A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

terça-feira, 9 de junho de 2015

É terrivelmente fácil enganar milhões de pessoas com pesquisas científicas fajutas

Você deve ter lido alguma coisa sobre a suposta dieta que trazia resultados mais rápidos ao incluir chocolate no cardápio. As matérias sobre a tal dieta se baseavam em uma pesquisa do Instituto de Dieta e Saúde (Institute of Diet and Health) e eram de autoria do médico alemão e diretor do instituto Johannes Bohannon. Ela foi publicada por revistas científicas e divulgada mundialmente em sites, revistas e programas de TV. E ela não passou de uma grande mentira.
Johannes Bohannon e o Instituto de Dieta e Saúde não passam de invenções do jornalista John Bohannon. Ele criou o site do instituto e publicou o estudo para expor como é fácil divulgar um estudo científico duvidoso.
O resultado
"Se você medir um grande número de coisas em um número pequeno de pessoas, você quase certamente terá um resultado 'estatisticamente significativo'"

Publicando e divulgando

Com os resultados em mãos, Bohannon submeteu a pesquisa para publicação em revistas científicas e dentro de 24 horas diversas publicações mostraram interesse em divulgá-la, a equipe acabou escolhendo a International Archives of Medicine, que, apesar de afirmar revisar cada pesquisa rigorosamente, publicaria o estudo por 600 euros.
Uma vez publicada, era a hora de divulgar a história: um release à imprensa bem explicado, que frisava os pontos fortes da pesquisa - como o chocolate ser um instrumento para perder peso - e omitia possíveis questionamentos, como o pequeno número de participantes da pesquisa. O release era praticamente uma matéria pronta para os jornalistas a publicarem, como diz o próprio Bohannon — e ela serviu perfeitamente para chamar a atenção de revistas e sites dos mais diversos lugares.
Dezenas de mídias de todo o mundo publicaram a história: Irish Examiner, o site alemão daCosmopolitanTimes of India, o site alemão e indiano do Huffington Post, um telejornal do Texas e um programa matinal da Austrália divulgaram o estudo.

NEPOTISMO e DESRESPEITO as DETERMINAÇÕES do Ministério Público Estadual. Executivo e legislativo acima da LEI.

Tem políticos e servidores públicos municipais de Caraguatatuba que precisa por as barbas de molho. Não precisa ir longe para ver a baderna que se encontra o poder publico municipal executivo e legislativo onde alguns políticos e vereadores estão usando o poder público municipal como cabide de emprego para manter parentes e etc.


Como já de conhecimento de todos e isso não é novidade para ninguém que mora em Caraguá, o porquê da Câmara Municipal de Caraguatatuba não fiscalizar o executivo e fazer cumprir o juramento que fez? É fácil saber o porquê, basta identificar há quantidade de parentes de vereadores e secretários que estão ocupando cargos comissionados em diversas secretarias na maior cara de pau e desrespeitando o TAC assinado com o Ministério Público Estadual.  Esta na hora do Ministério Público Estadual tomar as devidas providencia, haja vista que o TAC não esta sendo obedecido.


Xiiiiii... Pra onde esta indo o dinheiro desta locação e aonde foi investido

Atenção senhores servidores municipais Caraguatatuba filiados a ASMUC, venho informar que a ASMUC tem um contrato de locação com uma EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÃO E ESTA EMPRESA TEM UMA TORRE DE TELECOMUNICAÇÃO que esta instalada no terreno que pertence ou pertencia a ASMUC. (hoje neste terreno esta instalada a sede da SESEP que tem como secretario o senhor Sergio Arnaldo Braz e secretaria Adjunta senhora Denise Oliveira).

Será que o presidente da ASMUC em exercício senhor MARIO LUIZ DA SILVA saberá informe para que conta esta indo este dinheiro e como esta sendo aplicado o dinheiro desta locação/contrato? Ou será que a Prefeitura Municipal de Caraguatatuba esta recebendo este aluguel?


Apple anuncia serviço de streaming de música por US$ 10 mensais, também para Android

A Apple finalmente entrou no mercado de streaming de música, apresentando o Apple Music durante a WWDC. A empresa que revolucionou a música digital com o iPod e o iTunes agora irá correr atrás de concorrentes em um mercado dominado pelo Spotify, Pandora e Rdio.
O serviço irá custar 9,99 dólares por mês, ou 14,99 dólares no plano família, para até seis pessoas. Os três primeiros meses são gratuitos. A Apple diz que o Apple Music estará disponível a partir de 30 de junho, com uma versão para Android a partir do outono americano. 
apple
Algumas faixas podem ser ouvidas gratuitamente, mas a maioria das músicas está atrás de um paywall: não existe a opção gratuita, como no Spotify.
O serviço irá combinar downloads de música, streaming de música e rádio, em um único aplicativo, que promete aprender os gostos do usuário e recomendar novas músicas no momento certo.
apple
Tim Cook chamou o fundador da Beats, comprada pela empresa no ano passado, Jimmy Iovine para apresentar o aplicativo. Ele relembrou a história da música digital desde o Napster, passando pela revolução do iTunes, terminando no ecossistema atual, cheio de aplicativos de música com as mais diversas funções. Iovine diz que procurou Tim Cook e Eddy Cue para criar um novo serviço de música online: "Podemos construir um novo aplicativo para fazer tudo que queremos".
Um dos atrativos é o streaming de rádio, gratuito. A Apple reconstruiu o iTunes Radio e contratou artistas como Dr. Dre, Pharell e Drake para trabalharem como DJs da estação.
A primeira estação é chamada BeatsOne e estará disponível em 100 países. Ela irá tocar músicas durante 24 horas por dia e será ancorada por três DJs: Zane Lowe, Ebro Darden e Julie Adenuga. Segundo o executivo Eddy Cue, as músicas recomendadas pelo app "não serão por algoritmos, mas recomendações feitas por nossa equipe de especialistas."
O app também terá a Connect, uma plataforma voltada para os artistas, que poderão enviar diretamente novas músicas, fotos, vídeos e letras diretamente para seus fãs e seguidores, em uma plataforma integrada com Facebook e Twitter desses músicos.
Também haverá uma integração com a Siri. O usuário pode pedir à assistente pessoal para que ela toque uma música ou artista em particular. Mas ela também entenderá perguntas mais amplas, como "qual era a música mais tocada em 1982".
O desafio será entrar no mercado dominado pelo Spotify, que atualmente tem 60 milhões de usuários, sendo que 15 milhões deles são assinantes. Com 800 milhões de pessoas com contas (e cartões de crédito) cadastradas na App Store, a empresa aposta que pode convencer esses usuários a usar o novo Apple Music.

Tudo o que acontece com o corpo após a morte



A maioria de nós preferiria não imaginar o que acontece com o nosso corpo depois que morremos, mas este processo faz nascer novas formas de vida de maneiras inesperadas, escreve Moheb Costandi.
“Talvez seja preciso um pouco de força para mover isso daqui”, diz a agente funerária Holly Williams, carregando o braço de John e gentilmente flexionando os dedos, cotovelos e pulsos dele. “Geralmente, quanto mais fresco o corpo, mais fácil é meu trabalho”.
Williams fala de forma leve e tem um comportamento sorridente que vai contra a natureza do trabalho dela. Criada e agora empregada na funerária de sua família no norte do Texas, EUA, ela viu e lidou com corpos quase que de forma diária desde a infância. Agora, com 28 anos, ela estima que já tenha trabalhado em mais de 1.000 cadáveres.
O trabalho dela envolve coletar corpos recém falecidos da região de Dallas e Fort Worth e prepará-los para o funeral.
“A maioria das pessoas que recolhemos morre em casas de repouso”, diz Williams, “mas em alguns casos recolhemos pessoas mortas por tiros ou em acidentes de carro. Podemos receber uma ligação para pegar uma pessoa que morreu sozinha e foi encontrada dias ou semanas depois, e ela já está em decomposição, o que torna o meu trabalho muito mais difícil”.
John estava morto havia cerca de 4 horas antes do corpo dele ser trazido à funerária. Ele foi relativamente saudável pela maior parte da vida. Ele trabalhou a vida inteira nos campos de petróleo do Texas, um emprego que o mantinha fisicamente ativo e em boa forma; parou de fumar há décadas; e bebia álcool de forma moderada. Daí, em um dia frio de janeiro, ele sofreu um terrível ataque cardíaco em casa (aparentemente desencadeado por outras complicações desconhecidas), caiu no chão e morreu quase que imediatamente, aos 57 anos de idade.

Mudar nome de transexual é 2 vezes mais difícil


Laudo médico, cirurgia de mudança de sexo marcada e até autorização de cônjuges têm sido exigidos por juízes de todo o País para autorizar a mudança de nome de transexuais. Em tempos em que a Parada Gay traz às ruas de São Paulo o lema Eu nasci assim, eu cresci assim, eu vou ser sempre assim: respeitem-me!, a alteração do registro civil de um transexual é duas vezes mais difícil do que para qualquer outro cidadão.
Preconceito no dia a dia e resistência da Justiça para mudar o nome e ajustá-lo à sua identidade de gênero travam ainda mais a vida de transexuais como Anita Julia Madureira, de 30 anos. "Na escola, fui até ameaçada de morte por um transfóbico. Sofria agressões o tempo todo", lembra ela, que, identificada como mulher desde a adolescência, só conseguiu no fim do ano passado reescrever, com autorização judicial, seu nome no RG, CPF e demais documentos, após seis anos de espera.
A estatística sobre os obstáculos para transexuais está em levantamento feito pelo Grupo de Estudos em Direito e Sexualidade da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (Geds-USP), que analisou 363 acórdãos sobre o tema em tribunais estaduais de todo o País. Desses processos, 89 se referem a pedidos feitos por transexuais e também heterossexuais, cujos nomes não correspondem ao gênero ou são ambíguos - como Darci.
Enquanto 30% dos transexuais tiveram pedidos indeferidos, a recusa geral na Justiça é de apenas 15%. Na maior parte dos casos analisados pelo levantamento com processos de 2005 a 2012 (77%), os deferimentos só foram concedidos a quem já tinha a cirurgia de mudança de sexo marcada.
O caminho da cirurgia, porém, é longo. A fila de espera da operação no Sistema Único de Saúde (SUS) chega a dez anos. Apenas dois equipamentos no Estado de São Paulo fazem o procedimento. Só para marcar a primeira atendimento, Anita, por exemplo, esperou seis meses. O atestado saiu quatro anos mais tarde. Já a sentença do juiz levou mais um ano para ser proferida - em dezembro.
Durante a espera, a transexual relata mais discriminação. "Trabalhava em um call center e me deixaram três meses sem fazer nada. Estava isolada e sem exercer nenhuma função. Depois, me demitiram." Segundo Anita, seus chefes se recusavam a chamá-la pelo nome feminino. Isso porque havia sido o primeiro emprego com a carteira registrada que conseguira, só aos 27 anos. Anita ainda conta que, quando jovem, precisou mudar de escola cinco vezes por causa do bullying, e o ensino médio só concluiu aos 23.
Mais laudo. Há casos em que há exigência de um segundo laudo, produzido por um perito designado pela Justiça, além do atestado do SUS. Áurea Maria de Oliveira Manuel, da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, diz que o procedimento é comum. "Não basta juntar um laudo particular feito em hospital público. Eles também pedem uma perícia oficial", explica, o que retarda ainda mais o fim do processo.
Para o advogado do Geds Thales Coimbra, as exigências da Justiça são "absurdas". "Não acreditamos que o laudo é essencial para aferir a transexualidade da pessoa", afirma ele.
Variações
Outra constatação do levantamento da USP é que as decisões variam de região para a região. Os Tribunais de Justiça do Rio (TJ-RJ) e do Rio Grande do Sul (TJ-RS) lideraram em deferimentos - 76,5% e 85,7% dos casos envolvendo transexuais, respectivamente. São Paulo, o último da lista, acatou apenas 37,5% dos pedidos feitos por transexuais.
Hoje, o prenome pode ser alterado em casos de "exposição ao ridículo" e "existência de apelido público notório" - nome social -, mas não há legislação que discipline sobre a troca de nome de transexuais, abrindo margem a interpretações e exigências diversas. 

Alckmin cria agenda nacional própria no segundo mandato

Alckmin cria agenda nacional própria no segundo mandato: Cafezinho. Alckmin emplacou indicações na cúpula tucana

A rotina do Palácio dos Bandeirantes mudou depois que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) tomou posse em janeiro deste ano para mais quatro anos no cargo. Auxiliares do tucano contam que os pedidos de audiência de senadores, deputados federais, governadores e lideranças setoriais nacionais se multiplicaram no segundo mandato. Um assessor direto do governador resume o assédio: “Ele entrou no radar nacional”.
Se entre 2011 e 2014 a agenda era totalmente voltada para dentro, agora ninguém no governo nega que chegou a hora de olhar para fora das fronteiras paulistas. Tratado com absoluta discrição no entorno do governador, o projeto presidencial já é defendido abertamente, e com entusiasmo, por ocupantes de instâncias mais baixas do tucanato paulista.
“Hoje é muito mais natural Geraldo Alckmin ser o candidato do PSDB à Presidência do que o Aécio (Neves, senador e atual presidente do partido), que perdeu (o governo de) Minas Gerais (em 2014)”, diz o vereador Mario Covas Neto, filho do ex-governador Mário Covas e recém-eleito presidente do PSDB paulistano. Discreto, Alckmin evita o tema, mas já opera olhando para o horizonte em direção a Brasília.
Alckmin chancelou a recondução de Aécio à presidência do partido, em julho, seu virtual adversário na disputa pela vaga de candidato ao Planalto em 2018. Mas não sem antes impor nomes de sua confiança para cargos-chave. 
“A nova composição da Executiva terá uma presença mais articulada do governador. São Paulo tem que ter peso na direção condizente com a votação que teve na última eleição”, diz o secretário da Casa Civil de Alckmin, Edson Aparecido, que foi a Brasília ter uma conversa “rápida e tranquila” com Aécio sobre o tema.O senador mineiro aceitou indicações do governador paulista para postos importantes, como a do deputado Silvio Torres (SP), para a secretaria-geral da legenda, e a do suplente de senador José Aníbal (SP), que presidirá o Instituto Teotônio Viela.
Moderação
A “nacionalização” da agenda de Alckmin segue uma programação descolada do Congresso Nacional e de eventuais polêmicas envolvendo o PSDB. Enquanto Aécio tenta capitalizar a crise do governo radicalizando o discurso e a bancada tucana vota contra medidas tomadas na gestão Fernando Henrique Cardoso, o governador prefere fazer oposição moderada à presidente Dilma Rousseff. Quando a tese do impeachment da petista ganhou corpo na legenda e passou a ser ventilada por Aécio, uma das primeiras vozes contrárias à iniciativa foi a de Alckmin. “O PSDB não é o partido do quanto pior, melhor”, afirmou, em abril. O governador também se colocou contra o fim do fator previdenciário, mecanismo instituído no governo FHC. Orientados por Aécio, os parlamentares tucanos apoiaram a extinção do cálculo para desgastar Dilma.
Quando o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), passou a patrocinar uma discussão para reduzir a maioridade penal, Alckmin se engajou em uma tese alternativa que já havia apresentado no passado e que ganha força como meio-termo entre os conservadores e os defensores dos direitos humanos. O projeto de lei que modifica o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e o deixa mais rigoroso na punição de adolescentes que cometem crimes hediondos conta com apoio de deputados até do PT. 
Alckmin também converteu-se em líder informal dos governadores. Foi a Brasília diversas vezes defender que os Estados tenham legislação específica para segurança pública, uma nova lei sobre licitações e contratos administrativos e a retomada do processo normal de autorização das operações de crédito e de suas renovações pela União.

Homem que matou delegada é encontrado morto em presídio

<p>Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), o corpo do homem tinha cortes no pescoço.</p>

Alessandro Oliveira Furtado, assassino confesso da própria mulher, a delegada Tatiene Damaris Sobrinho Damasceno Furtado, foi encontrado morto na manhã desta segunda-feira, 8. Preso desde outubro do ano passado, Alessandro estava sozinho em sua cela na Penitenciária Bandeira Stampa, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, zona oeste do Rio de Janeiro.
Segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap), o corpo dele tinha cortes no pescoço. A secretaria abrirá uma sindicância interna para investigar o caso, que será encaminhado para a delegacia de Bangu. Furtado era estudante de Direito antes de ser preso e tinha 40 anos.
Tatiene, morta aos 39 anos, era delegada-substituta da delegacia do bairro de Santa Cruz. Tinha dois filhos, um de 15 e um de 2. Ela foi asfixiada pelo marido, interessado em receber o seguro de vida dela, em seu nome. Ele usou um travesseiro para sufocá-la. O corpo de Tatiene foi achado no chão da cozinha da casa do casal e ele logo confessou o crime. 

Lutarei até o fim para mostrar que não estou ligada, diz Dilma sobre Lava Jato

A presidente Dilma Rousseff afirmou em entrevista a uma emissora de televisão francesa que vai lutar "até o fim" para mostrar que ela não tem envolvimento com o esquema de desvios na Petrobrás investigado pela Operação Lava Jato. À France 24, Dilma que é "impossível" que esteja envolvida nas denúncias e defendeu que o esquema não deve ser tratado como "escândalo da Petrobrás" e, sim, como "escândalo de determinados funcionários da Petrobrás".
Durante a entrevista ao canal de notícias francês, exibida nesta segunda-feira, 8, a presidente foi questionada sobre a hipótese de a investigação chegar à conclusão de que ela sabia ou estava envolvida no esquema. Então, o jornalista francês questiona se, nesse cenário, a presidente estaria disposta a encarar todas as consequências. "Eu não estou ligada. Eu não respondo a essa questão, porque eu não estou ligada. E eu sei que não estou ligada", disse. 
"É impossível. Eu lutarei até o fim para mostrar que não estou ligada. Eu sei o que eu faço. Eu tenho uma história por trás de mim nesse sentido. Não é questão de 'se'. Eu não estou ligada", completou. 
Dilma disse ainda que há tratamento diferente entre a relação das empresas envolvidas no esquema com o Partido dos Trabalhadores e os demais grupos políticos. Segundo Dilma, "todos as campanhas" feitas no Brasil têm contribuição das companhias citadas. "E por que só a minha foi destacada?", questionou a presidente. "Estão tentando envolver a minha campanha", disse e complementou: "Não existe nenhum indício que o prove. Não só em 2010, mas também em 2014. Todos os candidatos que concorreram comigo receberam dinheiro dessas empresas de forma legal".
A presidente afirmou ainda que pessoas que estão presas por envolvimento no esquema foram demitidas no início de 2012. Dilma fez referência a ex-gestores da Petrobrás, entre eles os ex-diretores Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e Renato Duque (Serviços). Além deles estão envolvidos ainda o ex-diretor Nestor Cerveró (Internacional), preso em Curitiba, e o ex-gerente da diretoria de Serviços Pedro Barusco, um dos delatores do esquema.
"A Petrobrás tem mais de 30 mil empregados e tem cinco envolvidos. O escândalo não é o escândalo da Petrobrás, é de determinados funcionários de alto nível da Petrobrás", afirmou a presidente. Dilma citou que o escândalo diz respeito a funcionários da estatal que se articularam com empresas e partidos para obter vantagens. Esse problema, emendou, não afeta necessariamente todas as empresas, nem todos os partidos ou todos os integrantes dos partidos. 
A entrevista foi concedida em razão dos preparativos da reunião de cúpula entre a União Europeia e a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac), que será realizado entre quarta e quinta-feira, em Bruxelas, na Bélgica.
Questionada sobre se "assumiria suas responsabilidades" - uma expressão que em francês equivale a "demitir-se" - caso seja provado seu eventual envolvimento em corrupção. Dilma se mostrou irritada e protestou. "Eu não tenho nada a ver. Eu não respondo a essa questão porque sei que não tenho nada a ver", afirmou

Homem é preso sob suspeita de invadir 32 vezes a mesma casa


Um homem suspeito de invadir a residência de uma aposentada 32 vezes acabou preso na noite deste domingo, 7, no interior do imóvel, em São Carlos. Ele foi flagrado por vizinhos e parentes da mulher de 77 anos, que assistia à televisão e nem viu quando o ladrão abriu o telhado e pulou para dentro da casa.
Familiares, no entanto, vinham monitorando a moradia, na Rua Marcolino Barreto, na Vila Elizabeth, após a série de invasões que começaram há seis meses. Eles notaram uma telha retirada da casa e entraram no local. O interior da residência estava todo revirado e o suspeito, um desempregado de 38 anos, juntando todo o que havia de valor.
A mulher contou que o bandido apareceu de uma vez e ficou perguntando onde estava o dinheiro. Quando os policiais militares chegaram no imóvel uma enteada da vítima, com a ajuda do namorado e do vizinho seguravam o suspeito, que tentou fugir do flagrante. Ele foi autuado por furto qualificado e recolhido ao Centro de Triagem de São Carlos.
Síndrome: A série de furtos e roubos sofridos pela mulher fez a polícia e familiares acreditarem que ela teria a chamada Síndrome de Estocolmo, que ocorre quando a vítima é submetida por um tempo prolongado a intimidação e passa a ter simpatia pelo seu agressor. Em um dos roubos a idosa foi amarrada e agredida pelo bandido, que no mês passado havia levado R$ 15 mil da residência. A polícia não divulgou os nomes dos envolvidos. 

Transexual 'crucificada' relata ameaças em rede social - "Não brinque com Deus"

Viviany Beleboni causou polêmica com sua participação na 19ª Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), em São Paulo, neste domingo (7)

O Blog do Guilherme Araújo procurou a transexual Viviany Beleboni para buscar informações sobre o causou polêmica com sua participação na 19ª Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais), em São Paulo, no ultimo domingo (7). Tudo porque a modelo transexual saiu como Jesus Cristo para protestar - ela estava crucificada, desfilando em um dos 18 carros alegóricos.
Após a performance, ela relatou em sua página no Facebook que a participação no evento fez com que recebesse mensagens e ligações em tons de ameaça. Ela escreveu: "Muito obrigada por todos os agradecimentos, porém o negócio está ficando sério, recebendo ligações de morte e agressões inúmeras em minhas fotos e por inbox".
Segundo a transexual Viviany Beleboni já havia feito um desabafo na manhã de segunda-feira (8).
"Até um repórter que não é do meio entendeu que representei todas as mortes e agressões que vêm acontecendo contra a classe LGBT, também por falta de leis. E os gays, os próprios gays do meio, que já viram e veem casos de agressões de amigos travestis falando mal, dizendo que por isso não vão mais na Parada Gay. Não vão mesmo! Vocês gostam de travesti de short socado no ra** e de peito para fora. Se fosse um homem sarado com pi**** com volume, vocês iriam amar e fazer comentários positivos e promíscuos. Eu fui e dei minha cara a tapa, não me importo com comentário de vocês, dessa classe LGBT desunida. Sempre foi assim. Já sabia que iria acontecer isso, acharam muito forte, agressivo, como se agressão saísse purpurina do corpo e confete em vez de sangue e hematoma. Jesus morreu por todos e foi humilhado, motivo de chacotas, agredido e morto, que é o que vem acontecendo diariamente com LGBTs, por não termos leis", escreveu.

A cara da sacanagem é isso ai... Roseana Sarney recebe aumento em aposentadoria de servidora do Senado


A filha do ex-presidente José Sarney, a ex-governadora do Maranhão Roseana Sarney, teve aumento em sua aposentadoria de servidora do Senado. Roseana ingressou na Casa em 1980 sem prestar concurso. Porém, foi incorporado um bônus pelo período em que ela trabalhou com o pai no Planalto entre 1985 e 1989.
Roseana recebe atualmente, apenas por seu trabalho como servidora, cerca de R$ 23,8 mil, valor que será aumentado com o bônus. Além desse valor, ela também recebe uma pensão vitalícia como ex-governadora. O salário de governador do estado do Maranhão é de R$ 15,4 mil.

Reviravolta: Daniel Alves renova contrato com o Barcelona por mais duas temporadas

Daniel Alves Barcelona Athletic Bilbao Final Copa do Rei 30/05/2015

Depois de criticar publicamente o Barcelona, dizer que não se sentia valorizado no clube e sinalizar uma saída, Daniel Alves permaneceu. O atleta renovou seu contrato, que ia até o fim do mês, até 30 de junho de 2017, com a possibilidade de extensão por mais uma temporada.
O Barça informou o acordo com o brasileiro nesta terça-feira por meio de seu site oficial. O lateral direito veste a camisa azul e grená há sete anos, já disputou 343 partidas e conquistou 19 títulos, entre eles a Tríplice Coroa de 2014-15. Foram três taças da Uefa Champions League e cinco do Campeonato Espanhol.
No Instagram, o brasileiro se manifestou na manhã desta terça (de Brasília), com a frase "seguindo o meu coração", junto a um vídeo da festa do elenco após a conquista europeia em Berlim, no último final de semana.
Há duas semanas, o jogador de 32 anos havia dado uma entrevista coletiva surreal, na qual se esperava o anúncio da saída dele. O clube ainda anunciou há dois dias a contratação de Aleix Vidal, do Sevilla, que é/era tido como seu substituto na equipe catalã.
Daniel Alves é um dos brasileiros mais vencedores da história do futebol espanhol. Com a conquista da Uefa Champions League no sábado, ele chegou à sua terceira conquista no torneio e igualou-se a Sávio e Roberto Carlos, ex-jogadores do Real Madrid, como o atleta do país sul-americano que mais vezes foi campeão da competição.

Caraguatatuba tem 15 vereadores para legislar e fiscalizar, mas muitos estão totalmente comprometidos por terem parentes ocupando cargos no governo


Tem políticos e servidores públicos municipais de Caraguatatuba que precisam por as barbas de molho. O cerco esta fechando, ATENÇÃO SENHORES VEREADORES DE CARAGUATATUBA VEJA O QUE DIZ O CÓDIGO PENAL:

Art. 319 - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.