A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sábado, 24 de março de 2012

Sebastião acompanha ministro da Pesca em evento com empresários na FIESP


Sebastio_Fiesp_Crivella
O deputado estadual Sebastião Santos (PRB) participou hoje (21), na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), ao lado do ministro da Pesca e Aquicultura, Marcelo Crivella, de um simpósio do setor pesqueiro. O parlamentar representou a Assembleia Legislativa paulista e a Frente Parlamentar da Aquicultura, da qual faz parte. 
O evento, organizado pelo Comitê da Cadeira Produtiva da Pesca e Aquicultura (Compesca) da FIESP, sob a direção de Roberto Imai, e pela Associação Nacional de Ecologia e Pesca Esportiva (Anepe), presidida por Helcio Honda, teve o objetivo de estabelecer diálogo entre o MPA e setores representativos da categoria, além de empresários e investidores.
Sebastião elogiou a presença de Crivella em São Paulo e lembrou que esta foi a segunda vez em menos de uma semana que o ministro visitou o estado. “O ministro tem se preocupado com São Paulo, com o desenvolvimento do setor pesqueiro no território paulista. Isso é louvável”, disse.
O parlamentar lembrou também das lutas que tem travado para beneficiar os mais de 30 mil pescadores registrados no estado, principalmente com relação ao impedimento da pesca da maioria das espécies dos rios paulistas, além dos aquicultores, que não conseguem colocar seus tanques-redes nos rios. “Todas as vezes em que estive com o governador ele me pedia dados”, contou Sebastião, questionando a ausência de levantamentos precisos sobre o setor.
Já o ministro afirmou que São Paulo é o estado com mais barreiras no licenciamento ambiental para a implantação efetiva de parques aquícolas em rios e lagos. De acordo com o ministro, há mais de 400 projetos prontos, mas nenhum deles possui autorização da Secretaria do Meio Ambiente para ser colocado nas águas. 
“Sem autorização não tem investimento, as pessoas não conseguem se inserir e trabalham com medo, com risco de perder o que foi aplicado”, afirma ele, que busca ampliar e fortalecer o relacionamento com o estado para resolver essa questão.
Há menos de um mês no comando da pasta, Crivella disse que tem ouvido todos os setores que envolvem a produção e a extração do pescado e afirma que pretende seguir modelos de sucesso espalhados pelo mundo. “As grandes empresas surgem na origem das vocações naturais dos seus países. E nós, o único país do mundo com 12,5% de água doce superficial, somos levados a acreditar que precisamos ter uma campeã no setor da pesca”, disse.
O ministro acredita que o Brasil pode desenvolver o setor pesqueiro ao ponto de formar uma grande empresa nacional, a exemplo da Petrobras (petróleo e gás) e gigantes da mineração, soja e celulose. “O BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) acha que o setor de pesca bem organizado, bem regulamentado e estimulado, pode ser uma espécie de pré-sal. Concordo com o BNDES”. Crivella chegou a sugerir um nome para a empresa: Pescobras.
Durante o encontro, Crivella respondeu perguntas, ouviu sugestões e foi elogiado pelo seu perfil político na abertura do diálogo com representantes dos variados setores, que inclui as pescas esportiva, amadora e cultivo de peixes.
Também participaram do encontro a secretária de Estado da Agricultura, Mônica Bergamascki; deputado estadual Gilmaci Santos; deputados federais Antônio Bulhões e George Hilton; superintendente do Ministério da Pesca em São Paulo, Antônio Carlos Diniz; diretor do Instituto da Pesca do Estado de São Paulo, Edison Kubo.

Nenhum comentário: