A Beira Mar

A Beira Mar
Bar e Restaurante

sábado, 12 de janeiro de 2013

O homem deve atender "aos desejos" da mulher "no ato sexual", diz Silas Malafaia.


(Foto reprodução internet)

O pastor assembleiano Silas Malafaiaescreveu um artigo sobre a intimidade sexual dos casais. Malafaia disse tem que haver diálogo, honestidade, compreensão, confiança e também o conhecimento dos gostos e das preferências de cada um. “O marido não deve ser apressado, grosseiro, rude, mecânico ou impaciente na relação sexual; deve manter-se calmo, relaxado. Precisa tratar a esposa com carinho, deixá-la à vontade e ser sensível às necessidades e aos desejos dela no ato sexual, para que tenham prazer juntos”, ensina o pastor que também é psicologo.

“A mulher não é mero objeto de satisfação sexual do homem, nem o homem da mulher. Mas dentro do casamento deve existir uma satisfação mútua”, disse o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo

Ainda de acordo com Malafaia, “o marido que durante a relação sexual age com impaciência geralmente deixa a esposa insegura e frustrada. Isto acontece porque a mulher é mais sensível. Precisa, antes de tudo, ser bem tratada ao longo do dia, cortejada, tocada, acariciada. Precisa sentir-se amada e desejada para se entregar ao amado.”

Leia também:

O pastor também explicou, citando I Coríntios 7.4, que “o ato sexual em si reflete o envolvimento emocional entre os parceiros, e torna-se mais prazeroso quando envolve carinho e sedução mútuos. Sendo assim, além da benevolência, a entrega mútua (1 Coríntios 7.4) também é importante para um relacionamento saudável e feliz.” Nesse ponto o pastor ensina sobre a importância de respeitar os limites do outro para que eles não se violentem emocionalmente. “A mulher não pode sentir-se forçada a algo; caso contrário, criará um bloqueio psicológico, e a intimidade conjugal será prejudicada”, ensina.

Silas  Malafaia falou ainda sobre o consentimento mútuo de 1 Coríntios 7.5. “De acordo com este princípio, nenhum cônjuge pode tomar nenhuma decisão importante sem o consentimento do outro cônjuge; nem mesmo entregar-se a um jejum. Também não pode usar a atividade sexual como instrumento de chantagem emocional, para obter o que quer do outro”

Nenhum comentário: