A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Que marra desse meu parceiro e irmão


O Brasil ganha com a transparência! - Esta faltando um de caraguá que já esta condenado...

Este é um dos efeitos da transparência nas votações do Congresso Nacional. O Plenário da Câmara aprovou, por 359 votos a 1 e 6 abstenções, a cassação do mandato do deputado André Vargas por quebra de decoro parlamentar. Ele foi acusado de envolvimento no esquema de corrupção do doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia Federal na Operação Lava Jato.
Conforme o parecer do relator Júlio Delgado (PSB-MG), Vargas atuou na intermediação junto ao Ministério da Saúde em favor do laboratório Labogen, do doleiro Youssef. O parecer enfatizou ainda o alto custo da alocação de aeronave usada por Vargas em férias – cerca de R$ 105 mil –, quantia que foi financiada pelo doleiro.


TRE-SP reprova contas de Feliciano e outros 20 deputados 10.12.2014 às 20:04

Em julgamento de quase 6 horas de duração realizado nesta terça-feira, o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) desaprovou as prestações de contas de 21 deputados estaduais e federais eleitos neste ano. Ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os deputados estaduais que apresentaram irregularidades nas prestações foram Álvaro Batista Camilo (PSD), Auriel Brito Leal (PT), Celso Antônio Giglio (PSDB), Feliciano Nahimy Filho (PEN), Gilmaci dos Santos Barbosa (PRB), Girlênio Gomes de Oliveira (PSL), José Abelardo Guimarães Camarinha (PSB), José Carlos Vaz de Lima (PSDB), José Afonso Lobato (PV), José Aldo Demarchi (DEM), Luiz Fernando Arantes Machado (PSDB), Marco Aurélio dos Santos Neves (PV), Roberto Carvalho Engler Pinto (PSDB), Sebastião dos Santos Filho (PRB) e Welson Gasparini (PSDB). Os federais, por sua vez, foram Antônio Goulart dos Reis (PSD), Evandro Herrera Bertone Gussi (PV), José Augusto Rosa (PR), Marco Antônio Feliciano (PSC), Miguel Moubadda Haddad (PSDB) e Sílvio França Torres (PSDB).

NO DIA D DE DILMA, TRE REJEITA CONTAS DE ALCKMIN

Quando todas as atenções estão voltadas para a prestação de contas da campanha presidencial e para o voto do ministro Gilmar Mendes, relator das contas da presidente reeleita Dilma Rousseff, a surpresa veio de São Paulo; por 5 votos 1, o Tribunal Regional Eleitoral rejeitou as contas do governador reeleito Geraldo Alckmin; segundo o tribunal, na primeira parcial, deixaram de ser computados cerca de R$ 900 mil; na segunda, faltaram R$ 9 milhões; o advogado da campanha de Alckmin, Ricardo Penteado, vai recorrer da decisão; governador tucano tomará posse e será diplomado mesmo com a rejeição das contas

:

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo rejeitou nesta quarta-feira 10, por cinco votos a um, as contas de campanha do governador reeleito Geraldo Alckmin (PSDB). Na avaliação do Tribunal, houve falhas nas prestações parciais de contas do tucano.
Segundo o TRE, deixaram de ser computados cerca de R$ 900 mil na primeira prestação parcial. Na segunda, faltaram R$ 9 milhões. Os valores, conforme noticia a coluna Painel, foram incluídos na declaração final.
A decisão contra o tucano acontece quando todas as atenções estão voltadas para a prestação de contas da campanha presidencial e para o voto do ministro Gilmar Mendes, relator das contas da presidente reeleita Dilma Rousseff.
O governador reeleito será diplomado e tomará posse mesmo com a rejeição das contas. O advogado da campanha estadual do PSDB em São Paulo, Ricardo Penteado, pretende recorrer da decisão.


Quem será eleito para assumir a presidência da Câmara Municipal de Caraguatatuba no próximo biênio 2015/2016.

Segundo informações 02 (duas) chapas foram protocoladas na Câmara Municipal de Caraguatatuba dentro da data prevista.

1ª chapa é formada dos vereadores: China, Vilma, Pedro Ivo e Lelau.

2ª chapa é formada dos vereadores: Carlinhos da Farmácia, Tato Aguilar, Júlio Alves e Ceara da Adega.


Com estas duas chapas sobram os seguintes vereadores que podem fazer a diferença; Nezão, Lobinho, Loro Castilho, Neto Bota, Aurimar Mansano, Baduca Filho e Celso Pereira.