A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

domingo, 26 de abril de 2015

Já conhece o coletor menstrual? Saiba tudo sobre o novo queridinho das mulheres!

A estudante de Relações Públicas de 23 anos, Lara Pascom, sempre se sentiu desconfortável com o uso dos absorventes convencionais. Após descobrir que eles podem causar irritações, tanto pelo material químico presente no algodão do absorvente como por deixarem a região abafada, ela começou a usar o coletor menstrual, conhecido também como "copinho", em 2012. 
coletor menstrual, como o próprio nome indica, é um copinho que coleta o sangue da menstruação. Feito de silicone hipoalergênico [livre de substâncias que podem causar alguma reação alérgica] e antibacteriano, ele se ajusta facilmente ao corpo da mulher.
"Li uma matéria sobre as mulheres usarem oito toneladas de absorventes ao longo da vida e isso me deixou bastante pensativa. Descobri o coletor numa loja de produtos naturais. Eu buscava um absorvente lavável e achei o coletor que, além de lavável, é interno e me poupa do desconforto do volume que os absorventes causam", conta a estudante.
Manuseio do coletor menstrual
O produto é mais barato do que os absorventes íntimos convencionais e é mais ecológico porque não produz lixo. Em média, as mulheres gastam R$ 9 mil com absorventes descartáveis, seja internos ou externos, ao longo da vida. Além disso, o coletor menstrual é mais prático: diferente do absorvente íntimo, que é colocado ao fundo do canal vaginal, o coletor fica na entrada da vagina, facilitando a remoção sem sujeira.
Claro que no começo colocar o coletor menstrual tem lá suas dificuldades, dizem as adeptas, mas todas elas são bem superáveis. A estudante Lara Pascom conta que, como os coletores vêm com haste para facilitar a retirada, a experiência inicial foi desconfortável. "Um dos pontos positivos no uso do coletor é você criar consciência do seu músculo da pélvis. Eu entendi que ao fazer uma força similar a da urina eu conseguiria retirar o coletor sem a haste e isso tornou o uso confortável porque ele fica todo interno. Sem contar que é seguro e encaixa sem causar desconforto. Parece que estou sem nada", diz a estudante.
"O uso do coletor me permitiu ter mais contato com o meu corpo sem nojo, sem tabus, o que é um um pouco difícil para as mulheres que nunca tiveram esse estímulo e tratam a menstruação como um problema, como uma semana chata do mês", reforça a estudante, que costuma fervê-lo numa panela utilizada exclusivamente para isso no primeiro dia do ciclo e no último menstrual. "Para as mulheres que desejam testar o coletor, você vai gastar uma vez só com algo que usará todo mês e que vai durar anos. Nesses três anos nunca troquei o produto e ele ainda está ótimo", recomenda.
Coisas que você precisa saber sobre o coletor!
A ginecologista e sexóloga Carol Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite, centro de sexualidade feminina do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), recomenda o uso do coletor menstrual. "Ele traz praticidade para a vida das mulheres. Como o coletor é intravaginal, ele pode ser um empecilho para aquelas que têm mais dificuldade de lidar com a própria vagina, algo que não é tão raro, infelizmente", explica.
coletor menstrual pode ficar até 12 horas sem precisar esvaziar, mesmo para a mulher que tem fluxo intenso. "Além disso, é bom para ir à praia, dormir, fazer exercícios, namorar ou se masturbar (sem penetração)", afirma Lara Pascom.
O produto custa entre R$ 79 e R$ 100 (os preços podem variar) e algumas empresas vendem pela internet como a MoonCup e a InCiclo, por exemplo. O uso do coletor menstrual só não é indicado para mulheres com alergia ao silicone, que estão no pós-parto, que têm má-formação vaginal, secreção vaginal aumentada ou infecção.
"O coletor não provoca alteração da flora vaginal e é até melhor porque não 'abafa' a vagina como os absorventes tradicionais. Seu uso não causa infecção urinária. Mas ele só deve ser usado no período menstrual", reforça a ginecologista Carol Ambrogini.
<p>A estudante de Relações Públicas de 23 anos, Lara Pascom, sempre se sentiu desconfortável com o uso dos absorventes convencionais. Após descobrir que eles podem causar irritações, tanto pelo material químico presente no algodão do absorvente como por deixarem a região abafada, ela começou a usar o <strong>coletor menstrual</strong>, conhecido também como "copinho", em 2012. </p><p>O <strong>coletor menstrual</strong>, como o próprio nome indica, é um copinho que coleta o sangue da menstruação. Feito de silicone hipoalergênico [livre de substâncias que podem causar alguma reação alérgica] e antibacteriano, ele se ajusta facilmente ao corpo da mulher.</p><p>"Li uma matéria sobre as mulheres usarem <strong>oito toneladas de absorventes</strong> ao longo da vida e isso me deixou bastante pensativa. Descobri o coletor numa loja de produtos naturais. Eu buscava um absorvente lavável e achei o coletor que, além de lavável, é interno e me poupa do desconforto do volume que os absorventes causam", conta a estudante.</p><p><strong>Manuseio do coletor menstrual</strong></p><p>O produto é mais barato do que os absorventes íntimos convencionais e é mais ecológico porque não produz lixo. Em média, as mulheres gastam R$ 9 mil com absorventes descartáveis, seja internos ou externos, ao longo da vida. Além disso, o coletor menstrual é mais prático: diferente do absorvente íntimo, que é colocado ao fundo do canal vaginal, o coletor fica na entrada da vagina, facilitando a remoção sem sujeira.</p><p>Claro que no começo colocar o coletor menstrual tem lá suas dificuldades, dizem as adeptas, mas todas elas são bem superáveis. A estudante Lara Pascom conta que, como os coletores vêm com haste para facilitar a retirada, a experiência inicial foi desconfortável. "Um dos <strong>pontos positivos no uso do coletor</strong> é você criar consciência do seu músculo da pélvis. Eu entendi que ao fazer uma força similar a da urina eu conseguiria retirar o coletor sem a haste e isso tornou o uso confortável porque ele fica todo interno. Sem contar que é seguro e encaixa sem causar desconforto. Parece que estou sem nada", diz a estudante.</p><p>"O uso do coletor me permitiu ter <strong>mais contato com o meu corpo</strong> sem nojo, sem tabus, o que é um um pouco difícil para as mulheres que nunca tiveram esse estímulo e tratam a menstruação como um problema, como uma semana chata do mês", reforça a estudante, que costuma fervê-lo numa panela utilizada exclusivamente para isso no primeiro dia do ciclo e no último menstrual. "Para as mulheres que desejam testar o coletor, você vai gastar uma vez só com algo que usará todo mês e que vai durar anos. Nesses três anos nunca troquei o produto e ele ainda está ótimo", recomenda.</p><p><strong>Coisas que você precisa saber sobre o coletor!</strong></p><p>A ginecologista e sexóloga Carol Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite, centro de sexualidade feminina do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), recomenda o uso do coletor menstrual. "Ele traz praticidade para a vida das mulheres. Como o coletor é intravaginal, ele pode ser um empecilho para aquelas que têm mais dificuldade de lidar com a própria vagina, algo que não é tão raro, infelizmente", explica.</p><p>O <strong>coletor menstrual</strong> pode ficar até 12 horas sem precisar esvaziar, mesmo para a mulher que tem fluxo intenso. "Além disso, é bom para ir à praia, dormir, fazer exercícios, namorar ou se masturbar (sem penetração)", afirma Lara Pascom.</p><p>O produto custa entre <strong>R$ 79 e R$ 100</strong> (os preços podem variar) e algumas empresas vendem pela internet como a MoonCup e a InCiclo, por exemplo. O uso do coletor menstrual só não é indicado para mulheres com alergia ao silicone, que estão no pós-parto, que têm má-formação vaginal, secreção vaginal aumentada ou infecção.</p><p>"O coletor não provoca alteração da flora vaginal e é até melhor porque não 'abafa' a vagina como os absorventes tradicionais. Seu uso não causa infecção urinária. Mas ele só deve ser usado no período menstrual", reforça a ginecologista Carol Ambrogini.</p><p>Quer saber mais sobre o produto?</p><p><strong>CLIQUE NAS IMAGENS PARA CONFERIR!</strong></p><p><strong><a href="https://www.facebook.com/EscolaDeVoce">* Curta a FANPAGE da Escola de Você</a></strong></p><p><strong>* Siga o Tempo de Mulher nas redes sociais: </strong><a href="https://www.facebook.com/tempodemulher">Facebook</a> / <a href="https://twitter.com/tempodemulher">Twitter</a> / <a href="http://instagram.com/tempodemulheroficial">Instagram</a></p><p><strong><a href="https://www.facebook.com/anapaulapadrao?fref=ts">* Curta a FANPAGE da Ana Paula Padrão</a></strong></p>

JÁ CONHECE O COLETOR MENSTRUAL? SAIBA TUDO SOBRE O NOVO QUERIDINHO DAS MULHERES!

A estudante de Relações Públicas de 23 anos, Lara Pascom, sempre se sentiu desconfortável com o uso dos absorventes convencionais. Após descobrir que eles podem causar irritações, tanto pelo material químico presente no algodão do absorvente como por deixarem a região abafada, ela começou a usar o coletor menstrual, conhecido também como "copinho", em 2012.
coletor menstrual, como o próprio nome indica, é um copinho que coleta o sangue da menstruação. Feito de silicone hipoalergênico [livre de substâncias que podem causar alguma reação alérgica] e antibacteriano, ele se ajusta facilmente ao corpo da mulher.
"Li uma matéria sobre as mulheres usarem oito toneladas de absorventes ao longo da vida e isso me deixou bastante pensativa. Descobri o coletor numa loja de produtos naturais. Eu buscava um absorvente lavável e achei o coletor que, além de lavável, é interno e me poupa do desconforto do volume que os absorventes causam", conta a estudante.
Manuseio do coletor menstrual
O produto é mais barato do que os absorventes íntimos convencionais e é mais ecológico porque não produz lixo. Em média, as mulheres gastam R$ 9 mil com absorventes descartáveis, seja internos ou externos, ao longo da vida. Além disso, o coletor menstrual é mais prático: diferente do absorvente íntimo, que é colocado ao fundo do canal vaginal, o coletor fica na entrada da vagina, facilitando a remoção sem sujeira.
Claro que no começo colocar o coletor menstrual tem lá suas dificuldades, dizem as adeptas, mas todas elas são bem superáveis. A estudante Lara Pascom conta que, como os coletores vêm com haste para facilitar a retirada, a experiência inicial foi desconfortável. "Um dos pontos positivos no uso do coletor é você criar consciência do seu músculo da pélvis. Eu entendi que ao fazer uma força similar a da urina eu conseguiria retirar o coletor sem a haste e isso tornou o uso confortável porque ele fica todo interno. Sem contar que é seguro e encaixa sem causar desconforto. Parece que estou sem nada", diz a estudante.
"O uso do coletor me permitiu ter mais contato com o meu corpo sem nojo, sem tabus, o que é um um pouco difícil para as mulheres que nunca tiveram esse estímulo e tratam a menstruação como um problema, como uma semana chata do mês", reforça a estudante, que costuma fervê-lo numa panela utilizada exclusivamente para isso no primeiro dia do ciclo e no último menstrual. "Para as mulheres que desejam testar o coletor, você vai gastar uma vez só com algo que usará todo mês e que vai durar anos. Nesses três anos nunca troquei o produto e ele ainda está ótimo", recomenda.
Coisas que você precisa saber sobre o coletor!
A ginecologista e sexóloga Carol Ambrogini, coordenadora do Projeto Afrodite, centro de sexualidade feminina do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), recomenda o uso do coletor menstrual. "Ele traz praticidade para a vida das mulheres. Como o coletor é intravaginal, ele pode ser um empecilho para aquelas que têm mais dificuldade de lidar com a própria vagina, algo que não é tão raro, infelizmente", explica.
coletor menstrual pode ficar até 12 horas sem precisar esvaziar, mesmo para a mulher que tem fluxo intenso. "Além disso, é bom para ir à praia, dormir, fazer exercícios, namorar ou se masturbar (sem penetração)", afirma Lara Pascom.
O produto custa entre R$ 79 e R$ 100 (os preços podem variar) e algumas empresas vendem pela internet como a MoonCup e a InCiclo, por exemplo. O uso do coletor menstrual só não é indicado para mulheres com alergia ao silicone, que estão no pós-parto, que têm má-formação vaginal, secreção vaginal aumentada ou infecção.
"O coletor não provoca alteração da flora vaginal e é até melhor porque não 'abafa' a vagina como os absorventes tradicionais. Seu uso não causa infecção urinária. Mas ele só deve ser usado no período menstrual", reforça a ginecologista Carol Ambrogini.