A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sábado, 21 de junho de 2014

Exibida no lugar do 'Jô', 'Revenge' faz crescer audiência na Copa

Emily VanCamp  em cena de 'Revenge' (Foto: Divulgação)EMILY VANCAMP EM CENA DE 'REVENGE' 
“Revenge”, exibida no lugar do “Programa do Jô” durante a Copa, fez crescer a audiência da faixa. Na primeira semana (9 a 13 de junho), a série teve média de seis pontos no Rio, um aumento de um ponto. Em São Paulo, cravou seis, dois a mais do que o alcançado nas semanas anteriores.
 Números
Entre 9 e 15 de junho, os 20 programas mais vistos da TV no Rio são da Globo. Os primeiros, na ordem: a estreia da Copa (38 pontos); “Em família”(37) e o “Jornal Nacional” (32).
 Pingos nos is
Fausto Galvão liga para corrigir: ele é supervisor de texto de “Mar salgado”. Inês Gomes é a autora portuguesa da novela da SIC.
 Procrastinação
Como tudo atualmente, só sairá depois da Copa a decisão sobre a novela que sucederá a “Chiquititas” no SBT. Por conta do Mundial, as negociações com a Televisa estão praticamente paradas. O SBT adaptará uma produção da mexicana. As mais cotadas são “Carinha de anjo” e “Patinho feio”.
Pedro Bial (Foto: Paulo Belote/TV Globo)PEDRO BIAL
É sábado, dia da gravação do “Na moral” no Projac. A pauta, a identidade nacional, reuniu do ator Tony Ramos ao economista Eduardo Giannetti, sob a direção de José Lavigne. O programa vai entrar na terceira temporada encadeando mais os temas e elementos de cena. Por exemplo, Pretinho da Serrinha foi a presença musical. Agora, essa presença é mais participativa do que decorativa, como acontecia em temporadas anteriores. Os assuntos tratados também serão aparentados: racismo e justiça estão entre os próximos. O espírito da coisa, porém, está mantido: a ideia é expandir os limites da discórdia, exercitando o debate, levando para o palco o paroxismo do exercício da democracia. Abraçar vertentes diversas, do extremo popular à discussão mais intrincada, é, afinal, especialidade de Pedro Bial, apresentador e responsável pelo roteiro final do programa, figura de frente do “Big Brother Brasil” e prestes a estrear como autor de teatro com “Chacrinha: O Velho Guerreiro”. Chacrinha, aliás, foi uma presença incorpórea na gravação. Três horas mais tarde, depois do acalorado debate que o público verá na noite de 3 de julho na Globo, Bial falou de seu trabalho na TV e no teatro e desabafou sobre os ataques de que é alvo por causa do reality no ar há mais de uma década.
Nessa terceira temporada, o “Na moral” terá menos episódios. Qual é o efeito no programa?
Faremos sete edições até o início da campanha eleitoral, que vai ocupar o horário. A primeira temporada teve nove, a segunda, 13. Por um lado é pena, por outro, muito bom, porque os temas terão correlação mais estreita, a temporada pode ficar mais orgânica. Vamos começar com identidade nacional, depois falaremos de outras questões que têm a ver com isso, como racismo e justiça. O “Na moral” vai chegando, e eu fico nervoso, não durmo bem há uma semana pensando no programa. Acordo no meio da noite com alguma ideia. O programa é um palco de debates de assuntos que em geral são discutidos na TV a cabo. Trazemos isso para um ambiente popular. Precisamos também morder a concorrência, claro. Os programas de debate meio que desapareceram da TV aberta, não sei por quê.
Não seria talvez porque as pessoas repetem as mesmas opiniões socialmente aceitáveis e falta sinceridade?
Essa falsa etiqueta precisa ser quebrada. A virulência dos debates está monopolizada e deformada pelas redes sociais. Quando mostra a cara, todo mundo posa de comportado. Seremos contundentes, buscamos isso. O melhor elogio que eu recebi para o “Na moral” foi da Cláudia Abreu, que participou da edição sobre aborto. Estávamos numa mesa com um ator que eu queria convidar para o programa. E ela argumentou para me ajudar: “O programa é ótimo, porque lá as pessoas falam tudo mesmo”. É isso que perseguimos. Fica bom quando a pessoa não faz uma abordagem intelectual apenas e fala com o coração, quando faz um desabafo sobre o tema. Isso aconteceu quando o Pedro Cardoso participou da discussão sobre privacidade. Falar com raiva também é bom. Raiva não é feio, não. E discordar de alguém não é ofender.
Falta a cultura da discórdia?
Sim. Fui gravar chamadas na rua e você sente todo mundo embriagado pela liberdade que a democracia oferece. É a liberdade de xingar a presidente no estádio. Mas esquecem que difícil é garantir as diferenças, promovê-las, ouvir o que você não quer ouvir, dar voz a quem você detesta.
Você está dizendo, portanto, que vozes como a da âncora do SBT Rachel Sheherazade são positivas?
Se ela não estivesse em outra emissora, certamente seria convidada para o “Na moral”. Ela representa o pensamento de parte significativa dos brasileiros. No ano passado, quando convidei o pastor Silas Malafaia para uma edição, houve resistência da equipe. Mas acho que todos devem ser incluídos no debate, comprometidos com o jogo democrático. Às vezes tenho que engolir em seco, respirar e ouvir coisas com que não concordo. Diagnósticos de Brasil opostos a tudo o que eu penso. E ainda peço à plateia para aplaudir. Muitas e muitas vezes.
Uma das edições da temporada será ao vivo, sobre o homem digital. Foi o “BBB” que te forneceu segurança pra fazer ao vivo? Não dá medo?
O “BBB” me deu a cancha de fazer o ao vivo não controlado, em que erros podem acontecer, e acontecem. Ora, ninguém vai ao circo para ver o acrobata acertar. Acho que TV é para ser ao vivo, fica 300 vezes mais quente. É a diferença entre a rádio AM e a FM.

Você participa dos fóruns que Carlos Henrique Schroder (diretor-geral da Globo) criou. O que isso significa?
Significa repensar a televisão e avançar. Desde 2013, a direção decidiu atiçar seus criadores. Avancem, ousem! É o que a gente ouve. É uma delícia, né?
Voltando ao programa gravado de hoje, o palco estava festivo, com moças dançando e um carnaval. Nos bastidores você estava com uma cartola de Chacrinha, mas não usou. Por quê?
Foi a roteirista Fernanda Scalzo quem propôs aquele clima chacrinhesco para esquentar. Ela sabe que eu ainda estou com isso na cabeça. Fiz o primeiro tratamento da peça, que está prevista para o fim do ano. Também fui convidado para fazer o roteiro do filme (que deve ser rodado no ano que vem) e está tudo acertado verbalmente, mas ainda não assinei.
O que foi mais difícil?
Me surpreendi ao escrever os diálogos, que, achei, não conseguiria, mas não foi tão difícil, está quase bom (risos). Mas tive pudores sobre até onde ir na rubrica. Não é uma peça, é um musical, então o diretor tem que entrar muito também.
Você participou da escolha do diretor (Andrucha Waddington)?
Não, mas apoiei muito, ele é meu amigo e vai fazer muito bem. Pretendo participar de tudo o que puder, assistir aos ensaios... Se essa coisa der certo, não pretendo parar por aqui. Adorei.
Você já quis ser ator?
A Aniela (Jordan, produtora do espetáculo) brincou que eu poderia interpretar o Chacrinha. Essa chance para mim já passou. Estudei no Tablado, mas parei quando meu pai morreu. Eu era adolescente, fui jogar basquete. Só que me sinto muito próximo do teatro. Meu pai foi ator, contrarregra, diretor de cena. Foi esse trabalho dele que me permitiu estudar no Colégio Santo Inácio, ter uma boa educação. Ele fazia a ronda dos teatros para conferir o borderô e me deixava esperando no Teatro João Caetano inúmeras vezes. Por isso, sei de cor as letras, em português, de “Hello Dolly”. Agora, 50 anos mais tarde, “Chacrinha — O Velho Guerreiro” vai ser encenada lá. Uma emoção muito grande. Por causa do meu pai, me sinto muito mais do que um espectador no teatro, sinto que pertenço àquela gente.
Pedro Bial (Foto: Paulo Belote/TV Globo)
PEDRO BIAL 
Qual é o lugar do “Big Brother” na sua vida?
Ano que vem faremos uma edição que vai surpreender muito. O processo de seleção está sendo feito, e participo pela primeira vez. Não vamos reinventar o programa. A virtude dele é justamente a simplicidade. Mas a seleção está diferente. Vai ter mais gente com jeito de gente comum, menos modelos.
Você gosta mesmo de fazer o programa?
Gosto. E como somos muito atacados (ele se refere à equipe inteira), formamos um grupo coeso. É uma equipe contra todos. Claro que, depois de 14, 15 anos, recorro a toda a minha imaginação para me encantar e me mobilizar com aquele universo. Consigo sempre. Na minha vida, tenho uma história para contar: fiz parte de um fenômeno da TV brasileira. Eu me orgulho. Mas fico, sim, machucado e triste de tanto apanhar. É desproporcional. Entendo que odeiem o programa, mas, por isso, quererem destruir tudo? É uma interpretação pobre. Porque fui correspondente e fiz isso e aquilo, o fim da Cortina de Ferro e tudo o mais, é menos nobre apresentar o “Big Brother”? É só um programa de entretenimento, gente.
Você lê os ataques que lhe são dirigidos na internet?
Não leio, não quero saber. Sempre fui desenturmado, sem jeito para o traquejo social. Continuo sendo dessa maneira.
Falam que você ficou rico com o “BBB”. É verdade?
Na primeira edição, com a Marisa Orth, ganhei tão mal que na segunda me pagaram retroativo. Nos primeiros anos, não ganhava bem para fazer. Era quase por amor. Espírito de missão. A Globo me chamou, eu fui. Infelizmente, não fiquei rico. Ainda ganho menos do que mereço.
Você não faz publicidade por quê?
Falta de convite. Ainda não apareceu na minha vida um Friboi ou uma Seara.

Pacote de repetição

O governo anunciou mais do mesmo que veio distribuindo à indústria nos últimos anos e que, até agora, não garantiu o crescimento do setor nem manteve a economia em crescimento. O mandato da presidente Dilma Rousseff está chegando ao final com baixa confiança dos empresários na economia e um crescimento pífio na média dos quatro anos.
As medidas anunciadas na quarta-feira, depois de uma reunião a portas fechadas com os empresários, foram tão previsíveis que impressionaram. Até o último minuto imaginava-se que novo passe seria tentado em campo, mas foi o mesmo jogo já jogado. Foi um pouco mais de cada uma das medi- das conhecidas e anunciadas em outros pacotes.
Mais uma pitada de Reintegra, programa em que os exportadores recebem um percentual em dinheiro do que pagam de impostos para exportar; mais um tempo do PSI, que é dinheiro barato do BNDES para a compra de máquinas, equipamentos e caminhões; mais um percentual e novo prazo para as compras governamentais com sobrepreço. Além da reapresentação do programa de pagamento de dívidas tributárias à prazo.
Ambição zero. Nenhuma proposta para enfrentar os problemas estruturais. Dado o adiantado da hora de um mandato que tem mais seis meses, tudo o que o governo fez foi avançar sobre o período seguinte e garantir que os presentes valerão também para 2015. Quem estará no comando no ano que vem é o eleitor que dirá, por isso, foi ato de campanha reunir-se para prometer o que se fará a partir de janeiro.
A proposta de nas suas rência ao produto nacional, mesmo se for 25% mais caro, já existia — como tudo do pacotinho —, mas foi engordada. A ideia tem o defeito de incentivar a ineficiência, o sobrepreço pré-autorizado, e, além disso, pode nos criar problemas na Organização Mundial do Comércio (OMC).
O PSI é uma contradição no próprio nome. Está em vigor há tempos, chama-se Programa de Sustentação de Investimento, mas não tem sustentado o investi- mento. Incentivou um pouco compras de má- quinas e de caminhões, mas principalmente serviu para transferir recursos subsidiados para as empresas, sem que seus efeitos tenham aparecido nos dados da taxa de investimento do país. Ela tem caído.
O ministro da Fazenda não sabia dar detalhes, mostrando que o pacote foi preparado às pressas para atender à determinação do ex-presidente Lula de que o governo Dilma melhorasse o diálogo com o empresariado, que estaria muito agastado com o governo.
Na verdade, os investidores estão inseguros por bons motivos. Não se sabe qual é o preço futuro da energia. Não foi debelada a inflação, mesmo após um ano de elevação dos juros. Há preços represados que terão que ser corrigidos, e isso dificulta o trabalho do Banco Central. O governo disse que tinha inventado uma fórmula nova de crescimento — a nova matriz macroeconômica — e, se ela existe, ninguém sabe, ninguém viu. O país cresceu muito pouco nos últimos quatro anos. Não houve reformas nem há movimento na direção de mudanças estruturais que enfrentem obstáculos que estão há muito tempo impedindo o crescimento sustentado da economia. A logística não melhorou; o pagamento de impostos continua sufocante, principalmente pela complexidade dos tributos; os gastos públicos continuam em alta, o que indica mais impostos à frente.
Os empresários saíram dizendo que melhor isso que nada. Claro, quem não gostaria de saber que o maior comprador do país, o governo, aceita pagar 25% a mais pelo seu produto do que o valor cobrado pelo seu competidor estrangeiro? Quem não gosta de mais prazo para pagar dívidas ou menos juros em novos créditos oferecidos pelo banco estatal?
O problema é que nada disso destrava a economia ou restabelece a confiança empresarial. Todos os índices de expectativas estão em níveis baixos. Há razões antigas para a descrença, mas as mais emergenciais são a inflação represada e o temor do preço da energia. O governo tem evitado falar em público sobre o fato de que as distribuidoras precisarão de nova ajuda, que terá que ser paga, ao fim das contas, pelo consumidor na conta de luz, da mesma forma que o empréstimo de R$ 11,2 bilhões que elas já receberam. Incertezas assim não desaparecem com uma reunião a portas fechadas com alguns empresários, nem com a reciclagem de medidas já existentes.

Estilhaços argentinos

Os erros que a Argentina cometeu foram para segundo plano. O pior agora é o erro da Suprema Corte americana em relação aos argentinos. Uma sombra a mais de incerteza cobrirá todos os processos de reestruturação de dívida no mundo. E eles acontecem em qualquer país, como se viu recentemente na Europa. A Justiça americana está incentivando o conflito oportunista.

No calote de 2005, a Argentina, de forma agressiva, impôs aos credores uma perda de 70% do valor dos papéis. E o ex-presidente Néstor Kirchner fez de tudo uma bravata populista. Esse foi o erro deles. Na época, 93% dos credores aceitaram o acordo, porque era aquilo ou nada, mas 7% não aceitaram. Desses 7%, apenas 10% venderam, em 2008, os papéis para fundos especialistas em brigas na Justiça, ou seja, 0,7% do total da dívida.
Os fundos que a presidente Cristina Kirchner chama de abutres vêm litigando na Justiça americana e agora ganharam o aval da Suprema Corte. Depois da negociação de 2010, a Argentina começou a pagar aos credores. Depositaria em 30 de junho uma parcela de US$ 900 milhões, mas a ordem judicial é para que esse dinheiro seja arrestado para pagar aqueles 10% de credores dos 7% que não fizeram acordo. E eles têm a receber US$ 1,3 bilhão.
A Argentina está encurralada, porque, se não pagar, estará em nova moratória; se pagar, o dinheiro não irá para os credores que de boa fé aceitaram o acordo, mas para os mais espertos dos especuladores. Se pagar os US$ 2,2 bilhões, tendo apenas US$ 26 bi de reservas, abre a possibilidade de os demais, que não entraram no acordo, exigirem o mesmo. Os que entraram na negociação também podem pedir o mesmo tratamento e isso desmontaria todo o edifício.
O governo de Buenos Aires oscilou nos últimos dias, mas ontem admitiu que foi à Justiça americana procurando o juiz que deu a primeira sentença e pediu condições de pagar. Pela primeira vez, aceita pagar aos fundos abutres. Internamente, estava dizendo que não pagaria.
A ideia de tentar fugir da jurisdição americana, que a presidente Kirchner imaginou inicialmente, era impraticável. Ela não conseguiria até o dia 30 levar 100% dos credores que fecharam o acordo para uma nova troca de títulos dentro das leis argentinas.
O que preocupa todo mundo, do governo brasileiro ao Fundo Monetário Internacional, é o fato de que essa decisão da Suprema Corte abre um precedente com reflexo em qualquer processo de renegociação de dívida que ocorra daqui em diante. É sempre traumático e complexo. Agora piorou porque os credores foram incentivados a ficarem de fora dos processos para brigar na Justiça, com a esperança de um dia receberem o valor integral de papéis que perderam valor nas crises soberanas.
O Brasil viveu uma crise angustiante na década de 1980 e 1990 com a dívida contraída pelos militares. O embaixador Jório Dauster pediu, em comentário postado no blog, que eu registrasse aqui que ele é que tirou o país da moratória, ao negociar os IDUs (juros devidos e não pagos) de US$ 8 bilhões. Foi o ex-ministro Pedro Malan, no entanto, quem fez o grande trabalho da negociação da troca da dívida velha caloteada por novos papéis e encerrou a moratória brasileira.
O nosso processo foi bem sucedido, porque não partiu de bravata, mas sim de uma negociação com oferta de opções aos credores. A Argentina escolheu o confronto e se deu mal. O maior temor agora é que o resultado final aumente a incerteza em relação a qualquer problema de país devedor daqui em diante. Até a França, que sedia o Clube de Paris, onde dívidas soberanas são renegociadas, entrou na Corte ao lado da Argentina.

Justiça e Política: Encruzilhadas de Joaquim Barbosa

“Pessoal, familiar e empresarialmente, sobretudo em política, não se pode ser absorvido por bugigangas. Quem só cuida de coisas pequenas, torna-se pequeno. A ninharia é o ofício do pigmeu e o venenoso terreno dos répteis e das fofocas”.

(Ulysses Guimarães, uma das 100 frases recolhidas e selecionadas por dona Mora, publicadas no livro “Rompendo o Cerco”)

Diante da notícia da renúncia, esta semana, do ministro presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, aos encargos de todas as execuções penais do Mensalão e dos demais processos vinculados à Ação Penal 470, é inevitável relembrar ensinamentos do Decálogo do Estadista. Refiro-me, evidentemente, aos mandamentos da notável criação do deputado Ulysses Guimarães, publicados no livro “Rompendo o Cerco”.

Editado pela Paz e Terra em 1978, portanto nos anos de fogo do combate democrático à ditadura em seus estertores , logo em seguida ao histórico episódio dos cães e das baionetas para reprimir o ato comemorativo do 1º de Maio, em Salvador, com as presenças de Ulysses e Tancredo. Trata-se, ainda, de leitura mais que recomendada.

Principalmente neste tempo confuso e temerário de futebol misturado com jogos de poder. Encruzilhadas políticas, jurídicas e de muitos outros tipos mais, que se embaralham no País e apontam para caminhos contraditórios e ainda insondáveis.

Ao decidir afastar-se dos encargos do processo AP470 e de aplicador das penas aos réus condenados do Mensalão, o ministro Barbosa assinou um documento com graves considerações.

Começa por afirmar que "vários advogados" que atuam nas execuções penais do processo, sem precedentes na história da justiça brasileira, deixaram de se valer de argumentos jurídicos e passaram a atuar "politicamente" na esfera pública, com insultos pessoais contra o relator.

"Assim, julgo que a atitude juridicamente mais adequada neste momento é afastar-me da relatoria de todas as execuções penais oriundas da AP470 (Mensalão)", anunciou o ministro no documento de renúncia, produzido às vésperas de Joaquim Barbosa deixar o comando da Suprema Corte de Justiça do Brasil e o próprio exercício profissional, em razão de aposentadoria precoce anunciada para o fim deste mês de junho.

Entre a política e a justiça, uma encruzilhada e tanto se anuncia para o futuro de um dos mais polêmicos e notáveis homens públicos do País na atualidade.

O Nono Mandamento do Decálogo do Estadista, segundo Ulysses, é AUTORIDADE. Está escrito no livro que este é um atributo inato. É consubstancial ao político e ao homem público. "A competência funcional é dada pelo cargo, a autoridade é pessoal, o homem público é gratificado por ela. É imantação misteriosa e sedutora, irresistível, temperada de respeito e admiração. Homem iluminado pela autoridade é visto por todos, ouvido por todos, onde está é pólo de atração" , diz o enunciado do mandamento.

No livro "Rompendo o Cerco", o autor dá exemplos concretos. - Quando o presidente de Portugal, Craveiro Lopes, visitou o Brasil, conta Ulysses, sua esposa me disse que em concorrida reunião no Palácio São Bento, em Lisboa, de repente "sentiu", embora sem vê-lo, que na sala entrara alguém. "Era o presidente Juscelino Kubitscheck que acabara de chegar".

Líder da oposição ao Governo Ademar de Barros, em São Paulo, Ulysses conta que foi ao Rio de Janeiro com Marcondes Filho, presidente do Senado. Juntos foram ao Catete. Quando saiu do gabinete do presidente Café Filho, o senador Marcondes estava furioso: "Já disse ao Café Filho, que presidente da República também é ritual. Ele não pode admitir a liberdade a que se deu o senador Georgino Avelino, dependurando-se em seu ombro. Com Getúlio Vargas ninguém teria essa coragem", desabafou o então presidente do Senado.

"É o poder de comandar com o olhar. A autoridade promove a pessoa em autoridade", assinala Ulysses Guimarães, ao finalizar o enunciado do nono mandamento de seu decálogo.

E o que diabos isso tem a ver com a renúncia, esta semana, do relator do Mensalão e a saída do ministro Joaquim Barbosa da presidência da Corte Suprema , anunciada para os próximos dias?

Pergunto e arrisco uma resposta: tudo ou quase nada, a depender do que virá depois de sua saída no comando e nas atitudes da Corte e da política brasileira. Dependerá, também, evidentemente, dos próximos passos de Barbosa diante das encruzilhadas postas agora em seu caminho.

Em tempo: O primeiro mandamento do Decálogo do Estadista é CORAGEM

Depois da Copa, a guerra

O sinais são bem claros: Rui Falcão, presidente do PT, diz que as eleições de outubro serão as mais difíceis que o partido já enfrentou, enquanto Lula avisa que a campanha será uma guerra. Há outras declarações de petistas graduados no mesmo tom.

Mas essas resumem o que vem por aí. Há um nítido tom de ameaça de desestabilizar o país. Mesmo assim, Dilma Rousseff continua perdendo pontos nas pesquisas, não obstante estar abrindo a caixa de bondades para melhorar sua imagem.

A campanha, a rigor, não começou. Há manifestações nas redes sociais, mas o grosso do eleitorado só tomará conhecimento quando chegar à TV aberta. Por enquanto, na chamada periferia, onde está a maioria pouco se conhece do candidato da oposição.

O uso do singular decorre do fato de, até aqui, entre os candidatos competitivos, só há mesmo o do PSDB, Aécio Neves. A chapa do PSB, Eduardo Campos-Marina Silva, não pode assim ser classificada. Faz oposição a Dilma, não ao sistema que representa.

O discurso do PSB é mais ou menos o seguinte: Lula entregou um país em ordem para Dilma, que o estragou. Não por acaso, os dois integrantes da chapa foram ministros de Lula. Faz sentido defendê-lo. Só não dá para iludir. João Pedro Stédile, o chefão do MST, já declarou que, com o PSB, nada muda, mas com Aécio haverá forte reação dos movimentos sociais.

Falta pouco para que o PT oficialize a chapa Dilma Roussef-Michel Temer. Permanece, porém, a dúvida: confirmando-se a tendência de queda de Dilma, irá o partido arriscar-se a concorrer com ela? Parte do PMDB, o mais pragmático dos partidos, já decidiu debandar, por sentir que o barco está fazendo água.

Orgia partidária

Os últimos dias para a definição das coligações partidárias estão produzindo um quadro esquizofrênico de alianças que tem na união do PSB com o PT no Rio de Janeiro seu melhor exemplo.

Um candidato petista regional tendo o apoio de um candidato de oposição a nível nacional é uma mistura explosiva. Houve até quem pensasse num primeiro momento que a coligação seria um sinal de que há nos bastidores uma reaproximação entre Eduardo Campos e o PT, já que Lula, e não Dilma, é o fiador da candidatura de Lindbergh ao governo do Rio.

Mas essa teoria da conspiração esbarra no acordo feito pelo mesmo Eduardo Campos em São Paulo, apoiando Geraldo Alckmin do PSDB. Não é à toa que o Rio de Janeiro é o palco de alianças heterodoxas, como a que já existe na informalidade entre o PMDB e o PSDB.

Essa união, aliás, só não se oficializa por que o DEM insiste na candidatura de Cesar Maia, mais por respeito à história do ex-prefeito do que por uma estratégia eleitoral. A união com o PT do Rio terá pouca importância para o PSB, ao contrário da coligação armada em São Paulo, que dará o lugar de vice do governador Geraldo Alckmin ao partido, com o potencial de vir a governar o estado caso Alckmin se reeleja e ao final do mandato se desincompatibilize para disputar outro cargo.

No Rio, o candidato ao Senado será o deputado federal Romário, que com a desistência de Jandira Feghali passa a ser o favorito para a vaga, numa disputa acirrada com o ex-governador Sérgio Cabral, que pode até mesmo desistir da candidatura devido a esse quadro novo que se desenha.

Em nenhum dos dois casos, no entanto, o número 40 do partido poderá aparecer na propaganda de rádio e televisão, o que garante a primazia para a presidente Dilma no Rio e para Aécio Neves em São Paulo.

Brasil, 1994, é tetra; 2002, é penta

 Quartas de Final da Copa de 1986 disputada no México. O Brasil vinha de três vitórias: 1 x 0 (Espanha), 1 x 0 (Argélia) e 3 x 0 (Irlanda do Norte). Ganhava de 1 x 0 da França quando Platini empatou o jogo. Nos pênaltis, o Brasil seria desclassificado. Ficou em quinto lugar na Copa. Narração:José Carlos Araújo, Rádio Globo
Ouça aqui
Estádio da cidade do México, 29 de junho. A Argentina chegava pela segunda vez a uma final da Copa. Derrotou a Alemanha por 3 x 2. Aos 10 minutos do segundo tempo, Valdano fez o segundo gol argentino. Narração: (?), Rádio (?)
Ouça aqui
Copa de 1990 na Itália. Após duas vitórias sofridas contra Suécia e Costa Rica, o Brasil joga melhor, mete quatro bolas na trave, mas só consegue fazer um gol na fraca seleção da Escócia. Aos 33 minutos do primeiro tempo, Muller marca com a ajuda de zagueiro escocês. Narração: Fiori Giglioti, Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui
O Brasil foi desclassificado pela Argentina (1 x 0). A Alemanha é tri derrotando a Argentina na final com um pênalti que não existiu. Essa Copa consagrou o futebol defensivo. Dos 115 gols marcados, 52 foram de bola parada.
Copa de 1994 nos Estados Unidos, 17 de julho. Depois de exibir um futebol defensivo, o Brasil empata com a Itália em 0 x 0 na final e ganha na disputa de pênaltis. É tetra! Tafarel pega dois pênaltis e Bagio desperdiça um. Narração: Eder Luiz, Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui

1994 – Romário ergue a taça do tetracampeonato

 Paris, 10 de junho de 1998. O Brasil estréia contra a Escócia e vence por 2 x 1 O primeiro gol foi do zagueiro César Sampaio, aos quatro minutos do primeiro tempo, com o ombro. Narração: (?), Rádio (?)
Ouça aqui
Cafu tenta chutar, é travado e um defensor escocês acaba fazendo gol contra aos 30 minutos do segundo tempo. O jogo estava empatado. Narração: (?), Rádio: (?)
Ouça aqui
Paris, 12 de julho. De cabeça, aos 27 minutos do primeiro tempo, Zidane faz o primeiro gol dos três com que a França derrotou o Brasil e ganhou a Copa. Narração: Dirceu Marchioli, Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui
O técnico Zagallo pede desculpas pelo título perdido. Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui
Lídio Toledo, médico da Seleção, explica a convulsão sofrida por Ronaldo e que abalou a seleção no jogo contra a França. Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui
Copa de 2002 no Japão e Coréia . Depois de ganhar os quatro primeiros jogos, o Brasil enfrenta a Inglaterra. Era seu teste de fogo. Ronaldinho Gaúcho marcou de falta o primeiro gol aos quatro minutos do segundo tempo. Narração: José Silvério, Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui
Yokohama, 30 de junho. Na falha do goleiro alemão Oliver Khan, Ronaldo marca o primeiro gol do Brasil na final da Copa. Narração: José Silvério, Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui
Em rápido contra ataque aos 34 minutos do segundo tempo, Ronaldo faz 2x0 e garante o penta para o Brasil. Narração: José Silvério, Rádio Bandeirantes.
Ouça aqui

2002 – Luiz Felipe Scolari, o comandante do penta

(Os áudios dos 53 lances históricos de Copas do Mundo que começaram a ser oferecidos desde a última quinta-feira fazem parte do acervo da Rede Bandeirantes de Rádio e Televisão e do jornalista esportivo Thiago Uberreich)

A charge de Amarildo

Mais amor no coração

Articuladores políticos da presidente Dilma avaliam que o tom da campanha subiu e que o governo, com obras e ações para mostrar, não precisa descer o nível como os adversários têm feito. Acreditam que a presidente-candidata se beneficia mais se o debate se mantiver no campo programático. Outra ala, no entanto, defende que o jogo tem de ser jogado abaixo da linha da cintura.

A tropa de choque digital do ministro (Editorial)

A reunião do ministro-chefe da secretaria-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, com blogueiros e jornalistas chapas-brancas poderia ser contestada por partidos de oposição pelo fato de ter ocorrido no Palácio do Planalto.

O encontro, realizado quarta-feira e transmitido pela internet, tratou de estratégias de defesa do governo Dilma na rede mundial de computadores, com óbvias intenções eleitorais. Logo, um ato de campanha. Portanto, inadequado a um espaço cujo proprietário é o Estado e não o PT, ou qualquer outro partido.

Mas costumam ser tantas as transgressões à legislação eleitoral, e não apenas nesta eleição, que os transgressores parecem vencer pelo cansaço. No caso desse ilustrativo encontro, o mais importante terminou sendo as próprias características da reunião e a agenda discutida.

Talvez pela crescente preocupação com a tendência das pesquisas eleitorais, lulopetistas começam a se descuidar. Escancaram conversas sugestivas entre uma autoridade, blogueiros e jornalistas ligados ao PT, muitos dos quais atuam apoiados financeiramente por meio de anúncios de estatais. Recebem dinheiro público.

Essa reunião reforça a previsão de que a campanha deste ano tende à radicalização. E, como já aconteceu no passado, a internet será campo de uma guerra suja, espaço livre a calúnias e difamações. De lado a lado.

O tom já havia sido dado por Lula, líder máximo do partido, ao acusar a “elite branca” pela vaia e xingamentos a Dilma, no jogo de abertura da Copa, e responsabilizar pelo clima oposicionista a “mídia conservadora”.

Faltava esta: o PT racializar a disputa eleitoral. No lado oposto, o candidato Eduardo Campos (PSB) conclamara os eleitores a tirar os “ladrões” de Brasília. Enquanto Aécio Neves procurou razões para explicar a inaceitável ofensa pessoal à presidente da República.

O truque de animar a militância petista atiçando-a contra a imprensa profissional e independente não é novo. E o encontro de Carvalho com parte da tropa de choque petista no mundo digital serviu para atiçar ainda mais a militância. A que age muitas vezes sob anonimato na internet.

O ministro, setorista de “movimentos sociais” no governo e no PT, quer apoio da tropa à criação da rede de comissões instituída por decreto-lei e sob risco no Congresso, pois ficou evidente seu objetivo de ampliar o aparelhamento da máquina pública e drenar poder do Legislativo. “Temos de comprar esta briga!”, conclamou Gilberto Carvalho. É o que ele chama de “fazer o debate na mídia” (sic).

Em troca, os militantes digitais petistas pediram mais dinheiro público (da verba de publicidade oficial), a “regulação da mídia” (censura à imprensa profissional) e até o uso da TV Brasil como instrumento político. Se podem fazer reunião partidária no Planalto, por que não colocar a TV pública na campanha? Tem uma lógica.

O encontro de quarta ensinou tanto quanto a mais profunda análise da conjuntura política.

Cartas de Buenos Aires: Brasil e Argentina: amor, ódio e futebol

Esta semana, torcedores chilenos e argentinos protagonizaram uma cena hilária na entrada do Fifa Fun Fest, em Copacabana: uma briga sem violência de torcidas que lembrou bastante um barraco nas gincanas escolares. De um lado, argentinos alcoolizados inebriados de fervor anti-chileno. Do outro, chilenos respondiam de forma organizada às provocações. Por último, chegaram os torcedores americanos, totalmente perdidos, como se tudo fosse festa. As imagens causaram furor na internet. Esta é a Copa do Brasil, cheia de latino-americanos, times de primeira viagem se dando bem, brasileiros como coadjuvantes, argentinos dominando Copacabana.

É também a Copa na qual nos perguntamos da onde surgiu essa rivalidade Brasil-Argentina.

A verdade é que as querelas com a Argentina são bem maiores do que conosco. Os chilenos e os ingleses estão aí para atestar.

Não se sabe exatamente como começou, mas argentinos implicam, e a esse ponto a recíproca já virou verdadeira, com os chilenos. O que é certo é que a Argentina e Chile têm disputas territoriais desde a época de colônia e que Pinochet deixou passar o exército inglês que encaçapou os argentinos na invasão das Ilhas Malvinas em 1982. De lá para cá, os chilenos são alvo de certa xenofobia argentina. Problemas futebolísticos? Zero.

 

Já a briga com os ingleses é um coquetel molotov político que espirrou no futebol. “Pirates go home”, dizem os argentinos. E foi com o gol de mão (La mano de Dios) que Maradona mandou os piratas para casa na Copa de 1986.

Com os uruguaios, a coisa também não é menor pois a rivalidade futebolística se equipara à nossa e qualquer encontro entre as duas seleções é uma espécie de Fla x Flu regional.

E nós que perdemos para os uruguaios em casa? Isso sim é medo e delírio no Maracanã. Ainda assim, continuamos com temor mesmo é da Argentina.

É difícil separar os mitos da realidade. Dizem que os argentinos se referiam aos brasileiros como “macaquitos” durante os jogos. Nada comprovado.

No entanto, é apenas em 1974 que Brasil e Argentina se enfrentaram em uma Copa do Mundo, pela primeira vez. Ali demos motivo: eliminamos a Argentina.

Na Copa seguinte, as seleções voltaram a se encontrar: 0 X 0. Em 1982, ganhamos de 3x1. Nós os enfrentamos em uma Copa do Mundo, pela última vez, em 1990, quando perdemos.

De lá para cá, são 24 anos. Quase um quarto de século sem um confronto cara a cara numa Copa do Mundo! Ainda assim, são 24 anos de implicâncias e piadinhas. Agora há a possibilidade de enfrentá-los no Brasil, o que, matematicamente falando, abre a chance de (sinal da cruz três vezes no peito) perder.

Quem aguenta mais 25 anos de rixa?

PTB abandona Dilma e adere a Aécio

O PTB decidiu não apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff, depois de ter se comprometido com o PT e de, há um mês, ter oferecido um almoço, na sede do partido, em Brasília, para a presidente. Em nota, assinada pelo presidente nacional do PTB, Benito Gama, a legenda anunciou que integrará a aliança em favor do candidato do PSDB à Presidência da República, senador Aécio Neves.

“Hoje, mais uma vez sintonizada com o desejo de mudanças que vem sendo expressado pela ampla maioria do povo brasileiro, o PTB declara seu apoio ao senador Aécio Neves para as eleições presidenciais desse ano”, diz a nota. “Essa decisão atende o clamor da maioria da bancada federal e de estados, onde os conflitos locais entre PTB e PT ficaram insustentáveis, como, por exemplo, Distrito Federal, Roraima, Piauí e Rio de Janeiro”.

O PT foi surpreendido pela decisão do PTB. Na convenção nacional que vai referendar a indicação da presidente Dilma, neste sábado, ministros e deputados disseram que foram pegos de surpresa e que não estava no radar do governo e do partido perder tão perto do fim do prazo das coligações o apoio do PTB.

- O PT não cumpriu nada que prometeu. Só nos empurrou com a barriga - diz um dirigente do PTB.

A vida fora da Copa, por Zuenir Ventura

Está todo mundo tão concentrado nos jogos do Mundial, inclusive eu, e há ainda tantas semanas pela frente, que periga acontecer uma overdose. Será que vamos resistir na frente da televisão até o dia 13 de julho? Por ora, o fundamental é que a Copa não nos faça esquecer alguns acontecimentos importantes da vida fora dos estádios, como, por exemplo:

1 — que este mês os senadores vão funcionar apenas três dias e os deputados, quatro, mas receberão seus salários integralmente, o que dará uma média de R$ 8.900 por dia trabalhado no Senado e R$ 6.700 na Câmara. O sacrifício é patriótico, já que precisam estar descansados para cumprir o exaustivo dever cívico de torcer pela seleção;

2 — que, por essas e outras, os números estão confirmando um preocupante quadro de desinteresse pelas próximas eleições. Em uma pesquisa, 26% dos entrevistados não estão interessados nelas, e 29% têm pouco interesse. Só 16% se interessam. Outro sintoma: segundo o TSE, apenas 25% dos adolescentes de 16 e 17 anos tiraram seus títulos. No Rio, 27% dos eleitores vão anular o voto ou votar em branco;

3 — que o Exército insiste em tapar o sol com a peneira ao negar para a Comissão da Verdade a prática de “desvio formal de finalidade” em suas instalações durante a ditadura. A farsa prossegue, mesmo depois da confissão dos próprios agentes da repressão, como o coronel da reserva Armando Avólio Filho, ex-integrante do Pelotão de Investigações Criminais da Polícia do Exército, que revelou ter visto o ex-deputado Rubens Paiva sendo torturado na carceragem do 1º Batalhão da PE na Barão de Mesquita. Nesse mesmo lugar, o tenente-médico Amílcar Lobo atendeu a Paiva agonizando. Se isso e muito mais não eram desvios, é porque eram norma;

4 — que a banda podre da PM continua agindo. Desde o desaparecimento de Amarildo, a folha corrida do grupo só fez aumentar. Pelo menos 15 deles já foram denunciados pelo Ministério Público. Testemunhas afirmam que o pedreiro foi torturado e executado dentro de uma UPP, Unidade de Polícia Pacificadora.

O caso mais recente é o do adolescente Mateus Alves dos Santos, de 14 anos, morto com dois tiros de fuzil no Morro do Sumaré. Seu colega de 15 anos acusa dois cabos da corporação: “Vi ele dando os últimos suspiros”, disse o sobrevivente, que foi baleado nas costas e joelho, e só se salvou porque se fingiu de morto. Pode-se alegar que se trata de uma minoria, mas esses atos criminosos contaminam a imagem de toda a instituição;

5 — que um dos rostos mais bonitos (e competentes) da televisão brasileira é o de Cecília Malan, correspondente da Globo em Londres. Não sei como Verissimo e Moreno, colecionadores de musas, ainda não perceberam. Uma distração imperdoável.

Justiça e Política: Encruzilhadas de Joaquim Barbosa

“Pessoal, familiar e empresarialmente, sobretudo em política, não se pode ser absorvido por bugigangas. Quem só cuida de coisas pequenas, torna-se pequeno. A ninharia é o ofício do pigmeu e o venenoso terreno dos répteis e das fofocas”.
(Ulysses Guimarães, uma das 100 frases recolhidas e selecionadas por dona Mora, publicadas no livro “Rompendo o Cerco”)
Diante da notícia da renúncia, esta semana, do ministro presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, aos encargos de todas as execuções penais do Mensalão e dos demais processos vinculados à Ação Penal 470, é inevitável relembrar ensinamentos do Decálogo do Estadista. Refiro-me, evidentemente, aos mandamentos da notável criação do deputado Ulysses Guimarães, publicados no livro “Rompendo o Cerco”.
Editado pela Paz e Terra em 1978, portanto nos anos de fogo do combate democrático à ditadura em seus estertores , logo em seguida ao histórico episódio dos cães e das baionetas para reprimir o ato comemorativo do 1º de Maio, em Salvador, com as presenças de Ulysses e Tancredo. Trata-se, ainda, de leitura mais que recomendada.
Principalmente neste tempo confuso e temerário de futebol misturado com jogos de poder. Encruzilhadas políticas, jurídicas e de muitos outros tipos mais, que se embaralham no País e apontam para caminhos contraditórios e ainda insondáveis.
Ao decidir afastar-se dos encargos do processo AP470 e de aplicador das penas aos réus condenados do Mensalão, o ministro Barbosa assinou um documento com graves considerações.
Começa por afirmar que "vários advogados" que atuam nas execuções penais do processo, sem precedentes na história da justiça brasileira, deixaram de se valer de argumentos jurídicos e passaram a atuar "politicamente" na esfera pública, com insultos pessoais contra o relator.

Campos diz estar tranquilo para campanha ao lado de Lindbergh no Rio Convenção do PSB define neste sábado participação do deputado federal Romário (PSB) na chapa ao governo fluminense encabeçada pelo petista

Caruaru (PE) - Às vésperas da convenção do PSB no Rio de Janeiro, que definirá a participação do deputado federal Romário (PSB) na chapa ao governo estadual encabeçada pelo petista Lindbergh Farias, o presidenciável Eduardo Campos (PSB) disse sentir-se à vontade para caminhar ao lado do senador durante a campanha.
- Estou tranquilo. Tenho uma relação com o Lindbergh que não é de hoje. Conheço-o desde que ele era líder estudantil, na campanha do impeachment e fazendo minha campanha para prefeito em 1992. Então, tenho uma relação de muitos anos - afirmou Eduardo Campos ao chegar ao São João promovido pelo governador de Pernambuco, João Lyra Neto (PSB).
O Rio de Janeiro é um dos estados onde o PSB não conseguiu viabilizar uma candidatura própria capaz de dar destaque à chapa presidencial.
- Até esse termo “subir no palanque” é velho. Porque não tem mais palanques, né? Esse símbolo é muito antigo. Nós não estamos colocando aqui uma proposta de renovação da política destruindo o que existe. Tanto eu quanto a Marina, temos dito que vamos governar o Brasil com os melhores e podemos governar o Brasil com os melhores do PT, os melhores do PSDB, os melhores que não tem partido - justificou Campos.
Eduardo Campos garantiu que o congresso que acontece neste sábado com os integrantes do PSB fluminense será democrático e que as decisões serão respeitadas. Aproveitou para lançar provocações aos adversários afirmando que eles não gostariam que ele respeitasse a decisão para criticá-lo.
- O que vai ser decidido amanhã será definido livremente pelos convencionados do partido. Em um partido democrático, que tem vida orgânica, as coisas são decididas em convenção. Seria muito estranho, seria até do gosto de alguns que gostariam de nos criticar, se a gente não respeitasse a liberdade da base partidária - provocou.
Questionado se fará campanha lado a lado com o governador Geraldo Alckmin em São Paulo, Campos esquivou-se:
- Vamos fazer a nossa campanha em São Paulo com nossos companheiros, com as nossas ideias, com o nosso programa. Com os partidos que estão apoiando a nossa candidatura como vamos fazer em todos os lugares do país. Uma coisa é a campanha nacional, outra coisa é a campanha estadual.


Eduardo Campos discursa durante convenção do PSB no Distrito Federal
Foto: Ailton de Freitas / O Globo (15-6-2014)

Atrizes pornôs alemãs fazem 'prévia' de brincadeira com pintura corporal

Atrizes pornô 'antecipam' partida entre Alemanha e Gana na Copa no evento 'Sexysoccer 2014', neste sábado (21) em Berlim (Foto: Clemens Bilan/AFP)

Atrizes pornôs participaram em Berlim neste sábado (21) de um jogo de futebol que simulou a partida entre Alemanha e Gana da Copa do Mundo. As atrizes usaram pintura corporal que imitava os uniformes das seleções europeia e africana.
O evento chamado "Sexysoccer 2014" aconteceu na Alemanha poucas horas antes da partida oficial, que se iniciou as 16h deste sábado na Arena Castelão, em Fortaleza.
Atrizes pornôs 'antecipam' partida entre Alemanha e Gana na Copa no evento 'Sexysoccer 2014', neste sábado (21) em Berlim (Foto: Clemens Bilan/AFP)Atrizes pornôs 'antecipam' partida entre Alemanha e Gana na Copa no evento 'Sexysoccer 2014', neste sábado (21) em Berlim 
Atrizes pornôs 'antecipam' partida entre Alemanha e Gana na Copa no evento 'Sexysoccer 2014', neste sábado (21) em Berlim (Foto: Clemens Bilan/AFP)Atrizes pornôs 'antecipam' partida entre Alemanha e Gana na Copa no evento 'Sexysoccer 2014', neste sábado (21) em Berlim

PRTB oficializa candidatura de Levy Fidelix à Presidência da República

O PRTB anunciou oficialmente na manhã deste domingo (15), na Assembleia Legislativa de São Paulo, a candidatura de Levy Fidelix à Presidência da República, durante a convenção nacional do partido.
A candidatura de Fidelix terá apoio do Partido Militar Brasileiro (PMB), de Marcos César Pontes, primeiro astronauta brasileiro, que ainda aguarda registro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).
Na ocasião também foram homologadas os nomes de 120 candidatos a deputado estadual e federal.
Na última pesquisa Datafolha divulgada no dia 6 de junho pelo jornal "Folha de S.Paulo", Levy Fidelix aparecia com 0% das intenções de voto. A presidente Dilma Rousseff (PT) tinha 34% das intenções de voto, contra 35% dos 11 demais pré-candidatos somados.
Levy Fidelix concorre à Presidência pela segunda vez – a outra foi em 2010. O político sempre teve como uma das principais bandeiras o Aerotrem, espécie de transporte sobre trilhos.
"Vou fazer a campanha imposto zero para remédios, porque ninguém toma remédio porque quer, e sim porque precisa. Nosso partido terá bandeiras populares", afirmou o candidato durante a convenção.
Levy FIdelix participou de convenção do PRTB que definiu seu nome para disputar as eleições de outubro (Foto: Vanessa Fajardo/G1)Levy FIdelix participou de convenção do PRTB que definiu seu nome para disputar as eleições de outubro 
A convenção do PRTB definiu também o candidato do partido ao governo de São Paulo, Walter Ciglioni, e o candidato paulista ao Senado, Ricardo Fláquer.

Em convenção nacional, PT oficializa Dilma para disputar a reeleição




O Partido dos Trabalhadores (PT) tornou oficial neste sábado (21) a candidatura da presidente Dilma Rousseff à reeleição. O nome de Dilma foi confirmado durante convenção nacional do partido, realizada em Brasília.
O presidente do PT, Rui Falcão, anunciou a oficialização da candidatura de Dilma logo no início do evento. Também foi confirmada a candidatura à reeleição do vice-presidente, Michel Temer.
Dilma subiu ao palanque acompanhada do seu antecessor e padrinho político, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Dilma discursa após ser oficializada candidata do PT à Presidência na eleição de 2014 (Foto: Natalia Godoy / G1)Dilma discursa após ser oficializada candidata do PT à Presidência na eleição de 2014 
Ministros e lideranças petistas estiveram no evento. Pré-candidatos nas eleições de outubro subiram ao palco, como o ex-ministro da Saúde, Alexandre Padilha (candidato em São Paulo); o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (reeleição); a ex-ministra da Casa Civil, senadora Gleisi Hoffmann (Paraná); o ex-ministro do Desenvolvimento, Fernando Pimentel (Minas Gerais) e o senador Lindbergh Farias (Rio de Janeiro).
Convidado como dirigente de partido aliado, o presidente do PSD, Gilberto Kassab, foi vaiado pela plateia de petistas – a segunda vez em um evento do gênero. Em 2012, durante festa de aniversário do PT, o ex-prefeito também foi vaiado em Brasília. Outros dirigentes de partidos que comporão a aliança nacional de Dilma compareceram, como Renato Rabelo (PcdoB), Ciro Nogueira (PP), Valdir Raupp (PMDB), Eurípedes Gomes (PROS) e Manoel Dias (PDT).
O PT deverá contar com apoio de ao menos sete partidos no plano nacional: PCdoB, PDT, PP, PROS, PR, PSD e PRB (o PR fará convenção neste sábado para oficializar o apoio).
Também neste sábado, o PTB, que até então se posicionava como aliado na campanha de Dilma, anunciou que vai apoiar Aécio Neves na corrida presidencial.
Antes de Dilma discursar, os delegados do PT encarregados de analisar a proposta de candidatura da presidente para mais um mandato fizeram uma votação simbólica. Os petistas ergueram suas credenciais para chancelar a tentativa de reeleição.
Dilma fez discurso de cerca de uma hora durante convenção do PT  (Foto: Natalia Godoy/G1)
Dilma fez discurso de cerca de uma hora durante
convenção do PT 
Balanço das ações do governo
Em seu discurso no evento, Dilma citou as ações dos governos petistas na área social, na economia e na política. Ela afirmou que as pessoas querem que a mudança no país continue "pelas mãos daqueles que já mostraram que têm capacidade".

"O Brasil, temos certeza, tenho consciência disso, o Brasil quer seguir mudando pelas mãos daqueles que já provaram que têm capacidade de transformar profundamente o país e melhorar a vida do nosso povo. Nós tivemos a competência de implantar o mais amplo e vigoroso processo de mudança do país, que pela primeira vez colocou o povo como protagonista", disse a presidente.
"Eu preciso, sim, de mais quatro anos para poder completar uma obra à altura dos sonhos do Brasil. Para fazer isso, eu preciso do apoio dos brasileiors, especialmente desta grande militância. Precisamos ir às ruas, contar o que fizemos e o que podemos fazer."
A presidente disse também que agora é uma governante mais madura do que quando se elegeu. "Quero dizer que todos nós melhoramos. Eu considero que hoje sou uma governante mais madura, e eles que não se enganem, uma governante capaz de enfrentar todas as dificuldades e todos os desafios. Estou pronta para ouvir e compor novas ideias", afirmou.
Eu preciso, sim, de mais quatro anos para poder completar uma obra à altura dos sonhos do Brasil. Para fazer isso, eu preciso do apoio dos brasileiros, especialmente desta grande militância. Precisamos ir às ruas, contar o que fizemos e o que podemos fazer"
Dilma Rousseff, presidente da República
Dilma também fez referência a um mote petista sobre a eleição de 2002, segundo o qual "a esperança venceu o medo", e disse que, nesta eleição de 2014, "a verdade deve vencer a mentira, a desinformação".
"Quero falar sobre as grande mudanças que vamos enfrentar. Aliás, não paramos de enfrentar desde o dia em que tomei posse. Se no início a esperança venceu o medo, nesta eleição a verdade deve vencer a mentira e a desinformação. A verdade deve vencer a mentira e a desinformação”, completou Dilma.
A presidente ainda afirmou que assumiu em um momento de crise financeira internacional e que o governo dela soube fazer o Brasil resistir aos efeitos da turbulência. 
"Quando assumi o governo, o mundo era um, pouco tempo depois, o mundo era outro. A verdade é que a crise econômica financeira internacional ameaçou não apenas a estabilidade das economias mais desenvolvidas do mundo, mas boa parte também do sistema político ao aumentar o desemprego, ao abolir direitos, ao semear nesses países uma imensa desesperança. Aqui no Brasil, porém, dessa vez, o nosso país não se rendeu, não se abateu nem se ajoelhou como fazia diante de todas as crises do passado", disse a presidente.
"E sempre que as dificuldades aumentavam e o governo recebia pressões, eu repetia: 'eu não fui eleita para trair a confiança do meu povo, para arrochar os salários do trabalhador.
Essa não é a minha receita, não fui eleita para vender o patrimônio público como fizeram no passado, para mendigar dinheiro para o FMI, porque não preciso colocar de novo o país de joelho como fizeram. Fui eleita, sim, para governar de pé e com a cabeça erguida' ", completou Dilma.

A presidente também falou sobre a inflação, ponto que vem sendo usado pelos candidatos oposicionistas para criticar a gestão petista.
"Foi também o período [governos petistas] mais longo de inflação baixa na história brasileira. A gente não pode esquecer isso, no nosso período, a inflação esteve nos menores níveis compráveis com os outros períodos", disse.
Dilma voltou a defender um plebiscito para a reforma política, proposta que ela tinha apresentado após as manifestações de rua de junho de 2013.
"Essa reforma [política] é fundamental para a melhora e a qualidade da política e da gestão pública. A transformação social promovida pelos nossos governos criou as bases para uma grande transformação democrática e política no Brasil. Nossa missão é dar vida a essa transformação, sem interromper a marcha da transofrmação social em curso. Eu não vejo nenhum caminho para a reforma politica que não passe pela participação popular e que não desague num grande plebiscito", afirmou a presidente.
A presidente também fez referências aos xingamentos que sofreu na abertura da Copa do Mundo na Arena Corinthians. Dilma disse que não agride, mas também "não fica de joelhos". Ela lembrou que sofreu agressões físicas no período da ditadura militar.
“Eu nunca fiz política com ódio, mesmo quando tentaram me destruir física e emocionalmente por meio do uso de violência. Eu continuei amando o meu país e nunca guardei ódio de ninguém […] Quero dizer a voces que não tenho rancor de ninguém. Também não vou baixar a cabeça. Não insulto, mas tambem não me dobro […] Não agrido mas tambem não fico de joelhos para ninguém", disse.
Lula discursa durante a convenção do PT que oficializou a candidatura de Dilma Rousseff à reeleição (Foto: Renan Ramalho / G1)
Lula discursa durante a convenção do PT que
oficializou a candidatura de Dilma Rousseff à
reeleição 
Lula
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursou durante a convenção. Logo no início de sua fala, ele fez questão de ressaltar que não há "divergência" entre ele e Dilma. Antes de o PT oficializar o nome da presidente como a candidata, houve movimentos dentro do próprio partido que tentaram dar força para o "Volta, Lula", como uma forma de fazer Lula candidato no lugar da presidente.

"A gente vai provar que é possível uma presidenta e um ex-presidente terminarem seu mandato sem que haja nenhum atrito entre os dois, numa demonstração de que é plenamente possível o criador e a criadora viverem juntos em harmonia. Quando houver divergência entre a Dilma e eu, a divergência termina porque a Dilma sempre estará certa e eu estarei errado", afirmou o ex-presidente.
A gente vai provar que é possível uma presidenta e um ex-presidente terminarem seu mandato sem que haja nenhum atrito entre os dois, numa demonstração de que é plenamente possível o criador e a criadora viverem juntos em harmonia"
Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente
Ele também comentou os xingamentos sofridos pela presidente na abertura da Copa. "O comportamento das pessoas que falaram palavrões para a presidente não era uma questão menor porque ali a impressão é que todo mundo tinha passado por escolas, e o que eu disse e repito é que a escola dá ensinamentos específicos, mas educação a gente aprende é na casa da gente com pai e mãe", afirmou.
"Acho que o que aconteceu com ela na Copa, me fez dobrar todo e qualquer esforço para elegê-la, porque não é da cultura da esquerda deste país, e eu fui da oposição há muitos anos, não é da cultura do povo trabalhador deste país, não é da cultura das mulheres brasileiras desrespeitar as pessoas", completou Lula.
"Os estádios funcionaram, o metrô funcionou, os voluntários estão dando um show. A gente não tem que brigar com as pessoas que ficaram anos torcendo para dar errado", disse o ex-presidente sobre a Copa.
Lula falou também sobre corrupção e disse que os governos do PT não varrem denúncias para "debaixo do tapete".
"Eu sei que tem gente nossa preocupada, porque os adversários nossos só falam em corrupção. Eu desafio todos os governo juntos que tiveram antes de nós. Não criaram metade das leis, portarias, decretos, que criamos para combater a corrupçõo neste país", disse Lula.
Eleição 'mais difícil'
Também falou na convenção o presidente petista, Rui Falcão. Ele reiterou o discurso que integrantes da campanha vêm usando, de que, 12 anos após o partido chegar ao poder, esta será a eleição “mais difícil”. “Já se tornou lugar comum dizer que esta eleição será a mais dura, a mais difícil de todas. E os fatos mostram que sim”, afirmou.

Já se tornou lugar comum dizer que esta eleição será a mais dura, a mais difícil de todas. E os fatos mostram que sim"
Rui Falcão, presidente do PT
O dirigente afirmou que é preciso "vencer o medo com a esperança" e que o PT não vai permitir retrocessos "nem a volta de um passado de recessão, arrocho e desemprego". O segundo mandato de Dilma, afirmou Falcão, deverá “superar a herança maldita proveniente da ditadura, da devastação neoliberal e da ditadura do capital financeiro”.
Falcão ainda falou sobre os xingamentos contra Dilma durante abertura da Copa do Mundo, na semana passada. Os xingamentos, segundo o petista, "infelizmente, tiveram guarida entre adversários, que sonharam tirar proveito eleitoral da falta de educação de uma certa elite". "O tiro saiu pela culatra. Nossa presidenta foi cercada, sim, pela solidariedade unânime dos que condenam a violência, a vilania, as proclamações de ódio", afirmou.
Falcão defendeu também regras para o setor da mídia. "A comunicação é um setor econômico da maior relevância e necessita de regras de funcionamento, de modo a coibir oligopólios, ou a formação de um monopólio no setor. Neste sentido, não é o PT que pretende censurar ou controlar a mídia. É a Constituição Brasileira de 1988 que proibiu, taxativamente, em seu artigo 220, a existência de monopólio ou oligopólios na mídia", afirmou.
Michel Temer
O vice-presidente Michel Temer disse estar honrado de o PMDB permanecer como aliado do PT na candidatura à presidência. Ele também destacou os avanços econômicos e sociais que, segundo ele, beneficaram todos as classes. “O PMDB tem a honra, ao lado dos demais partidos aliados, de estar ao seu lado [de Dilma]. Um governo que deu certo, fruto de seu dinamismo, dinamismo que sucedeu o do governo Lula”, afirmou.

“O seu governo foi um governo para todos os brasileiros. Vamos acabar com essa besteira de dizer que o presidente Lula e a presidenta Dilma trabalhatram apenas para um setor”, completou.
O vice-presidente foi lembrado por Dilma no discurso dela. A presidente disse que em seu primeiro mandato teve “sorte e privilégio” de ter um vice-presidente da “estatura” de Temer, o qual classificou como “companheiro de todas as horas”.
A candidata afirmou que “deve muito” à tranquilidade e à capacidade de articulação do peemedebista, um dos principais líderes do partido, que diversas vezes precisou dialogar com setores do PMDB que se colocaram contra o governo.
“Devo muito a ele, e o governo deve muito a ele, por isso o chamo de estadista”, declarou a presidente.
Petistas barrados
Momentos antes do início da convenção, militantes petistas foram barrados do lado fora do prédio onde o evento ocorria, devido à lotação do espaço. (Veja o vídeo ao lado). Cerca de 40 pessoas foram impedidas por seguranças de atravessar área cercada em volta do centro de convenções.

Os petistas reagiram com vaias e gritos no momento em que a entrada pela área cercada foi liberada para militantes do PMDB. Os seguranças acabaram liberando a passagem dos petistas, mas a porta do centro de convenções continuou fechada tanto para petistas quanto para peemedebistas
Slogan
Na convenção foi apresentado ainda o slogan escolhido para a campanha da petista: “Mais mudanças, mais futuro”. A intenção é mostrá-la como a única pessoa capaz de atender aos desejos de mudança da população, mas manter as conquistas sociais alcançadas com seu governo e de Lula. No material da campanha, o nome de Dilma é escrito em letra cursiva e recebe uma estrela do PT em cima do i.

O evento também apresentou o primeiro jingle da campanha, um xote que chama Dilma de “coração valente”. “Você nunca desviou o olhar do sofrimento do povo / Por isso, eu te quero outra vez / Mulher de mãos limpas, tô com você”, diz a canção elaborada pela equipe de Dilma.
Outras convenções
Adversário de Dilma na disputa eleitoral de outubro, o ex-governador Eduardo Campos, do PSB, ainda aguarda convenção nacional do partido para ser oficializado como candidato ao lado de Marina Silva, que será candidata a vice-presidente. O evento está marcado para o próximo sábado (28), em Brasília, segundo assessoria do PSB.

Já o tucano Aécio Neves foi aclamado candidato pelo PSDB durante convenção nacional no último dia 14, com apoio de lideranças do DEM e do Solidariedade.
O partido, porém, ainda não definiu quem será o candidato à vice-presidente, o que deverá ocorrer em 30 de junho, segundo informou Neves. Entre os nomes cogitados no meio político para o posto, está o do ex-senador Tasso Jereissati (CE), o do senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), e o da ex-ministra do STF Ellen Gracie.
Neste sábado, além do PT, outros três partidos fazem convenção nacional. Em São Paulo, o Solidariedade – que já confirmou apoio a Neves – se reúne pela manhã. Já o Partido Comunista Brasileiro (PCB) lançará a candidatura de Mauro Iasi pela disputa ao Planalto.
Em Brasília, o Partido da República (PR) faz convenção às 15h. O PT conta com o partido para a aliança em torno da candidatura de Dilma Rousseff, mas o senador Magno Malta (PR-ES) briga no PR para tentar lançar sua candidatura à Presidência.