sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Doria diz que se eleito irá construir AMAs, porém fechou 108 na sua passagem pela prefeitura de SP


Em pergunta sobre saúde, João Doria, ex-prefeito de São Paulo, gaguejou para responder, uma vez que protagonizou diversos ataques à saúde. Na sua primeira resposta, João Doria disse que tem como projeto para o Estado de São Paulo a abertura de AMAs para poder ampliar o atendimento básico para a população, entretanto, na sua gestão, Doria foi responsável pelo fechamento de 108 AMas.
As AMAs prestam justamente o atendimento mais básico para a população carente, e ao fechá-las, Doria superlotou toda as Unidades Básicas de Saúde, deixando grande parte da população pobre de São Paulo totalmente vulnerável.

Outro ponto que Doria tentou ressalta, foi o falido programa do "Corujão". O programa que buscava reduzir as filas para realização de exames repassou R$9 milhões de reais para grandes hospitais privados, como por exemplo Albert Einstein e Sírio Libanês. Entretanto, o SUS continuou deficitário, lotado e com muitas filas, enquanto Doria permanecia fazendo acordos ao longo de sua gestão com todas as alas da burguesia.

Além disso, afirmou que irá introduzir a "telemedicina". Os defensores dessa verdadeira barbárie contra a saúde afirmam que esse método reduziria filas e seria uma forma de atendimento de "atenção primária". Atenção primária são ações de nível de prevenção de doenças, realizadas antes do desenvolvimento da enfermidade. Esse tipo de atenção tem o objetivo de impedir que o indivíduo desenvolva a doença. Claramente, alimentação adequada, exercícios físicos e redução da carga de estresse e carga laboral são desconhecidas pelos defensores da "telemedicina". Nenhum desses pontos jamais foi levado em consideração na gestão do tucano, uma vez que foi o protagonista do escândalo da "ração", produto derivado de restos da indústria alimentícia, que tentou implementar nas escolas municipais.


Delegacia Virtual do Estado de São Paulo

Delegacia Virtual do Estado do Rio de Janeiro