DREAM HOUSE Festas Caraguá

Brasileirinho Delivery

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

EUA proíbem sabonetes antibacterianos por riscos à saúde Agência americana proibiu 19 ingredientes presentes em sabonetes antibacterianos. Empresas têm até 1 ano para tirar o produto do mercado

Lavando as mãos com saboneteA agência americana de medicamentos e alimentos (FDA, na sigla em inglês) proibiu a utilização de 19 ingredientes químicos nos sabonetes antibacterianos comercializados no país. De acordo com o órgão, essas substâncias – entre as quais estão o o triclosan, comum em sabonetes líquidos, e o triclocarban, presente na maior parte dos sabonetes em barra -, além de não terem se mostrado mais efetivas que os tradicionais, podem trazer danos para a saúde, como problemas ao sistema imunológico, propiciam a resistência bacteriana e estão associadas ao desenvolvimento de alguns tipos de câncer. 
“Os consumidores podem pensar que os sabonetes antibacterianos são mais efetivos para evitar os germes, mas não existe evidência científica de que sejam melhores que água e sabão comum. Alguns dados, ainda por cima, sugerem que os ingredientes antibacterianos podem fazer mais mal do que bem em longo prazo.”, disse Janet Woodcok, diretora da divisão de drogas da FDA.
Segundo Theresa Michele, que trabalha na área de cuidados pessoais da FDA, 40% dos produtos não médicos que estão no mercado contêm ao menos um dos ingredientes agora proibidos. Os fabricantes têm um ano para cumprir as novas regras e, inclusive, alguns já começaram a retirar de seus produtos os ingredientes em questão. A proibição não inclui gel antisséptico, lenço umedecido nem produtos antibacterianos utilizados em hospitais e centros de saúde.
Apesar da proibição, a FDA ressalta a importância de lavar as mãos com sabonete para prevenir doenças. “Lavar as mãos com água e sabão é um dos passos mais importantes que um consumidor pode tomar para evitar doenças e prevenir a transmissão de germes a outras pessoas”, indicou o comunicado da agência.
Em 2013 a agência havia pedido que os fabricantes enviassem evidências comprovando a segurança e a efetividade desses ingredientes. Entretanto, a FDA disse que o material recebido não foi satisfatório em relação a 19 componentes presentes nesses produtos. Outros três compostos – cloreto de benzalcônio, cloreto de benzetônio e cloroxilenol – ainda estão sob análise da agência e por enquanto não foram  proibidos.

O Instituto Americano de Limpeza (ACI, na sigla em inglês), que representa os fabricantes, afirma que estes sabonetes são seguros. “Os sabonetes antibacterianos são chave para a saúde devido à importância das mãos limpas na prevenção de infecções. Lavar as mãos com sabonetes antissépticos pode ajudar a reduzir o risco de infecção, mais que a lavagem com água e sabonete não antibacteriano.”, disse o ACI em um comunicado.
Por outro lado, o Grupo de Trabalho Ambiental, aplaudiu o anúncio da proibição. “Esta decisão da FDA é uma importante vitória para a saúde humana e o meio ambiente”, disse Ken Cook, cofundador e presidente deste grupo, que defendia há uma década esta proibição.

Brasil

Em 2012 a Proteste avaliou a eficácia de 12 sabonetes para acabar com quatro tipos de bactérias: Escherichia coli presente no intestino grosso e nas fezes humanas, Pseudomonas aeruginosa, causadora da infecção hospitalar, Serratia marcescens, que ataca o sistema urinário e respiratório e a Staphylococcus aureus que causa infecções na pele e até pneumonia.
Oito sabonetes eliminaram a bactéria Escherichia coli, presente no intestino grosso e nas fezes humanas. Dos cinco sabonetes que anunciavam proteger a pele contra o S. aures, somente o Dettol em barra confirmou sua ação. Protex e Lifebuoy, nas versões sólidas, garantem eliminar a S. marcescens, mas só o Lifebuoy conseguiu. Embora não indiquem ação bactericida específica em seus rótulos, Granado Antisséptico, Ypê e Racco e Protex demonstraram ação antibacteriana. Por sua vez, o Protex, que afirma eliminar 99,9% das bactérias presentes na pele, não cumpriu o prometido.
Na época, a  Proteste pediu à Anvisa a padronização dos testes de eficácia bactericida realizados pelos fabricantes.

Anvisa

A Anvisa informou, em comunicado por e-mail, que no Brasil existem 215 produtos notificados como sabonetes antissépticos que contém o Triclosan e 110 com Triclocarban. Ainda segundo a agência, o Triclosan tem seu uso previsto para qualquer produto de higiene pessoal, cosmético ou perfume com a função de conservante numa concentração máxima de 0,3%. O componente também pode ser utilizado com outras funções ou concentrações desde que  sua segurança e eficácia sejam cientificamente comprovadas.
O Triclocarban também é considerado um conservante, com concentração máxima de 0,2% e pode ser utilizado com outras funções, desde que em produtos destinados a serem enxaguados, com concentração máxima de 1,5%.

A Anvisa ressaltou que “tomou conhecimento dos recentes dados relacionados aos riscos decorrentes do uso destas substâncias em cosméticos e está estudando a necessidade de revisão da regulamentação”.

Nenhum comentário:

Óticas Azucar - Caraguatatuba

Óticas Azucar - Caraguatatuba
Rua: Major Ayres, 164 - Centro / Caraguatatuba

Queens Berry

WChic - Banheiros de Luxo para Eventos

Pousada Ananas - Ilhabela

O GACC - Grupo de Assistência à Criança com Câncer

Forum

Imobiliaria Tabatinga

Pousada Costa Verde

Advocacia & Consultoria Dr. Rodrigo Fernandes Henrique de Oliveira - (12) 78980953 - Id: 54*514

Advocacia & Consultoria Dr. Rodrigo Fernandes Henrique de Oliveira - (12) 78980953 - Id: 54*514

World Brazil - Agencia

Transparência Brasil

Karambola Bar

Bar do Helio

Fragus

Natureza