A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sexta-feira, 29 de março de 2013

Simpática com fãs, Lindsay Lohan se esconde embaixo de mesa Durante festa, Lindsay Lohan se esconde embaixo da mesa do DJ


Durante a festa da revista 'Billboard', em São Paulo, na qual chegou depois de participar do evento de uma loja de roupas, Lindsay Lohan provou que consegue ser polêmica em qualquer lugar do mundo.
Em uma foto tirada pelo ex-BBB Serginho Orgastic, a atriz aparece embaixo da mesa do DJ, com a feição meio atordoada.
“Bafão: Lindsay Lohan não quis tirar foto com ninguém e ficou debaixo da mesa do DJ escondida. Tirei essa foto para vocês”, escreveu ele no Twitter.
'Tocando na festa da Billboard com a Lindsay Lohan embaixo da minha mesa de som', se gabou o DJ Gabe Simas, também no microblog.
Já o blogueiro Hugo Gloss explicou que Lindsay deixou a festa sangrando depois de ter sentado no chão em cima de um copo de vidro quebrado. Segundo ele, a atriz não bebeu nem água durante a celebração. 
Confira fotos da passagem da polêmica atriz pelo Brasil - 1 (© Caio Duran e Thiago Duran AgNews)

Confira fotos da passagem da polêmica atriz pelo Brasil - 1 (© Caio Duran e Thiago Duran AgNews)

São Paulo 'exporta' modelo de ciclofaixas de lazer


As Ciclofaixas de Lazer, que ficaram famosas por transformar as avenidas paulistanas em pistas para bicicletas nos domingos e feriados nacionais, como a Sexta-Feira Santa, estão se espalhando pelo País. Capitais e cidades do interior estão adotando o modelo como opção de lazer e atividade física. Outras estão planejando iniciar em breve a operação de eventos similares aos que acontecem em São Paulo desde 2009.
Esse é o caso de Brasília e Rio. Na capital federal, um trajeto de cerca de 7 km pelo Eixo Monumental já foi testado experimentalmente em dezembro e em março deste ano e deverá ser inaugurado definitivamente em breve. A ideia é que uma das pistas de carro fique reservada apenas para bicicletas aos domingos, das 8h às 16h, com separação por cones.
No Rio, a inauguração do percurso de 17 km ligando a Quinta da Boa Vista ao Aterro do Flamengo, dois dos maiores parques da cidade, estava marcada para este mês, mas acabou sendo adiada por questões operacionais. Curitiba também tinha ciclofaixa de lazer, mas foi desativada por falta de usuários. Deverá ser reinaugurada em breve, em outro trajeto, mais próximo de parques mais frequentados pela população.
Outras cidades já "importaram" o modelo, que está em pleno funcionamento. Em Caxias do Sul (RS), um percurso de cerca de 4,5 km funciona todos os domingos, das 14h às 20h, exceto em caso de chuva. "A ciclofaixa ajuda a inserir a cultura do ciclismo em Caxias do Sul", afirma a ciclista Ana Zaniol, de 50 anos, referindo-se tanto à adoção do hábito pela população quanto à educação de ciclistas, motoristas e pedestres para o convívio com o meio de transporte. "Depois vem a ciclovia", prevê. O evento, que já atrai cerca de 400 pessoas todo domingo, deve ser ampliado por mais três quilômetros.
Recife inaugurou ciclofaixa no domingo. Com cerca de 20 km de extensão, o trajeto engloba várias rotas que ligam as zonas sul e norte da cidade, passando pela parte histórica da capital pernambucana. "Após a consolidação dessas duas rotas, vamos ampliar as ciclofaixas para outras artérias, todas em direção ao Marco Zero", afirma o secretário de turismo do Recife, Felipe Carreras. Ele espera que, por causa do incentivo à convivência de bicicletas e carros nas mesmas vias, a taxa de acidentes de trânsito envolvendo ciclistas na cidade caia pela metade em um futuro próximo. 

Definidas atrações de palco secundário do Rock in Rio


A organização do Rock in Rio divulgou nesta terça-feira o calendário de atrações do palco Sunset, cuja proposta é mesclar estilos musicais. Os shows vão reunir mais de 50 artistas, sendo 26 estrangeiros. Esse é o palco secundário do evento. As atrações principais vão se apresentar no palco Mundo, mas será possível acompanhar todos os shows, pois as exibições no Sunset vão ocorrer às 19h20, horário em que não haverá atrações no palco principal.
Entre as atrações do Sunset figuram norte-americanos como The Offspring, Living Colour, Ben Harper, George Benson, Marky Ramone e Gogol Bordello, a neozelandesa Kimbra, a africana Angeliqué Kidjo, portugueses como Orelha Negra e Aurea e o italiano Lorenzo Jovanotti. A música nacional estará representada por Lenine, Mallu Magalhães, BNegão, Nando Reis, Elba Ramalho, Moraes Moreira e Roberta Sá, entre outros. O Sunset ainda terá três convidados especiais: Sebastian Bach, Bullet For My Valentine e Rob Zombie.
No palco Sunset os artistas podem interpretar o repertório uns dos outros, convidar mais gente para cantar e exibir sua criatividade em shows especialmente preparados para o evento. Cada apresentação começa a ser montada meses antes do Rock in Rio, em um trabalho artesanal. Os músicos se reúnem no Rio alguns dias antes de suas apresentações para realizar no mínimo três ensaios com seus parceiros.
O Rock in Rio vai acontecer nos dias 13, 14, 15, 19, 20, 21 e 22 de setembro, na Cidade do Rock, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio. A venda de ingressos começa em 4 de abril, às 10 horas, no site do festival (www.rockinrio.com.br), onde também pode ser consultada a programação completa. Cada ingresso custa R$ 260 (inteira) e R$ 130 (meia-entrada) e não há taxa de conveniência. Os ingressos serão entregues pelos Correios ou podem ser retirados diretamente no Rio de Janeiro, a partir de 16 de julho, em postos a serem definidos. Nos dias de festival a retirada poderá ser feita apenas na Cidade do Rock.

Zagallo sofre acidente de carro mas não fica ferido


O ex-técnico de futebol Mário Jorge Lobo Zagallo, de 81 anos, sofreu um acidente de carro na noite desta quinta-feira, 28, e não ficou ferido. Ele bateu com seu Honda Civic em um poste, na Praça do Pimentinha, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, por volta das 23h.
Zagallo atendido no hospital Barra D''Or e liberado em seguida. Segundo a assessoria do hospital, Zagallo não teve ferimentos e passou por exames por precaução.

Militares criticam Comissão da Verdade e homenageiam golpe de 64 Manifesto afirma que crimes de 'terroristas' não serão apurados; brigadeiro entrega documentos à comissão


Associações formadas por integrantes das Forças Armadas divulgaram um manifesto que presta "homenagem" ao aniversário de 49 anos do golpe militar de 31 de março de 1964, quando o presidente João Goulart foi deposto.
Uma carta assinada pelos presidentes do Clube Militar, do Clube Naval e do Clube da Aeronáutica critica os trabalhos da Comissão da Verdade, e chama seus integrantes de "totalitários" e de "democratas arrivistas".
"Não venham, agora, os democratas arrivistas, arautos da mentira, pretender dar lições de democracia. Disfarçados de democratas, continuam a ser os totalitários de sempre. Ao arrepio do que consta da Lei que criou a chamada 'Comissão da Verdade', os titulares designados para compô-la, por meio de uma resolução administrativa interna, alteraram a Lei em questão limitando sua atividade à investigação apenas de atos praticados pelos Agentes do Estado, varrendo 'para debaixo do tapete' os crimes hediondos praticados pelos militantes da sua própria ideologia", escreveram o general Renato Cesar Tibau da Costa, o vice-almitante Ricardo Antônio da Veiga Cabral e o tenente brigadeiro-do-ar Ivan Moacyr da Frota, todos da reserva.
O manifesto, publicado na página do Clube Militar do Rio, afirma que agentes da esquerda praticaram crimes contra militares e civis que estavam "no cumprimento do dever ou em situação de total inocência". Os autores do texto criticam a Comissão da Verdade por se debruçar apenas a violação de direitos humanos por agentes de Estado. O documento, no entanto, não faz referência a episódios de tortura ou outros crimes praticados por militares no período da ditadura (1964-1985).
"As minorias envolvidas na liderança da baderna que pretendiam instalar no Brasil tentaram se reorganizar e, com capital estrangeiro, treinamento no exterior e apoio de grupos nacionais que almejavam empalmar o poder para ?ns escusos, iniciaram ações de terrorismo, com atentados à vida de inocentes que, por acaso ou por simples dever de ofício, estivessem no caminho dos atos delituosos que levaram a cabo", anotaram os militares.
Segundo os presidentes das instituições, a ação das Forças Armadas na "intervenção" de 1964 tinha o objetivo de proteger a nação e restabelecer a ordem, "colocada em risco por propostas contrárias à índole ou ao modo de vida do Brasileiro".
"O povo brasileiro, no início da década de 1960, em movimento crescente, apelou e levou as Forças Armadas Brasileiras à intervenção, em março de 1964, num governo que, minado por teorias marxistas-leninistas, instalava e incentivava a desordem administrativa, a quebra da hierarquia e disciplina no meio militar e a cizânia entre os Poderes da República", afirma o manifesto.
O texto afirma ainda que os governos militares beneficiaram o Brasil "em todos os setores: econômico, comunicações, transportes, social, político, além de outros".
'Direção única'. Para que a versão dos militares pudesse ser examinada, em fevereiro, o brigadeiro Ivan Frota, presidente do Clube da Aeronáutica, procurou o então presidente da Comissão da Verdade, Cláudio Fonteles, para, em nome da Academia Brasileira de Defesa (ABD), encaminhar ao órgão documentos, livros e revistas como "subsídios para a apreciação isenta dos fatos", para que o grupo possa ter outras fontes de informações, e assim, "consiguir preservar a verdade" em relação ao que ocorreu durante a revolução de 1964.
Na conversa, que durou mais de uma hora, Frota aproveitou para falar "sobre a inconveniência dessa iniciativa de reviver dissensões do passado e da tentativa de apreciar novamente fatos já transitados em julgado, no Supremo Tribunal Federal.
Frota disse ao Estado que fez questão de levar os documentos a Fonteles para "ajudá-lo a ver o outro lado da história, já que ela (a comissão) tem trabalhado em uma direção única". Além do livro Orvil (que representa a palavra livro ao contrário) - Tentativas de Tomada do Poder - e de documentos produzidos pelo grupo Verdade Sufocada, foi entregue a Fonteles uma separata de número antigo das Seleções do Reader's Digest sob o título "a Nação que salvou-se a si mesma", que "relata o sentimento da população brasileira à época, sobre a revolução, e dando graças a Deus que não caminhamos para o comunismo".
Frota contou ainda que apresentou a Fonteles o descontentamento de militares e civis com o fato de que "está sendo promovido um novo julgamento patrocinado pelo governo em que um dos lados não têm direito à defesa". Para o brigadeiro, "isso é um desrespeito à Suprema Corte", ainda mais que estavam sendo considerados agora fatos sem provas e a parcialidade do grupo.
Ao justificar a necessidade de a comissão ouvir o outro lado, a carta entregue a Fonteles por Frota informa que, na época, "o Estado Brasileiro, no uso de impostergável e intransferível dever, foi obrigado a enfrentar e debelar a cruenta ameaça representada pela ação armada de facções internas, que, sob inspiração externa, tentavam substituir a ordem democrática, entre nós, por um sistema totalitário, estranho à História Pátria e aos desejos mais profundos do nosso povo, além de negador da dignidade intrínseca do ser humano, criado à imagem e à semelhança de Deus".
Na carta, o brigadeiro Ivan Frota lembra que houve "anistia ampla, geral e irrestrita a ambos os lados opostos pela guerra revolucionária vivida no Brasil". E, em seguida, acrescenta: "Por isso, dentro da situação criada pela pressão para revolver o passado, queremos contribuir para que o ódio não volte a ter primazia em razão da supremacia de visão unilateral, necessariamente partidária e/ou ideológica, sobre os eventos vividos em nossa dolorosa experiência no contexto da Guerra Fria".

Dilma cria seu 39º ministério, a Secretaria da Micro e Pequena Empresa Pasta deverá abrigar o PSD, de Gilberto Kassab, e terá gasto anual de R$ 7,9 milhões


Um dia após afetar os mercados com uma controversa fala sobre inflação, a presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira, 28, a criação do 39º ministério do seu governo, o da Micro e Pequena Empresa. A sanção deve ser publicada na edição de segunda-feira, 1, do Diário Oficial da União, informou a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.
A Secretaria da Micro e Pequena Empresa, que terá status de ministério, deverá auxiliar na elaboração de políticas de estímulo ao microempreendedorismo. As competências do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior referentes à microempresa, à empresa de pequeno porte e ao artesanato serão transferidas para a recém-criada secretaria.
Nas contas do Palácio do Planalto, o 39º ministério representará um gasto anual de R$ 7,9 milhões aos cofres públicos. O projeto de lei aprovado no Congresso Nacional previa a criação dos cargos de ministro, secretário-executivo e outros 66 em comissão.
A nova pasta deverá ser usada pela presidente para abrigar o PSD do ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab. Um dos nomes cotados para assumir o cargo é o do vice-governador de São Paulo, Guilherme Afif Domingos.
Em reunião da comissão executiva realizada no último dia 20 em Brasília, Kassab afirmou que a tendência no partido é de apoio ao projeto de reeleição de Dilma nas eleições do ano que vem. Kassab, no entanto, já comunicou à presidente que não quer indicar aliados para cargos.
A criação de mais um ministério foi alvo de críticas da oposição e de um dos conselheiros mais próximos da presidente, o empresário Jorge Gerdau, que afirmou em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo que a burrice de abrir uma nova pasta "está no limite".
No dia 15 de março, a presidente oficializou a troca de comando em três pastas – Secretaria de Aviação Civil, Trabalho, Agricultura –, em um esforço para aumentar o peso político do PMDB e amarra o PDT ao seu projeto de reeleição.

Parente de Michel Temer foi morto por dívida de R$ 300


O empresário Antônio Romano Tamer Schincariol, de 34 anos, sobrinho-neto do vice-presidente da República Michel Temer, assassinado no dia 19 deste mês, em Tietê, na região de Sorocaba, foi morto por uma dívida de R$ 300, segundo a Polícia Civil. Dois supostos autores do crime, João Augusto Teixeira, 32 anos, e Fábio Aparecido de Souza, de 30, ambos residentes na cidade, tiveram as prisões temporárias decretadas, mas estão foragidos. O delegado seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, anunciou nesta quinta-feira o esclarecimento do caso.
Segundo ele, os dois acusados estiveram no estabelecimento de Schincariol, uma oficina de máquinas de terraplenagem, para cobrar a dívida referente à venda de um par de óculos de sol. Nesse momento, a vítima chegou de carro e, ao reconhecer o veículo dos cobradores, deu meia-volta. De acordo com o delegado, os dois o perseguiram e Fábio teria disparado um único tiro com uma pistola de calibre 9 mm. A bala perfurou a porta do veículo e atingiu o empresário na altura da axila. Ele morreu na hora. O carro, desgovernado, bateu em outro veículo e subiu na calçada.
A polícia apurou que João e a vítima haviam entrado em luta corporal em dezembro, em razão dessa dívida. Ao ser detido para investigação, João alegou que não estava na cidade no dia do crime. Ele foi liberado. A polícia descobriu depois que seu carro foi flagrado por uma câmera de monitoramento, naquele dia, próximo do local do crime. Os dois suspeitos saíram da cidade no início das investigações. João já foi processado por estelionato e Fábio cumpriu pena por tráfico de entorpecentes. A polícia emitiu mandados de captura, mas espera que eles se apresentem.

Feliciano causa debandada de servidores da Comissão de Direitos Humanos Dos 19 funcionários que trabalhavam no colegiado da Câmara, somente dois ficaram


Feliciano causa debandada de servidores da Comissão de Direitos Humanos

A permanência do pastor Marco Feliciano (PSC-SP) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias provocou uma debandada de servidores. Dos 19 funcionários que trabalhavam no colegiado, somente dois ficaram. Alguns foram dispensados, outros pediram para sair. As mudanças podem provocam um prejuízo de perda de "memória" do trabalho na comissão. Exercendo a presidência sob protestos, Feliciano será levado ao Conselho de Ética pelo PPS pela suspeita de uso de recursos da Casa em proveito próprio.
A assessoria do deputado do PSC afirmou que o processo de substituições é "natural". Diz que alguns dos servidores pediram desligamento ao longo do mês e outros foram dispensados para que o deputado pudesse formar sua própria equipe. Dos 17 funcionários que saíram, 12 são efetivos da Casa e estão sendo realocados em outras atividades. Os dois servidores que ficaram pediram ao parlamentar para continuar.
Servidores que atuaram na comissão contam que sete deles deixaram os cargos por diferenças ideológicas assim que Feliciano foi eleito. Outros continuaram na expectativa de uma renúncia do pastor, o que teria levado alguns aliados de Feliciano a tomá-los por "espiões".
Ex-presidente da comissão, o deputado Domingos Dutra (PT-MA) relata que uma consequência da debandada é a perda da "memória" do trabalho realizado. "Esse é mais um capítulo dessa tragédia que se abateu sobre a comissão. As pessoas que estavam ali eram pessoas que estavam há muito tempo e tinham todo o conhecimento do que já foi feito", disse. Para ele, o PSC, que não teria parlamentares ligados à causa, também não possui servidores com o perfil necessário para o trabalho. A assessoria de Feliciano sustenta que foi feita uma transição para se absorver o máximo possível de informações dos funcionários que deixaram os cargos.
Conselho de Ética. Na tentativa de retirar Feliciano do comando da comissão, uma vez que ele se recusa a renunciar, o PPS decidiu entrar na próxima terça-feira, 2, com processo por quebra de decoro parlamentar contra o pastor no Conselho de Ética da Casa. O colegiado tem a possibilidade de decidir por um afastamento de Feliciano da função.
"Precisamos acabar de vez com a situação vexatória vivida na a Câmara desde a eleição do pastor para presidir o colegiado", afirmou o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA).
Para o PPS, além das acusações de racismo e homofobia, o pastor precisa explicar denúncias de uso irregular de verbas de sua cota na Câmara. Jordy alega que Feliciano paga com dinheiro público escritórios de advocacia que lhe defendem em processos de interesse pessoal. O pastor nega irregularidade. O deputado do PPS defendeu ainda como outra alternativa uma renúncia coletiva dos integrantes da comissão de Direitos Humanos, mas a ideia deve ser descartada pelos líderes porque a maioria do colegiado é composta por apoiadores do pastor.
Feliciano respondeu republicando nas redes sociais um vídeo que veio a público no ano passado em que Jordy estaria pedindo a uma namorada para realizar um aborto. Na ocasião, o deputado do PPS diz que apenas estava demonstrando cuidado com a gravidez, fruto de um relacionamento fortuito.
Ignorando os protestos e as pressões por sua saída, Feliciano segue tentando promover uma agenda na comissão. Sua assessoria divulgou que o parlamentar, acompanhado de outros colegas, irá à Bolívia no dia 9 de abril para tratar da situação dos 12 torcedores corintianos presos devido à morte de um garoto durante um jogo da Copa Libertadores, em Oruro. O pastor pretende ainda manter a agenda de audiências públicas no colegiado.

Relatos da ditadura Arquivos do Dops ficarão disponível na internet

Arquivos do Dops ficarão disponível na internet - 1 (© Reprodução)

O material do Dops que ficará disponível na web equivale a cerca de 10% de todo o acervo. Na imagem, o prontuário de Monteiro Lobato

Arquivos do Dops ficarão disponível na internet - 1 (© Reprodução)

O material publicado online facilita o acesso do cidadão à documentação do Estado. Na imagem, prontuário de Pelé no Dops

Arquivos do Dops ficarão disponível na internet - 1 (© Reprodução)

Das fichas publicadas que ficará disponíveis online, boa parte é nominal, ou seja, fichas pessoais. Na imagem, prontuário da Patrícia Galvão, a Pagu

Arquivos do Dops ficarão disponível na internet - 1 (© Reprodução)

O Dops paulista foi uma das principais centrais da repressão da ditadura militar (1964-1985). Na imagem, mais uma parte do prontuário de Pagu

Arquivos do Dops ficarão disponível na internet - 1 (© Reprodução)

O Dops foi palco de torturas e mortes durante o período da ditadura militar. Na imagem, outra parte do prontuário de Pagu

Para Anistia Internacional, escolha de Feliciano é inaceitável


Entidade diz que permanência do deputado do PSC na presidência da Comissão de Direitos Humanos é “preocupante”. Em nota, pede que parlamentares “reconheçam o erro” e escolham outro para assumir o cargo.
Anistia Internacional, em nota divulgada nesta segunda-feira (25), considerou a escolha do deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) para presidir a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara (CDH) como inaceitável. Para os integrantes da entidade, que tem mais de 3 milhões de voluntários em todo o mundo, os parlamentares precisam rever a indicação e encontrar um substituto para Feliciano.
“As posições claramente discriminatórias em relação à população negra, LGBT e mulheres, expressas em diferentes ocasiões pelo deputado Marco Feliciano, o tornam uma escolha inaceitável para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Proteção de Minorias. É grave que tenha sido alçado ao posto a despeito de intensa mobilização da sociedade em repúdio a seu nome”, diz a nota.
Na visão da entidade, após a manifestação de vários setores da sociedade, Feliciano deveria ter saído do cargo. Pelo regimento interno da Câmara, a única forma é ele renunciando ao cargo, já que foi eleito pelos integrantes da CDH. “A Anistia Internacional espera que os(as) parlamentares brasileiros(as) reconheçam o grave equívoco cometido com a indicação do deputado Feliciano e tomem imediatamente as medidas necessárias à sua substituição.”
No Twitter, em 2011, ele chamou negros de “descendentes amaldiçoados de Noé”. Contra homossexuais, chegou a dizer que “a podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam (sic) ao ódio, ao crime, à rejeição. Amamos os homossexuais, mas abominamos suas práticas promíscuas”.
Em discurso na Câmara, ele defendeu a limitação de divórcios a um por pessoa, pois, na avaliação dele, “uma família destruída hoje projeta sequelas por toda uma geração”. O deputado diz que a resistência ao seu nome é fruto de perseguição religiosa e de “cristofobia“. Além disso, o deputado é réu por estelionato em uma ação penal no Supremo Tribunal Federal (STF). Ele rejeita a acusação de ser racista e homofóbico.


Jean Wyllys aposta em aumento de protestos contra Feliciano


Após o PSC em manter o deputado PastorMarco Feliciano (PSC-SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH) daCâmara, o deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) disse que a decisão vai levar os movimentos sociais a radicalizarem sua postura contra o deputado. Além disso, ele pediu uma postura mais enérgica do presidente da Casa, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Na semana passada, o peemedebista disse que a situação de Feliciano era insustentável. Hoje, afirmou ser necessáriorespeitar a postura do partido.
“O PSC usou um discurso enviesado em que ele confunde a crítica pessoal ao deputado Marco Feliciano a uma crítica ao PSC. E não é isso. Em nenhum momento o partido foi acusado de machista e homofóbico. Quem foi acusado é o deputado Feliciano e as provas estão aí. As declarações são públicas e os vídeos estão na internet. Eu acho que a decisão do PSC de radicalizar vai levar os movimentos sociais no país inteiro a radicalizarem também. Então é um impasse que não é bom para o país”, disse.
As sessões para escolher Feliciano como presidente da CDH e as presididas pelo deputado do PSC foram envolvidas em confusão. Deputados bateram boca. Manifestantes interromperam a última reunião do colegiado, que não conseguiu completar uma audiência pública conjunta com a Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) sobre pessoas com deficiência. Ontem, cerca de 40 pessoas fizeram uma vigília em frente ao Congresso. Nas redes sociais, protestos não faltam contra o pastor, considerado racista e homofóbico por entidades de direitos humanos.
Para o deputado, a solução é fortalecer a frente parlamentar criada na semana passada como alternativa à CDH e continuar discutindo possibilidades com o presidente da Câmara. “O presidente da Câmara tem que sair de cima do muro. Ele tem permanecido em cima do muro até agora. Ele tem que ter um lado. Ou defende publicamente a permanência de Feliciano na comissão ou diz que vai entrar de maneira mais eficaz nessa disputa e diz que a melhor saída é que o PSC indique outra pessoa”, afirmou.
O parlamentar, único gay assumido na Câmara, afirmou ainda que as desculpas que Feliciano pediu na CDH não são sinceras. “As desculpas dele não são sinceras porque ele acredita naquilo. Eu soube que ele fez recentemente uma reunião com o embaixador do Irã e ele não fez nenhuma menção, por exemplo, aos assassinatos de homossexuais no Irá. Então ele acredita no que falou. Não basta pedir desculpas. A palavra pronunciada não é retirada”, afirmou.

"Funcionário que quebra contrato, não volta", diz diretor geral da Globo


Carlos Henrique Schroder assumiu a direção-geral da TV Globo em 2012. Na festa de lançamento da nova programação da emissora, que aconteceu na noite desta quarta-feira (27), ele falou com a imprensa. O NaTelinha esteve presente.
 
Sobre audiência, ele revelou que nunca será o fator número um para qualquer programa do canal.
 
“Nunca será nosso fator número um. Meta de audiência é consequência. Imagine se a gente tivesse falado para o João Emmanuel Carneiro que a meta de ‘Avenida Brasil’ seria de 45 pontos. A novela fechou com 43. Podemos dizer que ela foi um fracasso? De jeito nenhum. Mais do que audiência, o que importa é ter relevância”, disse.
 
Questionado pela repórter Carla Soltanovitch, do NaTelinha, Schroder falou ainda sobre funcionários que resolvem quebrar contrato para migrar para outras emissoras e foi taxativo.
 
“Se o funcionário resolve ir para outra emissora depois que seu contrato chega ao fim por motivos financeiros ou qualquer outro, tudo bem. Ele está no direito dele, é a lei do mercado. Ele pode passar um tempo fora e até mesmo voltar. Mas se ele rompe um compromisso antes do fim, é como se ele rasgasse um contrato. E aí quebra o elo de confiança. Nós preservamos a fidelidade. Como saber se alguém que quebrou esse elo manteria um novo contrato? Se o funcionário deixou a Globo com rompimento de contrato, ele não volta”, disse o diretor.
 
Ele também comentou a respeito das mudanças na grade matutina do canal e negou que a programação vespertina também sofrerá alteração.
 
“É normal que, ao abrir mão disso (programação infantil), a faixa da manhã leve um período para se adaptar. Hoje, o ‘Encontro com Fátima Bernardes’ está completamente estabelecido. Mas para mudar precisa haver um real problema. Não há, a curto prazo, nenhuma intenção de mexer na grade da tarde”, disse.
 
Nesta quinta-feira (28), a Globo exibirá um programa especial para apresentar ao grande público as suas novidades para 2013. O especial "Vem Aí" vai ao ar logo após a novela "Salve Jorge".

Deputados recorrem ao plenário contra Feliciano


Parlamentares ligados a direitos humanos vão recorrer ao plenário da Câmara para forçar a saída do deputado Pastor Marco Feliciano(PSC-SP) do comando da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDH). A intenção é apresentar um recurso questionando tanto a eleição quanto a forma de conduzir os trabalhos do colegiado. Além disso, querem diminuir o poder de Feliciano esvaziando a composição e os trabalhos da CDH.
“Na próxima semana oferecemos um recurso, porque se a Casa não tem como decidir através das suas instâncias, como o Colégio de Líderes, que este Plenário possa decidir”, disse a deputada Erika Kokay (PT-DF), que foi vice-presidenta da CDH no ano passado. Ela fez o anúncio hoje sobre a apresentação do recurso. O grupo de parlamentares, que formou a Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos Humanos, acredita que a conversa de Feliciano com os líderes, marcada para terça-feira (2), não deve surtir efeito.
Por isso, a intenção de apresentar o recurso. Os mesmos deputados já tinham acionado o Supremo Tribunal Federal (STF) para contestar a sessão que terminou com a eleição de Feliciano para presidente da CDH. Existem dúvidas regimentais sobre ela. Em especial, o fato de ter sido convocada pelo presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) sem ato oficial e com o pedido de portas fechadas.
Além disso, os deputados questionam os últimos incidentes envolvendo a comissão. Hoje, dois manifestantes foram detidos por protestos contra Feliciano. O primeiro, o antropológo Marcelo Pereira, participava de audiência pública na CDH. O outro durante manifestação em frente ao gabinete do deputado paulista. “O que aconteceu hoje na CDH é absolutamente repudiável. Tivemos o presidente oferecendo ordem de prisão a pessoas que ali estavam para exercer o direito da liberdade de expressão”, disparou.
Em plenário, o deputado Amauri Teixeira (PT-BA) disse que a “Casa da democracia” está sendo maculada pelas recentes atitudes de Feliciano como presidente da Comissão de Direitos Humanos. “Essa é a casa do povo, não podemos macular a Casa do povo com decisões repressivas. [A comissão não pode ser] palco para aqueles que querem se manter na mídia com atitudes totalmente descabidas”, disparou.
Esvaziamento
Uma das estratégias dos parlamentares que defendem a saída de Feliciano da presidência da CDH, é aumentar o número de parlamentares na comissão. Dessa forma, a bancada evangélica perderia a maioria no colegiado e não poderia garantir o quórum mínimo para votação. A possibilidade já havia sido aventada ontem (26) pelo líder do Psol na Câmara, Ivan Valente (SP). Hoje, a proposta ficou melhor definida.
De acordo com Valente, a mudança pode ser feita por projeto de resolução da Casa. Ele afirmou que ontem, cerca de 12 líderes que estiveram presentes na reunião com o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), concordaram com a estratégia e se comprometeram a, caso a proposta siga em frente, indicarem parlamentares comprometidos com causas dos direitos humanos. Ele afirmou que Henrique Alves também gostou da ideia.
Ordem
Líder do PSC na Câmara, André Moura (SE) usou a tribuna para defender Feliciano. Ele disse que a Comissão de Direitos Humanos não pode ser uma “verdadeira baderna” e justificou o pedido de prisão feito pelo deputado contra o antropólogo Marcelo Pereira. “O presidente foi enxovalhado, criticado. [O manifestante] subiu na mesa, queria tirar a palavra dele”, afirmou. Para ele, as manifestações devem ocorrer de forma ordeira.
No discurso, Moura atacou o PT. Assim como fez o vice-presidente nacional do PSC, Everaldo Pereira, ontem (26), ele disse que os petistas deveriam questionar a indicação de “dois mensaleiros condenados pelo Supremo Tribunal Fedaral” para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Foi uma referência aos deputados José Genoino (PT-SP) e João Paulo Cunha (PT-SP), ambos condenados pelo STF no processo do mensalão.
“Enquanto tivermos discursos falsos, moralistas, por membros do PT, que vêm criticar a indicação do PSC… Eles deveriam é criticar a indicação deles. O deputado Marco Feliciano vai cumprir seu mandato como o regimento determina”, finalizou Moura.

Carlos Henrique Schroder assumiu a direção-geral da TV Globo em 2012. Na festa de lançamento da nova programação da emissora, que aconteceu na noite desta quarta-feira (27), ele falou com a imprensa. O NaTelinha esteve presente. Globo promove festa de lançamento de sua nova programação; saiba como foi Sobre audiência, ele revelou que nunca será o fator número um para qualquer programa do canal. “Nunca será nosso fator número um. Meta de audiência é consequência. Imagine se a gente tivesse falado para o João Emmanuel Carneiro que a meta de ‘Avenida Brasil’ seria de 45 pontos. A novela fechou com 43. Podemos dizer que ela foi um fracasso? De jeito nenhum. Mais do que audiência, o que importa é ter relevância”, disse. Questionado pela repórter Carla Soltanovitch, do NaTelinha, Schroder falou ainda sobre funcionários que resolvem quebrar contrato para migrar para outras emissoras e foi taxativo. “Se o funcionário resolve ir para outra emissora depois que seu contrato chega ao fim por motivos financeiros ou qualquer outro, tudo bem. Ele está no direito dele, é a lei do mercado. Ele pode passar um tempo fora e até mesmo voltar. Mas se ele rompe um compromisso antes do fim, é como se ele rasgasse um contrato. E aí quebra o elo de confiança. Nós preservamos a fidelidade. Como saber se alguém que quebrou esse elo manteria um novo contrato? Se o funcionário deixou a Globo com rompimento de contrato, ele não volta”, disse o diretor. Ele também comentou a respeito das mudanças na grade matutina do canal e negou que a programação vespertina também sofrerá alteração. “É normal que, ao abrir mão disso (programação infantil), a faixa da manhã leve um período para se adaptar. Hoje, o ‘Encontro com Fátima Bernardes’ está completamente estabelecido. Mas para mudar precisa haver um real problema. Não há, a curto prazo, nenhuma intenção de mexer na grade da tarde”, disse. Nesta quinta-feira (28), a Globo exibirá um programa especial para apresentar ao grande público as suas novidades para 2013. O especial "Vem Aí" vai ao ar logo após a novela "Salve Jorge".


O ex-presidente do Senado e o parlamentar mais rico do Congresso foram os que mais acumularam ausências no Senado e na Câmara no ano passado. Além das faltas, os dois têm algo mais em comum: problemas na Justiça.
Com patrimônio declarado de R$ 240 milhões, o deputado João Lyra (PTB-AL) começou a legislatura como o parlamentar mais rico do Congresso, segundo declaração apresentada à Justiça eleitoral. Mas o usineiro alagoano terminou o seu segundo ano de mandato como um homem de negócios à beira da falência e o deputado mais ausente da Casa. João Lyra compareceu a apenas 29 (32%) das 91 sessões destinadas a votação em 2012. No Senado, ninguém faltou mais que Jader Barbalho (PMDB-PA). O senador que só tomou posse em dezembro de 2011, após ser beneficiado com o adiamento da vigência da Lei da Ficha Limpa para as eleições de 2012, registrou presença em somente 69 (55%) das 126 sessões destinadas a votação ao longo de todo o ano. Os dados são de levantamento daRevista Congresso em Foco.

Além das faltas, esses parlamentares têm, pelo menos, mais duas coisas em comum. Ambos justificaram a maioria de suas ausências e, por isso, evitaram cortes nos salários. Os dois têm um longo histórico de problemas com a Justiça que parece não ter fim.
O deputado petebista justificou todas as suas 62 faltas por motivos de saúde e obrigações partidárias. Segundo a assessoria de Lyra, um problema no ouvido o impediu várias vezes de voar para Brasília. Mas, de acordo com os registros da Câmara, ele faltou 36 vezes por questões de saúde e outras 26 para atender a compromissos políticos.
Jader teve abonadas 50 das suas 57 ausências por ter apresentado algum tipo de justificativa: foram 37 por atividades políticas, dez por motivos particulares e três por problemas de saúde. A assessoria do senador não retornou o contato da reportagem.
Suspeitas e silêncio
Ex-presidente do Senado, Jader Barbalho deixou a Casa pela porta dos fundos em 2001, quando renunciou ao mandato para escapar do processo de cassação no Conselho de Ética, após ser acusado de desviar recursos do Banco do Estado do Pará (Banpará), da Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) e do Ministério da Reforma Agrária.
Voltou poucos meses depois ao Congresso, dessa vez pela porta da frente, como o deputado federal mais votado do Pará. Com a prerrogativa de ser julgado apenas pelo Supremo, passou dois mandatos em branco na Casa: registrou presença em menos da metade das sessões realizadas nos oito anos. Poderoso nos bastidores do Parlamento e nos governos federal e estadual, não fez um único discurso nem apresentou qualquer projeto de lei no período.
Roteiro que Jader repete, agora, no Senado. Seu último pronunciamento no Congresso foi o da renúncia, 11 anos atrás. Desde então, ele também não apresentou qualquer projeto de lei. No Senado, não relatou proposição.
O silêncio de Jader custa caro ao contribuinte. No ano passado, a Casa ressarciu o senador em R$ 185 mil para cobrir despesas com a divulgação de seu mandato. O senador responde, atualmente, a seis ações penais e quatro inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) por crimes como falsidade ideológica, quadrilha ou bando, emprego irregular de verba pública, contra a ordem tributária e o sistema financeiro, além de lavagem de dinheiro.
Falência e trabalho escravo
Assim como Jader, o deputado mais ausente de 2012 também mistura a discrição no Congresso com as pendências na Justiça. João Lyra não apresentou nenhum projeto de lei nem discursou ano passado. Aos 81 anos, o parlamentar responde no Supremo pela acusação de trabalho escravo, crime cuja pena varia de dois a oito anos de prisão. A Procuradoria-Geral da República acusa o parlamentar de ter submetido 53 trabalhadores a condições degradantes e jornada exaustiva em uma de suas usinas de cana-de-açúcar.
Mas os problemas dele não param por aí. Em setembro do ano passado, a 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Alagoas decretou a falência do Grupo João Lyra.
As dívidas do grupo chegam a R$ 1,28 bilhão, segundo a Justiça. O deputado conseguiu uma liminar no tribunal suspendendo a falência até que o plenário da corte decida sobre o caso. Ele também enfrenta ofensiva dos funcionários do grupo, que lhe cobram salários e direitos trabalhistas.
Em 2006, João Lyra chegou a ser denunciado pelo Ministério Público Federal como o mandante do assassinato de um fiscal que cobrava dívida de usineiros alagoanos.
Preso, o autor dos disparos disse ter recebido dinheiro do deputado para a execução e ainda o responsabilizou pela morte de um sargento da Polícia Militar no início da década de 1990. A denúncia contra João Lyra foi arquivada em 2008 porque prescreveu em função da idade do acusado.
O deputado foi autor de uma das denúncias que custaram a Renan Calheiros (PMDB-AL), em 2007, a presidência da Casa e que quase lhe tiraram o mandato: a de que o peemedebista usara “laranjas” para comprar, em sociedade com ele, duas emissoras de rádio e um jornal em Alagoas avaliados em R$ 2,5 milhões. A denúncia foi aceita pelo Conselho de Ética, mas rejeitada pelo plenário da Casa, que absolveu o senador, que agora preside novamente o Senado. O caso, porém, ainda é analisado em um inquérito no STF contra Renan.