Como você avalia os 180 dias de governo do prefeito José Pereira de Aguilar Junior

Stella Massis Congelados

Brasileirinho Delivery

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cabral nomeou secretário para manter esquema de propina, diz MPF

cabral2Ministério Público Federal (MPF) afirmou que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), nomeou o ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes para que o esquema de propina, revelado na Operação Fatura Exposta, pudesse continuar da Secretaria de Saúde do Estado.

De acordo com os procuradores, Côrtes e outros aliados de Cabral mantinham cargos estratégicos que tinham como objetivo a manutenção da propina que, segundo o MPF, foi instituída desde que Cabral assumiu o governo, em 2007. “Sérgio Côrtes foi nomeado para transferir o esquema do Into para o sistema de saúde”, afirmou o procurador José Augusto Vagos. Ainda de acordo com Vagos, a investigação da Operação Fatura Exposta é “a ponta do iceberg na corrupção da saúde do Rio”.
Na manhã desta terça-feira, Cabral e outros seis envolvidos no esquema foram formalmente denunciados por corrupção passiva, ativa e organização criminosa por irregularidades cometidas na Secretaria Estadual de Saúde, entre 2007 e 2014.
De acordo com as investigações, eram cobrados 10% de propina – 5% destinado ao ex-governador, 2% eram para Côrtes, 1% para Cesar Romero, 1% para um funcionário do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, que as investigações ainda estão tentam identificar e 1% usado para as despesas administrativas da quadrilha.
A procuradora Fabiana Schneider afirma que os 16 milhões de reais citados na denúncia  são apenas “uma pequena fração” do dinheiro movimentado pelo esquema e a organização criminosa ainda “está muito viva” e tenta interferir na produção de provas. Segundo o MPF, as investigações continuam com cooperação internacional para verificar os contratos fechados no exterior e tendem a encontrar valores superiores de propina.
O esquema de propina era alimentado pelo empresário Miguel Iskin, que comprava os agentes públicos, de acordo com o MPF. A investigação analisou cerca de 200 procedimentos licitatórios e verificou que Iskin negociava com os fornecedores estrangeiros e atuava como intermediário dos pagamentos, que eram encaminhados ao exterior.
De acordo com os investigadores, Cesar Romero é apontado como o responsável por cuidar dos valores em espécie. O ex-secretário teria realizados 35 aportes de 400 mil reais a 500 mil reais por mês para a organização de Cabral, o que teria somado cerca de 16 milhões de reais.

Nenhum comentário:

Óticas Azucar - Caraguatatuba

Óticas Azucar - Caraguatatuba
Rua: Major Ayres, 164 - Centro / Caraguatatuba

Queens Berry

WChic - Banheiros de Luxo para Eventos

Pousada Ananas - Ilhabela

O GACC - Grupo de Assistência à Criança com Câncer

Forum

Imobiliaria Tabatinga

Pousada Costa Verde

Advocacia & Consultoria Dr. Rodrigo Fernandes Henrique de Oliveira - (12) 78980953 - Id: 54*514

Advocacia & Consultoria Dr. Rodrigo Fernandes Henrique de Oliveira - (12) 78980953 - Id: 54*514

World Brazil - Agencia

Transparência Brasil

Karambola Bar

Bar do Helio

Fragus

Natureza