Esthetic Center

Esthetic Center
Av Maranhão, 417, Jardim Primavera

Castro Massas - Delivery

Castro Massas - Delivery
Peça já seu marmitex e lanches delivery (12) 992124729 - (12) 982035208 - Enseada - São Sebastião

Bar do Helio

DREAM HOUSE Festas Caraguá

Brasileirinho Delivery

Viela Café Caraguá

domingo, 8 de julho de 2018

CRÉDITO EM EXCESSO FAZ MAL À SAÚDE FINANCEIRA

Assim como já ocorre nas propagandas de bebidas, cigarros e remédios, a publicidade de crédito bancário passará a ser acompanhada de uma mensagem sobre os riscos do superendividamento. A frase de alerta no estilo “se beber, não dirija” ainda está sendo discutida pelos bancos, que pretendem colocá-la nos anúncios a partir de 2014.

A avaliação das instituições financeiras é que a propaganda, às vezes, é muito ostensiva, não passa a informação adequada e nem sempre é dirigida ao público alvo. “Poderíamos fazer uma analogia com a publicidade de bebidas: o crédito, em excesso, pode gerar prejuízo”, afirmou Gustavo José Marrone de Castro Sampaio, diretor de autorregulação da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).
A mudança nos anúncios é parte do manual sobre crédito sustentável que está sendo elaborado pela federação. A ideia é padronizar ainda outras questões, como treinamento de pessoal e critérios para concessão de empréstimos. Haverá ainda normas sobre informação disponível nos diferentes canais em que o empréstimo pode ser diretamente contratado, como agências, internet e caixa eletrônico. Entre elas, orientações para casos de inadimplência e liquidação antecipada da dívida. “Hoje, vários canais estão disponíveis, com seus limites de informação, e é preciso regular isso”, afirmou Sampaio, durante evento realizado pelo Banco Central sobre inclusão financeira.

Futuro

Sampaio disse que o manual é o início do processo para melhorar a concessão do crédito.
“Não existe uma bala de prata que mude o cenário atual. Não vai acabar com o problema do superendividamento. Esse primeiro texto inicia um programa para o futuro.”
O diretor de Fiscalização do Banco Central, Anthero Meirelles, disse que o endividamento das famílias vem crescendo no mesmo ritmo do avanço do crédito total e que o comprometimento de renda já mostra sinais não apenas de estabilização, mas de redução. “Isso se explica porque o crédito que mais tem crescido é o de longo prazo e de custo menor, sobretudo imobiliário e consignado”, afirmou.
A diferença entre os dois indicadores é que o endividamento considera a dívida total dividida pela renda. Já o comprometimento é a parcelado salário usada para pagar as prestações mensais.
Anthero afirmou ainda que a inadimplência segue em tendência de queda e que não vê, nem nos dados antecedentes, evidências de piora em função dos aumentos da taxa básica de juros. “Não vemos reversão da tendência de queda da inadimplência e nem acredito que venha a ocorrer”, disse. Ele destacou o aumento da renda e o nível de emprego, que ajudam os consumidores a pagar suas contas e a mudança nas regras de concessões, que estão mais rígidas, por parte dos bancos e do BC.

Nenhum comentário: