ABI - Associação Brasileira de Imprensa

ABI - Associação Brasileira de Imprensa
Liberdade de Expressão e Ética

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Virada na Praça de Eventos

Está chegando a hora da Virada Cultural. O evento que promove 24h de atrações gratuitas começa sábado (25), às 18h. Assista o vídeo abaixo e confira a programação completa no site: http://migre.me/eGulM

Reconhecimento

 Parabéns pela justa homenagem e reconhecimento que este Blog "CARAGUABLOG" recebeu desta honrosa Casa de Lei Municipal 
"Câmara Municipal de Caraguatatuba Estancia Balneária".


Obrigado amigo


Obrigado meu amigo Carlos Alberto Pereira da Silva pelas palavras de carinho e elogios, e quanto ao convite, eu prometo estudar com carinho isso porque eu já acertei coordenar 04 (quatro) campanhas no Rio de Janeiro para estadual e federal.

Veja o que diz o amigo Carlos Alberto Pereira da Silva:

Bom dia meu Amigo Guilherme Araújo

Você não está sendo convidado para ser útil na campanha, VOCÊ faz parte da campanha é diferente. Eu estive com você na campanha do Kennedy e depois em caxias e vi o quão você leva a sério o que você faz, o conhecimento que você tem não só em politica, mas também na politica e da politica que é muito importante para qualquer pessoa que venha forma um grupo ou uma plataforma de trabalhos e soluções presentes e futuras no setor politico municipal, estadual ou nacional. E "eu" meu amigo não quero, não posso e não vejo uma campanha minha sem a sua presença, preciso de você primeiro como amigo, como ajudador -porque é aquele que não anda atrás e nem na frente, mas ao lado, coordenador de campanha e para caminhar comigo para melhor fazermos o melhor. Peço a você também já abusando da amizade se você sabe quantos votos é necessários hoje dentro do seu partido para podermos estar tranquilo por uma vaga, como tenho que proceder para me filiar, conseguir vir candidato e se você pode me indicar alguém para procurar ou você mesmo tratar de tudo isso se for possível e dessa forma você já começaria tomando a frente campanha.

Agradeço a você pelo seu retorno, pelo boa sorte, por sua amizade e sinceramente espero "SIM" que você venha aceitar esse convite que para você não pode ser passado como um convite mas como "um pedido de amigo" para fazer parte desse trabalho conjunto.

Fica na Paz de Jesus Filho de Davi.
Carlos Alberto

"PMDB está com medo de perder", diz Crivella sobre ameaça do governador do Rio de romper com Dilma

Senador licenciado do PRB critica "ingratidão" de Sérgio Cabral
A crise entre PT e PMDB, agravada pelas declarações do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, nesta semana, provoca um quebra-cabeça no cenário eleitoral do Rio de Janeiro em 2014. Enquanto o PT cogita lançar o senador Lindbergh Farias, o PMDB não abre mão de ter na corrida pelo governo do Estado o atual vice-governador, Luiz Fernando Pezão. Como o PT vem se mexendo para emplacar Lindbergh, Cabral ameaça romper com Dilma o que pode comprometer apoio de parte do PMDB à campanha dela à reeleição.
Apontado como forte candidato ao governo do Rio, o ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, criticou a postura de Cabral de ameaçar romper com Dilma e de até comprometer a campanha presidencial da petista. Em entrevista ao Blog do Guilherme Araújo, o senador licenciado pelo PRB lamenta a manobra do PMDB para afundar a candidatura do PT ao governo do Rio.
Obrigar o partido da presidente [PT] a adiar pela segunda vez o direito de disputar o governo do Estado seria, para dizer o mínimo, um Himalaia de ingratidão e uma Baía de Guanabara de presunção.
Leia abaixo os principais trechos da entrevista:
O senhor recebeu quase 3,5 milhões de votos do povo fluminense na última eleição ao Senado concorrendo por um pequeno partido, sem tempo de televisão e poucos recursos de campanha, e ainda assim conseguiu derrotar o candidato da máquina do Estado, do PMDB. As pesquisas o apontam como um forte candidato ao governo do Rio em 2014. Como viu as declarações do governador Sérgio Cabral de que vai romper com a presidente Dilma e apoiar Aécio se o PT insistir na candidatura do senador Lindbergh ao governo do Rio?
Marcelo Crivella: Não estive com o Cabral e não ouvi sua fala. Mas, se realmente exigiu a capitulação incondicional da candidatura do PT, é uma agressão à democracia que pressupõe a disputa de partidos e a possibilidade da alternância do poder. Passa também que o PMDB tá com medo de perder. Mas o pior é por em dúvida o apoio à presidenta Dilma. Nós do Rio devemos muito ao governo Lula e Dilma: a construção da base naval e do primeiro submarino nuclear em Sepetiba, a maior refinaria de petróleo do País e um polo petroquímico em Itaboraí, a Rodovia do Contorno com dezenas de pontes, a terceira usina nuclear em Angra e a modernização da indústria naval. Todos esses projetos, somados aos demais programas do governo Federal, à Copa do Mundo e às Olimpíadas, ultrapassam 300 bilhões de dólares na economia fluminense. Isso tudo são majoritariamente investimentos federais. Obrigar o partido da presidente a adiar pela segunda vez o direito de disputar o governo do Estado seria, para dizer o mínimo, um Himalaia de ingratidão e uma Baía de Guanabara de presunção.
O senhor vai apoiar a candidatura de Lindberg ao governo?
Eu vou é apoiar o Rio. Assim como defendo o PT disputar a eleição, defendo que o PRB e os demais partidos possam também apresentar seus planos ao povo. Isso é o melhor para a democracia e é o melhor para o Rio. Se não for o escolhido, apoiarei num eventual segundo turno aquele que melhor represente a união do Rio com o vitorioso governo da presidente Dilma. Lembro que ela, entre tantas coisas, teve a coragem de enfrentar os que queriam perpetuar no Brasil o paraíso da usura, reduzindo as mais altas taxas de juros do mundo que tiravam suor, as lágrimas e até o sangue do trabalhador brasileiro. E não se deu por satisfeita. Mostrou ao Brasil que detentores de concessões de obras públicas, erguidas com esforço de todos, cobravam tarifas abusivas e as fez baixar. Ora, uma dama tão ilustre que mantém a inflação sob controle e a economia gerando empregos enquanto o mundo em crise mergulha desarvorado na hecatombe da recessão não merece ser chantageada. Pelo contrário, precisamos lhe garantir o apoio necessário.
Como o senhor acha que vai ficar a relação do governo Cabral com o presidente Lula?
No plano pessoal, considero irreversível a admiração mútua. Faço votos de que não ocorra entra eles o que no passado ocorreu entre Cabral e Marcelo Alencar e depois Cabral e Garotinho. Na vida há dois tipos de amigo: o das boas horas e o de todas as horas. O amigo de todas as horas não pensa só nele mas no que é melhor para todos. E o melhor para todos é que haja uma disputa republicana, democrática, aberta, e de preferência para os que tem a índole de servir ao povo com idealismo e renúncia. E que vença a melhor proposta. Espero também que não se coloquem em risco os projetos federais em andamento no Estado que nos redimem de anos de atraso, razão maior da crise de violência em que nos contorcemos. Nossa gente sofrida e valente na sua imensa maioria, trabalhadora, humilde e modesta não merece isso.

Rodízio de carros será ampliado em 240 quilômetros em São Paulo CET espera reduzir tráfego em 20% com inclusão de avenidas como Interlagos e Aricanduva


A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) pretende incluir mais de 240 quilômetros de ruas no rodízio de veículos no trânsito paulistano. Com 46 novas vias, grandes avenidas da cidade (veja lista abaixo), como Aricanduva, na zona leste, Inajar de Souza, ao norte, e Washington Luís e Interlagos, ao sul, fariam parte do novo modelo. O projeto ainda não tem prazo definido e deve ser implantados após ações de melhorias na estrutura de faixas e corredores de ônibus para a cidade.
Por meio de estudos, a companhia concluiu que o rodízio ampliado diminuiria em até 20% os engarrafamentos, com a inclusão de vias arteriais do tipo I (que possuem duas ou mais faixas de tráfego por sentido), existentes fora do centro expandido. Criada em 1997, a Operação Horário de Pico restringe a circulação em parte da manhã (das 7 às 10 horas) e da tarde (das 17 às 20 horas).
Atualmente, o rodízio é aplicado apenas em uma área central de 150 Km². Veja abaixo o mapa do novo modelo e a lista de avenidas incluídas na restrição:
Avenidas incluídas:
- Zona Leste
Av. Aricanduva
Radial Leste
Av. Águia de Haia
Av. Jacu Pêssego Nova Trabalhadores
Av. São Miguel
- Zona Oeste
Av. Eliseu de Almeida
Av. Prof. Francisco Morato
Av. Lineu de Paula Machado
Av. Escola Politécnica
Av. Jorge João Saad
- Zona Norte
Av. Brás Leme
Av. Eng. Caetano Álvares
Av. Inajar de Souza
Av. Gen. Edgar Facó
Av. Gen. Ataliba Leonel
- Zona Sul
Av. Jornalista Roberto Marinho
Av. Roque Petroni Junior
Av. João Dias
Av. Washington Luís
Av. Interlagos
Av. Robert Kennedy
Av. Senador Teotônio Vilela

Partido de Russomanno entra para o governo Alckmin


O PRB, do ex-deputado Celso Russomanno, passará a fazer parte do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), em São Paulo, na próxima terça-feira, 28. O partido indicou o empresário Rogério Hamam para comandar a Secretaria de Desenvolvimento Social. Em troca, a legenda apoiará a reeleição de Alckmin e abrirá mão da candidatura de Russomanno ao governo.
A nomeação foi acertada nesta quinta-feira, 23, em uma reunião entre Alckmin e Marcos Pereira, presidente nacional do PRB. Russomanno foi um dos articuladores do acordo. Ele tinha pretensões de concorrer com Alckmin em 2014, mas foi convencido a disputar outra vaga. Deve se candidatar a deputado federal, para ajudar a sigla a eleger uma bancada mais robusta.
O PRB também participa do governo federal, com o ministro da Pesca, Marcelo Crivella. Russomanno, no entanto, passou a se distanciar do PT e a se aproximar do PSDB desde o fim da eleição de 2012 para a Prefeitura de São Paulo, quando perdeu a liderança nas pesquisas e ficou em 3.º lugar após sofrer fortes ataques dos petistas.
A sigla comandará toda a estrutura da Secretaria de Desenvolvimento Social, que toca os programas de distribuição de renda e assistência do governo paulista, com um orçamento de R$ 915 milhões em 2013. O PRB tem dirigentes ligados à Igreja Universal do Reino de Deus, mas o governo pediu que o novo secretário não tivesse vínculo com a instituição.
Xadrez. O atual secretário, Rodrigo Garcia (DEM), passará a comandar a pasta de Desenvolvimento Econômico, com orçamento de R$ 12,9 bilhões. Seu partido exigia um maior espaço no governo para apoiar a reeleição do tucano. Em troca do apoio na eleição, Alckmin também abriu espaço para o PSC - partido do deputado Marco Feliciano (SP). Gilberto Nascimento Silva Junior, filho do presidente estadual do PSC, foi confirmado ontem como secretário adjunto de Desenvolvimento Metropolitano.

Alckmin afirma que Serra deve sair candidato em 2014 - larga o osso serra


O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), confirmou na noite desta quinta-feira (23) que o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) deve sair candidato a algum cargo político nas eleições de 2014.
"Acho que é natural que ele seja candidato, que ele participe do processo eleitoral", disse Alckmin sem, no entanto, dizer a que cargo Serra poderia se candidatar. "Ao que ele vai ser candidato, acho que é o momento que vai dizer e sua disposição também".
Indagado se o seu correligionário poderia pleitear a candidatura ao Palácio do Planalto pela terceira vez, Alckmin desconversou. "Isso é uma decisão coletiva (do partido). Tudo isso é para o ano que vem", afirmou.
Alckmin confirmou também a mudança no seu secretariado que vai abrigar o PRB, partido do ex-deputado federal Celso Russomanno, com a nomeação de Rogério Hamamna na Secretaria de Desenvolvimento Social. De acordo com o governador, trata-se de um "remanejamento" do seu secretariado que ainda não terminou. "Estamos fazendo, e ainda não está fechado, um remanejamento dentro do governo", disse Alckmin.
O atual secretario, Rodrigo Garcia (DEM), deve assumir alguma pasta relacionada a assistência social, disse o governador. "O Rodrigo Garcia, que fez um belíssimo trabalho, deve ir para outra área do governo, e é provável sim que ele assuma uma Secretaria da área social", afirmou.
Aumento na passagem
O governador afirmou que o governo do Estado irá continuar subsidiando a ampliação das operações dos trens e metrôs, mesmo com o aumento na passagem para R$ 3,20. "A passagem de trem e metrô, ela cobre a manutenção, a operação. O orçamento paulista cobre a gratuidade dos idosos, desempregados, todos os descontos, e o investimento é do governo", disse.

PT apresenta pedido para criar CPI da Máfia do Asfalto Partido pretende investigar envolvimento de agentes públicos em suposto esquema de fraude de licitação de obras públicas


A bancada do PT na Assembleia de São Paulo começou a coletar assinaturas para a criação da CPI da Máfia do Asfalto para apurar possível envolvimento de agentes públicos estaduais em um suposto esquema de fraude de licitações. O partido precisa conseguir a assinatura de 32 deputados para criar a CPI.
A Operação Fratelli, do Ministério Público Federal em parceria com a Polícia Federal, desmontou um esquema de supostas fraudes em contratos de pavimentação e recapeamento asfáltico em 78 municípios da região noroeste do Estado de São Paulo, financiados com recursos de emendas parlamentares. Em abril, o MPF denunciou os 19 envolvidos, entre eles o empreiteiro Olívio Scamatti, apontado como chefe do esquema, batizado de Máfia do Asfalto. O valor dos desvios é estimado em R$ 1 bilhão.
Líder da bancada do PT e autor do requerimento para criação da CPI, o deputado estadual Luiz Claudio Marcolino afirma que a comissão pretende investigar licitações e contratos entre empresas ligadas a Scamatti e o governo do Estado, entre 2003 e 2013. No requerimento, o parlamentar destacou os contratos assinados com o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), autarquia do governo. Em abril, o Estado revelou que a Máfia do Asfalto ampliou seu raio de ação, entre 2008 e 2010, para o órgão e duas empresas ligadas a Scamatti fecharam contratos que, juntos, somam R$ 321 milhões. Na ocasião, o DER informou que nunca recebeu comunicação oficial sobre a operação da PF.
Procurado, o líder do governo na Assembleia, deputado Barros Munhoz, não retornou até a publicação desta reportagem.
Além da dificuldade de conseguir as 32 assinaturas, já que é minoria na Casa, a bancada deve esbarrar ainda nas regras da Assembleia para formalizar a CPI. Pelo regimento interno, apenas cinco comissões de inquérito podem funcionar simultaneamente. Atualmente, há quatro em funcionamento e outras nove já protocoladas na lista de espera.
Segundo Marcolino, 24 deputados já assinaram o pedido. "Sabemos da dificuldade e por isso apresentamos requerimento à Polícia Federal e ao Ministério Público para investigarem (os contratos)".
Deputados. Durante as investigações, foram flagrados em escutas telefônicas os deputados Roque Barbiere (PTB), Carlão Pignatari (PSDB) e Itamar Borges (PMDB), além de oito deputados federais de cinco partidos, entre eles o PT. Nenhum deles é alvo da investigação porque dispõem de foro privilegiado. Todos negam envolvimento com o grupo.
O líder petista afirmou que a CPI não vai apurar a participação dos deputados porque a suspeita do uso das emendas parlamentares já foi investigada pela Operação Fratelli.
Em abril, o presidente da Assembleia, deputado Samuel Moreira (PSDB), afirmou que a Casa não iria abrir investigação formal por não haver "elementos" concretos contra os parlamentares.

Assembleia de SP aprova bolsa-hospedagem a deputados Benefício substitui o antigo auxílio-moradia, de R$ 2.250 pago a todos os 94 deputados da Casa, extinto por determinação judicial


A Assembleia aprovou a criação de um bolsa-hospedagem a deputados sem residência na Grande São Paulo. O benefício substitui o antigo auxílio-moradia, de R$ 2.250 pago a todos os 94 deputados da Casa, extinto por determinação judicial, na semana passada. A medida foi proposta na semana passada e aprovada pelos parlamentares nessa quarta-feira, 22.
O novo auxílio será de R$ 2.850 mensais pago apenas a parlamentares que não residam na região metropolitana nem tenham imóvel na capital. O gasto agora terá de ser comprovado pelo deputado. Anteriormente, os R$ 2.250 reais eram incorporados ao salário e não era necessário apresentar comprovantes de como o recurso era usado.
A decisão de acabar com o auxílio-moradia partiu de um pedido feito pelo Ministério Público, que argumentou ausência de amparo legal para o pagamento do benefício. Para os promotores paulistas, não havia critérios claros para definir quais deputados deveriam ou não receber o valor, nem regras para comprovação das despesas de aluguel ou estadia.
Em março, o desembargador Luiz Sérgio Fernandes de Souza, da 7.ª Câmara de Direito Público do TJ, rejeitou recurso da Assembleia e manteve a ordem judicial de fevereiro, que suspendia o auxílio. A Casa argumenta que o benefício obedece a Constituição e é assegurado pela Lei 14.926/13 e invoca o Ato 104/88 da Câmara dos Deputados, que prevê o auxílio aos deputados federais.
Para o Ministério Público, no entanto, a Casa descumpria artigos da lei que exigem a comprovação dos gastos para, só então, ser feito o reembolso do valor, além de limitar o pagamento a deputados que justificassem a necessidade do auxílio.

Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro