A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Perdoar

Saber perdoar é um dom
Que alivia nossas profundas dores
Abrandando nossos fardos
De culpas, ignorâncias e desafetos

Somos indivíduos egoístas
Egocêntricos em nosso interior
Visando apenas nossas vontades
Ignorando as emoções alheias

Mas com o passar do tempo
Vamos aprendendo a viver
E que as pessoas tem sentimentos
Que nossas palavras podem feri-las

Perdoar e ser perdoado é uma dádiva
Que nos completa e nos faz diferentes
Que mexe com nossos destinos
Derrubando as barreiras para felicidade

Deixe que esse amor te domine
Entregue se aos seus íntimos sonhos
Fazendo com que suas vontades
Sejam superiores aos seus obstáculos...

Pato chega a Londres e diz que é um sonho jogar no Chelsea: 'É minha nova casa'

Alexandre Pato desembarcou em Londres para assinar com o Chelsea

Alexandre Pato desembarcou em Londres nesta quarta-feira, às 13h15 locais (11h15 de Brasília), e disse estar vivendo um momento especial por poder jogar pelo Chelsea. Deu entrevista até em inglês. "Venho aqui para realizar um sonho. O Chelsea é minha nova casa. Eu ainda quero jogar, realmente quero jogar no Chelsea", disse à ESPN.
Ele ainda não foi anunciado oficialmente, mas confirmou durante a entrevista que fará exames médicos já nesta quarta, seguindo orientação do Chelsea. Depois deve conversar com o técnico Guus Hiddink. O contrato de empréstimo deve ser assinado até quinta - a janela de transferência na Europa será encerrada no próximo dia 31.
"Estou muito feliz, chegar numa casa nova, estou muito ansioso, quero logo conhecer meus companheiros de clube para que eu possa me adaptar o mais rápido possível", disse ele.
Pato ficará no Chelsea por empréstimo até o final da atual temporada (junho). O salário de R$ 800 mil mensais será bancado pela equipe inglesa. Mas, antes de oficializar a saída, o Corinthians quer renovar o contrato do atacante, cujo vínculo terminará em 31 de dezembro.
Isso porque o clube teme perder Pato sem qualquer retorno financeiro. Se o contrato não for alterado, o atacante poderá assinar um pré-contrato com qualquer outra equipe sem qualquer custo a partir de junho e, assim, poderá sair de graça ao final do vínculo. O Corinthians teme esse cenário porque pagou R$ 40 milhões para contratá-lo em 2013.
Pato também minimizou o longo tempo que está sem jogar - desde 28 de novembro, quando estava no São Paulo. "Faz tempo que estou sem jogar, sim, mas nada que meus novos colegas não possam me ajudar", completou o jogador.

Rádio: Neymar 'aproveita' interesse do Real e quer salário de Messi para renovar com Barça

Neymar quer ganhar o mesmo do que Messi ganha atualmente no Barcelona

A enorme rivalidade entre Real Madrid e Barcelona tem tudo para se refletir em ótimos frutos na conta bancária de Neymar. Segundo a imprensa espanhola, o brasileiro entrou na mira do clube merengue e poderia se aproveitar disso para ganhar um belo aumento salarial no time catalão.
As informações da rádio Cadena Cope são de que Neymar estaria de olho até em receber o mesmo que Lionel Messi recebe hoje.
O brasileiro tem contrato até o meio de 2018, com um salário que gira em torno dos 10 milhões de euros por temporada. Para renovar até 2020, as cifras pedidas estariam em 23 milhões líquidos.
O valor é o mesmo do que Messi ganha atualmente. Mas não transformará Neymar no jogador mais caro do elenco. Isso porque o argentino tem uma cláusula em seu contrato que quase dobrará o seu contrato a partir do meio do ano. Na próxima temporada, receberá nada menos que 39,4 milhões de euros.
Isso tudo, claro, criará um enorme caos financeiro para o clube. Só a dupla levaria cerca de 62,4 milhões de euros na temporada, 29,4 milhões a mais do que ganham hoje.
E isso falando apenas no dinheiro líquido dos jogadores. Vale lembrar que o custo do Barcelona é muito maior, com todos os devidos impostos. Nessa conta, os novos contratos de Neymar e Messi gerariam custos de 50 e 85 milhões de euros, respectivamente.
Até por isso, o Real Madrid - e vários outros clubes, como os rivais de Manchester - estão de olho na situação. Especula-se na Espanha que o Barcelona não teria condições de manter os dois jogadores, até por conta do Fair Play financeiro, a lei de responsabilidade fiscal da Uefa que basicamente proíbe que os clubes gastem mais do que arrecadam na temporada.
E vale lembrar que o clube ainda tem outros grandes salários, como o do próprio Luis Suárez e de jogadores como Iniesta e Rakitic.

Algoz do Corinthians em 2015 faz proposta milionária por Imperador



Sem clube há quase dois anos, o atacante Adriano recebeu uma proposta do Guaraní-PAR nos últimos dias. O Imperador ficou de estudar a situação e dar uma resposta logo depois do Carnaval. O clube paraguaio, algoz do Corinthians na Copa Libertadores do ano passado, oferece salário de R$ 180 mil, além de um apartamento e um carro no tempo de contrato oferecido - seis meses.
No total, porém, Adriano pode ganhar até R$ 2,4 milhão em bonificações. De acordo com a proposta oferecida, há vários tipos de bônus. São eles: R$ 120 mil em caso de avanço à fase de grupo da Libertadores - a equipe enfrenta o Independiente del Valle-EQU na primeira fase; R$ 280 mil por cada fase superada (classificações para oitavas, quartas, semi e final); R$ 800 mil em um eventual título da competição; R$ 400 mil pela conquista do Apertura do Campeonato Paraguaio (disputado no primeiro semestre deste ano).
Aos 33 anos, Adriano colecionou títulos até 2011, mas viveu o auge da carreira em meados dos anos 2000. Revelado pelo Flamengo, também vestiu a camisa de Parma-ITA, Inter de Milão-ITA, Fiorentina-ITA, São Paulo, Roma-ITA, Corinthians e Atlético-PR, além da Seleção Brasileira. Em seu currículo, possui dois títulos brasileiros, quatro italianos, uma Copa América e uma Copa das Confederações. Recentemente, publicou em uma rede social uma foto com a frase "To voltando", e apareceu mais em formas em fotografias recentes.
A reportagem tentou entrar em contato com pessoas próximas a Adriano, mas não obteve resposta até o momento da publicação da matéria.

Humorista Maurício Manfrini é feito refém durante assalto no Rio

O humorista Maurício Manfrini, intérprete do personagem Paulinho Gogó, foi feito refém durante um assalto em São João de Meriti, na Baixada Fluminense. Segundo a polícia, ele foi abordado por ao menos cinco criminosos armados quando deixava a casa da mãe.
O comediante ficou sob poder dos assaltantes e foi liberado às margens da Via Dutra após um cerco policial realizado pela PM no sentido São Paulo da rodovia.
Os bandidos roubaram os pertences e o veículo dele, mas não se feriu. Ele foi encaminhado para a 64ª Delegacia de Polícia, prestou depoimento e foi liberado.
O caso é investigado pela Polícia Civil e até o momento nenhum suspeito foi detido.
O comediante ficou sob poder dos assaltantes e foi liberado às margens da Via Dutra.

Advogado diz que Dirceu "quer falar" em depoimento a Sérgio Moro

<p>Será a primeira vez que Dirceu será interrogado na Operação Lava Jato pelo juiz federal Sérgio Moro.</p>

Na próxima sexta-feira (29), o ex-ministro José Dirceu deve abrir mão do silêncio e revelar a sua versão sobre as acusações de que recebeu propina via recursos desviados da Petrobras.
Será a primeira vez que Dirceu será interrogado na Operação Lava Jato pelo juiz federal Sério Moro.
O ex-ministro da Casa Civil do governo Lula, preso em agosto do ano passado, foi acusado pelo Ministério Público Federal de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa.
De acordo com os procuradores da Lava Jato, Dirceu teria recebido direta ou indiretamente um total de R$ 11,9 milhões de forma ilícita, em forma de pagamentos de empreiteiras que prestaram serviços à Petrobras por consultorias que Dirceu nunca teria feito.
"Zé Dirceu deve falar, ele quer falar", confirmou um de seus advogados, o criminalista Odel Mikael Jean Antun, nesta segunda-feira (25), em Curitiba

SP desrespeita regra e não reporta quase 200 bebês com microcefalia

Dados de microcefalia em São Paulo registrados no SINASC.

No último boletim divulgado pelo Ministério da Saúde com casos suspeitos de microcefalia no país, o Estado de São Paulo aparece com apenas 18. O número real de casos da condição no território paulista, entretanto, foi quase 12 vezes maior apenas em 2015, já que os municípios paulistas registraram a existência de 210 casos de microcefalia – 159 deles de crianças nascidas nos meses de novembro e dezembro, apontam dados obtidos pelo EL PAÍS. O fator pode indicar que a epidemia já chegou a São Paulo, ao contrário do que se imaginava até o momento. O boletim do ministério, com dados até o último 16 de janeiro, relata a existência de 3.893 casos suspeitos de microcefalia no país. 

A discrepância entre os dados ocorre porque o Estado não notifica todas os nascidos com suspeita de microcefalia, como orienta o Ministério da Saúde e como fazem Estados como Pernambuco, Paraíba e Bahia, os três que aparecem na dianteira de casos no último boletim. São Paulo informa apenas os casos suspeitos em que a mãe teve alguma indicação de ter contraído o zika vírus: apresentaram manchas vermelhas pelo corpo na gestação, tiveram exames negativos para outros vírus que podem causar a microcefalia e os bebês nasceram com o perímetro cefálico menor do que 32 centímetros, segundo informou a própria Secretaria Estadual da Saúde.

Contudo, uma nota informativa do Ministério da Saúde, divulgada em 17 de novembro, orientava Estados e municípios a informarem todos os casos de microcefalia, sem importar qual a causa suspeita. No último boletim divulgado, o órgão reforça a orientação. A conduta é a ideal porque, primeiro, em 80% dos casos as pessoas que contraem zika não apresentam qualquer sintoma, nem mesmo as manchas vermelhas usadas como critério por São Paulo, e,  por isso, notificar apenas os casos em que a mãe teve as marcas pode trazer uma enorme subnotificação de casos; e, segundo, porque os dados são importantes para se avaliar se é a zika a real e única responsável pelo aumento de casos o país. A falta de padronização na notificação também dificulta a realização dos estudos e das ações de saúde pública a serem tomadas.
“Aqui nós registramos todos os casos de microcefalia e depois investigamos a causa, como orienta o Ministério da Saúde”, afirma Renata Nóbrega, gerente de vigilância em saúde da Paraíba, Estado que no boletim do ministério apresenta o segundo maior número de casos suspeitos de microcefalia (665). A mesma conduta foi confirmada ao EL PAÍS pelos Estados da Bahia (terceiro em casos, com 496) e de Pernambuco (primeiro, com 1.306). “Internamente, nós percebemos que há essa diferença de notificação entre alguns Estados e, inclusive, teremos uma reunião com o Ministério da Saúde esta semana sobre o assunto”, afirmou a diretora de ações e informações estratégicas em vigilância de Pernambuco, Patrícia Ismael. Caso São Paulo tivesse feito a notificação como os demais Estados, obedecendo a regra do Ministério da Saúde, ele teria fechado o ano passado como o quarto em número de casos suspeitos de microcefalia no país.
Dados com a evolução dos casos de microcefalia no Brasil e em SP. Fonte: Ministério da Saúde

Dois sistemas

Os 210 casos da condição registrados em São Paulo em 2015 foram informados pelo próprio Ministério da Saúde ao EL PAÍS por meio à Lei de Acesso à Informação, que obriga que dados públicos sejam repassados para a população. Eles constam no Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC), uma ferramenta online onde os gestores registram todas as informações sobre os nascimentos ocorridos em seus hospitais, incluindo a microcefalia.

A notificação, passo a passo

Abaixo, os principais passos da notificação por microcefalia:
1. Bebê com perímetro cefálico (tamanho da cabeça) menor do que 32 centímetros nasce em um hospital
2. O médico registra a informação no RESP (Registro de Eventos em Saúde Pública), uma planilha online, e´a informação chega ao Ministério da Saúde e às secretarias Estadual e Municipal da Saúde. O caso entra no boletim de casos suspeitos de microcefalia
3. Município e Estado começam a investigar o caso. Primeiro, verificam se o perímetro cefálico foi medido de acordo com a recomendação. Se não, o caso é descartado. Depois, são feitos exames de imagem que indicam se há outros sinais de microcefalia. Em seguida, se avalia qual a possível causa daquele problema, entre eles o contágio da mãe pelo zika
Os dados do SINASC costumam ser os mais completos, mas por serem mais complexos de preencher os gestores demoram mais tempo para atualizá-los. Com o aumento dos casos de microcefalia em outubro passado, o Ministério da Saúde disponibilizou uma outra forma de notificação mais rápida, o Registro de Eventos em Saúde Pública (RESP). A orientação do órgão desde o início de novembro é que os médicos informem no RESP assim que um bebê com microcefalia nascer em um hospital, e, depois, que o profissional preencha os dados mais completos no SINASC. Como são atualizados mais rapidamente, os dados do RESP é que são usados pelo ministério para atualizar o boletim sobre a microcefalia divulgado semanalmente, depois que os próprios Estados confirmam os dados preenchidos pelos médicos.
São Paulo só notifica ao ministério os casos suspeitos de microcefalia que tenham relação com o zika. Mas nos municípios paulistas o Sinasc é usado para registrar todos os casos de microcefalia, por isso é possível saber a diferença entre os dados. Em nota, a Secretaria da Saúde confirmou que os dados de microcefalia no Estado são maiores. O órgão disse que criou um canal de notificação rápida para que as secretarias municipais informem seus casos de microcefalia e que desde 17 de novembro foram registrados 109 casos desta forma. "No entanto, desse total, apenas 18 preenchem os requisitos clínicos necessários para a definição de caso ligado a infecção por zika". O Estado não explicou, até a conclusão desta reportagem, quais os motivos que o levaram a não seguir o protocolo do ministério de notificar todos os casos de microcefalia para o boletim. Afirmou que mantém a notificação de todos os casos de microcefalia por meio do SINAC e que os dados "estão disponíveis para serem usados da forma que o Governo federal julgar procedente". O Ministério da Saúde, por sua vez, afirmou que só contabiliza em seus boletins os casos validados pelas Secretarias Estaduais de Saúde.
A secretaria estadual ressaltou na nota ainda que o aumento de casos notificados pelo SINASC se deve ao fato de que a malformação só passou a ser obrigatoriamente informada pelos médicos do país depois da epidemia atual. Por isso, diz a pasta, antes havia uma subnotificação de casos de microcefalia pelos municípios. São Paulo registra aproximadamente 40 casos da enfermidade por ano. A notificação compulsória, entretanto, passou a valer para todos os Estados ao mesmo tempo e nem todos registraram um aumento de casos tão grande como São Paulo em novembro (70 casos) em dezembro (89).
Os dados também coincidem com a epidemia de dengue no Estado, cujo pico ocorreu entre os meses de fevereiro, março e abril, cerca de nove meses antes do SINASC registrar um grande aumento de nascidos com microcefalia (o tempo de uma gestação, portanto). A dengue é transmitida pelo Aedes aegypti, mesmo mosquito vetor do zika. Um grande número de casos de dengue indica que o vetor circulou em grande número por São Paulo e ele poderia estar infectado pelo zika também. Oficialmente, o Estado confirma a circulação de zika em apenas dois municípios: Sumaré e São José do Rio Preto. Mas há uma grande quantidade de casos suspeitos de dengue ocorridos neste período de pico que ainda estão sob investigação. Os sintomas de dengue, zika e chikungunya são facilmente confundíveis e, por isso, muitos casos de zika podem ter sido registrados como suspeitos de dengue.

Polêmica

"A suspeita, notificação e registro oportuno de casos de microcefalia é fundamental para ativar o processo de investigação, visando à identificação das prováveis causas e o acompanhamento da evolução destes casos"
nota técnica do Ministério da Saúde, item "Orientações para caso suspeito de microcefalia, de 17 de novembro de 2015
No início de dezembro, a forma de notificação feita por São Paulo já havia sido objeto de polêmica. Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo informou no dia 8 daquele mês que pelo menos 18 casos de microcefalia com suspeita de terem sido causados por zika haviam sido reportados na capital, Campinas, Grande São Paulo e litoral. Na época, nenhum deles constava do boletim oficial do Ministério da Saúde.
Na época, o secretário da Saúde paulista, David Uip, disse que o Estado só notificaria ao ministério os casos em que as mães tivessem o contágio por zika confirmado. Depois da polêmica teve de voltar atrás e São Paulo passou a notificar os casos de microcefalia com suspeita de contágio por zika. Apenas 18, mesmo número apontado pela apuração da reportagem, foram incluídos no boletim. 
Em nota enviada ao EL PAÍS, o Ministério da Saúde afirmou que desde 11 de novembro, quando decretou situação de emergência nacional de saúde pública, a recomendação é que os Estados notifiquem todos os casos suspeitos de microcefalia. "Além de atualizar as informações, o objetivo da comunicação é dar transparência à situação atual, assim como emitir orientações à população e à rede pública", destacou o texto.

Senadores pediram R$ 45 milhões de propina, diz ex-servidor da Receita

<p>Ex-servidor da Receita conta que lobista relatou pedido de propina de senadores.</p>

João Gruginski, ex-servidor da Receita, disse em depoimento à Polícia Federal que houve uma reunião na qual o lobista Alexandre Paes dos Santos, preso na Operação Zelotes, falou “abertamente” de propina.
Gruginski relatou que estavam no encontro os investigados Eivany da Silva e José Ricardo Silva. O ex-servidor da Receita disse ainda que Paes dos Santos acusou Gim Argello, então senador, e os congressistas Renan Calheiros e Romero Jucá pediram R$ 45 milhões “para viabilizar” uma emenda.
No entanto, os três políticos negam o suposto pedido de propina.
No segundo depoimento prestado por Gruginski, em dezembro do ano passado, ele disse que APS, como Paes dos Santos é conhecido, comentara que “os parceiros de SP teriam afirmado que a MP 471/2009 [que receberia a emenda inicialmente] teria custado R$ 6 milhões para a campanha”.
O ex-assessor parlamentar não soube dizer para qual campanha seria.
Renan Calheiros nega a participação e diz que “jamais delegou, autorizou ou consentiu para que seu nome fosse usado por terceiros”. Ainda segundo a coluna, Jucá disse que nunca se reuniu com APS e que a acusação é “conversa de maluco”. Argello ressaltou que a “história é fantasiosa e não merece nenhuma credibilidade”.

Sem consenso, tucanos paulistas recorrem a FHC

Líderes do PSDB já falam em desistir das prévias, que, segundo eles, se transformaram em disputa fratricida e podem implodir partido na capital do Estado. 

Sem saber o que fazer diante do acirramento da disputa pela vaga de candidato à Prefeitura de São Paulo, o PSDB convocou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para buscar um consenso interno enquanto líderes do partido já falam em desistir das prévias marcadas para o dia 28 de fevereiro.
Depois de declarar em setembro seu apoio ao vereador Andréa Matarazzo, um dos três inscritos nas prévias, FHC convocou o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, para uma reunião que deve ocorrer na tarde de hoje, na sede de seu instituto, na região central da capital.
O encontro não consta da agenda oficial do ex-presidente. Além de Matarazzo, também estão na disputa o empresário João Doria Jr. e o deputado Ricardo Tripoli. As inscrições serão encerradas amanhã.
Até o fim da semana FHC deve comandar outra reunião, mas desta vez com a presença do senador José Serra, do governador Geraldo Alckmin e do ex-governador Alberto Goldman.
A avaliação dos tucanos é que as prévias “descambaram” para uma disputa fratricida e que o nome eleito pela base não terá apoio dos rivais na campanha. “O PT entrará desgastado na campanha enquanto nós estamos nos matando. Um (pré-candidato) fica acusando o outro. Virou guerra. Quem ganhar (a prévia) ficará sozinho”, diz o deputado Pedro Tobias, presidente do PSDB paulista. Uma solução para o impasse, segundo ele, seria a entrada de Serra na disputa.
‘Tiro no pé’. Secretário-geral do diretório nacional do partido, o deputado Silvio Torres demonstra a mesma preocupação. “As prévias foram concebidas para transformar a disputa interna em uma mobilização que pudesse levar o PSDB a um patamar melhor na disputa. Mas ela pode se transformar em um tiro no pé com o acirramento e a possibilidade de os pré-candidatos derrotados não apoiarem o vencedor”, disse.
Vice-presidente do PSDB, o ex-governador Alberto Goldman segue a mesma linha. “Nunca gostei de prévias. Participei de uma quando eu estava no PMDB e foi um desastre.”
Alheios à resistência ao processo de escolha, os três postulantes fizeram uma reunião tensa nesta terça-feira, 26. Ficou definido que a votação será por meio de uma sistema eletrônico que simula as urnas s do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas não houve consenso sobre o formato dos debates.
“Se já tivéssemos escolhido o nome do PSDB seria diferente e não haveria esse desgaste”, diz Mário Covas Neto, presidente do partido na capital.
João Doria reagiu às críticas. “Agora que é nítido que estamos na frente estão desqualificando as prévias. Implodir o processo não seria democrático.” Andréa Matarazzo, por sua vez, minimiza as reclamações. “Se todos que estão na disputa têm militância e estão afinados com as bandeiras do partido, não tem por que ser ruim.”

Núbia Óliiver decide morar no campo depois de morte do namorado: “Para retomar minhas forças”

Veja fotos de Núbia Óliiver em fazenda de Minas Gerais

Núbia Óliiver decidiu se afastar e se mudou para uma fazenda no interior de Minas Gerais após a morte de seu namorado, Paulo Santana. O homem de 42 anos faleceu devido a uma insuficiência renal no dia 12 de janeiro.
"Aqui sempre foi minha fonte de energia. Sempre venho para cá, não consigo ficar longe. Nasci e cresci nesse pedacinho de terra. Nada como ter os pés no chão, beber água da fonte e estar rodeada de muito verde. Amo ver tudo isso, beber essa água, a sensação é de renovação a cada dia. É o melhor lugar para retomar minhas forças, ainda mais agora",.
A atriz – que já toma remédios para depressão – ajustou a dosagem da medicação e recebeu atendimento médico para que a perda do companheiro não agravasse sua doença.
“Estou vivendo! É vida que segue com amor, fé e muita natureza. Esse será meu Carnaval, longe da folia e dos camarotes ",  afirmou.
Santana havia descoberto a doença há sete meses e estava fazendo sessões de hemodiálise desde então. Os dois tinham planos de comparem uma casa juntos ainda em janeiro.

PF deflagra 22ª fase da Lava Jato, a Triplo X

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 27, a 22ª fase da Operação Lava Jato, denominada Triplo X. Cerca de 80 policiais federais cumprem 15 mandados de busca e apreensão, 6 mandados de prisão temporária e 2 mandados de condução coercitiva – quando o investigado é levado para depor e liberado – nas cidades de São Paulo, Santo André, São Bernardo do Campo e Joaçaba (Santa Catarina).
São alvos da operação, a Bancoop, a OAS e a Mossac Fonseca, empresa que teria montado offshores. Foi presa em São Paulo Neuci Waquer, que consta como proprietária do Triplex 163, B, no Condomínio Solaris, da OAS, no Guarujá. O apartamento que seria do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é o tríplex 164 Alfa, na torre vizinha.
Segundo a PF, este desdobramento da Lava Jato apura “a existência de estrutura destinada a proporcionar a investigados na operação policial a abertura de empresas off-shores e contas no exterior para ocultar ou dissimular o produto dos crimes de corrupção, notadamente recursos oriundos de delitos praticados no âmbito da Petrobrás”.
A PF informou que a investigação apura a ocultação de patrimônio por meio de um empreendimento imobiliário, “havendo fundadas suspeitas de que uma das empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato teria se utilizado do negócio para repasse disfarçado de propina a agentes envolvidos no esquema criminoso da Petrobrás”.
Nesta fase são apurados os crimes de corrupção, fraude, evasão de divisas e lavagem de dinheiro.
Os presos serão trazidos para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, base da Lava Jato.

Programa de Xuxa ganha novo diretor e segue sem previsão de voltar a ser ao vivo

Mariozinho Vaz, que saiu do 'Mais Você' para dirigir o programa 'Xuxa Meneghel', foi afastado da atração, nesta terça-feira, 26 de janeiro de 2016

As mudanças no "Programa Xuxa Meneghel" já estão acontecendo. Depois da atração não ter previsão para voltar a ser ao vivo e ganhar um diretor para censurar algumas frases da apresentadora, houve uma troca de diretor. Sai Mariozinho Vaz, que veio da TV Globo - ele estava dirigindo o "Mais Você" quando foi contratado pela Record - e entra Ignácio Coqueiro, que estava no comando do "A Hora do Faro". A assessoria da emissora de Edir Macedo confirma a troca e diz que a saída de Mariozinho foi uma decisão de ambas as partes.
Enquanto Igácio Coqueiro assume a frente do semanal apresentado por Xuxa, Cezinha (Carlos César Filho) foi o escolhido para ocupar seu lugar na direção do programa de Rodrigo Faro. Coqueiro já tinha sido cogitado pela Record quando ainda estava na fase de negociação com a loira, que aborda temas polêmicos no "XM".
A relação de Xuxa com a Record, entretanto, não anda às mil maravilhas. A mãe de Sashatem reclamado das condições de trabalho e ficou insatisfeita com a decisão da emissora de terceirizar sua produção no Rio de Janeiro, mudando seu complexo de estúdios para a produtora Casablanca. Alguns funcionários da loira argumentaram que saíram da TV Globo para trabalharem na Record e não na produtora.

PF aponta ‘alto grau de suspeita’ sobre tríplex que seria de Lula

Diagrama da Operação Triplo X inclui apartamento 164 A do Condomínio Solaris, no Guarujá, no rol de imóveis sob investigação.

A Polícia Federal incluiu o triplex 164-A, que seria da família do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Edifício Solaris, no Guarujá, litoral de São Paulo, no rol de imóveis com “alto grau de suspeita quanto à sua real titularidade” sob investigação na Operação Triplo X – 22ª fase da Lava Jato – deflagrada nesta quarta-feira, 27.
“Manobras financeiras e comerciais complexas envolvendo a empreiteira OAS, a cooperativa Bancoop e pessoas vinculadas a esta última e ao Partido dos Trabalhadores apontam que unidades do condomínio Solaris, localizado na Avenida General Monteiro de Barros, 638, em Guarujá-SP, podem ter sido repassadas a título de propina pela OAS em troca de benesses junto aos contratos da Petrobrás”, informa a representação de prisões e de buscas e apreensões da Triplo X assinada pela delegada Erika Mialik Marena, da equipe da Lava Jato, em Curitiba.
“Além das inconsistências já detectadas quanto ao imóvel que pertencera a Marice Correa de Lima (cunhada do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto), igualmente chamaram a atenção outros imóveis do mesmo condomínio que indicaram alto grau de suspeita quanto à sua real titularidade”, registra a PF.
O relatório da PF é ilustrado com um diagrama que inclui oito tríplex do condomínio Solaris, quatro da Torre A e quatro da Torre B – entre eles o 164 A. O diagrama montado pela PF indica que a OAS – empreiteira acusada por cartel no esquema de propinas na Petrobrás – aparece como proprietária do triplex 164 A.
O alvo central da Triplo X são imóveis da Bancoop, adquiridos pela OAS, em nome da família de Vaccari e também o triplex 163-B, na torre vizinha à que abriga o apartamento que seria de Lula. O imóvel está em nome da offshore Murray Holdings LLC, registrada em Nevada (EUA).
“Levantou suspeitas pela evidente disparidade de um imóvel de tais padrões frente à pessoa que se apresentou perante as autoridades fazendárias brasileiras como representante da dita offshore, qual seja, Eliana Pinheiro de Freitas, pessoa de condições simples, porém, representante de offshore que adquiriu uma série de imóveis desde 2009″, informa a PF.
Eliana e Nelci Warken – também alvo da Triplo X – seriam ‘laranjas’ de um proprietário que a força-tarefa da Lava Jato diz ainda não saber quem é.
“Os indícios demonstraram o claro vínculo entre Eliana Pinheiro de Freitas e Nelci Warken, ambas com alguma atuação passada junto à Bancoop, provável local de sua aproximação, restando clara a condição de ‘laranja’ de Nelci que Eliana veio a ocupar.”

Esposa de Cunha tentou trabalhar em três emissoras de TV



A jornalista Claudia Cruz, esposa do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, ainda tinha a intenção de voltar à TV aberta.
Até o ano passado, antes do escândalo das contas na Suíça, Claudia tentava oferecer um projeto de talk-show à Band, RedeTV! e Record.
A ex-jornalista da Globo procurou contatar amigos no começo do ano passado, logo depois de Cunha ser eleito presidente da Câmara.
Nas emissoras ela apresentou um projeto que seria uma mistura de talk-show político com programa de variedades. Uma das fórmulas seria uma atração semanal, com duração de duas horas.
A publicação revela que Claudia teria dito em uma mensagem enviada a um amigo da RedeTV! (que pediu anonimato): "Posso usar minha grande rede de amizades e também as do Eduardo" para levar convidados de peso ao programa.
A jornalista já havia sido âncora do "Bom Dia Rio", "RJTV" e "Jornal Hoje", da TV Globo, além de eventualmente participar do "Fantástico". No entanto, sua saída da Rede Globo envolveu um processo trabalhista pesado que durou sete anos, e só acabou em 2008, com a derrota da Globo. Segundo estimativas, a emissora teve de lhe pagar por volta de R$ 3 milhões em indenizações. Por este motivo, Claudia não chegou a tentar contato com a Globo, nem apresentou seu projeto à emissora. Claudia Cordeiro Cruz, 48, está sendo investigada pela Receita Federal.
A Justiça da Suíça localizou contas usadas por ela e uma enteada, Danielle Ditz da Cunha, sem comprovação de origem dos recursos. Além disso, Claudia é sócia do marido em empresas que são alvos de investigação pela Procuradoria Geral da República e Receita Federal.

PMDB cobra manutenção de Castro na Saúde e acusa PT de ‘fritar’ ministro

O PMDB saiu ontem em defesa do ministro da Saúde, Marcelo Castro, cujo desgaste tem se ampliado por causa das declarações polêmicas e do avanço das epidemias de dengue e de zika no País. O presidente da República em exercício, Michel Temer, que assumiu ontem o cargo após viagem da presidente Dilma Rousseff ao Equador, disse em breve entrevista que Castro “merece” continuar no comando da pasta.
Questionado se Castro continuava firme e forte no cargo, ele respondeu: “Eu acho que ele merece (continuar)”. O vice, entretanto, evitou comentar as recentes declarações do ministro. Anteontem, Castro disse que o governo estava “perdendo feio” a guerra contra o Aedes aegypti. “Isso é uma questão da Saúde”, afirmou Temer.
Durante todo o dia de ontem, a avaliação dentro do partido foi de que Castro está sendo alvo de setores do PT, que, para eles, não aceitaram a perda do comando da pasta e tentam “fritar” o ministro e jogar a responsabilidade da epidemia de dengue e de zika no colo do PMDB.
Até o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), desafeto do governo, do próprio Castro e defensor da saída do PMDB da gestão Dilma Rousseff, saiu em apoio ao atual ministro. “Eles sempre querem jogar no colo dos outros seus problemas. Esse mosquito está aí há muito tempo e não fizeram nada contra ele”, afirmou.
Deputados antigoverno reforçaram as acusações. “Querem que em 30, 60 dias ele já tenha condições de mostrar resultado. Acredito no trabalho dele mais para frente. Não é simplesmente ligar ou desligar uma tomada. O PT não aceitou até agora perder o ministério e avança neste sentido de exigir a resolução em tão pouco tempo”, disse Carlos Marun (PMDB-MS).
“Já tem mais de uma década que o PT comanda a Saúde. O mosquito é petista. E, se Marcelo tiver que sair porque não é um grande frasista, é mais um motivo para a presidente Dilma sofrer impeachment”, afirmou Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), comparando as polêmicas frases de Marcelo Castro a declarações da presidente Dilma.
Congresso. O desgaste de Castro avançou até mesmo sobre a acirrada disputa pela liderança da sigla na Câmara. Hugo Motta (PB), candidato de Cunha, manifestou-se logo cedo pelo Twitter. “Bom dia amigos, quero registrar o nosso apoio e confiança no trabalho do ministro Marcelo Castro a frente do Ministério da Saúde”, afirmou. Já o atual líder e responsável pela indicação de Castro, Leonardo Picciani (RJ), foi pessoalmente ao Ministério da Saúde conversar com seu correligionário. “São setores que trabalham contra a aliança do PMDB e do governo que tentam instalar uma crise que não existe”, afirmou Picciani, aliado do governo.
Aliados do ministro afirmam que ele pretende evitar dar declarações polêmicas para se manter na pasta. A avaliação é de que o ministro, chamado por correligionários de “frasista” e “folclórico”, precisa se preservar para evitar que Dilma decida trocá-lo em meio à crise provocada pelo aumento do número de casos de dengue e zika no País. Ao deixar o ministério no fim da manhã, Castro disse em tom de brincadeira que havia sido proibido de dar declarações por sua assessoria de imprensa.
‘Hibernação’. A situação do ministro se agravou depois que, anteontem, ele repetiu que o governo estava “perdendo feio” a guerra contra o mosquito da dengue. O ministro, segundo aliados, deve entrar numa fase de “hibernação” para impedir que saia da pasta, para a qual foi designado em outubro. Desde a posse ele coleciona declarações polêmicas – na ocasião, defendeu a cobrança da CPMF “no crédito e no débito”.
Apesar de reconhecer que as recentes declarações do ministro da Saúde foram “infelizes”, a presidente Dilma Rousseff decidiu dar mais prazo para Castro mostrar serviço. O Planalto teme uma nova e mais intensa crise com Temer e o PMDB.
A avaliação inicial é de que a costura política para que ele chegasse ao cargo foi difícil e ainda não houve tempo hábil para que o peemedebista faça seu trabalho no ministério.

Após assédio, "Japonês da Federal" é trocado de função



Newton Ishii ficou conhecido como o "Japonês da Federal" após aparecer em várias operações da Polícia Federal, principalmente na Lava Jato.
Agora, o agente enfrenta diariamente o assédio de algumas pessoas que frequentam a sede da PF em Curitiba e pedem para tirar foto com ele.
Como refere os eus milhares de fãs, o "japa da Federal" tem conquistado fãs. Enquanto se dividia entre os afazeres da carceragem da PF em Curitiba e o transporte de presos, o Japa sempre acabava assediado nos corredores da superintendência.
No entanto, a fama acabou afastando o policial da função da qual ficou conhecido. A PF trocou Newton de função, pois a popularidade do "Japa" poderia alertar eventuais alvos das operações e, por isso, ele parou de participar das prisões.