A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sábado, 3 de dezembro de 2016

Caraguatatuba exportar 06 (seis) secretários municipais para Ubatuba

Abaixo, relação dos secretários e outras funções

Ronaldo Dias Junior (Nuno) / Chefe de Gabinete

Jailton dos Santos / Chefe de Governo

Sizenando Cristo / Superintendente de Gestão Administrativa

Adilson Lopes / Superintendente de Gestão de Políticas Sociais

José Pinto de Souza Americano / Secretário Superintendente de Gestão de Desenvolvimento Sustentável

Luciana Machado Resende / Assessora de Desenvolvimento Social

Renato Vella / Assessor de Relações Federativas

Elizeu Alves Correa / Ouvidor

Silvio Bonfiglioli Neto / Secretário de Administração
Wanderley Sebastião Leite de Araújo / Secretário Adjunto de Administração

Jurandir de Oliveira Veloso – Vice-Prefeito / Secretário de Cidadania e Desenvolvimento Social
Vanderlei Amorim / Secretário Adjunto de Cidadania e Desenvolvimento Social

Elaine Pinho Gonçalves Pimentel / Secretária de Comunicação Social

Hélio José de Paula / Secretário de Educação
Ana Rosa Nunes de Siqueira Costa / Secretária Adjunta da Secretaria de Educação

Marcelo Pereira Surcin - Marcelinho Carioca / Secretário de Esportes e Lazer
Richard Ricardo dos Santos / Secretário Adjunto da Secretaria de Esportes

Solange Aparecida Toledo / Secretária de Fazenda

Wilber Schmidt Cardozo / Secretário de Habitação e Planejamento Urbano
Antonio Cesar de Lima Abboud / Secretário Adjunto de Habitação e Planejamento Urbano

Pedro Vicente Tuzino Leite / Secretário de Serviço de Infraestrutura Pública
José Carlos Pereira Peixoto Júnior / Secretário Adjunto de Infraestrutura Pública

Marcelo Paiva de Medeiros / Secretário de Assuntos Jurídicos

Virgilio Barroso / Secretário de Meio Ambiente
Claudio dos Santos / Secretário Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento

Dr. Alessandro Cacciatore / Secretário de Saúde
Dra Aparecida Enomoto / Secretária Adjunta da Secretaria de Saúde

Luiz Antonio Bischof / Secretário de Turismo
Sérgio Moretti / Secretário Adjunto da Secretaria de Turismo

Valdemir Fernandes Pedroso / Presidente da Empresa Municipal de Desenvolvimento Urbano - EMDURB

Pedro Paulo Teixeira Pinto / Presidente da Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba - FUNDART

Eugênio Zwibelberg / Presidente da Fundação da Criança e do Adolescente de Ubatuba - FUNDAC

Andrade Henrique dos Santos / Presidente da Companhia Municipal de Turismo

Josué Lourenço dos Santos / Administrador da Regional Sul

James Ricardo Guimarães / Administrador da Regional Centro Sul

Ari de Matos Neto / Administrador da Regional Norte

Depois de criticar Lava Jato, Mendes estreita relação com Moro


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e o juiz Sergio Moro se encontraram na última quinta-feira (1º) no Senado. Ambos participaram de um debate com os parlamentares.

Mendes aceitou recentemente fazer um texto para o livro que vai homenagear Mouro, que será lançado em breve no Paraná.
De acordo com a colunista Mônica Bergamo da Folha de S. Paulo, o juiz agradeceu pelo texto e os dois tiveram uma conversa bastante cordial.
O ministro já fez diversas ressalvas à equipe da Lava Jato, mas elogiou Mouro publicamente quando o senador Lindbergh Farias o criticou.

'Sextortion': cresce o crime de extorsão sexual na internet

Cases of "sextortion," a growing online practice in which criminals obtain sexual photos of their victim and then threaten to expose the images if the victim doesn't send more or comply with other demands, are on the rise according to two lawmakers trying to pass laws against the practice.: Casos de "sextortion", o abuso sexual na internet, crescem nos EUAEle ameaçou mulheres do seu apartamento. E também de uma lanchonete. Ele fez isso até dentro de uma loja de departamento. Ryan Vallee, de New Hampshire, que hoje tem 22 anos, teve como primeiros alvos suas colegas de escola, invadindo as contas de e-mail e das redes sociais de adolescentes para roubar fotos delas nuas e depois ameaçar expô-las na internet se não mandassem mais fotos íntimas.
Depois de invadir a conta do Facebook e do Gmail de uma adolescente em 2012 e roubar fotos sexualmente explícitas, Vallee mandou uma mensagem dizendo “se você não quer que eu coloque isto como foto do seu perfil no Facebook, tire o sutiã…. Você tem 15 minutos…. Eu invadi sua conta uma vez e vou fazer de novo”.
Vallee invadiu as contas de mais oito mulheres no ano seguinte. O que ele fez é conhecido como 'sextortion', uma prática online que está aumentando e na qual os criminosos obtêm fotos de cunho sexual de suas vítimas e depois ameaçam expor as imagens se elas não mandarem mais ou atenderem a outras exigências. “É uma ameaça, mas ao invés da recompensa financeira há abuso sexual”, diz a advogada do Brooklyn Carrie Goldberg, que representa legalmente vítimas da prática.
Quando Vallee se declarou culpado no final de agosto, foi pelos crimes de fraude por computador e roubo de identidade, já que a 'sextortion' não está tipificada como crime. Este é um lapso que duas parlamentares americanas estão tentando mudar com a 'Interstate Sextortion Prevention Act', um projeto de lei que foi apresentado em julho como parte de uma onda crescente de repúdio a esta prática. “Temos visto que estes casos estão explodindo”, diz a deputada Katherine Clark, integrante do partido democrata de Massachusetts e co-responsável pelo projeto de lei, junto com a deputada republicana de Indiana Susan Brooks. Katherine contou à Newsweek que o maior problema da falta de uma lei federal é que não há uma punição consistente para os criminosos. Predadores que usam de 'sextortion' para abusar de menores podem ser acusados de pornografia infantil e ir para a cadeia por um bom tempo, mas quem aborda mulheres adultas recebe punição muito menor“O Departmento de Justiça tem atentado mais à 'sextortion', e está muito inclinado a criar um estatuto federal que possa ser usado”.
A proposta de lei de prevenção à 'Sextortion' é apenas um exemplo da importância cada vez maior do crime. Em abril, a Justiça americana declarou que este tipo de crime se tornou “uma grande ameaça nos últimos anos”. A Brookings Institution produziu um detalhado relatório sobre o crime em maio, uma investigação de 80 casos e declarou: “pela primeira vez na história do mundo,  conectividade internacional com a internet significa que você não precisa nem estar no mesmo país que uma pessoa para ameaçá-la sexualmente”.
Agentes de cumprimento da lei locais também apontaram um crescimento do problema. Uma detetive de polícia de Sacramento, chamada Christie Hirota, disse à Newsweek que as queixas de 'sextortion' cresceram ao menos 50% desde que ela ingressou na força-tarefa de combate a crimes contra crianças em 2012. Christie relatou ter atendido vítimas de até 9 anos e descreve como os predadores seduzem as vítimas para ganhar sua confiança e obter fotos nuas. “Eles começam a conversar e em algum momento a criança manda uma imagem para a pessoa, talvez apenas do peito”, diz a policial. “O adulto então pede mais fotografias—querem foto da genitália—e dizem ‘se não mandar, vou mandar para todos os seus amigos’”.
Philip Caputo, 27, usou desta estratégia para fazer com que uma menina de 13 anos de San Antonio, no Texas, fosse uma espécie de escrava sexual. Da Califórnia, o homem mandou para ela fotos de cunho sexual com outra jovem e disse que ela precisava tirar e mandar para ele fotos similares e então ameaçou: “se você não mandar, vou fazer mal à sua família”, de acordo com documentos da Justiça Federal americana.
A garota obedeceu, mas Caputo continuou ameaçando e exigindo fotos e vídeos cada vez mais explícitos todos os dias do ano de 2013. A garota contou às autoridades que Caputo fez ela “viver com medo”. Quando agentes especiais do FBI fizeram uma busca nas contas de e-mail de Caputo, encontraram mais de 1.600 fotos de menores sexualmente explícitas. Ele se declarou culpado de exploração sexual de menores e pornografia infantil em maio e recebeu uma pena de 15 anos no dia 7 de novembro.
Vallee, que é de New Hampshire, foi preso em maio suspeito de 'sextortion' depois de ter pago fiança pelas primeiras acusações. Ele confessou sua culpa no meio do ano e deve ser preso em janeiro, com um acordo que estipula sua pena entre quatro e oito anos.
Quando Vallee começou a praticar crimes cerca de cinco anos atrás, muitos policiais e agentes federais não tinham conhecimento do crime e de como se deveria proceder para processar os criminosos. Goldberg diz que seu primeiro caso de cliente por sextortion foi uma garota de 17 anos do Michigan em 2014, que relatou a pressão de um molestador da internet que pedia suas fotos nuas e continuamente a ameaçava. Quando Goldberg contatou as autoridades federais e locais, ambas disseram a ela que nada podia ser feito. “Ninguém queria tocar no assunto, ela diz“. A luta contra a extorsão sexual mudou dramaticamente…. Naquela época, dois anos e meio atrás, não tínhamos o amparo da lei. Mas hoje nós temos”.

Por que os EUA estão investigando empresas brasileiras envolvidas na Lava Jato?

A revelação de que um executivo brasileiro condenado na Operação Lava Jato teria sido procurado por autoridades americanas para negociar um acordo de cooperação nos Estados Unidos levou políticos do PT e advogados a protestar contra uma suposta interferência estrangeira na soberania nacional.
Em depoimento à Justiça Federal em Curitiba no último dia 21, Eduardo Leite, ex-funcionário da empreiteira Camargo Corrêa, disse ter sido contatado pelo governo americano por intermédio da força-tarefa da Lava Jato para negociar uma possível colaboração com autoridades dos EUA.
    Questionado por um advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Leite não deu detalhes sobre a negociação e disse que não havia fechado nenhum acordo com autoridades dos EUA, mas que poderia vir a fazê-lo.
    Após protestos do procurador Diogo Castor de Mattos, o juiz Sérgio Moro interrompeu o depoimento por conta de um possível acordo de confidencialidade entre autoridades brasileiras e americanas.
    Tanque da PetrobrasA BBC Brasil elaborou um questionário com perguntas e repostas sobre a cooperação entre Brasil e Estados Unidos em torno da Lava Jato.

    Quais são as críticas à cooperação?

    Advogados de Lula dizem que a cooperação entre autoridades americanas e o Ministério Público Federal em torno da Lava Jato não parece estar seguindo um acordo entre Brasil e Estados Unidos que rege a colaboração judicial.
    O pacto define o Ministério da Justiça como autoridade central para tratar da cooperação pelo lado brasileiro. Segundo os advogados, porém, o processo estaria ocorrendo à margem do ministério.
    O juiz Sérgio Moro interrompeu depoimento por conta de possível acordo de confidencialidade com autoridades americanasOutra crítica é a de que a colaboração buscaria municiar processos contra a Petrobras nos Estados Unidos. A empresa é investigada pelo Departamento de Justiça americano e pela SEC (agência que regula os mercados de capitais nos EUA) por conta das denúncias de corrupção que vieram à tona na Lava Jato.
    Segundo o deputado Paulo Pimenta (PT-RS), os contatos entre procuradores brasileiros e americanos são uma "afronta à soberania" nacional e têm o objetivo de enfraquecer a Petrobras, favorecendo petrolíferas dos EUA.
    Prédio da Receita Federal americanaPara o procurador Vladimir Aras, secretário de Cooperação Internacional do Ministério Público Federal, as críticas são "absolutamente infundadas".
    Ele diz à BBC Brasil que a legislação sobre a cooperação só exige que o Ministério da Justiça seja acionado para efetuar procedimentos burocráticos - como pedidos de extradição ou a validação de provas coletadas em outros países - e não impede que policiais e procuradores brasileiros dialoguem livremente com colegas estrangeiros.

    Como se dá a cooperação entre investigadores brasileiros e americanos?

    A SEC (Securities and Exchange Commission) é o órgão que regula os mercados de capitais nos EUAUm acordo firmado em 1997 e aprovado no Congresso brasileiro em 2000 rege a troca de informações entre autoridades dos dois países sobre assuntos penais.
    Segundo Aras, há diálogo constante entre procuradores brasileiros e americanos a respeito de investigações nos dois países, incluindo a Lava Jato.
    O FBI (a polícia federal americana) mantém um analista cibernético em Brasília e oferece apoio a autoridades brasileiras nas áreas de criptografia, telefonia móvel e dados em nuvem.
    O procurador afirma que, além dos EUA, o MPF dialoga sobre a Lava Jato com outros 32 países e recebeu pedidos de informações de 16 nações. Aras diz que o contato entre procuradores brasileiros e estrangeiros é tão frequente que, em alguns casos, o diálogo se dá por meio de grupos no Whatsapp.

    Quantas empresas brasileiras envolvidas na Lava Jato estão sendo investigadas nos Estados Unidos?

    Segundo uma reportagem da agência de notícias Bloomberg, publicada em maio, autoridades americanas estão investigando mais de 10 empresas envolvidas na Lava Jato. Não há informações oficiais sobre as companhias, já que o governo americano mantém os casos sob sigiloso.
    Duas dessas empresas seriam a Petrobras e a Eletrobras, que têm ações negociadas nos EUA.
    Outra companhia na lista seria a Odebrecht. Na semana passada, jornais relataram que a assinatura do acordo de delação premiada entre executivos da empresa e a força-tarefa da Lava Jato havia atrasado por conta do feriado americano de Ação de Graças. Isso teria ocorrido porque a empresa também negocia um acordo com autoridades americanas e desejaria concluir as negociações simultaneamente. 

    Por que os EUA investigam empresas e indivíduos estrangeiros por atos de corrupção ocorridos em outros países?

    A principal legislação nos EUA contra a corrupção de empresas é a Foreign Corrupt Practices Act (FCPA), que busca coibir que companhias (americanas ou estrangeiras) façam pagamentos a funcionários de governos em troca de vantagens a seus negócios.
    Os atos de corrupção investigados podem ter ocorrido em qualquer país, desde que a empresa mantenha vínculos - ainda que mínimos - com os EUA. Enquadram-se na lei empresas que tenham ações em bolsas americanas, investimentos ou contas bancárias nos EUA.
    Se condenadas pela Justiça dos EUA, essas empresas podem ser multadas, perder a licença para operar no país e ter bens apreendidos. Nos casos mais graves, a Justiça pode pedir que outros países extraditem executivos condenados para os EUA, para que cumpram pena em prisões americanas.
    Críticos dizem que a lei dificulta que empresas americanas compitam com companhias estrangeiras em países onde a corrupção é natural. Defensores da legislação argumentam, porém, que ela ajuda a combater práticas nocivas e fez com que vários países adotassem leis semelhantes.

    Quem realiza essas investigações nos EUA?

    Na maioria dos casos, o Departamento de Justiça, órgão subordinado à Casa Branca e que, nos EUA, tem funções semelhantes às do Ministério Público Federal no Brasil.
    Quando as empresas investigadas têm ações em bolsas americanas, também pode haver participação da SEC.

    Como essas investigações terminam?

    Normalmente, autoridades americanas e as empresas investigadas fecham a um acordo para que o caso não seja resolvido na Justiça. Nesses acordos, as companhias costumam se comprometer a pagar uma multa, cooperar com as investigações e mudar suas práticas. Em troca, as autoridades abrem mão de denunciá-las judicialmente e manter sob sigilo irregularidades descobertas nas investigações.
    Em palestra na Procuradoria Geral da República em São Paulo em maio, um representante do FBI disse que, desde 2005, a lei anti-corrupção americana já levou ao pagamento de US$ 6,2 bilhões (R$ 21 bilhões) em multas.
    Segundo especialistas, boa parte do dinheiro vai para o Tesouro americano. Em alguns casos, o montante é usado para indenizar acionistas lesados pelas práticas das empresas.
    Para Michael Koehler, especialista na lei anticorrupção e professor da Southern Illionis University School of Law, esses casos são altamente lucrativos para o Tesouro americano. Ele diz que empresas estrangeiras respondem pelas multas mais altas negociadas com autoridades americanas por violações.
    Entre as empresas que já negociaram acordos com o Departamento de Justiça estão a alemã Siemens, a brasileira Embraer e a francesa Alcatel-Lucent.
    Já Matt Kelly, consultor especializado em ética corporativa, diz que a lei não tem objetivos secretos e que empresas americanas também são punidas pela legislação.
    "Alguns críticos dirão que a lei é uma máquina de dinheiro, mas eu acho que a corrupção é ruim e precisa ser erradicada. As pessoas que são corruptas precisam sofrer as consequências, e a punição financeira é uma forma de conseguir a atenção delas."

    FHC: 'se Temer cair, deve haver eleições diretas'


    O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deu entrevista na noite desta quinta-feira (2) ao do jornalista Mario Sergio Conti no programa “Diálogos”, GloboNews, e foi questionado sobre uma possível queda do atual mandatário do Brasil, Michel Temer.
    "Prefiro acreditar que isso não vá acontecer. Faço todo esforço para que não haja a queda de Temer. (...) Mas se a pinguela cair, o Congresso terá de convocar eleições diretas. Porque é difícil governar nessa situação de escolha indireta pelo Congresso", disse.
    De acordo com a coluna do Noblat, do jornal O Globo, manda a Constituição que o Congresso eleja o sucessor de Temer se ele morrer, renunciar ou for deposto a partir de 1º de janeiro. Para que haja eleição direta, o Congresso teria que mudar a Constituição, o que exigiria três quintos dos votos de deputados e senadores.
    Fernando Henrique é a carta na manga do PSDB e de empresários ligados ao partido para substituir Temer numa eventualidade. Isso se tornou público em artigo recente de um ex-auxiliar dele publicado na Folha de S. Paulo. Temer não gostou do que leu, mas nada disse.

    Acusação contra Renan Calheiros repercute na imprensa internacional

    REUTERS/Ueslei MarcelinoA acusação de peculato contra o presidente do Senado brasileiro teve forte repercussão na imprensa internacional. Vários jornais deram destaque para o processo visando Renan Calheiros (PMDB-AL), que é apresentado como um aliado do presidente Michel Temer.
    Com o título “presidente do Senado do Brasil é acusado de desviar dinheiro público”, o jornal espanhol El Mundo explica que a crise brasileira, “alimentada nos últimos meses por uma turbulenta mudança de governo e intermináveis escândalos de corrupção”, entra em uma nova fase com o processo contra Calheiros, anunciado na quinta-feira (1°).
    O assunto também foi destaque no jornal argentino El Clarín, que relata que o Supremo Tribunal Federal aceitou a denúncia do Ministério Público. Enquanto o francês Le Figaroexplica o caso e lembra que o presidente do Senado é envolvido em onze investigações por corrupção, das quais oito estão ligadas ao pagamento ilegal de comissões pela Petrobras. Para o diário conservador francês, o processo “arranha ainda mais a imagem de um governo impopular e pode agravar as relações já tensas entre a justiça e o Congresso”.
    A revista francesaLe Point lembra que Calheiros é “o terceiro homem mais importante do Estado”, e que essa acusação representa “um golpe duro para Michel Temer”. Porém, segundo Le Figaro, as consequências do caso para o presidente “devem ser limitadas” e, apesar da acusação, Calheiros conserva seu cargo.
    Segundo na linha de sucessão de Temer
    El Mundo também ressalta o fato de o presidente do Senado ser o segundo nome na linha de sucessão do chefe de Estado, depois do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), na Câmara. O correspondente do jornal espanhol no Rio de Janeiro ironiza, dizendo que é pouco provável que Temer e Maia decidam viajar juntos para o exterior nos próximos meses. Afinal, lembra o jornalista, isso significaria que temporariamente “o presidente interino do maior país da América Latina seria um homem acusado de desvio de dinheiro público”.
    O assunto também destaque nas páginas do Wall Street Journal. Para o veículo, o episódio se adiciona a um “clima já toxico” que o país vive, com o governo tentando impor medidas impopulares de austeridade para “terminar com anos de contração econômica” no Brasil. Já o New York Times diz que o caso faz parte do contexto de paranoia que tomou conta da vida política brasileira, “regida por escândalos”.
    Wall Street Journal completa dizendo que “os esforços dos legisladores para se protegerem enfureceram muitos brasileiros”, e que protestos anticorrupção estão programados em cerca de 100 cidades do país no próximo domingo.

    Zezé e Luciano fazem acordo milionário ex-sanfoneiro


    Depois de alguns meses na justiça, Zezé Di Camargo e Luciano entraram em acordo com Elias Flores Rezende, ex-sanfoneiro da dupla. O profissional entrou na justiça para solicitar seus direitos trabalhistas após sofrer um acidente, em 2007, e perder a audição do ouvido direito.
    Os convidados não ficaram muito satisfeitos com o camarote É o Amor/Pink Elephant, da dupla Zezé Di Camargo e Luciano, na Marquês de Sapucaí. Algumas pessoas pediram reembolso integral e parcial dos ingressos. Tudo isso porque um show dos sertanejos foi anunciado no espaço, mas não foi realizado, segundo o jornal “Agora S. Paulo”A esposa do músico, Andiele de Lima Vieira, confirmou que o valor teria ficado acordado em R$ 1,75 milhão, além dos R$ 35 mil de custos da ação. “Ele ganhou em primeira instância aqui, aí foi acertado certo valor. Mas vai protocolando, e se arrastou até agora. Era acima de R$ 2 milhões, mas muitas coisas mudaram na lei deste então. Então fizeram esse acordo”, afirmou a moça.
    Já o advogado dos sertanejos, Adriano Silveira, preferiu não dar maiores detalhes sobre o montante envolvido: “Por respeito aos interesses das partes e até mesmo por uma questão de segurança, preferimos não divulgar os valores envolvidos, só podendo afirmar que a condenação foi expressiva, embora menor do que foi divulgado, e o pagamento se dará em várias parcelas”, afirmou. Silveira explicou ainda que a opção por um acordo partiu dos próprios cantores e que a demora é natural para ações deste tipo, que acaba sendo influenciada também por outros fatores.
    Andiele ressaltou que mesmo com o processo, não há quaisquer problemas entre o marido e os antigos patrões. “Ele está dando aulas em casa de acordeon. Quando a pessoa perde um ‘pedaço’ do trabalho - a audição - as portas se fecham. Mas ele quer realizar o projeto dele e sempre fala muito bem do Zezé. A única coisa é que tem um escritório por trás [ZCL Produções] de tudo isso. Não é nada contra a pessoa Zezé e a pessoa Luciano. Mágoas não existem”, completou.

    Cansado, William Bonner quer deixar o 'JN' o mais rápido possível


    Após terminar o casamento de mais de 25 anos com Fátima Bernardes, William Bonner agora quer organizar a sua vida pessoal.
    O jornalista da Globo estaria cansado de apresentar o “Jornal Nacional”, o principal da televisão brasileira e quer migrar para o entretenimento. Bonner apresenta já está no comando do telejornal há cerca de 20 anos.
    Um dos outros fatores que estão fazendo o apresentador querer mudar de área é o salário, pois no entretenimento ele ganhará bem mais, assim como aconteceu com Fátima que após deixar a bancada do “Jornal Nacional” viu o seu dinheiro crescer.
    Para substituir Bonner na bancada do jornal o nome mais cogitado pela mídia brasileira é o de Evaristo Costa, atual âncora do “Jornal Hoje”.

    Evitar flacidez após cirurgia bariátrica: como famosos fizeram para não ter sobra de pele?

    A cirurgia bariátrica é uma alternativa para a busca de saúde por pessoas obesas que não conseguem perder peso apenas com dieta e exercícios. Ela ajuda a melhorar fatores de risco como pressão alta, diabetes, colesterol alto, dificuldade de locomoção e fadiga, além da melhora estética.

    Mas a grande perda de peso, para alguns, tem como consequência o excesso de pele. Já outros, como os atores Leandro Hassum e André Marques, depois da bariátrica, transformaram a silhueta e ficaram fortes.
    Mas afinal, o que fazer para não deixar o corpo flácido depois da cirurgia?

    Como evitar a flacidez depois da bariátrica

    A médica Ana Carolina Fernandes, cirurgiã bariátrica e metabólica da Aliança Instituto de Oncologia, explica que a flacidez é causada por diversos fatores e que é possível evitá-la simultaneamente à perda de peso. 
    A dica é simples: cuidar da alimentação e praticar exercícios físicos, hábitos que fazem parte da rotina tanto de André Marques como de Leandro Hassum. "Quanto mais massa muscular, mais chances de diminuir a flacidez. Mas, com a perda de peso, pode haver redução de massa muscular (massa magra) e o corpo precisa recuperá-la. O objetivo é evitar ao máximo a perda da massa magra. Por isso a musculação é fundamental", afirma.

    Quem faz bariátrica pode malhar?

    Após um mês da realização da bariátrica, os pacientes, no geral, já estão liberados para a prática de exercícios leves, com o acompanhamento de uma nutricionista especializada e um educador físico, que irá avaliar as condições de cada um, já que, por comer menos, pode haver algum tipo de limitação em determinados exercícios. 
    Mesmo quem era sedentário antes da cirurgia pode e deve passar a se exercitar. Isso acontece em muitos casos já que, após a bariátrica ocorre uma elevação da autoestima e do bem estar geral. "Depois do procedimento o paciente começa a ter prazer ao cuidar do seu corpo e de si mesmo e surge a busca por um padrão de vida mais saudável", explica.
    E começar cedo é primordial, pois a maior perda de peso acontece nos primeiros meses. "Cada paciente tem seu ritmo. O organismo tem características próprias que só sabemos quando começamos a trabalhar com atividade física. Quando inicia-se logo, os resultados podem ser bem animadores", diz.

    Excesso de pele ao emagrecer?

    Em algumas partes do corpo, como braços, abdome e coxas, é mais difícil evitar a sobra de pele e a flacidez, mesmo com exercícios. Por isso, em alguns casos pode ser necessária a realização de um procedimento para retirada desse excesso. "É indicado quando a quantidade de pele atrapalha a higienização de algumas partes do corpo, principalmente das partes íntimas, e quando o paciente não se sente bem com esse excesso", finaliza.

    Os carros que mais desvalorizaram no Brasil em 2016


    Os carros que mais desvalorizaram no Brasil em 2016Uma pesquisa feita pela Agência AutoInforme todos os anos revela os carros que menos desvalorizam ao longo dos últimos 12 meses. Em 2016, o vencedor foi o Honda HR-V, que apresentou depreciação de 4,5% em um ano de uso, seguido por Jeep Renegade com 6,4% e Chevrolet Onix com 8,3%. Mas e na parte de baixa da tabela? Conheça os carros que MAIS desvalorizaram no ano, incluindo modelos de diferentes categorias. 
    Vale destacar que a pesquisa usa os preços praticados no mercado do carro zero km em agosto de 2015 - e não os preços de tabela - e o preço do mesmo carro doze meses depois, ou seja, em agosto deste ano, usando como base a cotação da Molicar. O estudo considera situações como disponibilidade do produto e bônus concedidos pelas fábricas para eliminar eventuais distorções de preços provocadas por essas ações. Também foram eliminados os carros que tiveram modificações consideráveis nos últimos doze meses para que a comparação não comprometesse o resultado do estudo. 
    Veja abaixo os carros que mais desvalorizaram em 2016:
    Mitsubishi L200 -16%
    Hyundai Azera - 16%
    Peugeot 3008 - 16%
    Lifan X60 -16,1%
    Kia Cerato - 16,2%
    Hyundai Tucson - 16,3%
    Volkswagen Amarok - 16,4%
    Ford EcoSport - 16,4%
    Suzuki Grand Vitara - 16,4%
    Dodge Journey - 16,5%
    Chevrolet Tracker - 16,7%
    Mitsubishi Pajero TR4 -16,7%
    Jeep Cherokee - 16,7%
    Fiat Freemont - 16,7%
    Nissan Frontier - 16,9%
    BMW Série 6 -17,4%
    Hyundai Grand Santa Fe - 17,6%
    BMW Série 5 - 18,1%
    Citroën Aircross - 18,6%
    Chery Celer Sedan - 18,9%
    Chevrolet Cobalt - 19,1%
    Citroën C4 Lounge - 20,1%
    Hyundai Elantra - 20,3%
    JAC J3 Turin - 21,1%
    Chery Tiggo - 21,9%
    Citroën C3 Picasso - 22,2%

    Requerimento

    Venho mui respeitosamente a presença da Ouvidora Municipal de Caraguatatuba, Dra. Maria Regina Correa Rapoli, Secretário Municipal de Turismo solicitar através deste requerimento as seguintes informações:

    1.      Acesso aos laudos da consultoria e estudos dos contratos e copias digitalizadas:
    Mês: agosto; Número do Empenho: 2051-2015; CPF / CNPJ / Ident.Esp.: CNPJ - PESSOA JURÍDICA – 15148231000114; Nome do Fornecedor: LIV SOBAN COMUNICAÇÃO ME; Data do evento: 2015-08-26; Valor: 7.970,00; Função de governo: 20 - COMÉRCIO E SERVIÇOS; Subfunção de governo: 81 – TURISMO; Descrição do Programa: APOIO AO TURISMO; Descrição da ação: 2092 - OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA SETUR; Subitem: 33903905 - SERVIÇOS TÉCNICOS PROFISSIONAIS; Histórico: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM ESTUDOS SOBRE DISGNÓSTICOS TURÍSTICOS, ECONÔMICOS E SOCIAL PARA IDENTIFICAR E CARACTERIZAR OS ATRATIVOS NATURAIS CULTURAIS E O ESTÁGIO ATUAL DAS ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA CC 01/2015, CONTRATO Nº 21/2015, PROC Nº 13033/2015, AF Nº 452/2015.

    Mês: outubro; Número do Empenho: 2051-2015; CPF / CNPJ / Ident.Esp.: CNPJ - PESSOA JURÍDICA – 15148231000114; Nome do Fornecedor: LIV SOBAN COMUNICAÇÃO ME; Data do evento: 2015-10-02; Valor: 20.940,00; Função de governo: 20 - COMÉRCIO E SERVIÇOS; Sub-função de governo: 81 – TURISMO; Descrição do Programa: APOIO AO TURISMO; Descrição da ação: 2092 - OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DA SETUR; Subitem: 33903905 - SERVIÇOS TÉCNICOS PROFISSIONAIS; Histórico: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA EM ESTUDOS SOBRE DISGNÓSTICOS TURÍSTICOS, ECONÔMICOS E SOCIAL PARA IDENTIFICAR E CARACTERIZAR OS ATRATIVOS NATURAIS CULTURAIS E O ESTÁGIO ATUAL DAS ATIVIDADES TURÍSTICAS NO MUNICÍPIO DE CARAGUATATUBA CC 01/2015, CONTRATO Nº 21/2015, PROC Nº 13033/2015, AF Nº 452/2015

    2.      Acesso e copias digitalizadas das portarias de nomeação e exoneração da senhora Liv Soban;

    Peço a sua atenção, e aguardo por resposta.
    Guilherme AAraújo

    Sua manifestação foi registrada sob nº 162.024.516.083 em 03/12/2016 as 06:45 horas e será encaminhada para providências, com prazo de resposta previsto até 26/12/2016.


    Porque não foi feito um BO?

    Site da Câmara de Caraguatatuba foi invadido por hackers pela terceira vez em menos de 02 (dois) meses e até agora o Poder Legislativo de Caraguatatuba não comunicou a polícia a invasão.
    Porque será que até a presente data nenhum Boletim de ocorrência foi registrado na delegacia?

    Segundo informações que estamos levantando o site oficial da Câmara de Caraguatatuba foi pela terceira vez de hackers em menos de dois meses. A invasão foi notada na segunda-feira 29/11/2016.


    O site do Poder Legislativo de Caraguatatuba é administrado por uma empresa terceirizada. Atos oficiais, notícias e também a transmissão das sessões ordinárias ao vivo são alguns dos serviços encontrados na página da Câmara de Caraguatatuba, que é o www.camaracaragua.sp.gov.br.


    Bastou descuidar um pouquinho para voltarem a despejar esgoto bruto e óleo no CANAL DA AVENIDA JUNDIAÍ no bairro Sumaré...

    Até quando vamos ter que conviver com esta situação sem que a o poder público municipal tome as medidas fiscalização que o caso requer.

    O esgoto lançado neste canal vai direito para a praia do camaroeiro contaminando todo o meio ambiente e praia.


    Várias denúncias foram feitas e até a presente data os Secretário de Meio Ambiente, Agricultura e Pesca senhor Auracy Mansano Filho e Secretária Adjunta senhora Natalia Pereira Cardozo - Secretária de Saúde Dr. Juan Lambert dos Santos - Secretária Adjunta senhora Luciana Fadel Locatelli não ficar conseguiram identificar os autores deste crime.

    Na madrugada do dia 28.11.2016 o canal da avenida Jundiaí recebeu uma grande quantidade de esgoto bruto.  O esgoto lançado neste canal vai direito para a praia do camaroeiro contaminando todo o meio ambiente e praia.
    Peço que a VISA/ Caraguatatuba tome as medidas legais e fiscalize.
    Sua manifestação foi registrada sob nº 168.014.300.873 em 30/11/2016 as 20:46 horas e será encaminhada para providências, com prazo de resposta previsto até 21/12/2016.