A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Escândalos sexuais e disputas de poder assombram a Igreja Católica.


De acordo com informações da agência "Reuters", os escândalos sexuais e disputas de poder que assombram a Igreja Católica devem desempenhar um papel importante nas reuniões prévias ao conclave que escolherá o próximo papa, e na terça-feira dois cardeais defenderam um maior debate interno sobre esses temas.

Segundo a publicação, um importante grupo de apoio a vítimas de abusos sexuais do clero também fez o que chamou de "último apelo" ao papa Bento 16 para que use sua autoridade antes da efetivação da renúncia, na quinta-feira, e puna bispos que acobertaram padres predadores em suas dioceses.

A questão dos abusos sexuais contra fiéis, principalmente menores, ganhou nova urgência depois que o cardeal escocês Keith O'Brien, acusado de comportamento inadequado com jovens padres, renunciou na segunda-feira ao comando da arquidiocese de Edimburgo e declarou que não participará do conclave na Capela Sistina.

Ainda segundo a agência, o cardeal Cormac Murphy-O'Connor, que tornou-se assim o único britânico nas reuniões a portas fechadas do pré-conclave, declarou em Londres que o abuso sexual contra crianças é o mais grave escândalo já ocorrido na Igreja. "Essa será uma das principais coisas que os cardeais irão discutir", disse Murphy-O'Connor, que não pode votar no conclave por ter ultrapassado o limite de 80 anos.

Os jornais italianos há dias especulam que conspirações e supostos escândalos sexuais dentro do Vaticano podem ter influenciado Bento 16 a se tornar o primeiro papa a renunciar em quase seis séculos, em vez de morrer no cargo.

Último apelo - Dois diretores da entidade norte-americana Swap, que reúne vitimas de abusos, chegaram na terça-feira em Roma para chamar a atenção para sua campanha por atitudes mais rigorosas da Igreja."Estamos aqui para fazer um último apelo ao papa Bento 16 para que use as últimas horas do seu papado a fim de tomar uma ação decisiva que proteja as crianças", disse David Clohessly, diretor nacional da entidade.

Nenhum comentário: