novas regras, fatalmente terá a antipatia deles. E como numa rede, um aponta para o outro aqueles que são fáceis de manejar e os que “Vão causar encrenca”, seu nome na lista negra é a certeza de menos espaços e menos possibilidade de atingir o público.
 
Nesse cenário, é que me pego completamente perdido em como agir para manter meu território, conseguir ultrapassar a barreira e o isolamento a qual de certa forma fui exposto e sobreviver com minhas convicções de que a ARTE  tem como poder transformador as mãos que movimentam o âmago da sociedade, e os artistas tem como função levar o sorriso e a alegria para seus fãs e seguidores, mas não teriam também a função de protegê-los desse mecanismo cínico?
 
Não estou direcionando este texto para ninguém diretamente.
 
Apenas propondo uma reflexão coletiva, que indica uma Possível maneira de controlar opiniões através da manutenção e da administração das influências e das verbas de patrocínio e incentivo.
 
Artista que tem opinião em geral é mau visto e morre ignorado.
 
Com  a internet o cenário mudou bastante, mas está longe de ter apoio da população.
 
É como se os Artistas fossem apenas anjos designados para nos saudar com sorrisos e atitudes de conivência.
 
Rogo para que não me entendam mal, mas para que compartilhem deste pensamento.
 
Porque existe um Pacto de silêncio tão grande entre as estrelas do Brasil?
 
E se eles se manifestassem com mais veemência seriam as estrelas que são?
 
Pense sobre isso.
 
Abs

Se estiver sem sono!

Fiz um texto no meu blog hoje, questionando o motivo pelo qual muitos artistas, não todos, ficam nesse silêncio ensurdecedor diante de tantos fatos políticos e sociais que estão expostos nas Redes Sociais e nas Mídias tradicionais. Uma reflexão que venho buscando há tempos. Sem acusações, sem insinuações, direto e claro.

O que faz com que nossa Classe de músicos, atores, atrizes, cineastas, os grandes artistas desse país fiquem nessa posição tão silenciosa?