Linguiça - Moreira Artesanal

Linguiça - Moreira Artesanal

Cabeça's Barbearia

Cabeça's Barbearia
Av. Pres. Castelo Branco, Sumaré /anexo ao posto Shell, Caraguatatuba, (12) 99616-7705

sexta-feira, 24 de julho de 2015

"Todo mundo feliz de dizer que culpada pela corrupção é a Dilma"

<p>Quando a corrupção virar um problema nosso, criaremos instituições para coibi-la", disse Marina.</p>

A ex-candidata presidencial Marina Silva criticou, nesta noite, 23, a postura da sociedade brasileira de culpar a presidente Dilma Rousseff pelas mazelas de corrupção no Brasil e discursou sobre a importância de a sociedade brasileira sair da posição de "espectadora da democracia" para passar a autora do processo democrático. "Aqui no Brasil está todo mundo feliz de dizer que a culpada pela corrupção é a Dilma. Quando a corrupção virar um problema nosso, criaremos instituições para coibi-la", disse Marina, defendendo que as pessoas tomem responsabilidade na política.
"Não é sustentável acharmos que a corrupção é o problema de uma pessoa, de um grupo ou de um partido", prosseguiu a ex-candidata ao citar outros políticos que viram alvos de argumentações simplistas como culpados pela existência de corrupção no País, como os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e José Sarney (PMDB).
Marina argumentou que o Brasil só saiu da ditadura quando ela virou um problema de toda a sociedade e não apenas dos militares. "Enquanto a ditadura era um problema apenas dos militares, a coisa era feia."
Internet e democracia
Marina, hoje ainda filiada ao PSB, participa de um evento sobre novas tecnologias e internet, que discute como novas ferramentas podem permitir um envolvimento maior da população. Ela avaliou que a internet pode permitir um envolvimento mais direto com a política, no que classifica de "democracia prospectiva". Essa maneira de interagir, no seu entender, é uma forma de responder à crise civilizatória por que passa o Brasil e o mundo, em que cidadãos tem autonomia para se comunicar e pensar projetos. "A internet possibilita a bilhões de seres humanos entrarem em contato direto um com os outros, de forma que possam prospectar formas de ampliar a democracia", afirmou.
Líder do projeto de um novo partido, a Rede Sustentabilidade, Marina disse que a legenda que tenta criar é uma iniciativa no Brasil, como existem outras no mundo, de "democratizar a democracia", mudando a relação da sociedade com a representação. A ex-candidata discursou sobre sua militância para que a sociedade assuma papel de protagonista e não de espectadora da política. "Esse mundo em crise não terá resposta se for para imaginar que os políticos ou empresários vão fazer as mudanças pela sociedade", afirmou. Ela também defendeu o que chama de "ativismo autoral" para substituir o que classifica como "autorismo dirigido", organizado por grandes corporações, igrejas ou sindicatos.
O evento que Marina participa discute ferramentas digitais para ampliar as possibilidades de democratizar a representação política, coordenado pela organização Eu Voto. Além da ex-senadora, participa da exposição o argentino Santiago Siri, cofundador do partido de la Red.
Siri relatou a experiência do partido de la Red, na Argentina. A legenda, que foi oficializada em 2013, com atuação em Buenos Aires, propôs uma espécie de projeto piloto de democracia no Legislativo municipal da capital argentina. O partido usa um software livre, chamado Democracia OS, em que votações de projetos de lei são discutidos com eleitores. Os parlamentares da legenda se comprometem em votar pela decisão tomada através do software. 

Adolescente de 13 anos fica rica com agência de babás

Empresa criada há três anos em Nova York tem 200 clientes e faturamento de US$ 300 mil por ano.

Noa Mintz estava tão descontente com a qualidade das babás contratadas por seus pais para cuidar dela e dos irmãos que decidiu criar sua própria empresa - aos 13 anos.
Tudo começou em 2012, quando a americana ainda estava na escola, em Nova York, e lançou a Nannies by Noa, que oferece babás "interativas, criativas e confiáveis" a famílias de Nova York, diz a jovem. As profissionais são entrevistadas e têm contatos e histórico checados.
O negócio cresceu rápido: somente no ano passado, triplicou, saltando de 50 clientes em 2013 para quase 200 atualmente. E acredita-se que a empresa gere mais de US$ 300 mil por ano (cerca de R$ 966 mil reais).
"Sempre imaginei que pais em Nova York queriam esse serviço, então comecei (a empresa) bem pequena. Acreditava em qualidade ao invés de quantidade. Com o aumento da demanda, a empresa cresceu também, porque as pessoas gostavam das nossas babás e do serviço que eu estava oferecendo", disse ela, que hoje está com 15 anos, ao programaOutlook da BBC.
A jovem tornou-se uma celebridade: teve perfis em jornais e sites e foi entrevistada por programas populares de TV.
"As pessoas podem me julgar pela minha idade. Tudo bem. (Mas) a idade é só um número. Eu não tenho uma formação em negócios mas acho que eu mesmo me ensinei."
Com o crescimento do negócio, ela teve que mudar seu escritório: abandonou seu quarto para ocupar um espaço num prédio imponente em Manhattan.
Não foi só isso: aliar as responsabilidades da empresa com seus estudos provou-se um desafio. Ela, então, decidiu contratar uma CEO (presidente-executiva).
"É tudo sobre prioridades. Nos últimos dois anos e meio, cometi alguns erros", diz, citando o hábito de procrastinar como um dos maiores desafios.
"Estamos muito bem juntas. Se eu tenho mais trabalhos na escola, ela assume um pouco das minhas funções. Se eu tiver menos, assumo um pouco do trabalho dela. Então equilibramos as funções."

CEO: 'É diferente'

Allison Johnson é a CEO da empresa. Quando concorreu à vaga, não tinha ideia de que sua futura chefe seria, na verdade, uma adolescente.
"Conversamos uma semana depois e ela disse 'estou começando o Ensino Médio e não posso acompanhar a empresa, quero focar mais na escola'. Eu então parei... 'O que você disse?'", disse Allison
Jovem diz que empresa combina babás que sejam "interativas, criativas e confiáveis" com famílias de Nova York.

Advogada que cuida do patrimônio de Cristiano Araújo diz que cantor deixou dívidas e não tinha seguro

Um mês após a morte de Cristiano Araújo, a advogada da família, Amelina Morais, vem a público para afirmar que o levantamento do patrimônio do cantor ainda não foi concluído.
Cristiano Araújo (c) Facebook
Segundo a advogada, também será necessário avaliar quanto em dívidas ele deixou. "É um procedimento mais complexo, não só de patrimônio como dívidas, e ainda vamos concluir esse processo", afirmou.
Ela também negou que o cantor tenha deixado um seguro de R$ 2 milhões conforme chegou a ser noticiado.
Sobre o suposto reconhecimento de paternidade exigido pela recepcionista Sara Nellye - que afirma ser mãe de um filho do sertanejo - a advogada frisou que não irá se pronunciar sobre o assunto. "Não tem nada definido, a gente não teve mais contato com essa pessoa. Houve um primeiro contato, mas tem quase um mês, e depois não tivemos mais retorno e também não fomos atrás. Por isso, não houve uma conversa formal com a família a respeito do exame", esclareceu.
Após a morte de Cristiano Araújo, dezenas de cantores anteciparam lançamentos que continham a participação do sertanejo, porém, por parte da família o único projeto oficial que será lançado - ainda sem data definida - é um CD póstumo com cerca de dez músicas compostas e gravadas por Cristiano, inclusive a canção "Balada Prime", que ele cantou em seu último show, em Itumbiara (GO), poucas horas antes de morrer em um acidente de carro no dia 24 de junho junto com sua namorada, a estudante Allana Moraes.

Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro